quarta-feira, 12 de novembro de 2014

RESENHA: Mentirosos

“Você entende, Cady? O silêncio é uma camada protetora sobre a dor.” (LOCKHART, 2014, p.43)

Descobri “Mentirosos” em uma das minhas pesquisas pela Amazon e fiquei imediatamente interessada. Primeiro, pela sinopse em si; segundo, por ser um livro de E.Lockhart (autora de “O Histórico Infame de Frankie Landau-Banks”, leitura que gostei muito no ano passado); terceiro, pelos inúmeros elogios que o livro recebeu, inclusive de ninguém mais, ninguém menos que John Green. Para a minha alegria, a Editora Seguinte (que tem caprichado na escolha de títulos YA) já havia adquirido os direitos de publicação da obra no Brasil.

A família Sinclair preza pelas tradições acima de tudo. Uma delas é os filhos e netos do patriarca Harris passarem o verão na ilha Beechwood onde a família tem quatro casas. Cadence – neta mais velha e, portanto, principal herdeira –, seus primos Jhonny e Mirren cresceram dividindo verões e aventuras na ilha e, juntamente com o amigo Gat, ganharam o apelido de Mentirosos. Os quatro são inseparáveis e, ao longo dos anos, Cadence e Gat vêem sua amizade caminhar para algo mais. Porém tudo muda no verão dos quinze anos do quarteto quando Cadence sofre um acidente que a afasta da ilha por dois anos. Ela não lembra o que aconteceu e ninguém se esforça para fazer com que se recorde. Tudo que ela sabe é que a amnésia veio acompanhada de insuportáveis dores de cabeça e de um período de depressão. Quando ela volta para ilha, sua intenção é juntar as peças do quebra-cabeça e descobrir o que lhe aconteceu.

A princípio, “Mentirosos” parece ser uma simples história que gira em torno dos verões da adolescência, das aventuras e amores típicos dessa idade, mas aos poucos se revela um suspense familiar, apresentando uma trama que consegue se adequar a dois gêneros dificilmente associados um ao outro (enfoque esse que talvez seja o principal responsável por diferenciar “Mentirosos” dos outros livros do gênero que consagrou sua autora).

Narrando em primeira pessoa, pela perspectiva de Cadence, Lockhart apresenta uma escrita fluida e cativante que alia metáforas inteligentes a frases objetivas que tanto enriquecem como agilizam a leitura. Dessa forma, se torna muito fácil se envolver com a história dos Sinclair pelo simples fato de que não se tem vontade de largar o livro.

Algo que, a meu ver, deu um toque especial à narrativa foi os paralelos com contos de fadas – várias versões de uma história sempre enraizadas nos mesmos fatos. Outro recurso bem empregado pela autora foi o intercalar de verões, o que contribuiu para aumentar o suspense sobre o que aconteceu no “Verão dos 15” e como as lembranças soltas da protagonista irão se encaixar.

O núcleo adolescente é o responsável por cativar o leitor. O destaque fica para Cadence, uma menina apaixonada, agora atormentada pelas coisas que esqueceu; e Gat, o forasteiro que vê os Sinclair por quem são e não por quem foram criados a acreditar que são. Já os adultos se mostram contaminados por uma visão de mundo que se propaga há gerações e que valoriza as posses e as tradições acima dos relacionamentos, os levando a acreditar que ser um Sinclair é mais importante do que ser a pessoa que se é.

Muitas vezes tive a sensação de que a história não estava sendo de fato contada e sim cada vez mais escondida, mas que se eu buscasse enxergar, veria todos os elementos estavam ali (ao melhor estilo dos bons romances policiais). Para a minha satisfação era exatamente isso, com exceção de que eu não passei nem perto de encontrar as respostas e fui pega completamente de surpresa pela revelação. E foi assim que o clima da minha leitura mudou. A partir do momento em que Cadence consegue juntar as peças sobre o fatídico verão, eu me vi lendo página por página, ao mesmo tempo em que a história toda passava em retrospecto pela minha cabeça e só então eu enxergava tudo que devia ter enxergado antes, gerando aquela deliciosa sensação de ter sido bem manipulada por uma boa autora e uma boa trama. E então, no instante em que fechei o livro, a minha vontade foi rele-lo. Eram tantos detalhes que eu só percebia naquele momento, que quanto mais eu pensava sobre eles, mais conexões e respostas encontrava. “O que mais estou deixando escapar?”, eu me perguntava. E você não vai ficar mais surpreso do que eu fiquei quando, uma hora depois de haver concluído a leitura, eu a começava novamente. Assim, essa resenha é feita com base em duas leituras que me permitem dizer com segurança que Lockhart arma muito bem o espetáculo que “Mentirosos” se revela e faz desse um ótimo livro (daquele tipo que deixa você querendo comentar ele com alguém, mas temeroso de dar spoiler e estragar a experiência da pessoa).

Uma história sobre o que se esconde por trás das dinâmicas familiares, sobre a diferença entre fazer o que é o certo e o que lhe é esperado, sobre escolhas e consequências. Uma história de amor, amizade e aceitação protagonizada personagens humanos que, por vezes, não gostam de ser quem são.

Título: Mentirosos (exemplar cedido pela editora)
Autora: E.Lockhart
Nº de páginas: 271
Editora: Seguinte

16 comentários:

Ø Väzïø ñä Flø® disse...

As vezes, a gente olha um livro e deixa passar despercebido. Seria assim comigo se visse este livro numa estante ou num lugar qualquer. Pelo título e capa, talvez eu nem desse atenção. Mas lendo sua resenha, vi que eu perderia uma ótima história. Famílias e seus segredos sempre dão grandes enredos...ainda mais quando trazem personagens humanos, como nós..com dúvidas, crescimento, descobertas e realidade..muita realidade.
Lerei com certeza.
Beijo

Gabriela Cerutti Zimmermann disse...

Já tinha uma vontade considerável de ler esse livro e agora só aumentou, Mari. Seus comentários me deixaram curiosa para descobrir o que essa história tenta esconder. Preciso ler. Ótima resenha.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

­­Silviane disse...

Oi, Mari.
Se essa não é a segunda, deve ser a terceira resenha positiva que eu vejo desse livro. A capa por sí só me da uma baita vontade de ler, e com todo mundo falando da grande surpresa que e o final e que ninguém espera eu me sinto obrigada a ler.

Vou comprar esse livro na primeira oportunidade.
bjs
SC PhotoGallery

Milena Soares disse...

Esse livro parece mesmo ser ótimo, só vejo resenhas super positivas dele, e cada uma me deixa ainda mais ansiosa e curiosa pra conferi essa história.

Ricardo Biazotto disse...

Vi várias publicações sobre esse livro, mas até então não havia lido nenhuma resenha e percebo que cometi um grande erro. Para começar, não imaginava que encontraria algum tipo de suspense, ainda mais um que aparentemente é muito envolvente. Além disso, também imaginava que fosse uma história simples e você logo contrariou isso. Nesse caso, com a certeza de que foi mais do que especial para você, definitivamente não dá para ignorar.

Beijos,
Ricardo - www.overshockblog.com.br

Loly Fonseca disse...

Já tinha visto esse livro, mas ainda não tinha procurado saber mais sobre ele, e agora posso ver o quanto eu estava perdendo com isso... Amei demais a sinopse e o enredo que a resenha me apresentou! Não sou grande fã de livros com mistérios, mas esse me intrigou demais e já fiquei super curiosa pra saber o que aconteceu com a Cadence nesse verão... Sem contar que a indicação do John Green eleva muita a expectativa... Sem duvidas irei ler...
Kisses =*

Girlene Viey disse...

De cara eu curti muito o livro, mas acabei percebendo atraves de sua resenha
que de fato e um livro interessante. A historia parece ter um otima narrativa e muito facil de ser entende!

Vitória Pantielly disse...

Oii Mari :]
Esse é um dos livros que está "na boca do povo", ando ouvindo falar muito dele, mas nem todas as vezes foram comentários positivos! Confesso que ainda estou na dúvida se encaro a leitura ou não. Nas resenhas que li deu pra perceber que ele tem algumas metáforas, e eu sinceramente não gostei!
Bjs!

RUDYNALVA disse...

Mari!
Tenho lido boas análises do livro e são quase unânimes em dizerem que o livro é fabuloso.
Nossa! Ter uma dinÂmica que embota os fatos e não conseguimos desvendar o mistério, ocultos através dos detalhes de ve ser maravilhoso.
Quero muito apreciar a leitura.
Cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

Nardonio disse...

Esse livro deve ser, no mínimo, instigante. Fazer uma releitura uma hora depois da finalização do mesmo é algo que nunca vi na minha vida. Mostra que você gostou de ser manipulada pela autora. kkkkkk
Depois dessa, fiquei até com vontade de lê-lo.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Ingrid Moitinho disse...

Muita gente fala muito bem de Mentirosos, estou louca para ler este livro. Parece ser ótimo e surpreendente. Adoro estes livros onde tem mistérios, suspense, são meus preferidos. Toda vez que leio uma resenha sobre ele, minha vontade aumenta, quero ler ele logo. :( rs

Lais Cavalcante disse...

Eu estou louca para ler esse livro, primeiramente por causa da capa, que é linda, segundo porque todos falam muito bem! Deveria ter meu exemplar a um tempo, faz fui postergando e cá estou eu, SUPER ansiosa para poder lê-lo. Sou fã declarada de mistérios e tenho certeza que vou amar esse livro.
Nunca vi alguém que logo após terminar a leitura, começa novamente! Isso que é gostar do livro hein rs

Adriana disse...

Mentirosos já está na minha lista de desejados porque todas as resenhas que leio desse livro são super positivas. Nâo é qualquer autor que consegue reunir tantos elementos bons em sua escrita e pelo visto Lockhart faz isso com maestria, deixando o leitor empolgando e nos revelando o que é pra ser revelado no momento certo. Parabéns pela resenha tão empolgante, eu amei! :)

Adriana disse...

Mentirosos já está na minha lista de desejados porque todas as resenhas que leio desse livro são super positivas. Nâo é qualquer autor que consegue reunir tantos elementos bons em sua escrita e pelo visto Lockhart faz isso com maestria, deixando o leitor empolgando e nos revelando o que é pra ser revelado no momento certo. Parabéns pela resenha tão empolgante, eu amei! :)

Desbravadores de Livros disse...

Adorei a resenha, Mari.
Fiquei aqui esperando alguma decepção sua no decorrer da obra e adorei pelo fato de não tê-la. Ainda não li a obra, mas fiquei desejando conhecer a história e os personagens em geral. Não aceitar aquilo que é, é realmente algo complicado. Antes de tudo, é necessário aceitação de ser como somos. Esse foi um dos aspectos que me chamou a atenção para lê-lo.

Fabiana Scola disse...

Que livro genial, bem escrito e cheio de situaçãos para um final surpreendente. Adorei por ter me tocado tanto. Tantos dramas envolvidos. Indico sempre

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger