sábado, 8 de setembro de 2018

RESENHA: Se eu fechar os olhos agora

Se eu fechar os olhos agora / Edney Silvestre Há alguns anos, eu passeava por uma Feira do Livro e, por incrível que pareça, nenhuma das opções me chamava a atenção. Até que, quase indo embora, me deparei com “Se eu fechar os olhos agora”, romance de estreia do jornalista Edney Silvestre. A trama, misto de romance policial com romance de formação, e seu envolvente parágrafo de abertura, me fisgaram.

Em 1961, em uma pequena cidade do Rio de Janeiro, dois meninos, Paulo e Eduardo, encontram o corpo mutilado de uma bela mulher brutalmente assassinada. Ao irem à polícia são tratados como suspeitos, mas acabam sendo liberados quando o marido da vítima (um respeitado dentista da cidade) confessa o crime. Aos doze anos, sem nunca haverem se deparado com tamanha violência, os meninos continuam impressionados com o crime e não conseguem acreditar que um homem frágil como o dentista poderia ter cometido um ato tão brutal. Assim, eles se associam a um morador do asilo local (o único disposto a escutá-los) e dão início a uma investigação amadora que revelará um painel de violência sexual e alianças políticas.

A primeira coisa que chama a atenção é o contraste entre a densidade da narrativa e a fluidez dos diálogos. Enquanto a narrativa adota um tom sério que parece querer preencher cada lacuna com uma impressão, uma dúvida ou um sentimento, os diálogos são ágeis e coloquiais, capturando a simplicidade e a inocência dos meninos.
“O mundo em frente, as estrelas acima, os paralelepípedos a seus pés, tudo em torno dele perdeu a nitidez. Achou que já tinha passado por aquela situação, a mesma, igual, igualzinha, alguma vez no passado ou agorinha mesmo, e não entendeu o que era nem por que seus olhos tinham se enchido de lágrimas. Outra vez isso, pensou, outra vez essa...essa...o quê?, tomava conta dele como um aperto no corpo inteiro, como se algo estivesse machucado, ralado, ardendo. Mas lá. Dentro. Uma pontada. Não uma dor: pontada. Fina, fina, fininha. Doía fino. E levava tempo para passar. Ou, ao menos, amainar. Quando finalmente parecia sumir, deixava uma vontade de ficar quieto, de não rir, de não conversar, de não brincar, de não sair. (SILVESTRE, 2010, p. 63)

A trama segue uma linha detetivesca, mas mesmo que os eventos girem em torno do assassinato de Anita (nascida Aparecida) a história é tanto sobre os meninos e suas descobertas sobre a vida e o mundo que os cercam, quanto sobre o crime.

Quanto aos personagens, Paulo e Eduardo vivem realidades familiares diferentes (Paulo, um ambiente duro e agressivo. Já Eduardo, um ambiente melhor estruturado), mas que apenas conhecemos através dos diálogos entre eles, sem termos contato diretamente com as famílias (salvo raras interações entre Paulo e seu irmão mais velho). O que importa é quem os meninos são um com o outro, sua amizade, e a maneira que reagem ao que estão descobrindo. Tanto que passei a leitura toda vendo os dois mais como uma entidade única (uma dupla) do que como personagens individuais.  

Apesar de bem desenvolvido, acredito que falte calor a “Se eu fechar os olhos agora”. Apresenta uma boa narrativa, uma boa história e bons personagens, mas falta aquele algo a mais que o tornaria um livro cativante.

O livro ganhou uma minissérie em 10 episódios que estreia na TV aberta em janeiro de 2019, mas que já pode ser vista pela plataforma Now.

Título: Se eu fechar os olhos agora
Autor: Edney Silvestre
N° de páginas: 303
Editora: Record

Compre: Amazon
Gostou da resenha? Então compre o livro pelo link acima. Assim você ajuda o Além da Contracapa com uma pequena comissão.

10 comentários:

Ludyanne Carvalho disse...

Vocês sempre apresentando obras não tão conhecidas, isso é muito bom.
Achei interessante essa diferença de vida que eles tem, mas que não interfere na amizade deles.
Confesso que não sou fã de romances policiais, e é uma pena que tenha faltado algo a mais.
Espero que a minissérie seja boa.

Beijos

Lara Caroline disse...

Oi Mari, tudo bem?
Gostei bastante da premissa do livro, gosto muito de estórias de investigação e fiquei bem intrigada para conhecê-lo. O que me chamou atenção também foi a amizade dos meninos e quero ver como essa relação de cumplicidade se desenrola.
Beijos

Gabriela CZ disse...

Desde que li Vidas Provisórias tenho vontade ler outro livros do Edney Silvestre, Mari. Mas lendo sua resenha senti algo familiar, e pesquisando descobri que o Paulo de Se Eu Fechar Os Olhos Agora é o mesmo de Vidas Provisórias! E além de Paulo esse último revisita outra personagem de Silvestre, a Bárbara de A Felicidade é Fácil. Agora fiquei curiosa por esses dois livros. rs Ótima resenha.

Beijos!

RUDYNALVA disse...

Mari!
Realmente a história parece ser um tanto louca e sem noção. Esses meninos não tem algo mais interessante pra fazer do que ficar investigando? Uma doidera os trechos que você descreve aqui. E por incrível que pareça,me deu vontade de ler só pra conferir e para valorizar mais um autor nacinal, mesmo com suas ressalvas.
Tomara que a adaptação para mini série seja boa.
“O prazer dos grandes homens consiste em poder tornar os outros felizes.” (Blaise Pascal)
cheirinhos
Rudy
TOP COMENTARISTA SETEMBRO - 5 GANHADORES - BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

O Vazio na Flor disse...

Como fã assumida da nossa literatura nacional, é tão gostoso ver obras assim sendo apresentadas!
Dá um orgulho gostoso em ver um trabalho tão bem construído, apesar da crueldade que parece ser o enredo.
Crianças.rs quem nunca bancou o detetive, que atire a primeira pista!
Ainda mais depois de presenciar algo tão brutal.
Com certeza, vai para a lista de desejados.
Beijo

Michelli Prado disse...

Olá Mari, tudo bem? Realmente amei demais conhecer o livro e ter a oportunidade de conferir essa resenha ♥ Fui correndo adicionar o livro aos desejados, pois gosto muito do gênero e por se tratar de crianças acabou atiçando ainda mais minha curiosidade, e ainda mais cabana por saber do seriado =)

Luana Martins disse...

Oi, Mari
Ainda não conheço a escrita de Edney, mas gostei da premissa do livro.
Amo livros de suspense, investigação e fiquei muito interessada nessa trama que envolve crianças tentando descobrir mais sobre esse crime.
Espero poder ler e estou super ansiosa para assistir a minissérie, vem logo janeiro de 2019.
Beijos!

Marta Izabel disse...

Oi, Mari!!
Não conhecia essa história, mas achei bem interessante esse livro por que adoro livros que envolvam crimes que precisam ser investigados, e também gostei muito pois fiquei curiosa para descobrir sobre os personagens do Paulo e Eduardo.
Bjos

Carolina Santos disse...

Eu nunca tinha ouvido falar desse livro mas a proposta dele é simplesmente deliciosa quero muito ser ele o mais breve possível eu adoro essas indicações de livros não tão conhecidos mas que passam uma mensagem tão deliciosa de ser abordada e eu quero com certeza conferir essa adaptação que vai rolar para TV

Ana I. J. Mercury disse...

Oi, Mari,
não conhecia o livro, mas achei bem interessante.
Parece ser um livro investigativo mais simples ,sem grandes reviravoltas, e que os meninos são personagens mais cativantes, que nos faz refletir de alguma forma.
Fiquei com vontade de ler.
bjs

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger