sábado, 12 de novembro de 2016

RESENHA: O Pistoleiro

“Ninguém jamais realmente paga pela traição em prata, pensou. O preço de qualquer traição sempre é devido em carne.” (KING, 2004, p. 155).

***

O Pistoleiro foi o primeiro livro de Stephen King que tentei ler, por volta dos meus quinze anos. Não sei se em virtude da idade ou talvez por não estar acostumado com o estilo de King, não li mais do que quarenta páginas e desisti da leitura. Foi apenas em 2012 que me tornei fã do autor e quando vi uma declaração do próprio King dizendo que se sua obra fosse um sistema solar, a série A Torre Negra seria Júpiter, não tive dúvidas que cedo ou tarde precisaria conhecer Roland. 

Roland, o último pistoleiro, persegue o Homem de Preto e nunca esteve tão perto de encontra-lo. E encontrar o Homem de Preto é apenas o primeiro passo para encontrar a Torre Negra, sua maior obsessão e razão de viver. Em sua jornada, o pistoleiro encontra Alice, uma mulher que conhece na cidade de Tull, e Jake, um garoto que morreu em Nova York e que volta a vida neste novo mundo. 

A primeira coisa que precisa ser dita é que iniciei a leitura com poucas expectativas. Não apenas em virtude da minha própria experiência, mas também pelo fato do autor dizer no prólogo que ele começou a escrever o livro aos 19 anos e que o primeiro volume da série ainda não tinha encontrado sua voz. Além disso, um amigo igualmente fã do autor disse que era preciso insistir um pouco com os primeiros livros da série, mas que a partir do terceiro volume a série ficava incrível. 

Dito isso, devo admitir que me surpreendi positivamente com o livro. Mais uma vez, o que se destaca é a aptidão natural de King em construir personagens que parecem reais, mesmo em um mundo fantástico. O autor já dominava com maestria a técnica “show, don’t tell” (mostre, não diga) e vemos um retrato muito claro do protagonista. Também merece destaque o Homem de Preto, um personagem enigmático, cheio de segredos e poderoso. 

Hoje, não me surpreende o fato de que eu tenha desistido do livro quando tentei lê-lo pela primeira vez. Isso por que King nos joga em um mundo completamente estranho, mas com referências ao mundo que conhecemos (como Beatles, Jesus e bombas de gasolina). Ou seja, O Pistoleiro introduz um cenário complexo, e as poucas respostas que são dadas surgem apenas no findar da obra. Fica claro que a intenção do autor era apresentar seu protagonista e dar início a sua jornada rumo à Torre Negra, mantendo distância de explicações mais densas. 

O final é empolgante e, acima de tudo, elucidativo. É engraçado como a busca de Roland acaba se tornando a busca do próprio leitor, que está sedento por respostas. E apesar de não encontrarmos tantas explicações quando se gostaria, elas certamente dão pano para a manga. Isso por que é impossível encerrar a leitura e não ficar refletindo sobre o que foi dito, tentando decifrar as descobertas de Roland e imaginar o rumo que a saga irá tomar. Admito inclusive que, ao encerrar a leitura, cogitei seriamente iniciar o próximo volume tamanha era minha curiosidade. 

Por ser um livro curto e contar com uma trama linear, entrecortada por alguns flashbacks do passado do pistoleiro, a leitura é rápida. Apesar de contar com alguns trechos mais monótonos, a leitura não se torna maçante, tampouco cansativa. 

Não indico O Pistoleiro para quem nunca teve contato com a obra de Stephen King. Acho importante que o leitor se familiarize com o estilo do autor, antes de embarcar em uma saga não apenas mais complexa, mas que também pode parecer confusa em um primeiro momento. Creio que se eu tivesse insistido na leitura de O Pistoleiro quando tentei lê-lo pela primeira vez, tenho dúvidas se continuaria a série. Hoje, não apenas com um olhar mais maduro, mas sabendo apreciar o talento de King na construção dos personagens e no desenvolvimento de seus dramas, não fiz a leitura na expectativa de obter respostas. Além disso, conhecendo o potencial de King, não tenho dúvidas de que A Torre Negra será uma série memorável. 

Encerro reconhecendo que O Pistoleiro acabou sendo uma grata surpresa e uma bela introdução a épica saga A Torre Negra. E se, nas palavras de King, a série apenas encontra sua verdadeira voz a partir do segundo volume, então mal posso esperar para continuar a leitura da série. 

Título: O Pistoleiro – A Torre Negra, livro 1
Autor: Stephen King
N. de páginas: 221
Editora: Suma de Letras

15 comentários:

RUDYNALVA disse...

Alê!
King é um daqueles escritores tipo: ame-o ou deixe-o. E se começar a ler um livro dele sem entender sua dinâmica, pode mesmo ser prejudicial.
Fico feliz que tenha dado uma nova chance e esteja acompanhando a série Torre Negra.
Tenho lido boas resenhas sobre ela.
Desejo um ótimo final de semana e um bom feriado!
“Não há nada que faça um homem suspeitar tanto como o fato de saber pouco.” (Francis Bacon)
cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
TOP Comentarista de NOVEMBRO com 3 livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

Vanessa Vieira disse...

Gostei da resenha Alê. Por mais que essa seja uma série tecida de elogios, confesso que a saga A Torre Negra não consegue me chamar a atenção. Sou fã do King desde os meus doze anos de idade, quando tive a oportunidade de ler O Cemitério, mas essa sua série de fantasia não figura nas minhas leituras futuras do autor. Abraço!

www.newsnessa.com

Sil disse...

Olá, Alê.
Eu li até o terceiro livro dessa série e confesso que pouco entendi. Não sei se voltarei a ler algum dia, que sabe. Meu sobrinho foi até o fim e disse que e é ótima e que faz referencia a quase todos os livros dele. Espero que continue gostando dos livros.

Blog Prefácio

Alessandra Salvia disse...

Oi Ale,
Stephen King para todos os lados no mundo blogueiro, rs.
Preciso ler logo alguma coisa dele.
Beijos
http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

Gabriela CZ disse...

Tenho muita vontade de ler A Torre Negra, Alê. Toda vez que leio comentários a respeito minha vontade aumenta, e sua experiência com O Pistoleiro me deixou ainda mais curiosa. Me odeio por ter dado bobeira e não comprado o box, os livros individuais são meio carinhos e os primeiros difíceis de achar. Espero que a Suma volte a fazer o box. Ótima resenha.

Beijos!
Portal Andar de Cima

Cristiane Dornelas disse...

Nunca tive muita vontade de ler essa série dele particularmente. Não sei porque, mas não me chamou muita atenção mesmo. E é um tanto difícil pelo que vejo falando. A série parece ganhar graça só depois do terceiro volume mesmo e esses primeiros são uns tanto difíceis de ler. Acho que vale a pena mais por poder acompanhar o crescimento do autor, mas não sei se algum dia pego.

Vanessa Sueroz disse...

Oie,
confesso que não conhecia o livro, mas ele não me chama atenção.
Não é meu tipo de leitura

bjos
<a href="http://blog.vanessasueroz.com.br>Blog Vanessa Sueroz</a>

Colecionadores de Livros disse...

é uma vergonha eu nunca ter lido nada do King.
=/ ano que vem eu mudo essa estatística.

Beijão
http://colecionadoresdelivross.blogspot.com.br/

Caverna Literária disse...

Eu cheguei a ler A Torre Negra em HQ e me surpreendi ao gostar bastante, já que não fazia muito o meu estilo de leitura. Por mais que eu tenha curiosidade com as obras de SK, principalmente as de terror, eu custo pra me adaptar à sua forma de escrever, e acabo sempre parando menos da metade. Mas vai ver é só uma questão de idade, como aconteceu com você. Ótima resenha!!

xx Carol
http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

Luiza disse...

PRECISO ler um livro do King, minha mãe é fã dele!!! Ela tem alguns livros que quero pegar emprestado para ler. Esse da resenha, eu ainda não conhecia mas achei bem interessante.
Bjs
http://eternamente-princesa.blogspot.com.br/

Art Of Life and Books disse...

Quero muito esse livro, sou apaixonada pelo king.♥
Art of life and books.

Carolina Garcia disse...

Oi, Alê!!!

Essa é uma série que sempre ouvi elogios, mas nunca cheguei a ler de fato. E nem fazia ideia que o primeiro livro foi escrito aos 19 anos. Com certeza precisarei ler um dia também.

As edições da Suma dos livros do Stephen King são um arraso, né? Fico desejando o box da coleção completa... Quem sabe um dia, né? Hahahaha

Bjs!!

http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

Rob Camilotti disse...

Grande King, sempre destroçando nossos nervos, rs. Falo por mim pelo menos.

Parabéns pela resenha, Alê! Desejo-lhe + sucesso. O texto é claro e informativo.

Seguindo o blog.

Roberto Camilotti: blog de literatura.

Luciana Campos disse...

Oi, Alê!
Só li um livro do Stephen King até agora, que foi Saco de Ossos. Achei bem perturbador, ao mesmo tempo me incomodando e me empolgando a ler outros livros do autor. Sei que A Torre Negra é um grande marco dele, mas também acho que preciso me habituar mais com a escrita dele antes de passar pra esses livros, ainda mais por ele ser do tipo em que ele joga as informações e só passa a explicar bem depois.

Ana I. J. Mercury disse...

Preciso muito ler mais livros do King, só li um até agora e faz um tempão, nem lembro bem kkkkk
Quero ler a série A Torre Negra, tenho uns amigos que adoram a série, e claro, estou curiosa para conhece-la também.
Esse parece ser um livro mais lento e para quem já é fã do autor e conhece sua genialidade, pelo que percebi. Então, lerei outros na frente. Parece bom! rs
bjs

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger