sábado, 24 de maio de 2014

RESENHA: Austenlândia

"Assim como a amiga Becky, que fez um cruzeiro que incluía um bufê com tudo liberado antes da cirurgia de redução do estômago, Jane faria uma última excentricidade. Ela viveria sua fantasia, se divertiria loucamente e enterraria tudo de vez. Nada mais de Darcy. Nada mais de homens, ponto final." (HALE, 2014, p. 29). 

***

Se você acompanha o blog há algum tempo ou se já teve curiosidade de clicar na aba "Quem Somos", sabe que Jane Austen é uma de minhas autoras favoritas. Confesso até mesmo sentir uma certa paixão platônica por Elizabeth Bennet, heroína do clássico Orgulho e Preconceito. Assim, quando li a sinopse de Austenlândia, antes mesmo de seu lançamento no Brasil, me senti atraído pela premissa, mas também fiquei temeroso, afinal, usar a obra alheia como pano de fundo não é tarefa fácil, ainda mais em se tratando da obra de Austen. 

Jane Hayes sempre sonhou em encontrar seu próprio Mr. Darcy, protagonista do livro anteriormente citado, mas as constantes desilusões amorosas a levaram a desistir de qualquer relacionamento. É então que descobre que sua tia-avó lhe presenteou com uma viagem para Austenlândia, local onde todos devem atuar como se estivessem em um romance da autora. A intenção de Jane é vivenciar sua eterna fantasia para que possa, finalmente, dizer adeus a suas idealizações inspiradas pelo personagens. 

A primeira coisa que salta aos olhos de qualquer leitor é que Jane é extremamente obcecada por Mr. Darcy. A obessão da protagonista é tanta que ela chegou a romper um relacionamento por que um de seus namorados roncou, algo que Darcy jamais faria. Já admiti ter uma paixão platônica por Lizzy, mas tenho ciência de que ela não passa de um personagens fictício, sendo que jamais desejei encontrar alguém que me lembrasse dela. 

Como se não bastasse, Jane demonstra não ter a menor noção do que é um relacionamento sério. Acredite ou não, a protagonista numerou seus namorados (sim, numerou, de 1 a 13), e quando conheçamos a estória de cada um deles, espanta o fato de que Jane considera namorado um sujeito que era gay e outro que sequer sabia seu nome. Preciso explicar a diferença entre pretendente, ficante e namorado? 

A intenção de Jane ao aceitar ir a Austenlândia era o desejo de enterrar sua fantasia e, ao sair desta experiência, ser uma mulher normal, de bem consigo mesma. O problema é que ela é de uma volatilidade extrema. Um dia deseja mergulhar na experiência, para logo sentir-se tola e envergonhada, e continua indo de um extremo ao outro praticamente até o fim do livro, o que me irritou profundamente. 

A narrativa, embora simples, consegue envolver o leitor. Entretanto, causa estranheza pelo fato de parecer haver, em alguns momentos, uma mistura entre primeira e terceira pessoa. O desfecho deixa a desejar, visto que não convence e, tampouco, se mostrou coerente com a estória. 

Sei que não sou o público alvo e decidi ler a obra mais a título de curiosidade do que por qualquer outro motivo e, por isso mesmo, não estava com grandes expectativas. Ainda assim, não esperava encontrar tamanha banalidade. Se você deseja uma leitura leve e descontraída, talvez Austenlândia lhe agrede. Se você quer conhecer o real significado do gênero romance, leia qualquer obra de Jane Austen. 

Título: Austenlândia (exemplar cedido pela Editora)
Autora: Shannon Hale 
N.º de páginas: 238 
Editora: Record

13 comentários:

Ana Paula Barreto disse...

Eu vi o filme, mas não li o livro, e ainda assim concordo com você quanto a qualidade da trama e dos personagens. Não é nada parecido com a obra da Jane Austen.
Mas acho que não é tão ruim se você souber que é uma história bobinha, só para passar o tempo mesmo. O negócio é colocar as expectativas no lugar certo. rs
bjs

Telemaco disse...

Já vi o filme, e o titulo engana não?
Bom vou dar uma chance pro livro, mas com um pé atrás já que esse tipo de livro não me agrada tanto assim

http://penelopeetelemaco.blogspot.com.br/

Estante Diagonal disse...

Ola Ale! Amei a capa do livro e com certeza darei uma olhada nele, ja vi resenhas maravilhosas sobre e tenho certeza que sera uma historia apaixonante e fofa!

Beijos Joi Cardoso
Estante Diagonal

Gabriela Cerutti Zimmermann disse...

Me parece que mesmo com todos os defeitos abordados é um livro divertido. Até leria, mas não antes de conferir alguns da própria Jane Austen. Ótima resenha.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Agathangel disse...

Sou fã da tia Jane (olha a intimidade hahahah). Meu livro atual é "Orgulho e Preconceito" que estou amando, já adoro o filme hehehe.... Essa resenha me fez querer ler esse també, e já está na lista 0/

Pri ;*
http://closettgarden.blogspot.com.br/

Caline disse...

Oi Alê

Sua resenha não é a primeira que eu leio citando vários pontos negativos da obra, parece que é quase unanimidade o quanto a obra deixou a desejar.
Não sou aficionada por Austen, nem pelo Mr. Darcy, mas gosto bastante de Orgulho e Preconceito. Acho que deve ser bem complicado escrever uma história usando como plano de fundo e clássico e pelo jeito a autora não soube lidar com o peso da responsabilidade.

Beijos
Mundo de Papel

Gislaine Belchior disse...

Realmente ñ me é um livro que chamaria a atenção mas é aquela coisa, tudo depende do dia né husahusahusahusahusahusa mas deve ser bem aqueles livros seção da tarde pra passar o tempo

/closettgarden.blogspot.com.br

Nardonio disse...

Minha leitura atual é "Orgulho e Preconceito", então, qualquer coisa relacionada a Jane Austen está me interessando. Achei a premissa interessante. Me parece ter umas pitadas de diversão, mas fiquei com um pé atrás quando você falou em relação a banalidade encontrada. Mesmo assim, se tiver oportunidade, vou dar uma conferida.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Adriana disse...

Parece uma leitura agradável, mas acho que nada pra ser comparado a Jane Austen, porque se formos com essa ideia, com certeza será meio decepcionante, só não gostei de saber que o final é meio incoerente, me deixou com o pé atras!
Adriana

Karolayne Nascimentos Santos disse...

Não assisti o filme mas fiquei bem curiosa para ler o livro.
Por mais que você não tenha gostado d desfecho do livro, acho que a história pode ser até divertida.
O meu único medo é que a protagonista seja uma personagem irritante, mas fora isso, parece que posso gostar do livro.
Bjokas

Lais Cavalcante disse...

Nunca li nada da Jane Austen, nem mesmo assisti a algum filme de seus livros, mas eu estou louca para ler/ver! Todos falam tão bem da autora...Talvez depois que eu ler alguma obra dela, pense mais sobre esse livro. É que você disse que o final é incoerente e sei lá, isso acaba com o livro :/

Érika Rufo disse...

Eu gosto desse livro. A história é bem divertida, leve e rápida. Li em alguns poucos dias. Não é uma grande obra, mas cumpre bem o seu papel de divertir e ajudar a passar o tempo.

Beijos!!

Livreando disse...

Minha curiosidade em ler esse livro é justamente por fazer referência a Jane Austen, mas pela sua resenha, já vi que não é o que eu pensava. Mas como o fator curiosidade é multiplicado por 1000 em mim, vou acabar lendo esse livro.

Bjim!!!

Tammy - Livreando

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger