quinta-feira, 20 de abril de 2017

RESENHA: O Fantasma

“A prisão é pior que a morte, Harry. A morte é simples, liberta a alma. Mas a prisão corrói a alma até não sobrar mais nada de humano dentro de você. Até você se tornar um fantasma.” (NESBØ, 2017, p. 124)

Acompanho a série Harry Hole há anos e há muito tempo tenho uma curiosidade especial por este nono livro, “O Fantasma”, por acreditar que ele traria o caso mais pessoal da jornada do personagem.

Harry Hole está de volta a Oslo. Após uma temporada de três anos em Hong Kong, longe do vício, afastado da polícia e trabalhando como cobrador de dívidas, o ex-inspetor volta a Noruega para solucionar um caso já fechado pela polícia: o assassinato de um jovem traficante de drogas, Gusto Hanssen. Sem recursos oficiais, Harry parte em sua própria investigação pois se recusa acreditar que a polícia tenha encontrado o verdadeiro culpado pelo crime já que Oleg, o filho de Rakel, a mulher por quem Harry é apaixonado há anos, jamais poderia ser um assassino.

Sempre digo que o grande atrativo da série Harry Hole é o próprio Harry Hole, mais que os casos que investiga. Quem acompanha a série desde o início sabe que o personagem passa por um processo de evolução de livro para livro e que uma grande parte dessa evolução gira em torno de Rakel, a mulher por quem ele se apaixonou no terceiro livro (“Garganta Vermelha”) e com quem teve um romance cheio de idas e vindas e que nunca é deixado totalmente para trás. Nesse processo o leitor conheceu Oleg criança e o viu crescer, assim como testemunhou a evolução do relacionamento deste com Harry, que acabou por se tornar uma figura paterna para o menino. Por isso, é também surpreendente para o leitor encontrar um Oleg aos 18 anos, dentro de uma cela de prisão, acusado de ter assassinado um amigo, viciado e traficante de uma nova droga chamada “violino”. Eu acreditava que esse cenário perturbaria Harry ao extremo, afinal, ele nunca foi um homem de temperamento fácil, então me surpreendeu ver a maneira objetiva com a qual ele lidou com o caso, mesmo sem nunca deixar de lado uma de suas principais características: a incapacidade de não se envolver, de deixar para trás, de não se entregar de corpo e alma ao que faz.

Como sempre nos livros de Nesbø, a história avança sem pressa. Nesse caso em específico, isso se justifica por Harry não ter um compromisso com a polícia. Ninguém está cobrando que o caso seja solucionado, ele está investigando por interesse próprio.

Além da tradicional narrativa em terceira pessoa, acompanhamos a história também pelo ponto de vista de Gusto, o jovem assassinado. Quando a narrativa inicia, Gusto já levou o tiro fatal, mas ainda não morreu e durante esse período repassa a evolução do seu envolvimento com o violino. É através dessa história que podemos entender o que aconteceu com Oleg e como ele mesmo acabou envolvido com drogas, colocando uma nova camada sob um personagem que, até então, era apenas o menino que Harry aprendera a amar como a um filho.

O vício sempre foi uma temática presente nos livros da série, mas “O Fantasma” (curiosamente o livro em que Harry mais tem o alcoolismo sob controle) é aquele em que Nesbø realmente centra a trama no tema. Não apenas acompanhamos a jornada de Gusto e Oleg desde os primeiros passos rumo ao vício e ao tráfico, como também vemos o que o vício movimenta na cidade, como influencia as ambições políticas e como corrompe policiais em busca de lucro e poder.

Também é interessante que Harry, momentaneamente livre do seu vício, se veja na posição de testemunhar o início da queda de uma pessoa amada rumo ao precipício que ele tanto conhece.

“O Fantasma” traz o desfecho mais corajoso da série, deixando em alta as minhas expectativas para o próximo livro “Polícia” (ainda sem previsão de lançamento pela editora Record). Há anos li uma entrevista de Nesbø em que o autor revelava não pretender estender a história de Harry Hole por muitos livros (depois de “O Fantasma” outros dois já foram publicados) e a cada trama fica mais difícil imaginar o que o futuro reserva para o personagem e, mais difícil ainda, vê-lo em uma vida feliz e realizada (o que, diga-se de passagem, é parte do que o torna tão cativante).

Desde que li “Boneco de Neve” espero por histórias eletrizantes quando pego os livros da série, e às vezes bate uma pontinha de decepção por não encontrar isso. Mas essa pontinha logo se dissipa porque mais que uma história que você mal consegue respirar entre uma página e outra, o que Nesbø jamais falha em entregar são histórias bem amarradas, surpreendentes e verossímeis que quando o leitor fecha o livro se sente sempre satisfeito.

Título: O Fantasma
Autor: Jo Nesbø
N° de páginas: 461
Editora: Record
Exemplar cedido pela editora

Compre: Amazon
Gostou da resenha? Então compre o livro pelo link acima. Assim você ajuda o Além da Contracapa com uma pequena comissão.

11 comentários:

Nessa disse...

Oi Mari
Eu li um livro do autor, foi Sangue na neve, era curtinho, mas eu gostei bastante e não vejo a hora de ler outro livro do autor. Pelo que vi na sua resenha o autor continua numa escrita afiada e envolvente. Preciso logo ler esta série.

Beijinhos
http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

Adriana Holanda Tavares disse...

Nunca li nada dele, portanto fico meio perdida quando se trata de acompanhar o personagem principal e sua evolução diante das outras obras, isso me parece super interessante e bem concreto. Vou começar a série pra poder entender melhor!

Jônatas Amaral disse...

Olá Mari,

Ainda não li nada do autor, mas recentemente tomei contato com ele por meio da noticia de que o livro "O boneco Fantasma" ganharia uma adaptação para o cinema. Não sabia que esse era o primeiro livro de uma série, e ainda mais de um gênero que gosto tanto!

Gostei muito da resenha!

Jônatas Amaral
alma-critica.blogspot.com.br

Marília Leocádio disse...

Já tinha lido a respeito da escrita do autor e conseguiu me conquistar aos poucos agora quero ver se começo a ler a série.
Abraços!!

RUDYNALVA disse...

Mari!
Nãi tive oportunidade nenhuma de ler os livros da série e tenho muita curiosidade, tanto de conhecer a escrita do Nesbo como conhecer toda a trajetória do investigador Harry Hole.
Bom feriado!
“Compreender que há outros pontos de vista é o início da sabedoria.” (Campbell)
cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
TOP COMENTARISTA ABRIL especial de aniversário, serão 6 ganhadores, não fique de fora!

Franciele de Santana disse...

Ainda não conhecia a série, interessante como foi abordado a movimentação que vício causa,e que o autor sempre entrega uma história bem amarradinha satisfazendo o leitor.

Gabriela CZ disse...

Já vi algumas resenhas suas dessa série, Mari. Sempre fico com a sensação de que é uma série que eu leria, mas com essa sei que vou ler. Não sei quando, mas vou. Ótima resenha.

Beijos!

Carolina Garcia disse...

Oi, Mari!!!

Confesso que ainda não tive a oportunidade de ler Nesbø, mas tenho muita curiosidade em conferir essa série que é sempre muito elogiada.

O único problema agora é conseguir os livros e tempo extra para lê-los! Hahahaha

Bjs!

http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

Ana I. J. Mercury disse...

Parece ser uma trama bem diferente e original além de ser envolvente também.
Adorei a resenha e fiquei bem curiosa, vou querer acompanhar a série com certeza.
Ainda mais depois de tantas resenhas lindas que já do Nesbo, rs
bjs

Marta Izabel disse...

Oi, Mari!!
Acredita que nunca li nada desse autor?!! Pois é verdade!! Tenho vontade de ler algum livro para saber como e a escrita do autor mais infelizmente ainda não tive oportunidade ainda!!
Bjoss

Unknown disse...

Confesso que "o fantasma" me decepcionou um pouco, achei entediante ... Não pelo tamanho, a maioria dos livros que leio são longos, Boneco de Neve , o Leopardo são enormes, e amei, mas tedioso pela narrativa mesmo... Tema meio sem sal, não sei se pelo fato de ser tão batida para brasileiros essa realidade das drogas...

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger