sábado, 30 de maio de 2015

RESENHA: O Festim dos Corvos

“ — No jogo dos tronos, até as peças mais humildes podem ter vontade própria. Por vezes, recusando-se a fazer as jogadas que planejei para elas.” (MARTIN, 2012, p. 291)

***

ATENÇÃOa resenha CONTÉM SPOILERS dos livros anteriores da série As Crônicas de Gelo e Fogo. 

Ano passado li o terceiro volume da série As Crônicas de Gelo e Fogo, e o livro não apenas foi uma das minhas melhores leituras do ano, como se tornou meu livro preferido da saga. Por isso mesmo, na hora de escolher as maiores expectativas literárias para esse ano, não tive dúvida nenhuma em acrescentar O Festim dos Corvos

Mais um rei caiu e outro foi substituído, e agora restam apenas Tommem e Stanis na Guerra dos Cinco Reis. Porém, nas Ilhas de Ferro os homens escolhem um novo líder e estão decididos a continuar na guerra. Em Porto Real, Cersei faz de tudo para proteger seu filho e sua pretensão a coroa. São poucos os focos de resistência que precisam ser abafados, de modo que a guerra começa a caminhar em direção ao final, porém, novas alianças estão sendo forjadas. Será que a balança do poder irá pender novamente? A Guerra dos Cinco Reis pode estar chegando a um final, mas não o jogo dos tronos. 

Já falei inúmeras vezes e repito mais uma vez que Martin sabe criar personagens como poucos autores. Nada da dualidade mocinhos e vilões. Todos eles apresentam várias facetas e evoluem com o desenrolar da guerra, sendo que suas ações sempre são compreendidas pelo leitor. O problema é que os melhores, mais interessantes e promissores personagens ou não aparecem ou fazem pequenas participações. Para se ter uma ideia, dos meus cinco personagens favoritos, apenas um deles tem presença constante na estória, e para meu desgosto, tal personagem virou uma mala. 

Desse problema decorre outro: não tendo a presença de tais personagens, o leitor dá de cara com uma infinidade de novos pontos de vista. Para se ter uma ideia, dos doze pontos de vista utilizados para narrar a estória, seis são de novos personagens, com os quais o leitor sente pouca ou nenhuma afinidade. O fato de Martin não tratar os novos personagens pelo nome mas por títulos (O Profeta, O Afogado, O Pirata, O Capitão de Ferro, etc), que as vezes eram alterados de um capítulo para outro, serviu apenas para confundir ainda mais o leitor. 

Por outro lado, ficou claro que O Festim dos Corvos é um livro de transição. Se no livro anterior tivemos batalhas empolgantes, dessa vez temos a calmaria que segue a tempestade. O ritmo é lento e fica claro que Martin está tecendo a trama, trazendo os personagens para o ponto em que a estória irá continuar, havendo a ausência dos elementos que consagraram a série. 

Apenas nas últimas cem páginas pude exclamar “esse é o Martin que conheço”. Foi a partir daí que senti que algo realmente estava acontecendo e que não estava dando voltas e mais voltas sem chegar a lugar nenhum. Apesar das implicações propostas por Martin serem interessantes, seu desenvolvimento é deixado para os próximos livros, o que também me desagradou. Afinal, pouco acontece do início ao fim do livro, e quando acontece simplesmente não há tempo para explorar. Assim, reputo que O Festim dos Corvos, além de um livro de transição, também seja um livro de promessas, mas cuja essência se resume a quase nada. 

Ao final do livro, Martin explica que o presente livro estava tomando proporções homéricas de modo que havia duas alternativas: ou deixar todos os personagens e contar a estória pela metade, ou contar a estória inteira da metade dos personagens. Foi essa última abordagem que o autor optou, e embora eu concorde com suas razões em um plano teórico, a verdade é que na pratica O Festim dos Corvos não funcionou. 

Apesar de ser o livro mais fraco da saga, Martin é habilidoso em construir jogos de poder a partir de personagens ambiciosos, manipuladores e vingativos. E mesmo que não tenha sido um livro empolgante, O Festim dos Corvos certamente é um livro necessário para as continuações.

Título: O Festim dos Corvos
Autor: George Martin
N.º de páginas: 586
Editora: LeYa

19 comentários:

Estante Diagonal disse...

Oi Alê eu ainda não comecei a leitura dos livros, por que sim, não vejo problemas em falar que eles me intimidam. Mas já os tenho e vou ler! Mas como a maioria assisto a série. Este livro dizem ser o mais "parado" por raramente aparecer os capítulos dos personagens conhecidos, mas mesmo assim acho necessária toda a conclusão do cenário em volta. Gostei bastante da resenha. Parabéns!

Beijos,
Joi Cardoso
Estante Diagonal

Maurilei Teodoro disse...

Eu havia pretendido começar a ler os livros da saga somente quanto fosse lançado o sexto volume, Os Ventos do Inverno, mas acho que não vou aguentar e vou acabar começando a ler este ano ainda. Estou acompanhando a série televisiva, e se não me engano está passando os acontecimentos do quarto livro, que por enquanto estou achando a temporada mais fraca também, mas mesmo assim ainda é de uma qualidade alta.

bomlivro1811.blogspot.com.br

Ana I. J. Mercury disse...

Oiiee, e aí beleza??
Então, ainda não li nenhum das Cronicas de gelo e fogo, quero ler, apesar de ter medo, porque meus migos que leram, falaram que TEM MUITAAAS mortes kkkkkk
Mas minha mana ama a série entào acho que irei ler sim!!
Mas é muito forte???
bjooos
Ana
elvisgatao.blogspot.com

Sil disse...

Oi Ale.
Eu fiquei perdida com esse negocio de não dar nome aos personagens, ficava um tempão até entender quem era hehe. Achei esse e o próximo também, muito grandes e para mim só serviu pra uma coisa, (palavrão com f) com a vida dos personagens. Tá um em uma situação pior que a do outro.

Blog Prefácio

Leandro de Lira disse...

Oi, Alê!
Eu ainda não li nada dessa série. Tenho apenas o primeiro livro, mas não li. Sobre as personagens, eu já fiquei perdido só na resenha, o que dirá com a própria leitura. Mas tenho pretensão de dar início a série em breve e espero não me decepcionar. Há livros que não são tão bons em uma série, isso é comum.
Abraço!

"Palavras ao Vento..."
www.leandro-de-lira.blogspot.com

Gabriela CZ disse...

E continuo na dúvida cruel se lerei ou não As Crônicas de Gelo e Fogo. A premissa me atrai bastante, mas confesso que comentários como os seus me deixam um tanto receosa, Alê. Primeiro que não sei se tenho capacidade pra acompanhar uma trama sobre doze perspectivas diferentes, uma vez que me distraio facilmente e ficaria muito confusa. E outra que as vezes tem isso de usar um livro grande apenas para transição. Ainda tenho que avaliar bem. Enfim, ótima resenha.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

RUDYNALVA disse...

Alê!
É como digo, até os grandes autores tem direito a um livro morno... Deve mesmo ser um livro de transição, afinal as personagens do autor são sempre tão bem construídos e o enredo de seus livros tão bem traçados que ao nos depararmos com um livro morno, até estranhamos, né?
“Os homens não desejam aquilo que fazem, mas os objetivos que os levam a fazer aquilo que fazem.”(Platão)
Cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

Paula de Franco disse...

Oi, Alê.

Li os livros do Martin tem um tempo já e algumas coisas nem me recordo muito bem. Me lembro disso que ele não colocaria todos os personagens no livro e que no próximo uma boa parte do livro será da mesma época dos acontecimentos desse anterior e depois sim dar sequência a serie. >.< Fiquei curiosa para saber qual seu personagem favorito dos livros de Martin. \o/
Quero livro seis logo.

Beijos.
Visite: Paradise Books

Luis Carlos disse...

Confesso que nunca tive vontade de ler a série As Crônica de Gelo e Fogo, pois nunca me via interessado pela série. Adorei conhecer esse livro, parece ser bem marcante, porém achei muito confuso a ideia de ter doze pontos de vista. Adorei a resenha!

Nadja disse...

Oi! Essa saga é muito conhecida, é exatamente a habilidade do autor de criar personagem, diferentes que não é nem bom e nem mal, isso causa uma realidade na trama e é justamente isso que encanta a todos. entendo que o livro não foi o melhor da saga, mas isso acontece em todas. Porém esse livro, como você disse, é indispensável.

Luiza disse...

Apesar dos inúmeros elogios ainda não li nenhum livro do autor :(
Bjs
eternamente-princesa.blogspot.com.br

Maisanara F. disse...

Oi, o mês passado que li o primeiro livro da série e amei (apesar de que demorei muito para ler). Tem muita ação e aventura e muitíssimo suspense!!! Com a maioria dos personagens ou eu sentia ódio ou eu amava eles. O que mais gostei foi a ação que tem no livro e, apesar de você ter dito que esse livro foi fraco, com certeza vou ler todos os outros livros da série. Bjus.

Nardonio disse...

Não sei o que acontece com os quartos livros de séries. Quando não são os segundos, os quartos deixam a desejar. É inegável que o George Martim sabe criar personagens e histórias pra lá de incríveis, mas foi uma pena que esse volume tenha não tenha mostrado a que veio. Com mais de 500 páginas de "encheção de linguiça" é demais para mim. No entanto, como se trata de uma série, esse "sacrifício" é necessário.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Inês Gabriela A. disse...

Olá,
Simplesmente não li a resenha com medo de spoilers porque ainda não li essa série e pretendo fazer isso em um futuro utópico onde eu tenho tempo livre e não possuo tantas pendências de parceria. Mas fora isso, gosto desse tipo de livro e tenho curiosidade por esse.
Beijos.
Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

Ariane Reis. disse...

Oie Alê =)

Bem ... eu parei de acompanhar a série de TV desde o Casamento Sangrento. Sabe quando você atinge um limite entre o que você aguenta assistir? Foi isso que aconteceu comigo.
Tenho uma leve curiosidade em conhecer a história pelos livros, pois por tudo que leio de comentários a adaptação sofreu mudanças. Mas, vou deixar isso mais para frente.
Ótima resenha!

Beijos;***

Ane Reis.
mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
@mydearlibrary

Rebeca B. disse...

Olá.
AAAHHHHH EU SOU LOUCA PARA LER OS LIVROS DAS CRÔNICAS DE GELO E FOGO! (Tá, parei '-')
Sua resenha aumentou mais ainda minha vontade, e a capa é linda né?!

http://blogexplicita.blogspot.com.br/

Priscilla Frasnelli Rocha disse...

Oi Alê!
Gostei da honestidade, mas confesso que desanimei.
O tamanho dos livros já me intimida, e saber que o ritmo decai é algo que me deixa mais receosa. Queria começar a ler o primeiro ainda esse ano, mas não sei se vou conseguir.
Beijos,

Priscilla
http://infinitasvidas.wordpress.com

Paty Algayer disse...

Oi Alê!
Também achei esse o livro mais fraquinho da série... acontece pouca coisa no decorrer dele, e falta a maior parte de meus personagens favoritos! Mas a história é importante para o futuro, e no A Dança dos Dragões a trama vai voltando a seu rumo... é uma leitura válida! Agora estou ansiosa para que o Martin lance de uma vez o The Winds of Winter...
Bjus,
Paty Algayer - Mágica Cult

Gisela Menicucci Bortoloso disse...

Alê
Também achei o terceiro livro desta série uns dos melhores que já li, simplesmente fantástico. Eu iniciei a leitura de Festim dos Corvos a um ano atrás, parei e voltei agora e confesso que a ritmo lente, ainda estou na metade do livro. mas já sabia que este livro seria assim, fui avisada, mas como você disse a genialidade do autor é tão grande que mesmo seu livro transição é impressionantemente rico.
Abraços,
Gisela
@lerparadivertir
Ler para Divertir

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger