quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

RESENHA: Admirável Mundo Novo

“O homicídio mata apenas o indivíduo; e, afinal, o que é o indivíduo? (...) Nós podemos produzir um indivíduo novo com a maior facilidade; tantos quantos quisermos. A falta de ortodoxia, porém, ameaça mais do que a vida de um simples indivíduo; ela atinge a própria Sociedade.” (HUXLEY, pag. 233, 2009)

Considerada uma das principais distopias literárias - juntamente com “1984”, de George Orwell e “Fahrenheit 451”, de Ray Bradbury - “Admirável Mundo Novo” é um livro que faz com que o leitor se sinta um intruso em um mundo a que ele (ainda bem!) não pertence.

Em uma sociedade em que pessoas existem para servi-la e os seres humanos são produzidos em uma linha industrial de acordo com o que se espera deles, não existem relações familiares ou afetivas de nenhuma espécie. Ninguém é mãe ou pai, filho ou irmão. Mãe é uma palavra obscena. Sofrer pela morte de alguém é um comportamento anti-social. Não existe romantismo ou conceitos como fidelidade e monogamia. Todos são de todos. A casta a que pertencerão, as atividades que deverão cumprir e as que deverão abominar são pré-programadas. Informações, opiniões e desejos são inseridos durante o sono ainda na infância. Questionamentos e sentimentos são tratados como uma dor de cabeça: toma-se um comprimido e espera-se que passe. A individualidade é inexistente.

O livro inicia introduzindo o leitor naquele mundo por explicar a filosofia que o rege e é aos poucos que o autor passa a inserir a história dos personagens em meio às explicações.

Me chama atenção nessa distopia, assim como em “Fahrenheit 451”, que a intenção do Estado é - além do desenvolvimento máximo da sociedade - que todos sejam felizes (por entre outras coisas, evitar o excesso de pensamento e sentimento) mas as pessoas não são. A sociedade é, teoricamente, perfeita, pois tudo tem uma função específica e uma razão de ser. Todos sabem qual é o seu papel e são condicionados a gostar do que fazem. Mas é uma sociedade em que as pessoas não têm o direito de se descobrirem. Não têm nem mesmo direito à solidão ou à infelicidade ocasional. É justamente por isso que a história é conduzida pelos personagens que, de uma maneira ou outra, não se enquadram naquele mundo. Não entrarei em detalhes para que não se perca o impacto da história e a reflexão a que ela leva.

Além de criar um mundo novo, desenvolver suas consequências e apresentar um texto onde cada frase parece ter sido lapidada nos formatos daquele mundo, o autor mostra um panorama completo do impacto daquela sociedade e aproveita todas as possibilidade que a história poderia oferecer. É assim que o leitor acompanha não só a visão de quem está dentro desta sociedade - os chamados civilizados - com relação aos que não estão e também dos que estão de fora e se deparam com ela, gerando discussões interessantíssimas sobre inúmeros temas, inclusive a existência de Deus. Além disso, o autor ainda mostra os efeitos que ser criado nesta sociedade e depois se afastar dela poderia ter em alguém. 

“Admirável Mundo Novo” é um livro que não se lê impune. Embora tenha sido escrito há mais de 80 anos, ainda apresenta reflexões válidas. Em um mundo em que o indivíduo é um servo da sociedade, o que brilha neste livro é o seu conceito, mais do que seus personagens.  Adequadíssimo.

Essa edição da Globo de Bolso conta ainda com um prefácio escrito pelo próprio Aldous Huxley 14 anos após a publicação do livro e mostra a visão do autor sobre sua própria obra, as mudanças de opinião que o passar dos anos acarretou e quais alterações incluiria na história caso a escrevesse naquele momento. Por isso, minha recomendação é que esse prefácio seja lido apenas após o livro, pois ele entrega detalhes - inclusive sobre o final - da história. 

Título: Admirável Mundo Novo
Autor: Aldous Huxley
N.º de páginas: 397
Editora: Globo de Bolso

12 comentários:

Ana Paula Barreto disse...

Clássico!
Ainda não li, mas está na lista. Confesso que agora fiquei mais animada ainda. Gosto muito de obras que além da trama, trazem também reflexões sobre a sociedade e sobre o comportamento humano. Afinal, o que seria mais vantajoso, uma sociedade em que tudo é milimetricamente planejado para dar certo (mas inibe o homem), ou uma que permite certo caos e liberta as pessoas para que sejam quem gostariam? Muito bacana.
Espero ler logo.
bjs

Fran disse...

Adorei este livro. Ele tem seu lugar merecido nos clássicos porque não só tem uma história interessante de se ler, ele te faz refletir e o livro continua com vc muito tempo depois de terminar de lê-lo. Achei válido tudo o que foi dito na resenha e parabenizo a Mari por ter construído ela só com base nas ideias e não utilizando nenhum spoiler da história. Acho que em livros assim o melhor é a pessoa ir descobrindo a trama sozinho mesmo e encaixando ela nas ideias que os outros já disseram que estão presentes no livro. Ou, melhor ainda, tirar suas próprias conclusões sobre o que se trata o livro sem ter lido a resenha antes hehehehe

http://www.entrandonumafria.com.br/

Natalia Dantas disse...

Desde que minha prima comprou esse livro que eu quero muito ler, além de ser um clássico sua narrativa chama atenção. Espero poder lê-lo logo.

Parabéns pela ótima resenha.

Abraços.
Natalia,
http://musicaselivros.blogspot.com.br/

Gabriela Cerutti Zimmermann disse...

Esse é outro que pretendo ler ler há um tempo. É um clássico, e ler essa resenha me deu ainda mais vontade de ler.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Mallu Marinho disse...

Acho que um clássico só é clássico quando não perde sua essência depois de tantos anos de publicação. Quando consegue ainda envolver e transmitir a mensagem desejada ainda que em outra época. Ainda não li, mas está na minha lista e meta desse ano. Acho que "Admirável Mundo Novo" trás uma crítica social e mais que isso, uma obra prima. Excelente resenha!

Leticia disse...

Oi...
Eu lembro que li este livro há muitos anos atrás..e achei as palavras tão difíceis.
Mas acho que eu era muito nova também.
Resumindo, não entendi nada do livro. Mas quem sabe um dia eu volte a ler.

beijos
livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

Gabi disse...

Eu gosto bastante de 1984 e Fahrenheit 451, então "Admirável Mundo Novo" já esta na minha lista de futuras leituras faz bastante tempo. Achei interessante que assim como em Fahrenheit 451, o Estado quer que as pessoas sejam felizes. Espero conseguir ler esse ano!

Michelli Santos Prado disse...

Olá Mari, tudo bem??
Gostei bastante da resenha, sempre tive curiosidade em conhecer este livro mas sempre passava outro na frente. Este fiz uma meta de ler clássicos e este esta na minha relação, então achei incrível poder ler esta resenha sobre ele.
Beijocas♥

pamela giovana disse...

Sinceramente, não conhecia este livro. Mas interessei-me bastante... Gosto de ler a respeito de pensamentos de outras épocas e sociedades.
Estou querendo muito ler o livro 1984, li ótimas resenhas a respeito dele.
Este livro parece remeter á era Clássica, em que as pessoas eram consideradas como máquinas...
Fiquei ansiosa para ler!!
Bjs

Nardonio disse...

Esse é um dos maiores clássicos do gênero distópico. Percebe-se claramente que, quase não existe outros elementos inclusos na trama. É pura e simplesmente tratando-se dos problemas da sociedade. E, mesmo sendo escrito há mais de 80 anos, suas reflexões ainda são mais do que atuais.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Michelle Agda disse...

Tenho esse livro na minha prateleira esperando para ser lido, pois (milagrosamente!) ganhei-o na escola, mas é tanto livro pra ler que esse acaba ficando pra trás. Adorei o enredo do livro, principalmente no que se trata de viajarmos no mundo ao qual não pertencemos enquanto lemos. Pode ter certeza absoluta que depois de saber sua opinião, darei meu jeitinho para ler o livro o mais rápido possível!

Adriana disse...

Tenho muita vontade de ler esse livro, a bastante tempo aliás, mas sei que pra isso, tenho que ter tempo, estar com a mente vazia pra entende-lo e absorver tudo que ele nos passa, e isso não é fácil, mas ainda sim, sei que um dia vou ler, pois sei que ele é uma obra de arte! Parabéns pela maravilhosa resenha! :)
Adriana

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger