terça-feira, 25 de dezembro de 2012

RESENHA: A Viagem do Tigre

 “Será que eu realmente poderia ser feliz com qualquer um dos dois? Será que Ren e eu poderíamos voltar a nos apaixonar? (...) Eu nunca havia considerado a sério um futuro com Kishan. Tinha tanta certeza da minha relação com Ren...Agora que as lembranças dele sobre nós não existiam mais, eu nem sabia se seria possível recuperar o que tínhamos perdido.” (HOUCK, p. 58, 2012)

O terceiro livro da saga dos tigres vem a acentuar os aspectos que a série tem de melhor e também de pior. Reforça que a história é, acima de tudo, uma grande e deliciosa aventura mas que, infelizmente, insiste em um triangulo amoroso dispensável e pouco convincente.

Cinco dragões. É isso que está no caminho de Kelsey, Ren e Kishan nesta terceira aventura. Seu objetivo é encontrar o colar da Deusa Durga a fim de quebrar mais uma parte da maldição e proporcionar aos tigres mais seis horas diárias como homens. Com a ajuda do Sr.Kadam, e Nilima, os três tentam vencer os desafios enquanto lidam com seu complicado relacionamento amoroso.

Quem acompanha o blog sabe que eu não sou fã do gênero YA, mas a série do tigre me chamou a atenção por contar com uma mistura de elementos que podiam render (e rendem) uma ótima história. Mas, levando em consideração a minha pouca familiaridade com o gênero, vocês - queridos leitores que talvez tenham mais conhecimento de causa do que eu – me expliquem uma coisa: é regra obrigatória haver um triangulo amoroso nesse tipo de livro? Porque eu não consigo pensar em algo mais desnecessário para essa trama do que o forçado coração dividido de Kelsey. Eu entendo que quando uma história tem um romance principal o casal não pode viver feliz para sempre desde o inicio, mas os percalços no caminho podem ser mil outros que não necessariamente uma terceira pessoa envolvida. Principalmente se essa pessoa for o irmão de uma das partes (não importa o quão tentador, sexy e romântico ele seja e quantos músculos definidos ele tenha no abdômen)! Seu namorado esqueceu (literalmente) você? Ok, isso não é motivo para você se forçar a amar o “cunhado” só porque ele está (inexplicavelmente) a fim de você. E faço aqui a minha principal critica sobre “A Viagem do Tigre”: o que aconteceu com Kishan? Nos primeiros livros, ele era referido como “o irmão bad boy de Ren”. De repente, ele se tornou o leal e super confiável. Aquele com quem Kelsey sabe que terá um futuro seguro. Como assim? Eu sou a favor da evolução dos personagens (lógico), mas mudar a criatura da água para o vinho não é evolução. É estranho e descabido. Eu senti como se a essência de Kishan tivesse sido roubada e jogada fora. Onde foram parar suas falhas de caráter que o faziam interessante? Cadê aquele tempero extra que o fazia tão oposto ao adorável Ren e justamente por isso o tornavam tão promissor para a trama? Não, não! Eu me nego a aceitar isso! Eu quero o velho Kishan de volta!

Mas chega de reclamações que “A Viagem do Tigre” não merece isso. Deixando de lado esse aspecto da história (e os mimimis de Kelsey) o livro é só aventura e nesse aspecto funciona muito bem. Os dragões foram perfeitos para a história, com a dose exata de magia e perigo que uma série como essa pede. As pesquisas sobre mitos, a aparição da Deusa Durga e de outros personagens como a Lady Bicho-da-Seda, tudo se encaixa na trama do livro, e no mundo criado pela autora, de maneira exata e rendem ótimos e divertidos momentos. É uma pena que a autora insista em querer nos distrair do que realmente importa.

Apesar das criticas, gosto muito da combinação dos elementos apresentados na série e simpatizo muito com a maioria dos personagens (em especial os tigres – ambos - e o queridíssimo sr. Kadam).

O livro não é perfeito, mas o balanço dos saldos positivos e negativos é, no final das contas, positivo. “A Viagem do Tigre” é muito melhor que “O Resgate”, mas não consegue superar o encanto de “A Maldição”. Seu lado místico e aventureiro é impecável e espero reencontrar esses elementos no próximo volume, “O Destino do Tigre”.

Título: A Viagem do Tigre
Autora: Coleen Houck
Nº de páginas: 483
Editora: Arqueiro

11 comentários:

Letícia Valle disse...

Tem toda razão Mari! Eu tb não gosto do triângulo amoroso nem da mudança de Kishan!! Li o livro há mil anos em inglês na internet, adorei a saga. Não tenho nenhum dos três livros, mas quero que lancem logo o filme. Parabéns pela resenha, vou

Letícia Valle disse...

Ops sorry, nem terminei o comentário rs . vou passar mais por aqui! Da uma passada no meu blog, não faço resenha mas e legal ^^ litteraturamundi.blogspot.com fanpage facebook.com/litteraturamundi e Twitter @litteratura_m Bjos!

Aione Simões disse...

Oi Mari!
Hahahaha eu ri com seu desabafo! Os triângulos amorosos não são obrigatórios, mas, como funcionaram em alguns livros, parece que todos quiseram utilizá-lo também.
Eu até tive vontade de ler a série por conta dos comentários de A Maldição, mas já foram tantos comentários negativos nos livros subsequentes que eu desisti, principalmente porque não sou muito fã de sobrenatural, como você. Ainda, se aquilo que tinha mais chance de me ganhar - o romance - é a parte mais falha da história (não comentada apenas por você), realmente prefiro não arriscar.
De qualquer forma, apesar dos pesares, que bom que a história é boa e melhor do que seu antecessor. O próximo é o último? Se for, espero que a autora feche com chave de ouro!
Beijão!

Virginia de Oliveira disse...

Também não curto triângulos amorosos mas ultimamente é muito difícil encontrar um livro que não tenha um. Já li A maldição do tigre e Comprei o Resgate do tigre mas ainda não o li. Apesar desse triângulo amoroso gostei da história do livro que muito ler as continuações.

Eduarda Menezes disse...

Mari, entendo COMPLETAMENTE a sua revolta. Se eu começar a falar aqui sobre isso, não vou mais parar HUAHUA Você viu o meu comentário enorme na resenha de O Resgate do Tigre, né?
Ai, tão desapontada com a Colleen. Esse é o pior triângulo amoroso de que eu tenho notícia, todo mundo se irritou, foi geral. É tão nada a ver, todo mundo sabe com quem ela vai ficar e os motivos que ela aponta pra ficar com o Kishan são péssimos. Sim, e eles são IRMÃOS!!! Ela acha isso natural? Ficar pulando de um irmão para o outro? A Kelsey me irrita tanto e todo esse bla bla bla de triângulo que todo o brilho que a série tinha para mim acabou se perdendo. Sim, eu adorei A Maldição do Tigre, foi lindo e mágico e para mim ele sempre será o melhor.
Pelo menos a parte da aventura e toda a pesquisa que a Colleen sempre faz antes de escrever, ainda consegue agradar.
Beijos!

Daiane Carvalho disse...

Olá :D
Essa série definitivamente me encantou, amei A Maldição do Tigre, digno de 5 estrelas. Também adorei o Resgate do Tigre mas não foi tão bom quanto o primeiro. Estou ansiosa para ler A Viagem do Tigre.
Gosto de triângulos amorosos mas preferiria que os dois candidatos tivessem as mesma chances. Daí seria mais interessante (digo triângulos amorosos em geral), mas A Maldição do Tigre é meu queridinho.
Participando do Top Comentarista.
Quero muito ganhar. Não, Eu preciso ganhar!
GFC - Daiane Carvalho

Beijos, Dai :*

Nardonio disse...

É realmente chato essas inserções de triângulos amorosos nos livros. E quando alguns dos envolvidos são chatinhos (Kelsey, por exemplo), a coisa complica muito mais. O bom é que a autora está conseguindo desenvolver uma boa história com os outros elementos. Estou esperando o lançamento de todos os volumes pra começar a ler.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Francielle de oliveira silva disse...

Nossa! Pela resenha parece ser uma série muito boa!
Gosto muito de estórias fantasiosas...o mundo real é tão sem sal...
Sem contar que ele é narrado em primeira pessoa, o que me permite SER a personagem...ah, a catarse!
Bom, confesso que também estou cheia de triângulos...apesar que os que eu já vi (Twilight e TVD) foram muito bom para despertar aquela "simpatia" entre os Teams..rsrsrs...
Com certeza, vou ler!

Mey disse...

Bem, acho que a maioria dos sobrenaturais tem um bom triangulo amoroso, e quer saber, as vezes irrita um pouco mesmo. Tenho apenas o primeiro livro, por esse motivo aida n comecei minha leitura. Espero poder ler em breve. Sou apaixonada pelas capas,acho linda!!! Bjkss

Meyre Christina

disse...

Eu já li o primeiro e comprei o segundo e o terceiro,começei a ler o segundo e estou achando uma porcaria e eu andei dando uma olhando no final do terceiro e conclui que a Kelsey é a personagem mais fácil que já vi em um livro,acho que ela o primeito cara que der oi a ela

disse...

Eu já li o primeiro e comprei o segundo e o terceiro,começei a ler o segundo e estou achando uma porcaria e eu andei dando uma olhando no final do terceiro e conclui que a Kelsey é a personagem mais fácil que já vi em um livro,acho que ela o primeito cara que der oi a ela

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger