sábado, 21 de junho de 2014

RESENHA: Silo

"Sentia desesperadamente a falta de seu relógio. Tudo o que possuía naqueles dias era sua faca. Ela riu da mudança: ir de contar os segundos de sua vida a ter que lutar por cada um deles." (HOWEY, 2014, p. 472). 

***

Quando estava no intercâmbio em Londres, não foram poucas as vezes que encontrei cartazes de Silo nas estações de metrô. Na verdade, sequer sabia que Silo era um livro, visto que os banner basicamente estampavam o título em letras garrafais e a frase de impacto que também consta na capa brasileira. Curioso como sou, decidi pesquisar e descobri que se tratava de um livro distópico, auto-publicado e que se tornou um fenômeno de vendas e críticas. Imediatamente, entrou para a lista de desejados. 

Em mundo futurista, acompanhamos a vida de uma comunidade que vive em um enorme silo subterrâneo, no qual as pessoas seguem um rígido regulamento. O maior crime que se pode cometer é manifestar o desejo de sair do silo, e como punição o meliante recebe exatamente o que desejou: sair para nunca mais voltar, o equivalente a uma pena de morte. É nesse contexto que Juliete se vê repentinamente, e quanto mais tenta entender os fatos e desvendar os mistérios que a cercam, mais descobre segredos dos quais não deveria ter conhecimento. 

Em tempos em que a distopia se encontra em alta, mas que muitos autores falham em desenvolver estórias originais, Hugh Howey nos brinda com um banquete de criatividade. O primeiro volume da saga introduz o leitor a um mundo de regras que jamais são questionadas (pelo menos, não em voz alta) e a uma sociedade que funciona a base de mentiras. E quando a verdade começa a vir à tona, nunca se sabe o que pode acontecer. 

Entretanto, tive alguns problemas no decorrer da leitura, e a principal delas se trata do meu envolvimento com os atores da estória. Construir personagens reais é uma tarefa árdua, e apesar de Silo contar com personagens bem caracterizados, me parece ter faltado um elemento humano neles. Fiquei com a incômoda sensação de não ver personalidade, de modo que, muitas vezes, emoções e reações pareciam automáticas ao invés de genuínas

Outro falha do autor foi não observar o famoso ditado: "não diga, mostre". Foram inúmeras vezes que Howey poderia ter criado discussões reveladoras ou cenas tensas, mas que optou em condensar tais trechos na narrativa. Aliás, creio que o fato do livro contar com mais narrativa do que diálogos pode ter fortificado tal impressão. 

A narrativa, em terceira pessoa, é fluída, mas, por vezes, se torna muito detalhista e apegada a minúcias de pouca importância. Felizmente, o autor estruturou a obra em capítulos curtos, fazendo a alteração de ponto de vista em momentos chaves, de forma a aguçar ainda mais a curiosidade do leitor, o que compensou os demais deslizes. 

Admito que minha expectativa para Silo era maior, mas apesar de suas falhas a obra exala criatividade, conta com uma estória interessante e instigante, tendo muito potencial para se tornar uma saga memorável. A questão é se Howey é capaz de entregar. 

Título: Silo (exemplar cedido pela editora)
Autor: Hugh Howey
N.º de páginas: 501
Editora: Intrínseca

12 comentários:

Gabriela Cerutti Zimmermann disse...

Tenho muita curiosidade de ler esse livro, Alê. Admito que os pontos negativos que você ressaltou me deixaram com um pé atrás, mas se a criatividade do autor compensa vou arriscar. Ótima resenha.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Bruna Monteiro disse...

Como eu gosto muito de livros distópicos, tratei de conferir esse, acho que foi em março ou abril, mas ainda não tive tempo de lê-lo, pretendo consegui até o final do ano. Não procurei ficar lendo muito coisa a respeito porque como vou ler não quero perder o interesse mas o pouco que eu vi me agradou bastante. Ah, também vi que o livro vai ganhar a adaptação pro cinema, e eu particularmente achei demais.

Lucas Kammer Orsi disse...

Gostei da resenha e fiquei empolgado pela leitura do livro. Concordo com você que em tempos que o gênero está tão em alta, os autores muitas vezes acabam cometendo erros e pecando em originalidade ou repetindo o clichê de sempre. Já ouvira comentários a respeito de Silo, mas não sabia muito o que esperar. Agora, até que colocarei na lista de desejados.

Att,
Lucas
ondeviveafantasia.blogspot.com.br

Leandro de Lira disse...

Oi Alê!
Eu agora fiquei interessado no livro.
Mesmo apresentando algumas falhas como você citou, parece-me uma boa leitura.
É uma pena que seja uma série e eu esteja evitando séries por um bom tempo.
Abraço!

"Palavras ao Vento..."
www.leandro-de-lira.com

rafaela disse...

Esse mundo distópico, já me deixa louca pra ler o livro e me envolver completamente até o seu final.
Fiquei curiosa para ler, e também por que curto bastante livros com este temática!! Já esta na lista de desejados!!
É uma pena que o livro tenha algumas falhas e que você não tenha gostado tanto, mas eu estou louca pra ler ele mesmo assim :)
Beijos!

Aline disse...

Ouvi falar demais desse livro em um vlog que eu sigo, tanto que já estava com vontade de ler. Agora entrou para a lista de desejados. Eu adoro distopias, e a premissa dessa parece ser muito boa. Vai ter continuação né?

Nardonio disse...

Só tive conhecimento dessa série, depois de todo o alvoroço que fizeram com seu lançamento aqui no Brasil. A premissa, realmente, é bastante interessante e criativa, mas é uma pena que o autor se perde às vezes no excesso de descrições. Pelo menos isso não prejudicou tanto assim. No mais, ainda quero lê-lo, sim!

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

pamela mendes disse...

Eu ganhei esse livro em uma promoção na semana Silo, e já li. Eu amei o livro, achei que é uma Distopia bem diferente, eu amei a Juliette, e também achei que a narrativa é fluída. Só não gostei muito que o final fica em aberto, e no começo era meio devagar. Mas o resto eu gostei bastante.
Que pena que você não gostou tanto, mas espero que goste mais do próximo =)
Bjs

Fran disse...

Estou doida pra ler SIlo. Pena que os personagens não são bem caracterizados, mas pelo menos parece uma distopia que vale a pena conhecer. Fiquei na dúvida se é um livro único ou não. Gostei também de saber que os capítulos são curtos, já que prefiro assim =)

www.entrandonumafria.com.br

Denise (@dnisin) disse...

As distopias estão mesmo na moda e mesmo não tendo lido muitas, se tornou um dos meus gêneros favoritos. Não consigo não ver semelhanças desses temas com a nossa realidade. Essa é a primeira resenhas de Silo que leio e não esperava essas características, algo mais tenso e misterioso. Fiquei curiosa.

Bjs, @dnisin
www.seja-cult.com

Guilherme Lorenzoni disse...

SILO! O QUE DIZER DESSE LIVRO? Simplesmente incrível, distopia é o meu gênero favorito e nunca me canso. Silo tem aquele tom de mistério, uma história envolvente e tudo de bom! Não aguento mais esperar para comprar a continuação!!!!

Abraços!

Allison Norberto Alves disse...

"Pego o livro, mas nunca levo", é assim que se resume a minha relação com Silo nas livrarias. Há muito tempo to querendo, mas nunca me sinto realmente impelido a comprar. E o pior é que to querendo ler, distopias vêm atraindo muita gente ultimamente. Apesar dos pesares que concordo com você, na resenha, como a questão do "não fale, mostre", pretendo ler em breve!

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger