domingo, 15 de outubro de 2017

RESENHA: As Brigadas Fantasma

Guerra do Velho foi um dos livros de ficção-científica mais empolgantes que já li, tanto em virtude do riquíssimo universo criado por Scalzi, quanto pela ação de tirar o fôlego. Assim, mal podia esperar para conferir As Brigadas Fantasma, o segundo volume da saga. 

No primeiro livro, conhecemos John Perry, um homem recentemente recrutado que é introduzido ao mundo em que a humanidade está colonizando o universo e luta contra diversas raças alienígenas para manter seu domínio. Em As Brigadas Fantasma, Scalzi nos leva para o centro da tropa de elite das Forças Coloniais de Defesa, onde conhecemos de perto os supersoldados: criados em laboratórios em questão de semanas, eles nascem com o propósito de defender a humanidade. E quando se descobre o conluio de três raças alienígenas para extinguir a raça humana, caberá As Brigadas Fantasma impedir o início da guerra. 

Preciso admitir que o início da leitura de As Brigadas Fantasma me pareceu bastante estranho. Isso por que há duas diferenças cruciais em comparação com o livro anterior: 1) a narrativa mudou de primeira para terceira pessoa; 2) John Perry não é mais o protagonista. Mas apesar desse estranhamento inicial, logo me acostumei à narrativa e à ausência de John. 

Apesar de vermos vários personagens que também participaram de Guerra do Velho, principalmente a tenente Jane Sagan que assume a função de liderança, a meu ver o verdadeiro protagonista de As Brigadas Fantasma é Jerad Dirac. Isso por que acompanhamos em grande parte a jornada do soldado: seu nascimento e treinamento, suas primeiras missões e o papel que desenvolve nos planos para impedir a guerra. 

Outro diferencial de As Brigadas Fantasma é que Scalzi aprofunda significativamente suas explicações a respeito do universo da saga. Mas o que mais se destaca são as reflexões trazidas à tona por causa dos soldados das Brigadas Fantasma: o autor discute temas como identidade, moral, liberdade, violência, humanidade, entre tantos outros. 

“— Não. Toda criatura tem instinto de sobrevivência. Parece medo, mas não é a mesma coisa. Medo não é o desejo de evitar a morte ou a dor. O medo se baseia na noção de que o que reconhecemos como nós mesmos possa deixar de existir. Medo é existencial.” (SCALZI, 2017, p. 311).

Outro aspecto positivo é que o autor criou personagens profundos e multifacetados, que vão muito além de simples papéis como heróis ou vilões. Assim, o segundo volume conta com um desenvolvimento psicológico muito mais acentuado em relação ao primeiro. 

A conspiração construída ao longo da estória é muito bem planejada e desenvolvida. A habilidade de Scalzi em entregar informações que passam despercebidas pelo leitor é impressionante. Assim, quando vemos as peças se encaixarem, nos damos conta das pistas deixadas pelo caminho. 

Como era de se esperar, o texto de Scalzi é fluído, dinâmico e extremamente envolvente. As cenas de ação também são muito bem construídas, deixando o leitor sem fôlego. O desfecho amarra as pontas da trama com perfeição, além de deixar mais ganchos para os próximos livros da série. 

Felizmente, As Brigadas Fantasma não sofreu da maldição do segundo livro. Scalzi manteve a qualidade e, em certo aspectos, conseguiu mostrar um amadurecimento de suas competências como escritor. Mais uma vez, Scalzi mostra o potencial da saga e deixa os leitores na expectativa pelos próximos livros.

Título: As Brigadas Fantasma
Autor: John Scalzi
N.º de páginas: 375
Editora: Aleph
Exemplar cedido pela editora

Compre: Amazon - Submarino
Gostou da resenha? Então compre o livro pelos links acima. Assim você ajuda o Além da Contracapa com uma pequena comissão.

20 comentários:

Caverna Literária disse...

O segundo volume não só não sofreu da maldição, como também recebeu vários elogios! Fiquei até curiosa com a obra, achei bem interessante o fato de o autor ousar em mudar a narrativa no volume seguinte, apresentando outros personagens e a realidade vivida por eles. Ótima resenha!

xx Carol
http://caverna-literaria.blogspot.com.br

Victor N. Souza disse...

E ai Ale! Tudo joia?

Li a resenha do primeiro livro que me chamou bastante atenção e esta agora achei interessante também, principalmente pelas características do autor.Suas resenhas são show!

Grande abraço!
www.cafeidilico.com

Ariane Reis. disse...

Oie Ale =)

Como não lembrava de conhecia ou tinha lido a resenha do primeiro livro, tive que conferir ela primeiro rs...

Gostei dos pontos que você destacou e acredito que é uma série que vale a pena dar uma chance. Pois fiquei bem curiosa agora rs...

Beijos ;***

Ane Reis | My Dear Library 

Sil disse...

Olá, Alê.
Eu não sou muito fã do gênero, por isso não me interessei nem pelo primeiro da série hehe. Mas que bom que o segundo livro se mostrou até melhor que o primeiro em vários aspectos. Vou indicar para meu sobrinho que ama o gênero e acho que ele ainda não conhece porque nunca vi ele falando dessa série.

Prefácio

Gabriela CZ disse...

Pelo visto o autor ousou e deu super certo, Alê. Há pouco tempo comprei A Guerra do Velho porque seus elogios a obra não me saiam da cabaça, e agora vejo que é bom ler logo e tratar de arranjar a continuação o quanto antes. Ótima resenha.

Beijos!

Mrs. Margot disse...

Não conhecia o livro, mas não é muito o género que gosto de ler. Mas é uma boa resenha =)

MRS. MARGOT

RUDYNALVA disse...

Alê!
Bom ver que essa continuação não caiu na maldição do segundo livro e para uma surpresa ainda maior, abordou um lado mais psicológico que supera o primeiro e ainda continuou com a ação e com muita aventura, bacana!
Semaninha alegre e feliz!
“No fundo, morrer não seria nada. O que não suporto é não poder saber como terminará.” (A. Amurri)
Cheirinhos
Rudy
TOP COMENTARISTA DE OUTUBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

Vanessa Vieira disse...

Gostei da resenha Alê. Não faz muito o meu estilo de livro, mas achei o enredo bem promissor. Abraço!

www.newsnessa.com

Monyque Evelyn disse...

Ainda não conhecia, gostei da sua resenha :D

http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

Mariele Antonello disse...

Eu não conhecia o livro Guerra do Velho, mas como gosto de livros de ficção-científica, acabei me interessando em ler estes livros; A história de As Brigadas Fantasma, parece ser muito boa, que bom que o autor soube desenvolver muito bem os personagens, criando assim personagens profundos e multifacetados, seus comentários positivos sobre este livro me deixaram muito curiosa para ler esta série, adicionei os livros em minha lista de leituras.

Nicole Longhi disse...

Não conhecia o livro e nem autor. Não faz o meu tipo leitura, mas gostei de saber que faz um bom desenvolvimento psicológico os personagens.
Bom saber que não houva a maldição haha

beijos

Alessandra Salvia disse...

Oi Ale,
Acho que esse é um gênero que não faz muito meu estilo... Acho super interessante, mas não consigo me prender a história.
O que é uma pena...
Beijos
http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

Tamires Marins disse...

Oi, Alê

Que bom que a leitura fluiu depois do estranhamento inicial. Achei inusitado o fato de mudar a narrativa de primeira para terceira pessoa, acho que nunca me deparei com isso.
Eu não leria porque não curto muito ficção científica, então acredito que seria contraproducente tentar, mas parece um bom enredo.

Beijocas
- Tami
http://www.meuepilogo.com

O Que Tem Na Nossa Estante disse...

Oi Alê! Tão bom quando um livro não sofre a maldição do segundo livro hehehehe eu ainda quero ler Guerra do Velho pq adoro essa mescla de ficção com ação e gosto tb de uma boa conspiração. Excelente resenha como sempre!

Bjs, Mi

O que tem na nossa estante

Vivian San Juan disse...

Olá!

Não conhecia a série, mas achei bem interessante mesmo não sendo muito fã de ficção científica. Só achei estranho isso da mudança de narrativa do primeiro para o segundo livro, mas que bom que fluiu bem.

Beijos

Vivian
Saleta de Leitura

Marta Izabel disse...

Oi, Alê!!
Gostei bastante da resenha, e ainda bem que esse livro não sofreu da maldição do segundo livro. É pelo que vi é justamente ao contrário, a estória continua bem desenvolvida e envolvente!! Com certeza é uma excelente indicação de leitura!!
Bjoss

Karol Nascimento disse...

Oiiiii....
Eu apoio ficção científica mas infelizmente não li a Guerra do velho apesar que muitas pessoas falarem que é muito bom...vc falou que o defunto livro também e bom e isso me deu um gás para começar a ler esses livros..espero que minha leitura seja tão boa como a sua foi...otima resenha...
Bjs

Karol Nascimento disse...

Oiiiii....
Eu apoio ficção científica mas infelizmente não li a Guerra do velho apesar que muitas pessoas falarem que é muito bom...vc falou que o defunto livro também e bom e isso me deu um gás para começar a ler esses livros..espero que minha leitura seja tão boa como a sua foi...otima resenha...
Bjs

Paula disse...

Oi ALê, não costumo ler ficção científica, mas li alguns e gostei. Gostei por ser bem reflexiva. Gostaria de ler a Guerra do velho que já ouvi elogios. Já as brigadas fantasma eu desconhecia, pensei que a Guerra do velho fosse volume único. Que bom que esse livro não te decepcionou, mesmo com as mudanças, pelo contrário só aprofundou mais a parte psicológica dos personagens.
Quando tiver a chance lerei.
Um beijo
Paulinha S

Ana I. J. Mercury disse...

Tô na dúvida entre lê-lo ou não.
O tema é bom, me deixou curiosa, mas também achei-o meio confuso e cheio de reviravoltas.
Vou pensar mais kkkkk
bjs

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger