sábado, 6 de agosto de 2016

RESENHA: Welcome to Night Vale

“Vá até a loja para aproveitar a grande liquidação de inauguração. Descubra oito segredos governamentais e ganhe um sequestro e uma redefinição de personalidade grátis para esquecer o que descobriu!” (FINK; CRANOR, 2016, p. 31)

“Uma mistura de Além da Imaginação, Stephen King e Twin Peaks” Foi essa afirmação que me deixou curiosa sobre “Welcome to Night Vale”. E bastou ler o primeiro capítulo para descobrir que o livro me renderia muitas risadas.

Um lugar onde as casas têm pensamentos, os bibliotecários são seres assustadores a quem ninguém sobrevive, os parques para cães são proibidos para cães, as palavras ganham novos significados de acordo com os dias, os dias não obedecem ao calendário, a Polícia Secreta do Xerife está sempre às vistas de todos, o governo faz experimentos secretos sobre os quais todo mundo sabe, luzes misteriosas e nuvens sencientes pairam sobre a cidade e um locutor de rádio informa os habitantes sobre todas as esquisitices que acontecem. Essa é Night Vale, uma cidade no meio do deserto onde pessoas, anjos e outros seres misteriosos cruzam seus caminhos diariamente. Jackie é uma dessas pessoas e seus dias não foram mais os mesmos depois que um homem de paletó bege lhe entregou um bilhete escrito “King City”. Jackie não sabe o que a mensagem significa, mas não consegue fazer mais nenhuma das suas atividades depois daquilo, nem mesmo se livrar do papel ou lembrar do rosto do homem. E ela não é a única. Todos que entram em contato com o misterioso homem são incapazes recordar seu rosto. Agora Jackie precisa voltar à sua vida e para isso vai se unir a Diane, cujo filho desapareceu justamente quando que o pai dele começou a aparecer em todos os lugares onde Diane vá. A resposta para ambos mistérios está em King City, um lugar que ninguém sabe onde fica ou o que se deve fazer para chegar lá.

A primeira coisa que você precisa saber sobre “Welcome to Night Vale” é que é um livro completamente nonsense. E não é negativamente que digo isso. Tudo que acontece é bizarro, por vezes irônico e completamente sem sentido, mas é disso que vem a graça e você precisa estar disposto a encarar este tipo de aventura para apreciar a leitura, caso o contrário tudo parecerá bobagem.

A meu ver, as esquisitices da cidade são o verdadeiro protagonista do livro, mesmo que a história principal gire em torno de Jackie e Diane e sua busca para entender King City.

Jackie é uma jovem de 19 anos que tem essa idade há mais tempo do que possa se lembrar. Ela pretende fazer 20 algum dia? Nem ela mesma sabe. O que ela faz é administrar uma casa de penhores que negocia de tudo, incluindo lágrimas e boas noites de sono, e tem como praxe oferecer sempre e por qualquer coisa 11 dólares, independente do quanto for de fato pagar pelo item. Diane, por sua vez, trabalha em um lugar que ninguém sabe exatamente o que faz e tem um filho adolescente que troca sua forma humana a todo instante pelos mais inusitados tipos de animais ou objetos. Há explicações para alguma dessas coisas? Não. Isso importa? Não. Porque “Welcome to Night Vale” não é um livro para você se apegar aos personagens ou encontrar lógica. É um livro para você apreciar o absurdo da situação e rir com ele, aceitando que as respostas só precisam fazer sentido dentro daquele mundo, daquela lógica própria (e aqui a comparação a Twin Peaks se justifica).

O surpreendente é que, em meio a tanta bizarrice (e, de novo, não digo isso negativamente) o livro consegue apresentar momentos de profundidade. A própria relação de Diane e seu filho, Josh, nada mais é do que a relação entre uma mãe e seu filho adolescente a quem ela não entende, mas com quem quer se conectar porque o ama. As inúmeras mudanças de forma de Josh nada mais são do que a confusão da cabeça de um adolescente, as mudanças pelas quais passa a todo instante sendo refletidas em sua aparência. Jackie, por sua vez, é aquela pessoa que se recusa a crescer, que recusa encarar tudo que a confronte com ela mesma, pois está presa em sua própria vida. É por coisas assim que, apesar do absurdo, os personagens conseguem ser verossímeis. 

O livro foi inspirado no podcast de mesmo nome (no ar desde 2012, com episódios a cada 15 dias) no qual um radialista informa os habitantes da cidade a respeito das coisas estranhas que acontecem nela. No livro, o formato foi preservado, intercalando capítulos em que a história de Jackie e Diane avança, com capítulos em que acompanhamos brevemente o programa de rádio. Devo dizer que são nesses momentos que as coisas mais absurdas acontecem (e que eram também esses os meus trechos favoritos). Dei muita risada com Cecil e seus comentários e imagino que os leitores que também são ouvintes devam reconhecer nesses trechos a essência do podcast. Ainda assim, tudo que está no livro se sustenta por conta própria, não precisando nenhum conhecimento prévio para fazer sentido (confesso, porém, que fiquei curiosa para saber o que foi criado especialmente para o livro e o que já fazia parte do podcast).

Repleto de comentários espirituosos e hilários, “Welcome to Night Vale” é um livro divertido, com um humor que, por vezes, me lembrou Lemony Snicket e Douglas Adams. Uma história diferente de qualquer coisa que eu já tenha lido, que constrói sua própria lógica e faz sentido dentro da sua falta de sentido.

Título: Welcome to Night Vale (exemplar cedido pela editora)
Autores: Joseph Fink e Jeffrey Cranor
Nº de páginas: 336
Editora: Intrínseca

24 comentários:

Alessandra Salvia disse...

Oi Mari,
Também senti que difere de tudo que eu conheço.
Gostei dessa 'ousadia', afinal, vou precisar de coragem para sair da zona de conforto e pegar esse livro.
Coloquei na lista!
Beijos
http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

Luiza Helena Vieira disse...

Oi, Mari!
O último livro meio nonsense que tentei ler foi Selva de Gafanhotos e foi uma experiência horrível. Pela sua resenha, ele parece ser diferente. Fora que essa capa me conquistou.
Beijos
Balaio de Babados

Adriana Holanda Tavares disse...

Mari que massa esse livro, e que livro mais doido! Nunca li algo assim e estou animada com o lançamento dele aqui pela Intrínseca. Gostei da premissa e espero curtir o livro também.

Gabriela CZ disse...

Já queria muito ler esse livro e agora quero mais ainda, Mari. Tinha um certo receio de que não conhecer o podcast no qual é baseado pudesse atrapalhar a leitura, e fico super feliz em ver que não. Estava procurando por mais livros que tivessem esse tipo de humor nonsense, e adorei saber que é bem desses. Preciso mesmo ler. Ótima resenha.

Beijos!

Sil disse...

Olá, Mari.
Confesso que achei o livro bem do confuso. Mal entendi as coisas lendo a resenha, imagine lendo o livro então hehe. Mas quem sabe, já que é um livro bem diferente do que eu estou acostumada a ler, eu me aventure.

Blog Prefácio

Carolina Garcia disse...

Oi, Mari!!

Quando começou a explicar a história, me lembrei na hora das obras de Douglas Adams. A sua confirmação no fim do texto me deixou feliz porque às vezes é muito divertido ler histórias bizarras assim.

Vou dar uma passada no estande da Intrínseca na Bienal e dar uma checada nesse livro!! :)

Bjs

http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

Cristiane Dornelas disse...

Ele parece ser mesmo diferente de muita coisa que já li. E achei interessante tanta bizarrice, é legal. O jeito de contar a história também, mas é a parte bizarra que me chamou atenção e deu vontade de ir ver como é. Parece ser bem louco, mas pode ser profundo também.

Josiane disse...

Que livro doido! Fiquei morrendo de vontade de ler ele, por causa do mundo mesmo! Quando li: um mix de Stephen King e Twin Peaks, não tive dúvidas. Tenho que ler esse livro pra ontem.

Ariane Reis. disse...

Oie Mari =)

Pela sua resenha acho que bizarro é uma palavra que define bem esse livro rs... Não conhecia a obra, mas apesar de toda a confusão aparente da história eu fiquei bem curiosa para ler o livro.

Acho que será no mínimo uma experiência interessante.

Beijos e uma ótima semana para você;***

Ane Reis.
mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
@mydearlibrary


Lapso de Leitura disse...

Oi Mari, como vai?
Vi esse livro no snapchat da Intrinseca e me diverti demais com eles falando sobre o livro. Imagino que tenha sido uma leitura muito gostosa já que ela é bem divertida.
Fiquei bem curioso agora para ler, pois acho que eu vou adorar um livro desses, com um humor nonsense e tal.

Beijos ^^

-Ricardo, Blog Lapso de Leitura

Naiara Fidelis Da Silva disse...

O começo da resenha me convenceu que preciso ler este livro, adorei a premissa da história, nunca li nada parecido.
Com certeza já vou adicionar na minha lista de desejados, pois preciso conferir esta obra.

Em comum disse...

Um livro TOTALMENTE diferente mesmo, fiquei intrigada confesso mas não me instiga a ler, nunca direi nunca e é sempre bom estar aberta a novas possibilidades! Parabéns pela resenhas!

Beijos
Dani Cruz
blog-emcomum.blogspot.com.br
Twitter - @blogemcomum / Insta - @blogemcomum / Fanpage Em Comum

Márcia Saltão disse...

Olá.
É a primeira vez que leio uma resenha a respeito desse livro. Para falar a verdade, desconhecia a premissa. Gostei muito da sua resenha, mas apesar de suas palavras, não sei se seria uma leitura que iria prender minha atenção, achei a história muito confusa e não me agradou. No momento não pretendo ler, quem sabe um dia. Mesmo assim, obrigada pela dica. Beijos.

Da Prateleira disse...

Gente, que livro "fora da caixinha". Achei bem legal a premissa.

Blog.
Facebook.

Thalita Branco disse...

Olá Mari!
Eis um livro que não iria gostar. Não curto situações nonsense, meio que elas não entram na minha cabeça e acho bobo. Mas para quem curte parece ser bacana.
Bjs

EntreLinhas Fantásticas - Participe do nosso SORTEIO do DIA DOS PAIS <3 Warcraft + A Princesinha de Vader

Alice Duarte disse...

Oiii Mari

O que me atrai nesse livro é exatamente o fato de ele ser diferente à maioria das coisas que já li, um livro com um humor um pouco bizarro às vezes mas que ainda assim prende a gente. Acho o tipo do livro legal pra quando a gente quer sair da zona de conforto, pois não sabemos bem o que esperar...
Tenho ele anotadinho.

Beijos

unbloglitteraire.blogspot.com.ar

Desbravador de Mundos disse...

Olá, Mari.
A premissa do livro é bem diferente mesmo, bem louca. Contudo, nem sempre o louco e o sem sentido é ruim, Adams mostrava bem isso; essa obra parece fazer o mesmo.
Acho que vou gostar dessa obra; quero conhecer essas bizarrices que acompanham essa cidade.
Ótima dica.

Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de agosto. Serão dois vencedores e um deles levará um vale compras!

Maria Cecilia disse...

Oii Mari
bom, eu não leria esse livro,realmente ele não me chamou a atenção por parte de sua premissa, mas que capa linda!
abraço
http://febredelivro.blogspot.com.br/

Caverna Literária disse...

"Completamente nonsense" hahahaha parece ser mesmo, mas de um jeito bom. Anda fazendo falta esses livros bizarros que ainda assim consegue entreter o leitor. E não sai o que me atrai mais, se a capa ou a proposta do livro! Adorei, com certeza vou ler quando tiver oportunidade.

xx Carol
http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

Andrea Barbosa disse...

Oi tudo bem..
Que livro mais doido mas parece ser um livro bem interessante e acho que como você nunca devo ter lido nada parecido e fiquei bastante curiosa,principalmente por gostar bastante de livros que me faça rir independente do tema..
Um abraço e muito sucesso :)

Edmere Cintra disse...

Oi :)
Eu me interessei bastante por esse livro por ser diferente de tudo o que eu já li, além de ser muito divertido. Nunca li nenhum livro dos escritores que você mencionou então não tenho como comparar livro com nada, mas com certeza vou gostar bastante e dar várias risadas.

Maria Fernanda Pinheiro disse...

Um comentário do King sempre nos leva a grandes expectativas, achei a história bem bizarra e diferente de tudo que já li, e percebo que essa parte foi bem aprofundada e compreendida pelos leitores, gostaria de ler, pois alem de tudo me parece divertido e um bom livro para passar o tempo

Ingrid Moitinho disse...

Achei o livro bem confuso rs, mas também interessante, confesso que não conhecia, nunca tinha nem visto, mas agora fiquei curiosa, parece ser divertido.

Ana I. J. Mercury disse...

Não conhecia o livro, mas gostei, achei bem diferente e original.
Nunca li nada parecido!
Se bem que me confundiu em algumas partes, mas to curiosa!
Anotado aqui!!
bjs

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger