sábado, 27 de fevereiro de 2016

RESENHA: Kaschtanka e outras histórias de Tchékhov

“Felizes momentos! Entretanto, nesta vida terrena não existe nada inteiramente feliz. A felicidade costuma trazer veneno em si mesma, ou é envenenada por algo externo. Assim foi também desta vez.” (Tchékhov, p. 50, 2015)

Há alguns anos, Tchékhov foi um dos autores responsáveis por eu aprender a gostar de contos. Assim, quando vi essa coletânea com sete histórias do autor me interessei imediatamente.

Em todos os contos, o texto de Tchékhov é tão direto que é impossível não prender a atenção do leitor. As histórias, mesmo tão curtas (a mais longa tem apenas 26 páginas) conseguem sensibilizar, indo fundo na alma desses personagens. Comento brevemente as minhas favoritas:

Em “Kaschtanka”, acompanhamos todos os acontecimentos através do olhar da personagem-título: uma cadela que se perdeu do seu dono e foi parar na casa de outra família. O que mais me admirou é ver como Tchékhov consegue dar para Kaschtanka sentimentos com os quais o leitor consegue se relacionar, mesmo sem perder a noção de que se trata de um animal.

“Camaleão” é tão breve que você mal começa a ler e já terminou. Apenas cinco páginas. Mas elas são suficientes para mostrar como as pessoas tentam se adequar às situações para manipulá-las a seu favor. A narrativa é apenas uma breve cena, mas mostra todo o caráter de um homem.

“Ninharias da Vida” é um ótimo exemplo de história oculta (o tipo de conto que parece ser sobre uma coisa e ao nos aproximarmos do final percebemos ser sobre outra).

Por fim, cito “Brincadeira” que há alguns anos foi meu primeiro contato com Tchékhov. A história do sujeito que, apenas quando desce o morro em um trenó, em meio ao som do vento, diz para a namorada que a ama.

Imaturidade, perda da inocência, esperança e chantagem são alguns dos temas que Tchékhov aborda nesses contos, mostrando que o número de páginas nada tem a ver com a profundidade que um autor pode alcançar e que contos são muito mais do que meras histórias curtas, pois seu texto enxuto é resultado de técnica narrativa e Tchékhov faz isso muito bem.

Compõe ainda esta edição “Vanka”, “Menino Malvado”, e “Meninos”.

Título: Kaschtanka e outras histórias de Tchékhov (exemplar cedido pela editora)
Autor: Anton Tchékhov
N° de páginas: 92
Editora: Boa Companhia

25 comentários:

Carol Hermanas disse...

Eu gosto de livros assim.Que contenham simplicidade e palavras que conseguem nos expressar facilmente :)

Amei a resenha,eheheheh.


beeijo.
http://carolhermanas.blogspot.com.br/

Gabriela CZ disse...

Nunca li nada de Tchékhov embora já tenha ouvido falar um bocado sobre ele. Achei interessante o conteúdo desses contos, Mari. Vou procurar. Ótima resenha.

Abraços!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Marlene Conceição disse...

Ótima resenha.
Primeira vez que vejo falar do autor Tchékhov, gostei muito da capa, mas infelizmente não faz meu gênero literário, sua resenha ficou ótima.

Luiza Helena Vieira disse...

Oi, Mari!
Confesso que não conhecia o autor, mas curti o que você falou sobre a obra dele.
Realmente o número de páginas de um livro não descreve o talento do autor. Já li alguns livros "gigantes", mas que a escrita e a história não eram boas.
Beijos
Balaio de Babados
Participe do sorteio do livro Marianas | Porcelana - Financiamento Coletivo

Daniela Silva disse...

Oi Mari!
Nunca li nada do autor e gostei muito deste livro, adoro coletâneas de contos. :)
beijos ♥
nuclear--story.blogspot.com | Sorteio A Rainha Vermelha

Sil disse...

Olá, Mari.
Eu nunca li nada do autor e não sou muito fã de contos também. Até leio, mas se tiver que escolher, prefiro histórias grandes hehe. Mas concordo com você que o tamanho da história é irrelevante quando o autor é bom. O meu problema é que fico querendo mais depois hehe.

Blog Prefácio

Jessica Lisboa disse...

Curtinho o livro não é? Bem nao sou apta a ler contos mas realmente chama atenção o livro.

Jéssica Soares disse...

Oi, Mari! Tudo bem?
Eu ainda não conheço nada do Anton Tchékhov, mas gostaria de dar mais oportunidade aos contos nesse ano. O fato de que a faculdade rouba boa parte do meu tempo de leituras pessoais é o principal responsável, acho que um livro de contos - rápidos, ainda por cima, e com qualidade - pode me ajudar no meu intuito! Fiquei curiosa para conferir, principalmente, o conto “Kaschtanka”, quero ver como o autor conseguiu realizar o que você descreveu! A dica está anotada! Bjs
Jéssica S. - http://lereincrivel.blogspot.com.br/

Patrini Viero disse...

Ainda tive pouco contato com o autor, e quando o li foi na faculdade, então é um olhar diferente de mero espectador e apreciador. Mas confesso que a profundida de sua escrita é algo que sempre se sobressai, que realmente chama atenção. Independente da quantidade de páginas, acredito que a essência de um texto esteja naquilo que ele consegue dizer, e o autor nos dá uma aula em cada um de seus contos.

Fernanda Mendonça disse...

Eu acho o máximo q vcs são um dos poucos blogs que eu conheço que resenham livros mais antigos e/ou cults hahaha (mesmo que eu só comente as vezes)

Enfim. Nunca li nada do autor, e particularmente não sou muito fã de contos, pq eles acabam muito rápido. O conto de Kaschtanka, por exemplo, parece muito legal...E eu me sentiria muito triste com o fim dele, pq adoro livros e histórias contadas da perspectiva de um animal hehehehe

Jess Sena disse...

Oi, tudo bem?
Que livro interessante, gostei de conhecer.
Bj


@saymybook
saymybook.blogspot.com

Laís Lubrani disse...

Eu nunca tinha ouvido falar do autor, mas assim como você, também adoro contos. Vai aí mais um livro pra minha listinha!! Obrigada pela dica, sempre boa!
Um beijão
www.chadefirulas.com.br

Luci Hora disse...

Eu amo contos. São textos que me deixam conectada ao livro, sabe? Por serem curtos, quero terminar logo. rsrsrs... vou pegar esse pra checar.
Luci
Ponto de exclamação

Dan Igor disse...

O livro parece incrível com contos que, apesar de curtos, são extremamente profundos e passam mensagens importantes. Sou louco para me arriscar na literatura de Tchékhov. Abraços.

Desbravador de Mundos disse...

Olá, Mari.
Tenho que parar de ler suas resenhas. Sempre que faço isso, minha lista de desejados aumenta.
Quanto ao livro, gostei bastante da premissa. Adoro um bom conto, então gostei do que posso encontrar. O fato das narrativas serem feitas a partir do olhar de um animal torna tudo ainda mais cativante.
Quero ler.

Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de reinauguração. Serão quatro vencedores!

Larissa Dutra disse...

Este não é o tipo de livro que costumo ler, e a capa não me chamou muito a atenção, mas ainda assim, adorei sua resenha!

Beijos,
Duas Livreiras

Diane disse...

Oie...
Quem me incentivou a gostar de contos foi o Machado de Assis, quando li "Relíquias da casa velha" me apaixonei totalmente... E essa leitura não foi obrigatória pro Colégio rsrsrs...
Mas, me interessei bastante nesse livro e com certeza vou ler:)
Beijos

http://coisasdediane.blogspot.com.br/

Minhas Impressões disse...

Olá, Mari.
Descobri recentemente o maravilhoso mundo dos contos e só me arrependo de não ter conhecido antes.
Ainda não li nada do Tchéckhov, mas está nos meus planos.
Dos contos citados, me interresei por "Brincadeira".
Abraços.

Minhas Impressões

Mariana Gabriela disse...

Olá!

Não li nenhum um conto do autor, mas admito que fiquei bem curiosa para procurar algo dele e me envolver. Gostei bastante da sua resenha, sei o que esperar das obras do autor.

Beijos!

http://apenasumaleitura.blogspot.com/
---
Ah, está rolando resenha premiada lá no blog, do livro “O Andarilho Dewok”. Não deixa de participar! 
Resenha: http://migre.me/t5KoE

Vida de Leitor disse...

Oii, gosto de autores diretos. Aqueles que enrolam muito as vezes são chatos demais.

Beijos,
Natália

www.doprefacioaoepilogo.blogspot.com

Sozinha Na Biblioteca disse...

Oi Mari!

Gosto bastante de ler contos, as vezes eles são uma leitura muito mais significativa do que alguns romances gigantes que existem por aí. Já conhecia esse autor de nome, mas nunca li nada dele, sua resenha me deixou bem interessada no livro, assim que eu puder vou procurar pra ler.

Beijos,

http://sozinhanabiblioteca.blogspot.com.br/

Mandy disse...

É chato eu não conhecer o autor? Sou desligada HSUAHSUH Mas fiquei encantada só com a resenha, estou louca para ler o livro. O bom é que já que os contos são curtos dá para ir lendo naquela fila, na sala de espera em qualquer lugar né,
Beijoos,
Sétima Onda Literária

Tony Lucas disse...

Oi, Mari! Tudo bem? Primeiro tenho que dizer que estou encantando com essa capa e extremamente interessado em ler a história da cadelinha "Kaschtanka". Algo me diz que diz vou amar esse conto, sabe? Outro conto que me chamou a atenção foi "Brincadeira". Espero ler este livro em breve. Adorei a resenha! <3

Abraço

http://tonylucasblog.blogspot.com/

Bruna Costabeber disse...

Olá Mari,
Ainda não conhecia o livro e confesso que fiquei bastante curiosa. Gosto bastante da temática de imaturidade e perda de inocência e acho que gostaria muito do livro. Seria uma leitura agradável.
Gostei muito da tua resenha e fiquei bem curiosa.
Beijos,
http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

Rafaela. disse...

Oi, Mari!

É tão bom ver Tchékhov por aqui, pois é um autor maravilhoso. Também já li alguns contos dele e amei, principalmente pela escrita e a intensidade da narrativa e dos personagens.
Sou suspeita para falar, pois sou louca por contos... É exatamente o que mencionou, há tanta profundidade em poucas páginas que é impossível não se encantar e envolver.
Vou procurar por este livro!

Biejocas.
http://artesaliteraria.blogspot.com.br

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger