sexta-feira, 27 de maio de 2016

RESENHA: Cipreste Triste

“ – Mas não seria um pouco antiético o que está propondo? Chegar à verdade, sim, isso sempre me interessa. Mas a verdade é uma faca de dois gumes. Suponhamos que eu descubra fatos contra essa senhora?” (CHRISTIE, p. 121, 2014)

Após uma longa doença, a velha Sra. Welman morre durante o sono. Para a surpresa de todos, ela nunca havia elaborado um testamento e assim toda a sua fortuna vai para a sobrinha, a bela Elinor Carlisle. Atendendo os desejos da tia, Elinor distribui uma generosa quantia para os empregados, as enfermeiras e principalmente para a jovem Mary Gerrard, filha de um dos empregados a quem sua tia era muito apegada. Mas quando Mary é assassinada, Elinor é acusada pelo crime. As provas contra ela são bastante incriminadoras: ninguém tinha motivo para querer Mary morta e nenhuma outra pessoa tivera oportunidade de matá-la. Além disso, todos sabem que o noivado de Elinor e seu primo Roddy terminou depois que ele se apaixonou por Mary. Agora cabe a Hercule Poirot descobrir a verdade e livrar Elinor de um crime que talvez ela não tenha cometido.

Mais uma ótima trama da Dama do Crime, “Cipreste Triste” inicia com um breve prólogo em que temos um vislumbre do julgamento de Elinor. Depois disso, a trama se divide em três partes: na primeira, somos apresentados aos personagens e a dinâmica da família enquanto a Sra.Weldon ainda é viva, acompanhamos como lidam com a sua morte e chegamos à morte de Mary. Na segunda parte entra em cena Hercule Poirot e a investigação do detetive tem início. Por fim, na terceira parte acompanhamos o julgamento de Elinor.

Nessa história Agatha usa de três ótimos personagens: Mary, Elinor e Roddy. Mary é a moça que veio de uma classe inferior e é grata por alguém ter lhe proporcionado uma educação que não estava dentro das suas condições. Mary parece ter um carinho genuíno pela velha Sra.Weldon e querer retribuir o que a senhora fez por ela da maneira que lhe for possível, mas será isso mesmo ou será ela uma interesseira?

Temos também os primos Elinor e Roddy que sempre tiveram carinho pela tia e mesmo cientes de que sua morte lhes traria uma generosa quantia em dinheiro, nunca quiseram pensar em um cenário em que a velha já não vivesse, até porque o dinheiro para eles pouco significa e pouco importa se os dois ou apenas um serão herdeiros visto que em breve pretendem se casar. Mas serão eles mesmo tão desapegados à fortuna? Será que Roddy realmente quer se casar com Elinor? Será que Elinor é tão gentil e generosa quanto parece ou está armando alguma coisa por trás? As dúvidas pairam especialmente porque sabemos que tanto Elinor quanto Roddy sempre foram hábeis em esconder seus sentimentos e se estendem a Mary que é, em muitos aspectos, uma desconhecida.

Usando do núcleo familiar como origem do crime e de seu detetive mais célebre para conduzir essa investigação, Agatha acrescenta um elemento poucas vezes visto em seus livros: o tribunal. Embora já tivesse escrito a peça de teatro “Testemunha de Acusação” (que anos depois ganhou as telas de cinema sob a direção de Billy Wilder) esse é o primeiro romance que Agatha reveste de thriller jurídico, contando com a participação de Poirot (com direito ao detetive belga no banco de testemunhas e tudo).

Mas não pense que por causa disso você irá encontrar um romance que foge do que conhecemos (e amamos) em Agatha Christie. Com uma narrativa fluida e envolvente que é característica dos seus livros, a trama de “Cipreste Triste” se desenvolve como um típico mistério da autora e, justamente por isso, agrada.

Título: Cipreste Triste
Autora: Agatha Christie
Nº de páginas: 271
Editora: L&PM

19 comentários:

Bruna Lago disse...

Gostei muito de como o livro é dividido.. Assim a gente conhece muito mais os personagens.
O ponto mais importante pra mim é saver se foi mesmo essa moça que cometeu o assassinato.. Fiquei bem curiosa.

Gabriela CZ disse...

O que dizer além de que fiquei muito curiosa, Mari? Toda vez que vocês comentam um livro da Agatha fico me roendo de curiosidade, e tenho que tratar de ler algo. O problema é que só prometo, né? Mas vou cuidar disso. Ótima resenha.

Beijos!

Alessandra Salvia disse...

Oi Mari,
Preciso MUITO ler algo da Agatha, já tive vários elogios e indicações, mas nunca consigo ler.
Essa capa é linda e a premissa me interessa.
Beijos
http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

Tô pensando em Ler disse...

Adorei!! Ai que tudo essa coisa de assassino dentro do núcleo familiar!!! Sério. Amo isso!!
Anotadíssima a dica!

Bjks

Lelê

buscando sonhos disse...

Nunca li um livro da Agatha, sempre fui muito curiosa com os livros, mas sempre um outro entrava no lugar, preciso ler ao menso um pra ver se gosto :D
http://b-uscandosonhos.blogspot.com.br/

Sil disse...

Olá, Mari.
Quando vemos Agatha Christie já sabe que vem coisa boa por ai. Eu li esse livro, mas tem tanto tempo que não lembro do final. Agora fiquei querendo saber e vou ter que reler hehe. Adorei a resenha, me deixou muito curiosa.

Blog Prefácio

Diane disse...

Oi, Mari!
Adorei a premissa desse livro! Acho que nunca li um livro dividido dessa forma, deve ser muito interessante :)
Fiquei curiosa para ler sobre esse tribunal da Agatha...
Já adicionei nos desejados.
Beijos

http://coisasdediane.blogspot.com.br/

Ana I. J. Mercury disse...

Mari, que maneiro!!
Conhecia o livro apenas de nome, e quero ler todos da Agatha ainda!!
Ameeeei a sua resenha, fiquei curiosíssima para saber mais e descobrir quem é o verdadeiros assassino!
Eu acho que a Elinor é inocente, hein rsrsrs
Vou procurar na biblioteca se tem ele ainda essa semana!!
bjoss

Luiza Helena Vieira disse...

Oi, Mari!
Nunca li nada da Agatha e até agora não havia encontrado algum que me chamasse atenção. Achei essa capa linda também.
Beijos
Balaio de Babados

Lívia Santos disse...

Agora fiquei curiosa!! Esse livro parece ser muito bom *-* gosto de livros com ar de mistério e dividido em partes!
Amei a resenha ♡

Beijos azuis

Semitributo.blogspot.com

Wislanny Martins disse...

Oi, Mari!
Outro livro da Agatha que tenho que acrescentar na minha lista, adorei conhecer um pouco da trama, deve ser outro que só dá vontade de parar quando descobre o mistério.

Beijo.
livrosdawis.blogspot.com.br

Micaela Gomes disse...

oooi!
Ontem fui na livraria cultura e tinha um harem de livros da Agatha, fiquei louca querendo comprar pelo menos um, sou doida pra ler algo dá autora que dizem ser tão boa no que faz, infelizmente não tinha grana e só fiquei babando os livros mesmo. Não vejo a hora de poder ler algo dela e tirar minhas próprias conclusões!
bjs xxx
http://lendocomela.blogspot.com.br/
.com

David Galan disse...

A Agatha é realmente uma das melhores autoras do gênero, suas obras permanecem atemporais e por isso faz tanto sucesso mesmo depois de vários anos de sua publicação.
Um clássico envolvendo um crime e herança, onde todos podem estar escondendo suas verdadeiras intenções e mentindo sobre o que realmente desejam, essa parte adicional do tribunal deixa a leitura muito mais rica, é o próximo livro da autora que lerei depois dessa resenha.

Colecionadores de Livros disse...

Tenho uns 5 livros da Agatha. Até agora só li um: Os cinco porquinhos... e esse eu li em ebook, então os 05 que tenho ainda estão intactos. kkk Gostei da sinopse. Uma menina acusada injustamente? Bem interessante...

Já estou seguindo o blog, e obrigada pela visita! =D

http://colecionadoresdelivross.blogspot.com.br/

Bia Gonçalves disse...

Oi Mary! Na adolescência, Agatha fazia minha cabeça. Eu era completamente apaixonada por seus livros e por Poirot rs. Nunca li Cipreste Triste, porém, fiquei muito curiosa pelo enredo. Confesso que acabei ficando enjoada da escrita da autora, e por isso, é realmente difícil um livro de sua autoria ser desejado por mim. Esse eu quero ler rs.
Beeijos
http://lua-literaria.blogspot.com.br/

Thuanne Souza disse...

Fiquei bem curiosa pra saber o fim dessa história! Gosto desse mistério que o livro parece ter.
Nunca li nada da Agatha, mas ela deve ser ótima, pois só ouço comentários positivos!

suzana cariri disse...

Oi!
Ainda não li nada da Agatha Christie, mas vejo as pessoas falarem tanto dos seus livros que estou bem curiosa para pegar algo dela para ler, gostei muito da historia fiquei curiosa sobre esse mistério e principalmente para saber quem será o culpado, se tiver oportunidade quero muito ler !!

Desbravador de Mundos disse...

Olá, Mari.
Não conhecia essa obra da Agatha, mas fiquei com vontade de ler. Parece ser uma trama muito boa e ter o elemento do tribunal deixa tudo ainda mais interessante. Ademais, se a escrita ainda é envolvente e fluída, melhor ainda.

Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de maio. Serão três vencedores!

Carolina Garcia disse...

Adorei a resenha, Mari!!
E já estou adicionando o título na minha lista de desejados! Hahaha

Agatha Christie tem tantas histórias que fico achando que nunca conseguirei descobrir todas! Hahahaha

Tenho certeza que vou amar esse título também. Obrigada pela dica! ;)

Bjs

livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger