sábado, 16 de novembro de 2013

RESENHA: Wayne de Gotham

“Batman franziu o cenho. Havia muito ele passara a acreditar que coincidência era apenas a desculpa do idiota para um padrão ainda não compreendido.” (HICKMAN, 2013, p. 119-120).

***

Meus conhecimentos sobre Batman resumem-se, basicamente, aos filmes Batman Begins e Batman: O Cavaleiro das Trevas. Tendo por parâmetro os excelentes filmes, minha expectativa para o livro, infelizmente, não foi alcançada. 

Quando Batman se depara com um antigo diário de seu pai ele descobre um lado mais sóbrio do admirável Thomas Wayne, um médico disposto a realizar mutações genéticas para combater a criminalidade. Para descobrir a verdade, o Cavaleiro das Trevas terá que confrontar Alfred, investigar os estranhos acontecimentos que ocorreram no asilo Arkham e ainda enfrentar o Coringa.

Durante a leitura, senti uma constante dificuldade de me envolver com o livro, o que atribuo a dois fatores principais: as frequentes alterações entre passado e presente que interrompiam o fluxo da narrativa somado a um protagonista que foi deixado em segundo plano.

Apesar de o autor conseguir destacar um lado mais humano de Bruce, me pareceu que o foco da estória centrou-se muito mais no passado de Thomas Wayne. E para ser o sincero, o passado de Thomas — repleto de mistérios e intrigas — era muito mais interessante do que o monótono e confuso presente de Bruce.

Acho que esta foi a primeira vez que vi o uso de onomatopéias (Chuff, Ping, Clang, Crack, entre outras) em um livro, o que achei um tanto quanto estranho. Talvez a ideia do autor tenha sido tentar reproduzir uma experiência mais próxima a das HQs, onde o uso de tal recurso é mais comum.

O final não deixa pontas soltas, respondendo a todas as perguntas que o leitor se fez no decorrer da obra, entretanto, não foi o suficiente para surpreender ou empolgar, em virtude de seu alto nível de previsibilidade.

Por conta dos filmes, esperava encontrar um livro com mais ação, suspense e adrenalina, todavia, Hickman criou uma estória mais introspectiva e linear, tendo por objetivo desvendar a brutal verdade sobre a família Wayne.

Para aqueles que são fãs do Cavaleiro das Trevas a leitura certamente será válida. Se você não for fã, mas estiver interessado em fazer a leitura, apenas aconselho-o a não esperar por um versão em papel dos filmes estrelados por Christian Bale e dirigidos por Christopher Nolan.

Título: Wayne de Gotham (exemplar cedido pela editora)
Autor: Tracy Hickman
N.º de páginas: 270
Editora: Fantasy Casa da Palavra

7 comentários:

Erika Marinho disse...

Gostei da resenha, apesar de não ser fã dos filmes do Batman, achei muito interessante esse livro.
Amei o blog, seguindo, retribui?

Bjus
http://infinitoparticulardoslivros.blogspot.com.br

Gabriela Cerutti Zimmermann disse...

Dizem que o livro agradou mais os fãs do Burton, que são os que gosto e por isso pretendo ler. Mas gostei da resenha, bem concisa.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Ana Clara disse...

Olá! O Batman é meu herói favorito desde que eu me entendo por gente. Eu estava muito ansiosa para ler esse livro, e ainda estou. Tenho visto várias resenhas positivas e negativas, então decidi que ainda vou ler. Adorei a resenha!

http://roendolivros.blogspot.com.br/

Michelli Santos Prado disse...

Olá Alê, tudo bem??
Confesso que este livro nunca me chamou a atenção, por ser de um personagem que não é o meu preferido...
Mas gostei de tua resenha, um bom livro para quem curte o personagem.
Abraços!!

Samuka Rodrigues disse...

Que incrível! Novas histórias sobre o Batman - de quem sou fã - me deixam sempre mais animado. Sei que as digressões temporais devem ser bem chatas - aprendi isso com Memórias Póstumas de Brás Cubas -, mas acho que, ao menos para mim, valeria a pena.

Adriana disse...

Não é um livro que me chama a atenção infelizmente, e depois de ler a resenha, arrisco dizer que não pretendo ler, talvez pelo fato de da alternância entre passado e presente que voce citou e isso acaba quebrando o ritmo de leitura. Para os fãs, com certeza é leitura obrigatória né, mas por enquanto eu não tenho vontade ler! bjão!
Adriana

Nardonio disse...

Apesar de ser fã de super-heróis, confesso que Batman é um dos que menos gosto. A personalidade dele não me agrada muito. Mesmo assim, sempre assisti os desenhos e filmes dele. Como não sou muito fã, se tiver oportunidade de ler esse livro, vou seguir seus conselhos e não ir com muitas expectativas.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger