domingo, 27 de outubro de 2013

RESENHA: O Talentoso Ripley

“Então examinou-lhe o pulso. Havia um batimento fraco que parecia se esvair sob seus dedos, como se a pressão deles o estivesse silenciando. No instante seguinte não havia mais nada.” (HIGHSMITH, 2012, p. 145).

***

Há pouco mais de dois anos encontrei a coleção incompleta da série Tom Ripley em um sebo, sendo que o segundo livro, Ripley Subterrâneo, foi a primeira (e tímida) resenha publicada no blog. Desde aquele tempo tenho vontade de ler o primeiro volume da série, então você já pode imaginar minha satisfação quando finalmente pude conferir a origem da saga.

Tom Ripley vive de pequenos golpes em Nova York, quando é contatado pelo milionário Herbert Greenleaf, que pressupõe que Tom seja amigo de seu filho, Dickie. Por isso, ele pede que Ripley viaje à Itália a fim de convencer Dickie a retornar para os Estados Unidos. Ao chegar na pequena vila italiana, Ripley se aproxima de Dickie, e com o passar do tempo desenvolve uma relação obsessiva com ele.

Embora o início do livro tenha um ritmo um pouco lento, Patricia Highsmith sabe como deixar o leitor em um estado de expectativa sobre o que acontecerá desde o início. Apesar de não ser escrito em primeira pessoa, a obra foca-se apenas ao ponto de vista de Tom, e conta com uma narrativa introspectiva. Mesmo tendo uma trama estável e não contar com muitas reviravoltas, a tensão psicológica permeia o texto, principalmente da metade para o final.

O ponto de destaque é a evolução do protagonista. Ripley nunca foi o mais honesto dos personagens, mas até então limitava-se a aplicar trambiques, sendo que é na Itália que sua ascensão criminosa tem início. E o ponto alto da obra é ver justamente as intricadas situações em que Tom é posto a prova, e como consegue escapar delas.

Apesar de Tom ser um mestre na arte da manipulação e agir apenas por interesses próprios, é interessante observar como a autora usa de artifícios que fazem com que o leitor fique na torcida por Ripley, mesmo que ele seja o vilão da estória.

Cabe ressaltar que o livro foi publicado em 1955, porém, tanto a estória quanto a escrita de Highsmith permanecem atuais, o que mais do que justifica o título de clássico da literatura policial. Aliás, acrescento que mesmo sabendo os rumos que o livro tomaria (graças aos spoilers que encontrei nos demais livros da série), consegui apreciar a obra em sua totalidade. 

O Talentoso Ripley é um livro singular, e que não pode ser comparado com nenhum outro do gênero. Com ousadia, Highsmith conduz o leitor para dentro da mente brilhante e pervertida de um provável (e ainda assim adorável) psicopata, então esteja preparado para encontrar um romance policial complexo, denso e real. 

A adaptação para o cinema de 1999, estrelando Matt Damon, Jude Law e Gwyneth Paltrow, merece ser vista. Apesar do filme ter inserido novas ramificações na trama, todas se mostraram justificáveis e não alteraram a essência da estória. Apenas o final não me convenceu plenamente. 

Título: O Talentoso Ripley (exemplar cedido pela Editora Companhia das Letras)
Autora: Patricia Highsmith
N.º de páginas: 292
Editora: Companhia das Letras

12 comentários:

Ana Paula Barreto disse...

Eu só conhecia pelo filme, que ainda não vi. Mas fiquei super animada em ler o livro. Mesmo que só "provável" psicopata, o personagem parece muito bem construído e interessante. Assim como a história.
Gosto de obras originais e essa parece ser muito boa mesmo.
Anotada a dica!
bjs
Ana Paula Barreto

Rossana Batista disse...

Não sabia que o segundo livro tinha sido a primeira resenha publicada no blog *-*
Eu vou dar uma conferida agora já que li a desse primeiro livro e fiquei com muita vontade de ler por ser uma história com muita tensão psicológica, que eu adoro!

Roberta Moraes disse...

Não conhecia o livro e nem o filme :S
Eu gosto muito de histórias de romance policial, mas não li nenhum dos livros da autora então não sei como que é sua escrita. Só espero poder me envolver totalmente quando ler.

Nardonio disse...

Não sabia que esse livro tinha sido publicado em 1955. Pensei que era mais recente.
O legal nesse caso é que o protagonista está mais pra vilão do que qualquer coisa. E o pior, acabamos torcendo por ele. Rsrsrs
Já assisti o filme e gostei bastante. Agora pretendo ler a série.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Bia Menezes disse...

Esse livro parece ser muito legal pelo que você comentou dele, e eu nunca tinha ouvido falar dele e tal... Só fiquei meio assustada com esta história de entrar na mente de um provável (e adorável -q) psicopata, mas tudo bem... Se um dia eu o encontrasse com certeza leria (:
Beijoca

Foreverbia.blogspot.com

Neriana Rocha disse...

Oi, Alê!
Eu ainda não conhecia esse livro, mas fiquei super hiper mega curiosa com ele. Gosto de toda história que envolve psicopatas, apesar de não ser uma. Kkkkkkk!!!!
Li "Psicose" e simplesmente amei. Adorei sua resenha. :)
Beijos!

Café com Leituras!

http://cafecomleiturasneriana.blogspot.com.br

Adriana disse...

Se eu disser que não conhecia nem o livro nem o filme, não vai ficar feio? É a primeira vez que ouço falar de Ripley, mas achei a historia muito envolvente, adoro quando o autor nos faz torcer pelo vilão, acho que precisa de um grande dom de persuasão na escrita pra que isso aconteça, e pelo visto a autora consegue fazer muito bem esse papel! Adoro romances policiais e essa trama tão antiga, mas que ao mesmo tempo é tão atual me cativou, vou pesquisar pra ver se encontro os livros, quero muito ler!

Adriana

Paula Souza disse...

eu realmente estou me sentindo a pessoa mais desenformada do mundooo, por não conhecer nem esse livro e nem o filme!
Aliás...não conhecia nada relacionado. Talvez seja porque eu não goste muito do gênero, ou porque eu realmente sou uma desinformada rs.
Resenha super bem escrita e fico feliz que você finalmente possa ter realizado sua vontade de ler esse livro!
Beiijos,
Paula
http://www.interacaoliteraria.com/

Gabriela Cerutti Zimmermann disse...

Mais uma série literária pra minha infindável lista. Com tantos elogios fica impossível não querer ler.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Thaysa Rocha disse...

Olá!! Não conhecia essa série. Não sei se seria uma estória que me conquistaria, principalmente com um começo lento, como você disse. rs

Beijos,
www.livrosqueinspiram.blogspot.com.br

Michelli Santos Prado disse...

Olá Alexandre!!
Que super livro,não conhecia ele nem esta série,mas fiquei super animada ao ler sua resenha sobre o livro,pois gosto bastante de romance policial, irei saber mais sobre esta série =)

Larinha Andrade disse...

Como nunca tinha ouvido falar da autora e desta obra?
Meu Deus, isto é um pecado! rsrsrs Gostei muito da resenha e do seu parecer pelo livro. Gosto de protagonista com tendências ao "anti-heroísmo". E o teor psicológico munido de uma trama bem feita e bem dosada, deixa qualquer um extasiado. Quero muito conhecer *-*

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger