domingo, 7 de abril de 2013

RESENHA: O Vale do Terror

“Era para esse tipo de instantes dramáticos que meu amigo existia. Seria exagero dizer que uma informação tão extraordinária o escandalizaria ou comoveria. Absolutamente desprovido de crueldade, ele, no entanto, se endurecera de tanto viver no sensacional. Mas, se suas emoções estavam embotadas, sua inteligência havia conservado a agilidade excepcional.” (DOYLE, pag. 29, 2012)

Sherlock Holmes recebe um bilhete criptografado que é facilmente decifrado graças às inúmeras habilidades do detetive. A mensagem avisa que um tal Douglas está em perigo em Birlstone. No mesmo dia, um policial chega à casa de Holmes para pedir ajuda ao detetive, pois o Sr. Douglas foi assassinado em sua mansão - a Birlstone Manor House. Holmes não sabe quem cometeu o crime, mas sabe quem, de alguma forma, está por trás de tudo: cérebro criminoso mais inteligente que existe, o professor Moriarty. Chegando ao local do crime, Holmes se depara com um cenário inusitado que reduz os suspeitos a poucos. Através da viúva, criados e amigos, o detetive descobre que Douglas guardava muitos segredos, especialmente sobre um período de sua vida. Comentários perdidos ao longo dos anos e frases ditas em delírios fornecem algumas pistas a respeito do que a vítima esconde e do que tanto temeu durante vinte anos. É assim que Holmes conhece o Vale do Terror.

“O Vale do Terror” é uma das poucas aventuras protagonizadas por Sherlock Holmes escritas na forma romance - visto que o personagem costuma figurar com mais frequência em contos – e a última escrita por Conan Doyle neste formato.

Embora esta não seja a história em que o detetive esteja mais em destaque (reflexo da pouca vontade por parte do autor de continuar criando aventuras para o detetive, talvez? - Para aqueles que não sabem, após dois romances e uma série de contos, o autor decidiu matar seu personagem mais popular, o que obviamente não foi bem aceito pelo público, de forma que precisou ressucitá-lo para mais algumas aventuras. É a essa “segunda fase” que “O Vale do Terror” pertence) é uma das minhas favoritas e apresenta um caso com as características das melhores tramas policiais: é incompreensível à primeira vista, mas absolutamente simples em essência. Algo que só pode ser reconhecido por uma mente privilegiada como a de Sherlock Holmes.

Como a maioria das aventuras da dupla, “O Vale do Terror” é narrado pelo Dr. Watson e desenvolve-se em duas partes: a primeira, onde é apresentado e desvendado o crime; e a segunda, onde o leitor regride vinte anos a fim de conhecer o verdadeiro Vale do terror, voltando ao presente apenas para preencher as lacunas restantes a respeito do mistério da vida do Sr. Douglas. E é nesse momento que a história se tornou uma das minhas favoritas. Embora eu estivesse me achando muito esperta acreditando estar prevendo todas as surpresas que o autor poderia ter criado, Conan Doyle se revelou muito mais esperto que eu, entregando um daqueles desfechos que faz o leitor arregalar os olhos, incrédulo. Sem dúvida o mais surpreendente das histórias de Sherlock Holmes, mesmo que o detetive participe apenas da primeira metade da história e depois de seu desfecho.

Aliando uma linguagem clássica com os melhores elementos das histórias policiais, o livro envolve o leitor em uma áurea misteriosa desde a primeira página – quando Holmes recebe o bilhete – até a última – onde revela suas últimas conclusões.

A nova capa de “O Vale do Terror” transmite com sucesso a atmosfera sombria e misteriosa da história. Vale comentar que além deste os outros três romances de Conan Doyle (“Um Estudo em Vermelho”, “O Signo dos Quatro” e “O Cão dos Baskervilles”) ganharam uma nova roupagem na coleção da Editora Martin Claret e estão lindos (destaque para “O Signo dos Quatro”).

Essa edição conta ainda com um prefácio (Um Estudo: Um Retrato de Sherlock Holmes) que faz um apanhado geral sobre a personalidade do detive, incluindo alguns quotes que ajudam a ilustrar porque ele se tornou um dos detetives mais memoráveis da literatura policial. Vale muito a pena, especialmente para aqueles que só conhecem o personagem das inúmeras adaptações feitas pelo cinema ou TV, mas que nunca foram apresentados a ele nas páginas.

Por fim, já que mencionei adaptações, não posso deixar de recomendar (mais uma vez) a excelente série “Sherlock” que traz o detetive e seu leal companheiro Watson (interpretados, respectivamente, por Benedict Cumberbatch e Martin Freeman) para os dias de hoje, mas sendo fiel a personalidade dos personagens e criando adaptações sempre interessantes para os casos vividos pela dupla. “O Vale do Terror” ainda não foi retratado na série.



Título: O Vale do Terror (exemplar cedido pela Editora Martin Claret)
Autor: Arthur Conan Doyle
Nº de Páginas: 200
Editora: Martin Claret



Gostou da resenha? Quer concorrer a um exemplar de "O Vale do Terror" cedido pela Editora Martin Claret? Então acesse o link e participe da promoção.


18 comentários:

Aione Simões disse...

Oi Mari!
Fiquei curiosíssima por essa segunda parte da história. Adoro quando os autores se mostram muito mais espertos do que eu poderia supor e me surpreendem por completo.
Li alguns contos do Conan Doyle e, dos romances, li O Cão dos Baskerville, que me lembro de ter adorado, mas não me recordo mais dos detalhes.
Preciso voltar a ler as obras do autor, adoro o Holmes e suas histórias!
Beijos!

MsBrown disse...

Olá, Mari! Adorei a resenha, está cheia de informações e impressões que até me deixaram com vontade de ler esta obra - apesar de já ter lido contos do Doyle, nunca me entusiasmei muito com as histórias.

Ana Paula Barreto disse...

Eu sempre gostei muito das histórias de Sherlock Holmes, mas confesso que não li quase nada (sempre foi mais por filmes, séries, ou adaptações para crianças). Mas eu gostei bastante desta história, parece que segui nos padrões que estou acostumada: casos incríveis, aparentemente sem solução, mas que no final se fecham muito bem. Além dos personagens que adoramos!
bjs

GFC: Ana Paula Barreto

Paulo Messias disse...

Li e recomendo!!! Destaque para a historia interposta. Final dificilmente previsível.

cath´s m. disse...

Eu adoro Sherlock, estou viciada em Elementary, filmes dele eu normalmente detesto, só gosto de um em que ele é jovem ainda. Mas os livros eu adoro!

Elis Paulina disse...

Oi Mari,
ainda não li nada de Sherloch Holmes, nem de escritos sobre ele. Mas achei até interessante o enredo proposto nesse livro. Além disso, a capa lhe dá noção do ar misterioso..hehe
Beijos, Elis Elger

Manuela Cerqueira disse...

Adoro Sherloch li apenas um conto... mais sempre me empolguei comas adaptações sobre ele e filmes... A capa deste livro não me atraiu a primeira impressão que tive era de que seria um livro de suspense algo assim... e quando li sua resenha vi que minha primeira impressão estava errada e a fiquei curiosa pela história.

GFC: Manuela Cerqueira

Gladys Sena disse...

Não conhecia essa trama do Sherlock Holmes.
Pelo título pensei que se tratava de uma trama bem horripilante, com direito a carnificina e tudo mais, aff! Que bom que não é assim, =D
Gostei desse "Um Estudo: Um Retrato de Sherlock Holmes", deve ter bastante detalhes da personalidade do detetive.
Em qual canal passa a série? Tomara que seja em algum dos que assino, rsrs.

GFC: Gladys

Marco Antonio disse...

Boa tarde,

Esse livro eu não conhecia e lendo a sua resenha fiquei com vontade de ler e bem curioso....parabéns...abçs.


http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

Naty disse...

Eu adoro Sherlock Holmes e esse com certeza está minha lista de leitura.
As capas dessas novas edições estão lindas mesmo.
Ainda não consegui ver essa série, mas vi alguns episódios de Elementary e gostei muito.

cristiane disse...

Muito bom esse livro, com certeza. Quem não gosta do personagem? Mas tenho uma birra com livros dessa editora, não sei se pegaria pra ler só por ser dela...Ah, deixa de bobagem né, o livro é bom! Eu quero *-*

cristiane dornelas

Nardonio disse...

Isso é o que me fascina nesse tipo de história, os desfechos que esses autores conseguem dar às tramas. Todos os livros que leio, sempre fico elaborando milhares de desfechos, então vem o autor e dá um desfecho tão interessante e plausível, que fico horas ou até dias imaginando como o autor conseguiu aquela façanha. Rsrsrs
Também achei a capa desse livro bem legal. Gosto dessa pegada mais sombria que ela trás.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Rossana Batista disse...

A capa é realmente incrível e deve ser tanto quanto a história! Tenho que confessar que só conhecia o Holmes pela tv, rsrsrs. A curiosidade de ler um livro cresceu depois de ler essa resenha. Parece um livro daqueles que prende a pessoa, acho que foi isso que entendi.

Quando comecei a ler eu não entendi direito que no começo já tinham descoberto quem era o assassino, ai então pensei: como assim ? logo no começo ?. Mas depois de ler tudo eu entendi, descobriram para depois "voltar no tempo" e então contar pra a gente como foi tudo. Amei amei amei!


Seguidora: Rossana Batista
@rooohbatista

Roberta Moraes disse...

Como não ficar surpresa com um livro de Arthur Conan Doyle ?
O Sherlok Holmes é um clássico! Quem não conheço não sabe o que perde!

GFC: Roberta Moraes

Thielen Costa disse...

Sem ler a resenha, pensei que se tratava de uma história de terror. Fui bem enganada, devido a capa. hehe Nunca li nada de Sherlock e tenho muito curiosidade. Adoro o que escuto sobre ele por aí. O vale do terror me parece muito bom, por isso assim que puder vou lê-lo, com certeza.

Thielen Costa disse...

Ah faltou o GFC: Thielen Costa

franfernands disse...

A capa me pareceu bem simples, mas estou a tempos buscando um livro de terror para ler, e esse título me chamou muito a atenção, gostei bastante, entrou para a lista dos desejados! hahaha

Clara Beatriz disse...

Bem pela capa e o titulo o livro me assusto bastante, mas em geral ele parece ser ótimo, fiquei bem curiosa para lê-lo. Espero ter está oportunidade, pois o livro com certeza vale a pena!

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger