sábado, 31 de agosto de 2013

RESENHA: Hemlock Grove

“A única coisa que assustava Peter mais do que as necessidades das pessoas era uma jaula, embora, no fim das contas, qual era a diferença?” (MCGREEVY, 2013, p. 62)

***

Com tantos elogios para a série homônima produzida pelo Netflix, imaginei que o livro que a originou seria uma boa opção de leitura. E embora Hemlock Grove conte com uma premissa original, esta foi mal executada.

Quando brutais assassinatos começam a acontecer na cidade de Hemlock Grove, as suspeitas logo recaem sobre os jovens Peter e Roman, motivo pelo qual a dupla decide investigar o mistério por conta própria. 

Você já teve a experiência de ouvir uma conversa entre dois advogados? Ou, quem sabe, dois engenheiros? Ou ainda dois físicos? Se sim, sabe como tais profissionais usam e abusam de termos técnicos e você, que não possui tais conhecimentos, se torna um mero expectador da conversa (ou para usar um termo mais informal: “fica boiando”).

Esta foi a sensação que tive ao ler Hemlock Grove. Parecia que os personagens interagiam sabendo o que estava acontecendo, enquanto o leitor apenas observava sem conseguir compreender os acontecimentos (ou para usar um termo mais informal: "se sente mais perdido do que cego em tiroteio").

Isso não seria um problema caso respostas fossem dadas em algum momento ou caso a jornada valesse como um todo, mas a impressão que fiquei é que o autor foi escrevendo conforme a inspiração lhe vinha — sem saber onde queria chegar —, e que ao final não procurou ver se haviam ficado pontas soltas na trama e com isso faltou coerência.

Os personagens não são cativantes, a narrativa é confusa — sendo que sequer consegui definir se foi utilizada primeira ou terceira pessoa — e, para o seu livro de estréia, Brian McGreevy cria um final decepcionante. Você até entende vagamente o que aconteceu, mas ainda assim a explicação é insossa e sem sentido.

A dura verdade que devo admitir é que Hemlock Grove não funciona como suspense, nem como terror, podendo ser classificado em fantasia apenas por contar com seres sobrenaturais. Mas fica o aviso: de literatura fantástica não tem nada, se me permite o trocadilho.

Talvez a narrativa confusa e a ausência de respostas tenha sido proposital, com intuito de deixar o leitor definir o que realmente aconteceu. Talvez a incoerência da escrita se deva à intenção de não entregar tudo mastigado ao leitor, mas revelar os detalhes sutilmente. Talvez os personagens esquisitos foram uma tentativa de adaptar para a modernidade monstros clássicos. Reconheço que o autor foi corajoso e que sua estória tinha potencial, mas, infelizmente, isso não foi o suficiente para fazê-la dar certo.

Título: Hemlock Grove (e-book cedido pela Editora LeYa)
Autor: Brian McGreevy
N.º de páginas: 281
Editora: LeYa

9 comentários:

Rayssa Gimenes disse...

É difícil quando você fica "boiando" na história, já li livros assim e realmente você fica perdido. Eu ouvi falar muito bem da série, mas nem sabia que tinha livro. Só uma pergunta: você chegou a assistir a série para fazer um comparativo com o livro? Pergunto isso porque tem um seriado que acompanho que a história do livro é completamente diferente da história do seriado, inclusive os personagens do seriado não têm as mesmas características descritas no livro e isso é meio frustante, já que eu sempre espero que as adaptações sejam o mais fiéis possíveis aos livros.

Desculpe pelo comentário gigante! hahaha

GFC: Rayssa Gimenes

Thaynara ribeiro disse...

Eu não assisti a série, e confesso q não me interessei pelo livro...
Parecia ser muito bom pelas coisas q já li sobre a série, mas pelo jeito não é assim. É péssimo quando isso acontece..
GFC: Thaynara Ribeiro

Ana de Cassia Oliveira disse...

Definitivamente também acho que não vou gostar, provavelmente também vou ficar boiando com os termos técnicos, sem falar que eu não gosto de livros sem rumo definido, fica confuso.

beijos

Nardonio disse...

Pelo jeito esse livro foi uma sucessão de equívocos. Primeiro a capa, achei muito estranha, não gostei. Depois essa grande quantidade de "talvez seja isso ou aquilo" que a história deixou, enfim, uma pena que não rolou o entendimento. Esse eu passo.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Ana Paula Barreto disse...

Sinceramente, não tinha ficado interessada pelo livro e agora está comprovado que não vou gostar mesmo. Esta sensação de estar por fora da trama é péssima e não se identificar com os personagens também. Não pretendo ler.
bjs
GFC: Ana Paula Barreto

Eduarda Galvão disse...

Nunca tinha visto esse livro, na verdade estou tão presa nos livros que estão esperando na minha estante que nem procuro outros títulos para não falir, haha. Mas enfim, se eu fosse só pela capa, eu teria amado; mas é realmente triste quando um livro não é tão bom quanto o esperado. A capa tinha me chamado atenção e eu já iria anota-lo, mas depois de ler a sua resenha, acho que não lerei,.. se eu for lê-lo, não será tão cedo.
Beijos,
www.estejali.com

Gabriela Cerutti Zimmermann disse...

Honestamente, nunca tive interesse nem pelo livro e nem pela série. Bom ver que meus instintos estavam certos. Principalmente porque gosto de ser cativada pela história e personagens.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

GFC: Gabriela Cerutti Zimmermann

Fran disse...

É pelo jeito não foi uma leitura nada agradável. A capa do livro tinha me intrigado e saber que era uma livro de mistério também, mas depois de ler a resenha a minha vontade de ler terminou completamente hehehehehe Livros assim não fazem o meu tipo.

Fernando Pacman disse...

Eu até esperava mais deste livro, mas é bom ler uma resenha antes de lê-lo. Adoro livros de mistérios e achava que este era um dos bons, pena q não é isto que ocorre.

Abraços
http://reaprendendoaartedaleitura.blogspot.com.br/

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger