quinta-feira, 14 de novembro de 2013

RESENHA: O Chamado do Cuco

“Ele tinha esperanças de localizar a sombra vacilante de um assassino ao virar as páginas do arquivo, mas, em vez disso, era o fantasma da própria Lula que surgia, olhava-o, como vítimas de crimes violentos às vezes faziam, do que restava de sua interrompida.” (GALBRAITH, pag. 174, 2013)

Quando a modelo Lula Landry cai da sacada do seu apartamento, sua trágica morte é considerada suicídio. Três meses depois, o detetive Cormoran Strike é contratado pelo irmão de Lula para investigar a morte que ele acredita ter sido assassinato. Aos poucos o detetive se afasta da teoria do suicídio e se envolve em um mundo de luxo, muito diferente do que ele – um veterano de guerra - conhece. Nos mesmos dias, o escritório de Strike é agraciado com uma secretária temporária, Robin, que se revelará uma assistente tão valiosa quanto inusitada.

Um dos livros mais aguardados do ano, “O Chamado do Cuco” apresenta uma trama policial que foca nas relações conturbadas e duvidosas de seus personagens. Para mim, o mais interessante foi observar o quanto as pessoas do círculo familiar e social de Lula têm idéias contraditórias umas sobre as outras.

Personagens desagradáveis e interesseiros desfilam pelas páginas, fazendo com que a construção de suas personalidades e suas falhas de caráter sejam pontos de destaque. Além disso, o autor trabalha muito bem a unicidade da voz de cada um - o que os torna reais aos olhos do leitor - como se não fossem personagens construídos para uma história e sim pessoas reais que caíram nela. Dar um desfecho para cada um desses personagens não é uma preocupação do autor. Eles servem ao caso e não o caso e eles e quando sua serventia tem fim, também o tem a sua participação na história.

A narrativa não tem pressa e insere o leitor na atmosfera de Londres sempre que possível. Esse não é um livro policial que você vai ler madrugada adentro sem conseguir parar. Robert Galbraith toma seu tempo para contar a história e se a princípio parece que ela demora a engrenar – o que é perfeitamente aceitável, visto que a morte de Lula, após ser investigada à exaustão, foi considerada suicídio e então não faria sentido Strike encontrar furos ou provas de seu assassinato imediatamente - chega um momento em que ter respostas passa a ser uma necessidade para o leitor, pois há muitas informações o cercando. É curioso que seja justamente essa lentidão e essas incertezas as responsáveis pelo melhor de “O Chamado do Cuco”. Podemos não estar desesperados para saber o que aconteceu com Lula e não estarmos devorando as páginas, mas nossa sensação de incerteza é tão real quanto seria se fossemos um dos personagens que vivem a história.

Enquanto a investigação dá seus primeiros passos, nos familiarizamos com Strike e Robin e os vemos construírem sua relação aos poucos. Detetives particulares tendem a ser personagens fortes e solitários e não é sempre que um autor consegue inserir satisfatoriamente um assistente nessa equação de forma que esse coadjuvante seja alguém que realmente contribua para o desenvolvimento do caso, trazendo para a investigação algo que o protagonista não poderia oferecer, e ainda consiga desenvolver uma boa dinâmica entre os dois personagens. É por isso que Robin brilha. Longe de ser um daqueles companheiros de detetive que estão ali apenas para que o dito cujo tenha alguém que escute seus devaneios e assim não passe o livro falando sozinho, Robin traz graça à história. De um trabalho formal em relações públicas ela passa a ser secretária de detetive e se empolga a cada descoberta de uma maneira que só iniciantes poderiam.

É por essas razões que “O Chamado do Cuco” transpira naturalidade. O ritmo da investigação, as entrevistas do detetive com personagens que deixam de fazer parte da trama quando já não têm importância na investigação, os diferentes pontos de vista que pessoas diferentes têm, tudo isso soa muito real.

Além disso, a resolução do caso é de uma simplicidade admirável, como sempre ocorre nos melhores romances policiais. O que começa sendo intricado, se desenrola para se revelar simples. Embora tenha demorado um pouco, o livro me fisgou e me deixou com um ar de sorriso no rosto nas últimas páginas e na expectativa de reencontrar Strike e Robin.

Esse é o melhor livro policial do ano? Eu não diria tanto. A verdade é que minha expectativa para “O Chamado do Cuco” era ler por horas e horas, sem ver o tempo passar e sem querer largá-lo. Não foi esse o ritmo que eu encontrei no primeiro livro de Robert Galbraith, mas isso não o desmerece de forma alguma. Temos personagens bem construídos, relações conflituosas, um caso interessante e uma narrativa primorosa. É apenas uma questão de se adequar ao ritmo e se deixar levar.

Robert Galbraith é o pseudônimo de J.K. Rowling, autora da saga Harry Potter.

Título: O Chamado do Cuco (exemplar cedido pela Editora Rocco)
Autor: Robert Galbraith
Tradutora: Ryta Vinagre
Nº de páginas: 447
Editora: Rocco

12 comentários:

Gabriela Cerutti Zimmermann disse...

Preciso comprar logo, todo mundo está elogiando. E a resenha está maravilhosa. :)

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Ana Clara disse...

Só posso dizer que a cada resenha que leio, minha ansiedade aumenta. E eu não sei se isso é bom ou ruim, porque tô com muito medo de me decepcionar.
Enfim, ótima resenha, Mari!
Beijos!

http://roendolivros.blogspot.com.br/

Nardonio disse...

No meu caso, é até contraditório falar que um romance policial iria me pegar de jeito, tendo um ritmo mais devagar. Mas, pelo que entendi aqui, esse ritmo mais lento é o que mais encanta nessa trama, e entendo o que você quis dizer. Apenas com mãos habilidosas pra conseguir esse efeito, e creio que a J.K. Rowling é uma delas. Estou super curioso pra ler.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

MsBrown disse...

Que interessante a história. Confesso que fiquei super animada quando descobri que era a J.K. Rowling, pois tinha lido o outro livro adulto dela e gostado muito. Vou ler esse, com certeza!

Jéssica Soares disse...

Estou empolgada com esse livro desde quando foi revelado que a J.K. Rowling estava por trás de Robert Galbraith e, independente do quão diferente ele é, sabe quando você confia totalmente em um autor, sabe que ele não vai te decepcionar? Esse é o meu caso com a Rowling hehe A resenha só me deixou ainda maus curiosa para ler "O Chamado do Cuco"!
Jéssica - http://lereincrivel.blogspot.com.br/

Caline disse...

Não li nenhum livro da série HP, portanto não teria tantas expectativas com relação a esse livro. Não mais do que tenho com qualquer outro que começo a ler.
Não adianta você ter dito que o fato da narrativa não ter pressa e ser um pouco lenta na resolução dos fatos, ser um ponto que não é negativo. Gosto de histórias com agilidade.
Pode até ser que eu leia, mas no momento não estou muito empolgada não.

Beijos
Caline - Mundo de Papel

Paula Souza disse...

Eu terminei de ler esse livro, acho que na quinta! Ia resenhar na quarta, mas nem tinha conseguido terminar de ler. Admito que demorei bastante, gostei de alguns personagens, a narrativa gostei bastante... MAS me irritei um pouco, achei que tinha xingamentos exagerados ali.
Vou postar a resenha do livro amanhã no blog, pelo menos penso em fazer isso...
Se conseguir escrever, ainda não sei bem qual opinião tenho sobre o livro haaha
Beijos,
Paula
http://www.interacaoliteraria.com/

Samuka Rodrigues disse...

Eu o li ainda enquanto não havia sido lançado no Brasil e posso dizer que, pode não ser um livro ruim, mas também não gostei tanto dele. Apesar de tudo, sempre fico com aquela impressão de que todo mundo só está dizendo que gosta por ser da Rowling, sabe?

Jacqueline Braga disse...

Oie
ainda não li o livro, mas a curiosidade diminuiu um pouco. Pensei que seria um romance policial estilo james patterson ou agatha christie, e acho que a expectativa alta em relação a ele, iria atrapalhar e muito o meu envolvimento com a trama. Essa é a primeira resenha que leio do livro, e adorei! Você elucidou perfeitamente a trama, e o que o leitor irá encontrar pela frente durante a leitura.
Bjos
www.mybooklit.com

Rafa C. disse...

Me decepcionei muito com Morte Súbita, então já não elevei muito minhas expectativas com relação ao O Chamado do Cuco. Vou ler e espero gostar, e é só. Já tenho ele no Kobo, vou ler em breve.

Michelli Santos Prado disse...

Olá Mari!! Tudo bem??
Sou uma grande fã de livros de investigação, e ao ler sua resenha, fiquei ainda mais curiosa para ler este livro, e confesso que li algumas resenhas dele, e como a sua são sempre positivas.
Já esta na minha lista de desejados!!
Beijos!!

Adriana disse...

É a primeira resenha que leio de O chamado do Cuco, e confesso que gostei, porque adoro um bom livro policial e pela sua resenha, pude ver que o autor cumpriu muito bem esse papel, com os personagens intrigantes e uma trama simples, mas muito bem escrita! Pretendo ler esse livro em breve! Parabéns pela resenha, bjão! :)
Adriana

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger