quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

RESENHA: A Queda

“— Poder revelado é poder sacrificado. — disse Setrakian. — Os verdadeiros poderosos exercem sua influência de maneiras invisíveis e imperceptíveis. Alguns dizem que uma coisa visível é uma coisa vulnerável.” (DEL TORO; HOGAN, 2010, p. 101). 

***

Distanciando-se de quase todos os livros do gênero, Del Toro e Hogan voltaram as origens e criaram vampiros monstruosos e predadores. No segundo volume da Trilogia da Escuridão, a caçada continua, mas a pergunta que fica é: quem é a caça e quem é o caçador?

ATENÇÃOa sinopse (parágrafo abaixo) CONTÉM SPOILERS do livro anterior. O restante da resenha é SPOILER FREE. 

O vírus responsável pela transformação vampiresca tomou o mundo. E quanto mais vampiros se alimentando do sangue humano, mais o vírus se alastra. O governo permanece em estado de negação e começa a entrar em colapso, seja pela falta de mão-de-obra em todos os serviços públicos, seja pela onda de vandalismos e saques. Convencido de que somente poderão vencer esta batalha quando de fato conhecerem seu inimigo, Setrakian está decidido em pôr as mãos em um raro livro. 

Em A Queda, os autores comprovam mais uma vez que possuem criatividade suficiente para criar uma mitologia vampiresca original e complexa, que somente começa a ser compreendida em sua totalidade a partir deste volume. Aliás, creio que as respostas e elucidações dadas sobre os mortos-vivos foram um dos pontos altos do livro.

E quem roubou a cena no segundo livro foi o velho professor Abraham Setrakian, não apenas por seu conhecimento prévio sobre a praga ou por seu passado destinado a caçar tais seres malignos, mas por assumir o comando da resistência. Por sua vez, o virologista Ephraim, originalmente o protagonista da série, afundou nas sombras do outro personagem, assumindo uma posição de coadjuvante. 

Como no livro anterior, Del Toro e Hogan utilizam-se de inúmeros pontos de vista para contar a estória. Apesar de alguns autores conseguirem utilizar a troca de ponto de vista como forma de fisgar a atenção do leitor, imagino que o número reduzido de eventos importantes para o desenrolar da trama de A Queda tornou tal recurso obsoleto. Não há uma ascensão de cenas eletrizantes que justifiquem a constante quebra da narrativa, de modo que ir de um ponto morno para outro ponto morno tornou a leitura monótona e até mesmo cansativa.

Felizmente, a obra empolga nas ultimas cem páginas, não apenas em ação e adrenalina, mas sobretudo com o desenvolvimento da trama em si, colocando os personagens em situações limites. O desfecho me pegou desprevenido e, sinceramente, ainda não consegui definir se foi do meu agrado. Talvez tenha sido audacioso demais, mas apenas o último volume da série poderá responder.

Encerrei a leitura com a impressão de que, se Noturno é a introdução da série, A Queda é uma ponte para a sua conclusão. Embora tenha sido interessante compreender mais a fundo toda a mitologia criada, bem como ver o protagonismo de Setrakian, fiquei com dúvidas se era de fato necessário três livros para contar a estória que os autores se propuseram. 

De toda a forma, a expectativa para Noite Eterna é alta, e espero que os autores consigam explorar ao máximo todos os elementos deixados para o último volume. Como já disse na resenha de Noturno, a estória tem tudo para se tornar uma saga memorável. Agora, tudo depende da execução.  

A série The Strain, inspirada na Trilogia da Escuridão, estreou nos Estados Unidos em julho, no canal FX. Para quem ficou curioso, não deixe de assistir ao trailer

Título: A Queda – Trilogia da Escuridão 2 (exemplar cedido pela editora)
Autores: Guillermo Del Toro e Chuck Hogan
N.º de páginas: 349
Editora: Rocco

9 comentários:

­­Silviane Casemiro disse...

Oi, Alê!
Eu estou com muita vontade de ler Trilogia da Escuridão. Vi a primeira temporada da série e me apaixonei.
Gostei de saber que o livro tem vários narradores, pois geralmente isso nos permite compreender por completo o que esta acontecendo - muitas vezes um único personagem se torna irritante e em alguns casos até lento em perceber o que esta acontecendo e até burro, fazendo que o leitor se sinta dessa forma.

Espero poder ler em breve e matar minha curiosidade. Beijos.

Blog Cantar Em Verso

thayna ta disse...

Nunca li essa trilogia e nunca vi nada do autor.
Adoro histórias de vampiros, o governo parece estar bem em crise com os acontecimentos. Abraham me lembrou Lincoln por seu conhecimento dos seres sobrenaturais.
Gosto de quando os personagens ficam nos seus limites, e me interessei bastante por adorar vampiros e cenas de ação e mortes.
Beijos Alê,
ThayQ.

Gladys Sena disse...

Tramas com essa premissa não me interessam... quase 350 páginas e só empolgar no final é dose heim!!

Gabriela Cerutti Zimmermann disse...

E aos poucos vou criando vontade de ler a trilogia e assistir The Strain, Alê. Seus comentários contaram muitos pontos, mas a menção aos trechos monótonos e ao fato de não saber se seriam mesmo necessários três livros para contar a história ainda me deixam na dúvida. Vou aguardar sua opinião sobre o terceiro volume. Ótima resenha.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

RUDYNALVA disse...

Alê!
Me pareceu que A queda, sofreu uma queda e a maldição do 2º livro...embora a última centena das páginas tenha tido maior movimento.
De minha parte a série parece atrativa só em se tratar de vampiros.
Achei bem interessante.
Assisti o trailler e achei macabro, como gosto....
Uma semaninha cheia de luz e paz!
Cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

MELHORES VLOGS disse...

Nunca li essa trilogia.
Gostei do livro pois fala de um dos assuntos que eu mais gosto, vampiros.
Beijos Alê!!

Nardonio disse...

Não conhecia essa trilogia. De início, não iria me interessar, pois já estou um pouco cheio de vampiros. Mas, pelo que vi, os autores tiveram grande criatividade para desenvolver uma trama original e complexa com seres tão batidos assim. Uma pena que durante uma boa parte desse volume, as coisas ficaram mornas. Agora é torcer para que esse ultimo volume venha com tudo.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Vitória Pantielly disse...

Oi Alê !

A premissa do livro é muito boa, eu mesma adoro vampiros, e quando mais maldosos pra mim a história fica mais interessante! Antes de ler a resenha achei que não iria sentir vontade de ler o livro, mas me enganei.. Criar histórias de vampiros hoje em dia que não tenha comparações com outros livros é em complicado, que bom que os autores se superaram!!
Bjs

Sarah Costa disse...

Essa trama não me fisgou até porque, não gosto muito de livros que contém vampiros.
Mas, se caso eu ganhar essa trilogia da minha amiga de aniversário com certeza iria ficar bastante feliz e entusiasmada.

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger