domingo, 26 de novembro de 2017

RESENHA: Eleanor Oliphant está muito bem

Eleanor Oliphant está muito bem Gail Honeyman
Assim que li a sinopse de Eleanor Oliphant está muito bem, achei que o livro poderia contar com uma estória promissora. Mas apenas depois de descobrir a indicação de John Boyne, meu autor “queridinho” do momento, que tive certeza que encontraria uma estória marcante. 

Eleanor Oliphant sempre foi uma pessoa solitária. Ela seguia sua rotina de forma mecânica, evitando qualquer aproximação social. Porém, uma série de eventos a obriga a apreender sobre os relacionamentos humanos. Mas o que ela não esperava era que essa nova vida social a levasse a visitar os fantasmas do passado. 

Eleanor é uma protagonista muito bem desenvolvida. Ao mesmo tempo em que vemos suas constantes afirmações de que está tudo bem, de que ela gosta da solidão, percebemos nas entrelinhas da que a realidade é outra. Eleanor deseja, desesperadamente, ter um convívio social. Alguém a quem possa chamar de amigo ou de namorado, alguém que a ame de forma incondicional. 

Aos poucos a autora vai dando pistas de que por mais incomuns que sejam os hábitos e manias de Eleanor, percebemos que houve um grande trauma em seu passado. Trauma que não foi superado e que a obrigou a se fechar em si mesma, numa vã tentativa de se proteger da dor. E ao se fechar em si mesma, Eleanor se fechou para o mundo ao seu redor. Assim, o cerne do livro é este lento desabrochar da protagonista, seu retorno ao mundo que ela sempre evitou. 

“Há cicatrizes em meu coração, tão grossas e desfigurantes quanto as do meu rosto. Sei que estão ali. Espero que reste algum tecido ileso, uma área através da qual o amor possa entrar e fluir para fora. Espero.” (HONEYMAN, 2017, p. 86)


O motivo pelo qual Eleanor começa a se abrir, fazendo novas amizades e se permitindo novidades, parece ser fraco — e até mesmo adolescente — em um primeiro momento. Mas considerando o contexto da estória e o desenvolvimento da personagem, entendemos exatamente porquê Eleanor se deixou levar por algo tão banal. 

Quando descobrimos mais informações sobre o seu passado, sentimos a dor de Eleanor na mesma intensidade que ela a sente. E o pior é perceber que essa dor sufocada moldou a personalidade dela, sua forma de enxergar o mundo e de viver. É por isso mesmo que a jornada da protagonista, sua evolução e superação, é tão impactante. 

Como esperado, Eleanor Oliphant está muito bem aborda diversos temas, tais como relacionamentos, perdão, solidão, autoconhecimento, depressão, entre muitos outros. Apesar de esbarrar em alguns clichês, a autora soube abordar estes assuntos de forma bastante natural, sem tentar passar lições de vida. 

Preciso registrar que a leitura do livro ocorreu em um momento bastante turbulento da minha vida. Gostei da estória e da personagem, mas creio que em virtude destes fatores externos acabei não me envolvendo tanto quanto poderia. 

De qualquer forma, Eleanor Oliphant está muito bem é um drama sincero e honesto, fundamentando em uma protagonista desenvolvida com maestria e que não depende de reviravoltas absurdas para se sustentar. 

Título: Eleanor Oliphant está muito bem
Autora: Gail Honeyman
N.º de páginas: 351
Editora: Fábrica 231
Exemplar cedido pela editora

Compre: Amazon
Gostou da resenha? Então compre o livro pelos links acima. Assim você ajuda o Além da Contracapa com uma pequena comissão.

11 comentários:

Luiza Helena Vieira disse...

Oi, Alê!
No momento, estou passando longe de dramas, mas anotei a dica.
Beijos
Balaio de Babados
Participe das promoções em andamento e ganhe prêmios maravilhosos

RUDYNALVA disse...

Alê!
Dramas existenciais que trazem traumas psicológicos, impedindo uma maior interação social, é um tema que muito me agrada.
Pelo jeito a evolução lenta da nova vida de Eleonor e os motivos que a deixaram fechada em si mesma, vamos desvendando aos poucos durante a leitura do livro.
Desejo uma ótima semana!
“A poesia contém quase tudo que você precisa saber da vida.” (Josephine Hart)
cheirinhos
Rudy
TOP COMENTARISTA novembro 3 livros, 3 ganhadores, participem!

Naiara Fidelis Da Silva disse...

A historia parece ser intensa e ao mesmo tempo incrível, mas confesso que não sei se eh leria ou não.De vez em quando é bom ler um drama, mas eu tenho que estar no clima e de bem comigo mesmo.

Monyque Evelyn disse...

Amei :D

http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

Vivian San Juan disse...

Oi Ale!

Parece ser um drama bem intenso e fiquei curiosa para saber sobre os traumas que levaram a protagonista a se fechar em seu mundinho. Gostei da dica!

Beijos

Vivian
Saleta de Leitura

bruna maria disse...

A história parece ser bem interessante, gostei
os relatos de uma jornalista

Marta Izabel disse...

Oi, Alê!
O livro parece ser bem interessante, gosto de dramas e fiquei bem investigada para fazer essa leitura! Adorei a indicação!
Bjoss

Vanessa Vieira disse...

Gostei da resenha Alexandre. Achei o plot do livro interessante, afinal histórias sobre amadurecimento e despertar acabam sendo bem motivadoras. Abraço!

www.newsnessa.com

Carolina Santos disse...

Super me identifiquei com essa sinopse. Vou adicionar esse livro na minha lista do skoob pra ler depois. Mas essa sinopse foi feita pra mim

Ana I. J. Mercury disse...

Oi Alê,
gostei muito da sua resenha também!
Pareceu-me um livro muito reflexivo, sobre vários pontos e problemas da vida comum.
Fiquei curiosa,
abraços

Gabriela CZ disse...

Gostei, Alê. Não tinha me interessado tanto quando li a sinopse, mas com seus comentários vi que pode ser uma ótima leitura. Quero ler. Ótima resenha.

Beijos!

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger