segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

RESENHA: Bom dia, Verônica

“O ser humano é podre e egoísta, prefere o problema que já conhece a enfrentar o desconhecido com honra.” (KILLMORE, 2016, p. 191). 

***

Para quem não sabe, sou formado em Direito e atuei por alguns anos como advogado criminalista, e por causa deste histórico não consegui levar a sério alguns livros policiais brasileiros, pois os autores pareciam desconhecer como se dá o trabalho investigativo em nosso país. Mas estava com expectativa em alta para conferir Bom dia, Verônica justamente pelo fato da autora contar com experiência policial e possuir conhecimento prático sobre o que escreve. 

Verônica Torres é uma escrivã de polícia que foi “promovida” a secretária pessoal do Delegado Carvana, titular do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa. Agora, suas funções limitam-se as tarefas burocráticas, sendo mantida a distância de qualquer investigação. Tudo muda quando Marta Campos — uma mulher que caiu no golpe “Boa noite, Cinderela” — se suicida no departamento. Contrariando a orientação de engavetar o caso, Verônica parte em uma investigação particular para capturar o homem que enganou Marta. E por causa da repercussão do caso, Veronica é contatada por Janete, que acusa o marido da prática de crimes bárbaros e implora por ajuda. 

Demorei a me envolver com a estória e creio que em boa parte isso se deva a protagonista e narradora, que não é muito carismática. Entretanto, reconheço que tal característica é compatível com o perfil de Verônica, uma pessoa atormentada pelos fantasmas do passado, que convive com a violência e a impunidade diariamente. 

Admito que me causou um certo estranhamento o fato de Verônica embarcar quase que simultaneamente em duas investigações distintas por conta própria após permanecer relegada ao trabalho burocrático por tanto. Apesar da motivação da protagonista não ser das mais fortes, ambas as investigações se justificam para o desenvolvimento da trama. 

Quanto a investigação, fica claro que a autora tem conhecimento de causa, porém, é preciso dizer que algumas atitudes de Verônica deram a impressão de ser um tanto amadoras, enquanto outras me pareceram contar com um aparato tecnológico avançado demais (pelo menos julgando a partir do contexto que conheço). 

O livro apresenta um clima sombrio e tenso que vai apenas escalando com o desenvolver da estória. Andrea Killmore não tem medo de mostrar o que há de pior no ser humano e sua escrita visceral é um reflexo disso. A autora também descreve com precisão as cenas mais cruéis, transportando o leitor para dentro do livro, mas em nenhum momento utiliza da violência como um mero recurso para chocar o leitor. 

O que realmente fez o livro valer a pena são as últimas cem páginas, quando as investigações avançam mais rapidamente e as pontas da trama começas a ser costuradas. O desfecho é genial, sendo extremamente original e surpreendente, mas sem deixar a verossimilhança de lado. 

Apesar de alguns percalços no caminho, Bom dia, Verônica conta com uma estória brutal, personagens vívidos e uma trama criativa. Eis a prova cabal de que a literatura policial brasileira tem muito mais a oferecer. 

Título: Bom dia, Verônica (exemplar cedido pela editora)
Autora: Andrea Killmore
N.º de páginas: 251
Editora: DarkSide Books

22 comentários:

Luiza Helena Vieira disse...

Oi, Alê!
Não sei nada da área de Direito, mas tem alguns livros policiais que percebo que eles forçam a barra em algumas situações.
Bom saber que a autora tem algum conhecimento da área. Assim a história se torna um tanto mais crível.
Beijos
Balaio de Babados
Promoção Quatro Anos de Minhas Escrituras

Nessa disse...

Oi Alê
Legal sua profissão e imagino que você tenha um outro olhar quando lê esse tipo de livro.
Confesso que não faz muito meu estilo esta temática, mas as vezes é bom se lançar em algo diferente. Gostei de saber sua opinião.

Beijinhos
http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

Laís Lubrani disse...

Muito legal!! Valeu pela dica! Beijos!

www.chadefirulas.com.br

Marta Izabel disse...

Oi, Alê!!
Adorei a resenha!! Comprei esse livro recentemente e estou louca para começar essa leitura!!! Gosto muito de livros policiais e esse me chamou atenção pela sinopse e pela a capa maravilhosa!!
Beijoss

Rena Késsia disse...

Oii!
Bom, diferente do último livro da DarkSide com essa pegada pesada, que li somente as críticas, essa obra da Andrea me parece ser bem estruturada e chocante, sem fugir dos temas que ela quer abordar, sem criar cenários contraditórios. Além de ser um thriller psicológico, reflete também várias temáticas da realidade, gostei e vou anotar a dica.

Beijos!

Adriana Holanda Tavares disse...

Como uma pessoa que entende do conteúdo do livro e que gostou acho que super me incentivou com esse post a ler esse livro. Acho a capa fantástica e sou bem difícil de gostar de livros com pegada policial porque acabo descobrindo tudo quase no início do livro (isso me deixa possessa), mas esse eu quero e muito

RUDYNALVA disse...

Alê!
Que bom ver um livro policial de autora nacional, ser bem escrito e valer a pena a leitura.
O enredo dá panos para mangas e seus questionamentos são críveis, o que não apaga a grandiosidade da obra.

Agora está trabalhando em que área do direito?

“Existe apenas um bem, o saber, e apenas um mal, a ignorância.” (Sócrates)
cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
TOP Comentarista de JANEIRO dos nacionais, livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

Alice Duarte disse...

Oiii Alê

Acabei de ler um thriller bem tenso, até mesmo meio desconcertante, então te confesso que não penso me ler o gênero tão cedo... O fato de a protagonista não ser lá muito cativante é complicado a partir do momento em que ela é a narradora, dificil acompanhar sem sentir aquela simpatia natural né? Ainda assim a história parece ser interessante... não descarto ler qualquer dia.

Beijokas

Resenha Atual

Gabriela CZ disse...

Estava curiosa por esse livro e gostei de ver que tem o seu aval, Alê. Que apesar de algumas falhas tem muito a oferecer. Quero ler. Ótima resenha.

Beijos!

Desbravador de Mundos disse...

Olá, Alê.
O livro não estava nos meus desejados, mas agora entrou para a lista. Gosto de livros que retratem bem como funcionam as coisas na investigações policiais. Ademais, o enredo meio brutal me chama a atenção.
Ótima dica.

Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de janeiro. Serão dois vencedores, dividindo 4 livros.

O Que Tem Na Nossa Estante disse...

Oi Alê!

Eu não li, mas o nosso colaborador simplesmente adorou! Não sou muito de ler investigação policial, mas tendo um desfecho genial já me deixa animada!

Bjs, Mi

O que tem na nossa estante

Naty Araújo disse...

Oi, Alê.
Não tenho seus anos de prática, mas também fiz faculdade de Direito e entendo um pouco disso.
Concordo com você sobre algumas cenas. No entanto, confesso que o final foi um tanto descabido. Claro que se entende o que ela fez e tudo o mais, porém, deixar os filhos daquela forma não me pareceu uma solução de mãe muito pensada. Me parecia mais uma louca egoísta que se preocupou em fazer o bem para as pessoas, mas esqueceu de fazer o bem para seus próprios filhos.
E o que dizer do que ela fazia com o marido, hein?! Achei doentio e exagerado. Depois ainda cobrar dele o que ela não fazia? Como pode? Como se ela fosse uma santa. Ainda ter a capacidade de achar que uma falha deles poderia ser o suficiente para acabar o amor aos filhos. Isso me pareceu inverossímil e não aceitei diversos pontos.
Sem contar a pegada do frentista, pelo amor de Deus!
Confesso que também achei Verônica uma amadora de primeira, em algumas cenas; em outras ela contava com uma tecnologia de ponta, como você disse. No entanto, o final me pareceu muito desarrazoado haja vista o histórico de besteiras que ela fez no decorrer da trama.
Parou para pensar nisso?
Queria saber sua opinião sobre esses pontos.

Caso queira ler minha resenha: http://www.revelandosentimentos.com.br/2017/01/resenha-bom-dia-veronica.html

Beijos,
Naty

Rossana Batista disse...

Desde que eu vi a capa desse livro eu já fiquei animada e curiosa pra poder conhecer mais sobre a história. De outras resenhas que eu li as pessoas não se conectaram muito com a Verônica também, assim como acharam algumas de suas atitudes não legais.
Espero ler e poder me empolgar com a história.

Leandro de Lira disse...

Oi, Alê!
Quero ler este livro agora! Não conhecia a autora e nem a obra, mas fiquei curioso. Livros policiais geralmente me agradam, e saber que é nacional muito me animou.
Espero gostar tanto quanto você ou até mais, pois não entendo de investigação tão bem assim. Hehe
Abraço!

"Palavras ao Vento..."
www.leandro-de-lira.blogspot.com

Thaynara ribeiro disse...

Acho que me decepcionei um pouco pelo livro, mas por julga-lo pela capa. Esperava uma história mais emocionante, com um toque de sobrenatural, mas lendo a resenha me pareceu meio parada, sabe? Eu leria, mas já com um pé atrás com a Veronica

Carolina Garcia disse...

Olá, Alê!!

Quando a gente tem experiência em certa área fica mais difícil mesmo de ler ficções sobre o tema.
Mas fico feliz que esse livro seja tão bom assim.
Confesso que não dei muita bola ao título antes porque a novidade da DarkSide que tinha me chamado mais atenção foi Diário de uma Escrava, mas fiquei curiosa e vou adicionar na lista esse também.

Bjs!!

http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

Roberta Moraes disse...

Não é a primeira pessoa que vejo falar de algumas das atitudes amadoras da Verônica. Então já acredito que tem disso no livro mesmo. É um livro que quero ler e tirar minhas conclusões porque vejo ele sendo muito falado. Quero saber qual o desenrolar da investigação.

Ana I. J. Mercury disse...

Parece ser uma história bem brutal e forte mesmo, confesso que não me chamou muito a atenção, mas como esse ano quero ler mais romances policiais, vou anotar aqui para quem sabe lê-lo.
Esse desfecho mesmo já me deixou curiosa kkkk
bjs

Bruna Bento disse...

eu nem tinha a menor ideia q esse livro era um nacional! :O
a darkside faz livros tao bonitos, mas normalmente sao numa vibe q eu nao curto muito.
Literatura policial eu gosto, entao talvez dê uma chance, mas confesso q tô indo com um pé atrás já por conta das suas ressalvas haha

você ainda exerce sua profissão?

Gêmea Má disse...

Hallo!!

Eu ainda não sei o que pensar do livro! Muita gente parece ter gostado desse livro apesar de algumas inconsistencias, mas eu já ouvi muita coisa ruim. Eu pretendo ler pra julgar, mas eu estou indo com as expectativas beeeeeeeem baixas hehehe

PS. A Verônica parece muito chata
PS2. Sério q a Dark publicou um nacional???/

bjbj

Rael Sill disse...

MDS!!! Amei essa resenha. A história me fez lembrar a série Orphan Black e também a série policial do autor James Patterson.

http://obaucultural.blogspot.com.br/

Guilerme de Morais disse...
Este comentário foi removido pelo autor.

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger