quarta-feira, 13 de março de 2013

RESENHA: O Redentor

“— Na maioria dos casos, saber quem matou é normalmente a parte fácil. É o candidato óbvio. O marido. O cara com ficha suja. E nunca o mordomo. O problema é outro, é provar o que sua cabeça e sua intuição já contaram faz tempo.” (NESBO, 2012, p. 62).

***

Mesmo estando um tanto quanto ressabiado com escritores noruegueses (leia-se: Alexander e Alexandra Ahndoril, autores de O Hipnotista), o aval de Michael Connelly, meu autor favorito, na capa de O Redentor pôs um fim a minha resistência, que se mostrou infundada.

Uma garota de quatorze anos é estuprada em um acampamento do Exército da Salvação. Doze anos depois um matador de aluguel está a solta em Oslo, e após assassinar um membro da mesma instituição, cabe ao inspetor Harry Hole capitanear a busca pelo homicída.

Embora o início do livro seja um pouco lento, Nesbo não demora a capturar a atenção do leitor, dando início a uma caçada de tirar o fôlego. Além de uma narrativa impecável, o autor demonstra a sua genialidade ao compor uma estória que aparenta ser simples, mas que revela sua crescente complexidade ao findar de cada capítulo. A trama, mesmo sendo intricada, não deixou pontas soltas no final.

Os personagens de O Redentor são um capítulo a parte. Todos, absolutamente todos, foram bem construídos. Muitos autores limitam-se a dar um nome e uma profissão a seus personagens. Nesbo vai além e lhes confere personalidades extremamente realistas. Destaque para Harry Hole, o inspetor ex-alcoólatra que ainda luta contra o vício.

Minha única crítica é o exagero de referências a um caso anterior que Hole trabalhou, o que, deduzo, seja a trama de outro livro. Se você é autor e quer mencionar algo que aconteceu em um livro anterior da série, sem problemas, mas cuidados com spoilers, por favor!

Mesmo que não tenha prejudicado minha leitura, sinto-me obrigado a registrar que alguns diálogos são em inglês. Imagino que na Noruega seja natural falar mais de um idioma, e por isso não deve ter soado estranho a utilização deste recurso naquele país. Mas fique tranquilo, pois estes diálogos são compreensíveis para quem conhece o mínimo da língua, além de não serem freqüentes.

Encerro declarando o óbvio: Nesbo sabe conduzir um livro policial como poucos autores. Não é por menos que Michael Connelly afirmou que: “Jo Nesbo é meu novo autor de romances policiais preferido, e Harry Hole, meu novo herói.”

Título: O Redentor
Autor: Jo Nesbo
N.º de páginas: 417
Editora: Record

15 comentários:

Aione Simões disse...

Oi Alê!
Como admiradora do gênero também, fiquei curiosa pela leitura principalmente pela complexidade não aparente da história e pela construção dos personagens.
Não conhecia o autor e ficarei mais atenta sobre suas obras!
Beijos!

Ana Paula Barreto disse...

Adoro livros do gênero, mas nunca li nada do autor (e de nenhum norueguês, diga-se de passagem). Acho que o que mais me atraiu foi a constituição e elaboração dos personagens. Em livros de ação, mistério e desdobramento de casos, muitos autores se esquecem que os personagens são mais do que nomes.
Anotei e pretendo ler.
bjs

GFC: Ana Paula Barreto

Manuela Cerqueira disse...

Bom, este tipo de história não faz muito meu estilo então não me animei para ler o livro.
Primeira vez que leio algo sobre este autor...

GFC: Manuela Cerqueira

cristiane disse...

Gosto desse tipo de livro, mas não senti lá muita vontade de ler esse. Sei lá, parece bem bom mas não estou com animo pra esse tipo de história no momento. Quem sabe no futuro?

cristiane dornelas

Manu Hitz disse...

Boa sinopse e sua resenha sincera me mostrou que vale uma conferida. Gosto especialmente que as personagens sejam interessantes, com construídas e que tenham o que mostrar e acrescentar à leitura, realmente.

GFC: Manu Hitz

Enfim Shakespeare disse...

Adoro livros policiais tem uma narrativa diferente e mistérios incriáveis, que bom que elogiou o livro.

http://enfimshakespeare.blogspot.com.br/

Eduarda Menezes disse...

Oi Alê,
Eu tinha visto esse livro numa promoção e fiquei louca pra comprar, mas estava(estou) naquela de me segurar quanto a novas aquisições.
O enredo parece ser ótimo, difícil resistir a um bom livro de suspense, ainda mais quando recomendado por um autor como o Connelly.
Bons personagens e uma trama sem pontas soltas é tudo que um suspense policial deve ter!
Beijos!

Gladys Sena disse...

Para começar já achei a capa impressionante!
Temática policial e bem amarradinha é sinônimo de boa leitura, ;)
Não conhecia esse livro.

GFC: Gladys.

Gislaine Alves disse...

O próprio autor dando spoiler de seus outros livro é demais, hahahah
Não gosto desse gênero (acho que já disse isso, mas não custa repetir). Mas gosto de livros bem amarrados e a resenha me deixou com vontade de lê-lo, só não sei quando :s

Gislaine,
http://jeito-inedito.blogspot.com

cath´s m. disse...

Percebi que vou conhecer vários livros nesse blog.
Não conhecia esse também e com sua resenha gostei, me deixou com vontade de ler.
Dês da sipnose ao enredo que o autor parece apresentar.

cath´s_m

Jessica Lisboa disse...

Apesar de ter um enredo legal o livro, acho que eu empacaria com essa historia.

Jessica Lisboa

Clara Beatriz disse...

A história parece ser bem interessante, mas não gosto muito da temática que o livro aborda. Achei a capa muito misteriosa!

Andreza Galvão disse...

Amo histórias policiais! E gostei bastante de sua resenha, me deixou bem curiosa em relação ao livro!

GFC: Andreza Galvão

Nardonio disse...

Acho que o que me incomodaria seriam esses diálogos em Inglês, pois não sei nada, nada. Mas como você disse que não são frequentes, acho que dará pra passar sem problemas. Nada que um dicionário ao lado não resolva. Rsrsrs
E se Michael Connelly aprovou o autor, não tem como não o ler.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Unknown disse...

Se não leu nada de Jo Nesbo, leia logo!!Fantástico no gênero! ☺

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger