sexta-feira, 22 de novembro de 2013

RESENHA: O Histórico Infame de Frankie Landau-Banks

“Então eu fui um monstro, ela pensou. Mas pelo menos não fui a irmãzinha de alguém, a namorada de alguém, uma aluna qualquer do segundo ano, uma garota qualquer – alguém cujas opiniões não importavam.” (LOCKHART, pag. 144, 2013)

Conheça Frankie Landau-Banks. Uma menina de 15 anos, linda, estudante do colégio interno Alabaster e que, de repente, se vê namorando o cara mais popular da escola. Ela é inteligente, participa da equipe de debates, dos clubes nerds e é chamada de Princesinha pela família. Mas Frankie já não se sente uma princesinha e mesmo que agora sua aparência não a deixe mais invisível aos olhos de muitos – como ocorria até um ano atrás, inclusive com seu atual namorado - ela não se contenta em ser só mais uma adolescente bonitinha. Frankie tem atitude e não aceita que lhe digam o que pode ou não pode fazer – em especial se isso for baseado na sua condição de menina ou bonita. E é com esse espírito que ela vai revolucionar o colégio e a Leal Ordem dos Bassês, uma sociedade secreta de mais de cinquenta anos, conhecida por praticar pegadinhas na escola. Mas Alabaster ainda não viu pegadinhas como as de Frankie e ela vai descobrir que não existe ninguém mais cheio de artimanhas do que uma menina determinada.

Antes de falar sobre o livro, eu preciso confessar que “O Histórico Infame de Frankie Landau-Banks” jamais teria me interessado se não fosse o carinho da Diana, da Editora Companhia das Letras, por ele. A Diana gosta tanto do livro que enviou um exemplar para cada blog parceiro porque queria que todos, sem exceção, tivessem a oportunidade de conhecer “Frankie”. Só essa atitude já havia me deixado curiosa, mas então eis que o livro chegaou acompanhado de uma cartinha absolutamente contagiante na qual a Diana explicava o quanto o livro era especial para ela e que, apesar de ter lido há anos, ainda era um dos seus favoritos. Nesse ponto eu já estava ansiosa pela leitura e me deparar com um depoimento de uma única palavra: “Brilhante!”, dita por ninguém mais, ninguém menos que John Green fez “O Histórico Infame de Frankie Landau-Banks” pular da categoria “Não tenho interesse por esse livro” para “Eu preciso ler esse livro imediatamente”. A leitura foi cepcionante (isso mesmo: cepcionante. Se você ficou curioso para entender o que significa, leia o livro. E sim, isso foi estratégico)

“O Histórico Infame de Frankie Landau-Banks” é delicioso. Composto por capítulos curtos e contado por um narrador em terceira pessoa que dialoga diretamente com o leitor o tempo todo, é um livro divertido que usa dessa leveza para revestir uma trama que gera questionamos, podendo até proporcionar para o leitor uma jornada de auto-conhecimento. “Frankie” é engraçado, mas também é profundo.

Nas primeiras páginas, uma carta escrita por Frankie dá ao leitor um gostinho do que ela irá aprontar e já mostra porque a protagonista é o ponto alto do livro. Quando começa a pensar nas coisas que a definem e o quão injustas elas são, Frankie descobre o quanto pode ser motivada e que tem a oferecer muito mais do que se espera dela. Ela quer entrar para a Leal Ordem, mas mais do que isso, quer provar o seu valor. Ela quer deixar de ser subestimada. Tudo o que faz (o que não é pouco) e todo o planejamento que dedica a cada uma das pegadinhas, não é para ser um Bassê ou pela escola (mesmo no caso da Revolta da Beterraba Enlatada – estratégico de novo. Ficou curioso? Leia o livro). É para provar que ninguém que não ela mesma vai dizer o que ela pode ou não pode fazer.

As pegadinhas poderiam parecer bobagem em um primeiro momento, mas é através delas que Frankie encontra uma maneira que fazer o que todo adolescente queria fazer ou o que todo adulto gostaria de ter feito quando adolescente: se impor. Questionar regras. Não por rebeldia, mas porque nem sempre essas regras são justas, quando não são apenas cômodas. Assim, enquanto manipula os meninos da sociedade secreta e confunde a administração da escola, a personagem desperta orgulho no leitor. Enquanto ninguém sabe o que ela está fazendo, nós somos seus cúmplices. Ela prova que jamais deve haver duas medidas para se julgar uma mesma coisa e que se algo é brilhante, o fato de ter sido elaborado por ela, uma menina, não torna em nada menos brilhante do que se fosse elaborado por um menino popular do último ano (e o que Frankie faz é sim brilhante. E hilário. Impossível não rir da pegadinha do Halloween ou da Noite dos Mil Cães)

Isso faz de “O Histórico Infame de Frankie Landau-Banks” um livro para meninas? Claro que não. Mas faz dele um livro protagonizado por uma personagem feminina forte como poucas vezes vemos na literatura Young Adult  (e que, em alguns momentos, até me remeteu à protagonista da série Veronica Mars). Vale ressaltar também que a autora foge do lugar-comum dos YAs ao não explorar o romance e sim o crescimento da personagem.

Divertido, inteligente e com um ritmo que faz o leitor não notar as páginas passarem, “O Histórico Infame de Frankie Landau-Banks” é um sério candidato a uma das minhas melhores leituras do ano.

Título: O Histórico Infame de Frankie Landau-Banks (exemplar cedido pela Editora Seguinte)
Autora: E. Lockhart
Nº de páginas: 339
Editora: Seguinte

6 comentários:

Gabriela Cerutti Zimmermann disse...

Só pela sinopse também não me empolgaria, mas com tantos elogios... Vou ter que ler!

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Lucas Kammer Orsi disse...

Olá Mari, tudo bom?

Sua resenha não foi a primeira a elogiar imensamente esse livro. Já estava curioso, mas mesmo assim fiquei mais ainda. Parece ser uma história clichê, mas repleta de sentimentos profundos e reflexões sobre a adolescência/juventude. Além do mais, adoro essa capa do livro!

Beijos
Lucas
ondeviveafantasia.blogspot.com.br

Samuka Rodrigues disse...

Pelo título e capa, esperaria algo completamente diferente do que foi mostrado na resenha. Me atraiu um pouco, apesar de parecer estar empurrando o feminismo ao leitor. Apesar disso, a rebeldia é meu forte, algo que parece ser bem mostrado na obra.

Michelli Santos Prado disse...

Olá Mari, tudo bem??
O que me chama bastante atenção é a capa, e também li várias resenhas sobre ele e o livro parece ser bem interessante, realmente, um livro único. Espero ter a oportunidade de lê-lo (e de tê-lo) logo, logo!
Parabéns, ótima resenha!!!
Beijocas!!

Adriana disse...

Então, assim como voce, eu também não leria esse livro, só de olhar a capa, mas acontece que essa semana, alias, ontem e hoje, eu li pelo menos umas 4 resenhas e foi ai que comecei a mudar minha opinião, primeiro porque gosto de protagonistas marcantes e Frankie parece extremamente marcante e segundo, porque todas as resenhas diziam: Leia esse livro! Pronto, já basta né, preciso ler esse livro, até porque fui procurar a palavra "cepcionante" e não encontrei e só lendo o livro eu vou saber o que significa! Resenha super empolgante, eu adorei e preciso desse livro pra ontem! :)
Adriana

Nardonio disse...

Livro com protagonista com todas essa qualidades, fica fácil de se entrar na listinha de melhores leituras, seja do ano, ou da vida. Ter uma protagonista forte e carismática, já é meio caminho andado para a trama emplacar. No caso desse livro, acho que além dessa ótima protagonista, tem a questão de ser divertido e questionador, ao mesmo tempo. Nem preciso falar o quão curioso estou pra ler.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger