segunda-feira, 7 de outubro de 2013

RESENHA: Retrato de uma Espiã

“Existem indicadores comuns reveladores de homens-bomba. Os lábios podem se movimentar involuntariamente em suas últimas preces. O olhar pode ser vidrado e distante. E o rosto às vezes pode estar pálido demais, prova de que uma barba desgrenhada foi raspada às pressas durante os preparativos para uma missão.” (SILVA, 2013, p. 27).

***

Depois de constatar a boa impressão de vários blogueiros, inclusive da Mari, sobre o livro O Caso Rembrandt, imaginei que a leitura de O Retrato de uma Espiã seria garantia de satisfação. Infelizmente, minha conclusão não se mostrou sequer próxima da realidade.  

Um novo grupo terrorista dá inicio a uma série de ataques em cidades européias, sendo que Gabriel Allon, agente aposentado da inteligência israelense, presencia o momento em que um homem bomba explode em Londres. Posteriormente, o agente é convidado a comandar uma operação global para deter o principal líder da organização.

Meu primeiro problema com o livro diz respeito ao seu protagonista. Allon é descrito como uma mistura de James Bond, Sherlock Holmes e, pasmem, Jack Bauer (leia-se: o melhor agente que já existiu). Sabe aquele tipo de personagem que é perfeito em tudo o que faz? Este é Allon. E este nível de perfeição me irritou profundamente porque simplesmente não pareceu real.

A estória é boa? Sim. Trata-se uma trama inteligente, bem bolada e que se reveste de verossimilhança. E talvez a estória seja tão verossimilhante que acabou imprimindo um ritmo extremamente monótono a narrativa. A ação do livro foi reservada as últimas páginas, momento em que tudo o que eu queria era encerrar a leitura.

Somando a ausência de ação e de reviravoltas a uma narrativa mais lenta e descritiva, Daniel compôs uma mistura indigesta em se tratando de um romance de espionagem. Não me entenda mal. O autor tem uma boa escrita e a estória era interessante, porém, me pareceu que ele não soube contar uma estória linear de forma a manter o interesse do leitor. 

Outro fator que não contribuiu para o meu envolvimento com o livro foi a grande quantidade de personagens, assim como alguns nomes árabes muito similares. Em outras palavras: em alguns momentos demorei a identificar quem era aquele personagem, o que acabou sendo a gota d'água. 

O fato é que todo autor tem direito a seus altos e baixos. Como Daniel Silva já esteve na lista de mais vendidos do New York Times com vários de seus livros, cheguei a conclusão que Retrato de uma Espiã — o décimo primeiro livro que conta com Gabriel Allon como protagonista — não conseguiu demonstrar todo o seu potencial. 

Título: Retrato de uma Espiã (exemplar cedido pela Editora Arqueiro)
Autor: Daniel Silva
N.º de páginas: 298
Editora: Arqueiro

17 comentários:

Ana Paula Barreto disse...

Ainda não li nada do autor, por isso não posso comparar uma coisa com a outra. Mas achei uma pena que esse livro não tenha fisgado.
Também não curto personagens irreais, de tão perfeitos. Gosto de humanos, que erram e acertam, mesmos sendo muito bons no que fazem.
bjs
Ana Paula Barreto

Mirelle Candeloro disse...

Oi Alê, acho tão triste quando vamos com tanta cede ao pote e damos de cara no muro! Detesto quando me decepciono com um livro, seja porque o texto é mal escrito ou desenvolvido, seja porque poderia ter sido melhor. Fico triste de ter acontecido isso com você, mas nesses casos só sabemos quando lemos neh. Beijos, Mi

www.recantodami.com

Gislayne Perez disse...

Não li nada desse autor...
Não gosto de dar minha opinião quando não li o livro...
Mas quem sabe essa pode ser minha próxima leitura...

beth disse...

Não conhecia ainda o autor e nem sua obra, e pelo que notei na resenha ele não chamou minha atenção e nem despertou meu interesse. Quem sabe numa próxima eu goste. Beijos.

Michelli Santos Prado disse...

Olá Alexandre!! Não conhecia este livro, mas livros que envolve terrorismo não me chamam muito atenção, mas mesmo assim espero poder ler outras resenhas sobre ele, e ver se me animo um pouco mais pela história.

Cristiane de oliveira disse...

Achei que o livro deve ser muito confuso e tenho uma certa dificuldade com livros assim tenho que reler várias partes pra entender então, não vou ler mesmo gostando de livros de espionagem

cristiane disse...

A premissa do livro parece ser boa, MAS ninguém é tão bom quanto Sherlock Holmes, esse nível de perfeição não pode ser alcançado! mas mesmo assim é um livro que eu leria.

Laís Abreu disse...

É isso é verdade. Ninguém chega aos pés de Sherlock Holmes! Mas não custa nada dar uma chance para o livro :D

Gabriela Cerutti Zimmermann disse...

Que pena que você não gostou. Mas mesmo que tenha personagens demais, algo que também não gosto, e seja um tanto monótono vou arriscar. Pois o enredo me interessa bastante.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Amanda Z. Dutra disse...

Nossa uma pena que você não tenha gostado :S A premissa parecia ser tão boa... Tipo coisas de investigação são tão legais.
Mas, infelizmente não tenho vontade de ler :/

Beijo
http://heysisteraj.blogspot.com.br/

Pah disse...

Oi Alê, tudo bem?

Ruim quando um livro não atinge nossas expectativas, não é mesmo? Eu nunca li nada desse autor e confesso, não tenho muita curiosidade. Pois é, romance policial não é o meu forte. Mesmo assim, fico intrigada, esse é o 11º livro com o mesmo personagem, o Sr. sabe tudo? CARACA, o autor tem que ser bom para manter tantos livros assim né? Pena que esse não foi tão bom.

Beijos

Pah, Livros & Fuxicos

Adriana disse...

É uma pena quando nos decepcionamos com uma leitura né, mas acontece com todos nós pelo menos uma vez! Realmente um personagem tão perfeito, acaba que não convence e tem mais, cenas muitos descritivas, acaba nos entediando e tudo que queremos de um livro desse genero é ação, foi bom ter lido sua resenha, pois já me desinteressei dessa leitura! Bjos! :)
Adriana

Larinha Andrade disse...

Acho terrível quando me empolgo com uma série e vem um livro (ou uma sequência deles) que me decepciona ;/ Confesso que, ao ler o quote e as três linhas do primeiro parágrafo, estava super empolgada, mas pelo visto não foi bem assim...
Gosto de romances policiais, de coisas investigativas e missões secretas, mas pelo que disse o livro não favoreceu tanto. Não gosto de protagonistas perfeitos. Prefiro aqueles que tem uma grande dose de humanidade, que são perfeitos pelas suas imperfeições e semelhanças com nós mesmos. Por isso, acho que se tivesse lido, concluiria a mesma coisa que você.

Nardonio disse...

Realmente é uma pena quando os autores tem tudo nas mãos, mas acabam não atingindo o melhor que poderiam usufruir. Se formos observar direitinho, essa quantidade de "falhas" não deveria ser normal em um autor que já escreveu ótimos livros. Só espero que esse livro seja apenas o único equívoco do autor.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Rossana Batista disse...

A história realmente tem tudo para ser boa, é uma pena não ter sido.
Não me deu tanta vontade assim de ler o livro, mas sim algum outro do mesmo autor, que podem ter altos e baixos na sua carreira, então pretendo ler algum que tenham muitas pessoas elogiando.

Roberta Moraes disse...

Acho que protagonistas perfeitinhos também me irritariam um pouco, rs.
Nomes árabes também me confundiriam um pouco. Apesar de gostar de um romance de espionagem, eu não fiquei muito interessada em ler.

Bia Menezes disse...

Nunca ouvi falar desse livro nem do autor, e eu até leria algo do gênero, mas mais voltado para a literatura jovem, sei lá. Eu senti sinceridade na sua resenha, e eu acho chato quando o livro só vai ficar mais interessante para o final... Mas é isso aí. Todo o autor tem seus altos e baixos mesmo, não podemos esperar que todos os livros dele sejam perfeitos, né? :)
Beijoca

Foreverbia.blogspot.com

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger