quarta-feira, 4 de novembro de 2015

RESENHA: Serena

“Quando um supervisor perguntou ao Dr.Cheney para que a Sra. Pemberton queria as cascavéis, o médico respondeu que ela tirava veneno das presas das criaturas e revestia a própria língua com ele.” (RASH, 2015, p.96)

Relutei em ler “Serena”. Embora a premissa me atraísse, iniciei a leitura da prova no site da editora Intrínseca por duas ou três vezes e não me senti cativada pela narrativa. Ainda assim o livro me deixava curiosa. Em uma dessas vezes, li umas páginas a mais e eis que a personagem-título deu o ar de sua graça. Imediatamente eu soube que queria saber mais sobre o que aquela mulher era capaz de fazer.

Pemberton é um rico madeireiro da Carolina do Norte que parte em uma breve viagem e retorna para casa recém casado com Serena, uma mulher tão ambiciosa e inescrupulosa quanto ele. Juntos, os dois não medirão esforços para aumentar sua riqueza, nem que para isso precisem burlar algumas regras, fazer inimigos e eliminar os que se atravessarem em seu caminho. Entre eles Rachel, a jovem que Pemberton engravidou antes de conhecer Serena, e os envolvidos com a criação do parque nacional que pretende utilizar-se de suas terras.

Quando peguei o livro em mãos, me perguntei o que havia na prova que eu não havia gostado, já que os primeiros capítulos estavam sendo extremamente envolventes. A narrativa fazia com que eu me visse nos campos junto aos personagens, sentindo o frio e o cheiro da madeira cortada. Além disso, são inúmeras as cenas marcantes nos primeiros capítulos, com destaque para a abertura que deixa muito claro quem Serena é e o tipo de coisa que é capaz de fazer.

Em plena década de 30, Serena é uma mulher forte, que toma as rédeas da situação, trabalha como qualquer homem e não aceita ser menosprezada apenas por ser mulher. Essas características se aliam a falta de escrúpulos, revelando além de inteligência, crueldade, fazendo dela uma personagem fascinante de quem em nenhum momento gostamos, mas queremos estar por perto para ver o que irá fazer em seguida.

Isso é um ponto positivo do livro. Rash não tenta nos fazer gostar de seus personagens e se limita a nos mostrar quem eles são. Além de Serena, Pemberton também gera expectativa no leitor, mesmo sem ser carismático. Talvez a única personagem que gere alguma empatia seja Rachel, uma versão humana, pode-se dizer, de Serena, já que mesmo tão jovem e com tantas coisas contra si, também se mostra forte e determinada, sem nem por isso deixar de ser uma boa pessoa.

Com personagens ricos e uma trama relativamente simples, Rash tinha em mãos material para fazer um ótimo livro. O problema é que o autor optou por focar em coisas sem importância, deixando o mais interessante de lado. Passados os primeiros capítulos, tudo se tornou enfadonho, o que me fez perder a vontade de saber o que viria pela frente, mesmo sabendo que era promissor.

E já que está na sinopse oficial, me permito comentar algo que soará como spoiler, mas que foi o que me manteve interessada quando o livro começou patinar sem chegar a lugar algum. Eventualmente, Serena descobre que não poderá ter filhos e passa a se sentir ameaçada pela existência de um filho ilegítimo de Pemberton, ordenado o assassinato da criança e sua mãe (atitude essa que afeta a dinâmica do relacionamento do casal). Conhecendo os dois personagens e sabendo o quão passional era o seu relacionamento, julguei que o desenrolar desse arco seria extremamente interessante. Pemberton e Serena são parecidos em muitos aspectos e querem as mesmas coisas, o que permite uma perfeita parceria de negócios. Além disso, são apaixonados, tem um relacionamento intenso e uma química forte. É um casal que tem tudo e encontra formas de conseguir o que lhe falta, mas que se depara com algo que está além de seu controle e que altera sua simbiose perfeita. As consequências disso são, a meu ver, muito mais interessantes do que os problemas provenientes do tal parque e as artimanhas do casal para conquistar mais terras, o que infelizmente é o caminho trilhado por Rash na maior parte do livro.

E o problema não é só o desperdício de páginas em eventos que não empolgam (o arco do assassinato do filho ilegítimo tem início na página 220, para se ter ideia), mas também a insistência da narrativa em se ater a coisas de pouca importância, como conversas entre funcionários dos Pemberton. Assim, o que no início parecia ajudar a ambientar a trama se torna cansativo, fazendo o livro patinar tanto nos acontecimentos como na maneira que eles são contados, se sustentando apenas por ter uma ótima protagonista. Serena é a luz do livro. O problema é que seu brilho ofusca todo o resto e quando ela não está presente tudo parece escuro e sem graça.

Como a capa desta edição indica, “Serena” foi adaptado para os cinemas tendo Jennifer Lawrence e Bradley Cooper como protagonistas. O filme não é uma adaptação fiel, alterando inclusive acontecimentos fundamentais da história e, a meu ver, até mesmo a personalidade de alguns personagens (entre eles Serena, que parece muito mais suave, obcecada pelos motivos errados e insana).

Título: Serena (exemplar cedido pela editora)
Autor: Ron Rash
N° de páginas: 318
Editora: Intrínseca

26 comentários:

Diane disse...

Oi ...
Pela sinopse eu imaginei que esse livro seria perfeito , mas , ao ler sua resenha percebi que não deve ser bem assim , principalmente , por focar em acontecimentos desnecessários .
Beijos

http://coisasdediane.blogspot.com.br/

Gus disse...

Eu AMEI o filme e quero muito ler o livro! Mesmo com todas essas críticas suas, ele ainda é desejado por mim. Eu, particularmente, gosto de livros com mulheres loucas e obcecadas...

Www.cidadedosleitores.blogspot.com (TÁ ROLANDO SORTEIO)

Sil disse...

Olá, Mari.
Eu ia perguntar se era capa de filme, porque não gosto hehe. Eu me interessei pela história, principalmente por causa da personagem titulo, apesar de não ser favorável as "vilas" das histórias hehe. Mas agora fiquei na duvida se quero ler por conta dos pontos negativos que você abordou. Quem sabe eu até leia, mas não no momento.

Blog Prefácio

Gabriela CZ disse...

Não tinha interesse nesse livro, fiquei interessada pelos comentários iniciais e mudei de ideia na segunda metade, Mari. Odeio quando o autor cria personagem interessantes mas esquece de fazer o mesmo pela trama. Embora tenha ficado muito curiosa para conhecer Serena. Ótima resenha.

Abraços!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Laís Lubrani disse...

Nossa. Engraçado... Mesmo que você não tenha gostado do livro, você escreve de uma forma que nos prende, e dá vontade de ler, mesmo que por curiosidade, hehehehe. Se eu achar, quero ler, mas não agora!!

PS: Odeio quando colocam a capa do filme, no livro. Não pode! rss

www.chadefirulas.com.br

Thalita Branco disse...

Olá Mari!

Adorei a sua resenha. Eu havia me interessado pelo filme, mas agora sinceramente nem por ele. O livro é +/- e ainda mudaram coisas...

Bjs

EntreLinhas Fantásticas

Milena Schabat disse...

Se tem uma coisa que eu não gosto, é ler uma história massante. Ainda mais quando ela realmente é interessante, mas o autor não trabalha direito nos pontos certos e, pelo visto, esse livro é exatamente assim. Não sei ainda se quero ler ou não, mas talvez eu assista ao filme! =)

Abraço,
literarizei.blogspot.com

Eloísa Pompermayer disse...

Oláá
Esse livro pelo que pude conferir na resenha é incrível, quando vi que o livro ia ser aptado para o cinema com Broaley Cooper e Jennifer Laurence eu tive um MEGA surto, pois são meus atores favoritos, com toda certeza preciso ler esse livro, não sei como ainda não o li sinceramente!!! <3 haha
Bjoos

Jovem Literário

Leitora Cretina disse...

Olá, tudo bem?
Esses dois juntos de novo? hahahah. Começando a ler a sinopse/premissa realmente achei que seria um livro marcante, mas detesto esses que tem um personagem brilhante e quando não está se torna algo cansativo e chato. Gosto de tudo bem dosado e pelo visto faltou isso neste livro.
Boa resenha.

Beijão
Leitora Cretina ♡

Camila Monteiro disse...

Sabe qual a impressão que tenho dessa obra, lendo sua resenha? De que é uma história que funciona melhor no cinema do que no livro. Existem várias assim... MAS... Eu curti o enredo hehehe
Acho que mesmo com os pontos fracos que vc apontou vou dar uma conferida. Talvez porque eu já vá ler imaginando o Bradley Cooper e isso me anima hahahahaha
Valeu a dica.

>> Vida Complicada <<

Robson Vascovith disse...

Oi, tudo bem? Eu adorei seu layout, quem foi que fez? Olha eu estou um pouco sem tempo para ler livros, mais eu fiquei bem curioso com o que você postou, quem sabe eu leio ele alguem dia desses.

http://www.blogmemories.com.br

instagram: @robsonvascovith

Luiza Helena Vieira disse...

Oi, Mari!
Às vezes, eu gosto quando o autor nem se esforça para que gostassemos dos seus personagens. Sidney Sheldon é dono disso.
Falando em Sheldon, você disse algo na resenha que me lembrou uma personagem dele: Kate Blackwell. Ela tem as mesmas características que a Serena. Se você se interessar, o livro é O Reverso da Medalha.
Beijos
Balaio de Babados

Mih Prado disse...

Olá Mari! Primeira resenha que leio sobre o livro, e confesso que sua historia apesar de interessante não me chamou tanto a atenção. As vezes quando a historia se torna muito " enrolada" acaba se tornando uma leitura cansativa. Irei conferir outras resenhas antes de ter uma avalição final se terei interesse ou não pela leitura. Mas de qualquer forma o filme não perco por nada!

Juliana Gomes disse...

Oi, Mari!
Já adicionei duas vezes esse livro no carrinho da livraria virtual, e sempre antes de finalizar a compra fazia uma nova avaliação dos títulos e sempre era o escolhido para ficar para próxima vez. E ao contrário de você tive acesso apenas a sinopse, pensei que fosse coisa da minha cabeça e tentei assistir ao filme, uma tentativa de despertar o interesse a leitura - tentativa falha.
Enfim, do mais, gostei muito da sua resenha e da opinião clara sobre a obra.
bju's Ju.
Visite: Nossa Estante Nacional

RUDYNALVA disse...

Mari!
Quando a intuição vem, melhor acolhê-la, concorda?
Você tentou várias vezes ler os primeiros capítulos e empacava, cedeu e foi ler o livro, constatando sua primeira impressão.
Achei o perfil de Serena forte ao começar a ler a resenha, ainda assim, no final, o livro não engrenou... difícil quando acontece isso, né?
Não assisti o filme e possivelmente não lerei o livro.
“Um bom poema é aquele que nos dá a impressão de que está lendo a gente ... e não a gente a ele!”(Mario Quintana)
cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
Participem do nosso Top Comentarista, serão 3 ganhadores!

Vanessa Vieira disse...

Gostei da resenha Mari. A premissa do livro é interessante e fiquei bem curiosa com a história por ter uma anti-heroína implacável. Uma pena que o autor acabou pecando em alguns detalhes. Beijo!

www.newsnessa.com

Diego Morais Viana disse...

Oi.
Puxa, tinha tudo para ser um livro interessante, mas o autor meio que se perdeu em temas secundários e sem expressão.
Vou ver o filme e espero q seja melhor do que o livro.
Abraços.
Diego || Diego Morais Viana

Caverna Literária disse...

Bom, é um livro bem conflituoso né, tem seus lados negativos e positivos bem claros. Eu não me interesso muito, arriscaria no filme só pelo sucesso que fez. Ótima resenha!

xx Carol
http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
Tem resenha nova no blog de "A Cura Mortal", vem conferir!

Rose Gs disse...

Olá!!
Eu não li o livro mas assisti o filme (por causa da Jennifer Lawrence que adoro), e já achei super lento e cansativo, quase que durmo, mais fiquei ali firme e forte esperando a parte boa chegar e pra minha decepção a parte boa nunca chegou, não gostei da historia, mais mesmo sabendo em sua resenha que e muita coisa foi modificada, ainda acho que não vou ler o livro o filme já foi muito pra mim , lendo sua resenha percebo que não conseguiria terminar a leitura me pareceu bem mais cansativo que o filme.

Ycaro Brito disse...

Mari, Serena é um livro que não me interessa. Apesar das características da personagem feminina que recebe o nome do livro como uma figura forte, ambiciosa e cruel, a narrativa em si não me interessou muito, logo não me arriscaria nesta leitura. Por ter me agradado na construção de personagens, tentarei dar uma chance ao filme, mesmo sendo infiel.

Kamilla Evely disse...

Eu sabia da adaptação, mas nunca havia me entusiasmado pelo livro. Uma pena porque parece ser ótimo, um enredo bem chamativo. Apesar dos pontos negativos ressaltados me bateu uma vontade enorme de ler esse livro, espero ter chance de adquiri-lo.
Beijos
www.lendoeapreciando.com

Karina Valshe disse...

Não conhecia o livro e nem mesmo sua adaptação, mas sua resenha me fez ver que não o lerei. Serena como disse, é a luz do livro, uma personagem interessante, mesmo que odiável, mas trama e personagem devem trabalhar juntos em harmonia, e o autor pecou nisso. Havia tantas coisas em que focar, em que trabalhar e me vi decepcionada de como relatou que ele preferiu investir em coisas sem importância e que nem de longe empolga o leitor.
Talvez assista ao filme por curiosidade, mesmo sendo muito infiel, mas não arriscarei essa leitura. Já possuo muitos livros na fila e não pretendo aumenta-la com o que não me interessa.
Abraços

Nadja disse...

Oi! Na verdade não me atrair por esse livro, não conseguir achar algo que me instigasse a ler como você achou. Achei a história um pouco chata, talvez o diferencial desse livro seja realmente os personagens e suas ambições, Serena, principalmente! Mas isso não foi o suficiente, acho que também não tenho vontade de assistir o filme. Não gosto de leituras enfadonhas e que não se concentra em caminhos melhores que a trama poderia tomar.

Carolina Garcia disse...

Oi, Mari!!

Que pena que o livro não agradou. Eu imaginava que seria uma super trama daquelas que você não consegue parar de ler até chegar ao final. Mas agora já fico mais ciente do que esperar.
Não estou em uma vibe de leituras mais cansativas, então não acredito que vou ler agora. Talvez no futuro.

Bjs

livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

Vitor Leonardo disse...

Poxa pelo nome do livro eu não imaginava uma história dessas! Não me interessei por ele, detesto leituras que em certa parte se desfocam do tema principal do livro, pararia no começo! Por bem, até veria o filme, porém se não tiver opção alguma kkk
Se tiver alguém que se interessou, vá em frente leia! Sua opinião é mais importante!

Cleide Balbieri Dias disse...

Que pena ! Porque eu amei o livro. Achei o filme fraquíssimo, pois não mostra nem um pouco a personalidade que o livro mostra. Os conflitos com os funcionários são um espelho do que acontece até hoje: exploração de mão de obra barata para enriquecimento. Morrer não faz diferença, tem outros na fila pelo emprego...Bem atual. Recomendo o livro. O filme não.

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger