domingo, 27 de julho de 2014

RESENHA: Os Três

“Você precisa entender, Elspeth, que, devido à magnitude dos casos, sabíamos que se passaria um tempo até termos certeza absoluta do que estávamos enfrentando. Pense bem. Quatro quedas diferentes envolvendo três modelos distintos de aeronaves em quatro continentes: era algo sem precedentes.” (LOTZ, 2014, p. 38). 

***

Partindo de uma premissa instigante e tendo o aval de Stephen King, estava bastante curioso para conferir o que Sarah Lotz havia preparado em Os Três. Tentando mesclar ficção científica, com terror, suspense, thriller e até drama, no fim das contas a obra não funcionou em nenhum dos genêros. 

Em uma quinta-feira, quatro aviões caem simultaneamente ao redor do mundo e apenas quatro pessoas sobrevivem aos desastres, das quais três são crianças. Pamela, a única adulta, sobrevive apenas por alguns minutos e consegue gravar uma mensagem em seu celular. Uma mensagem que vai mudar o mundo. 

A estrutura narrativa do livro é um tanto estranha, pois trata-se de um texto jornalístico, intitulado de “Quinta-Feira Negra – da queda à conspiração”, contendo diversos pontos de vistas sobre os desastres e suas consequências. Ou seja, a narrativa é uma colcha de retalhos, composta por inúmeros relatos, reportagens, e-mails, entrevistas e transcrições. 

Embora tal opção tenha afetado meu envolvimento com a obra — pois há um certo distanciamento entre os personagens e o leitor —, entendo que seria complicado usar outra estrutura para contar uma estória tão ampla e repleta de detalhes. Outro fator que também afetou o envolvimento é a ausência de um protagonista bem como a quantidade de personagens, visto que, em alguns momentos, era necessário interromper a leitura para lembrar quem era o sujeito entrevistado no momento. 

Elspeth Martins, a autora da obra jornalística, já deixa claro no início de que se trata de uma composição objetiva, com o fim de dar a visão dos principais atores dos eventos ocorridos após a Quinta-Feira Negra. Ou seja, o livro de Elspeth desejava fornecer um panorama dos fatos, sem apresentar qualquer conclusão.

Entretanto, o livro é construído de forma a deixar o leitor na expectativa por respostas, de forma a fazer parecer que todos os relatos juntados por Elspeth são uma contextualização. As respostas vêm apenas no desfecho da obra, quando o leitor não tem mais o menor interesse ou curiosidade sobre elas, e ainda por cima não convencem. 

Outro grande problema é que, em sendo um relato jornalístico, ao invés de mostrar a ação acontecendo, tínhamos que ler o relato de alguém sobre a ação. Ou seja, cenas interessantíssimas, que seriam lidas com a respiração presa, acabaram perdendo toda a emoção e adrenalina que tinham a oferecer. 

Os Três apresenta uma mistura de teoria da conspiração, fanatismo religioso e elementos sobrenaturais que tinha potencial, mas que não deu liga. E friso que não deu liga pela forma como a estória foi explorada, e não em virtude desta mistura nada convencional. 

A ideia de Sarah Lotz tem seus méritos e creio que funcionaria muito melhor se transformada em série televisa. Em minha mente fértil já imagino Elspeth como protagonista, investigando os trágicos eventos com o intuito de escrever o livro. Nesse formato, seria impossível deixar as respostas apenas para o final sem perder a audiência. Então, bastaria criar um final um pouquinho mais interessante e voilà: sucesso garantido. 

Título: Os Três (exemplar cedido pela editora)
Autora: Sarah Lotz
N.º de páginas: 391
Editora: Arqueiro

9 comentários:

Gabriela Cerutti Zimmermann disse...

Geralmente quando chego aqui e vejo uma opinião negativa sobre um livro que queria ler acabo desistindo dele, mas dessa vez fiquei mais curiosa. [rs] Isso porque são os primeiros comentários negativos que leio, aí vem a questão de ter que tirar as próprias conclusões. Mas entendo seu ponto de vista, Alê. Quando não há envolvimento com os personagens é difícil se conectar com a história. Mas espero que algum produtor tenha a mesma ideia de transformar em série de TV, seria incrível. Ótima resenha.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Luiza Jardim disse...

Esse livro parece dividir opiniões!
Já li resenhas de quem gostou e resenhas de quem não gostou...
Sua resenha está muito bem escrita!
Seguindo aqui!!! :)
Bjs, Lu
http://resenhasdalu.blogspot.com.br/

Virginia de Oliveira disse...

Tinha lido algumas resenhas positivas desse livro mas eu tinha a impressão que este livro não era exatamente o estilo que eu gostava, ao ler sua resenha pude confirmar que ele realmente não é exatamente o que eu gosto de ler.
Obrigada pela resenha e por expor tanto os pontos negativos quanto os positivos do livro.
Bjs!

Rayra Mirelem disse...

Eu li esse livro e gostei bastante do que a autora quis fazer e tudo mais. Achei que ela deixou algumas pontas soltas que necessitavam de um desfecho digno, mais tudo bem.
No geral o livro é muito bom.

Beijos, Paradoxo Perfeito

Clube das 6 disse...

Ah, sério que você não curtiu muito?! Eu estava super positiva com esse livro, mas agora estou em dúvida :/
Uma coisa que odeio é quando deixam respostas no ar!!

Adorei o blog e já estamos seguindo!!!

Beijão - Naty

Lais Cavalcante disse...

Logo que eu leio o primeiro parágrafo já recebo um banho de água fria, porque eu estou super animada para ler Os Três [mais por causa da capa] rs Mas super entendo que pra você não tenha funcionado, mas eu preciso ler para tirar minhas próprias conclusões (:

Letícia Souza disse...

Oiee
Só tinha visto criticas positivas a esse livro até agora mas é sempre bom ver o outro lado da moeda.Eu particularmente não gosto de muitos personagens,prefiro o foco em poucos protagonistas então é um ponto a menos ao livro.
Sempre desejei ler mais pela capa do que a própria história,pois ela não me deixou muito interessada.E concordo com você se sairia melhor se virasse uma série.
beijos

Nardonio disse...

Desde que vi o lançamento desse livro, fiquei com vontade de lê-lo. A mistura que a autora se propôs a fazer é, realmente, bem interessante. Uma pena que ela deslizou na maneira de conta-la. Concordo com você em relação a ser uma série televisiva. Mas quem sabe se alguma emissora não comprem os direitos, né?!?!

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Bruna Monteiro disse...

Gostei muito de ler a resenha sobre esse livro, porque uma vez fuçando em alguns sites eu o encontrei mas nem me dei o trabalho de ler nenhum comentário sobre ele. De cara ele não despertou em mim nenhum interesse, agora depois de ler a sua resenha devo confessar que o interesse continua zero. No geral eu costumo gostar muito ficção científica, suspense, drama etc, mas realmente esse não lerei, pelo menos por enquanto.

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger