terça-feira, 17 de março de 2015

RESENHA: Selva de Gafanhotos

“A palavra merda, como a expressão tudo bem, pode significar várias coisas. Na verdade, na história que registrei em meu livro sobre aquela sexta-feira em Ealing, Iowa, acredito que usei a palavra merda em todos os contextos possíveis.” (SMITH, 2015, p. 61).

***

Austin e Robby invadem o escritório do dono da loja de artigos usados "Do Sótão ao Sucesso", e lá se deparam com estranhos artefatos: globos de vidro contendo os mais bizarros experimentos. Enquanto eles estão lá dentro, outra invasão tem início e um dos delinquentes, ao ver que um dos globos emite uma luz azulada, decide furtá-lo. Austin e Robby conseguem escapar sem complicações, mas quando estão indo embora, testemunham o momento em que o ladrão deixa cair aquele globo. Tratava-se da Cepa de Praga IM 412E Contida. E foi assim que o fim do mundo teve início na pequena cidade de Ealing. 

De todos os Young Adults que já li, Selva de Gafanhotos se destaca por sua diversidade. Andrew Smith teve sucesso em misturar romance, drama, aventura e ficção científica, além de altas doses de humor. Além disso, Smith soube ser imprevisível e inusitado, fugindo do lugar comum de todos os gêneros, e surpreendendo o leitor a todo instante. 

Além de transitar por diversos gêneros, o autor também teve êxito em abordar inúmeros assuntos, como: sexualidade, amizade, bullying, identidade, egoísmo, amor, rótulos, sobrevivência e tantos outros. Aliás, impossível não elogiar Smith por ter coragem em abordar um tema inédito na literatura Young Adult.

A estória é narrada pelo ponto de vista de Austin, que tem uma veia de historiador e registra tudo o que acontece na sua vida e ao seu redor. A narrativa é leve e envolvente, e o leitor rapidamente se vê cativado pelo protagonista, que compartilha todos os seus pensamentos e sentimentos.

É interessante perceber que a obsessão de Austin em registrar todos os acontecimentos não passa de uma ferramenta para que ele mesmo possa compreender quem ele é e, assim, tentar resolver os conflitos que enfrenta. Minha única crítica é que, nesta ânsia de registrar absolutamente tudo, Austin se perde em algumas divagações que, por mais que sejam interessantes, não são o foco do livro. 

Selva de Gafanhotos é o tipo de livro que tem um início sútil, mas que de repente faz o leitor emergir na estória, de modo que não percebe o avançar das páginas, tanto pela curiosidade de saber sobre os próximos eventos que ocorrerão em Ealing, assim como para descobrir como Austin irá enfrentar seus dilemas, anseios e receios. A trama é bem concatenada, sendo impossível não se empolgar quando as peças do quebra-cabeça começam a se encaixar. 

Os personagens são construídos a ponto do leitor compreendê-los profundamente. Inclusive, mesmo após encerrada a leitura, fiquei analisando a conduta de alguns personagens e conjecturando sobre o que elas significavam. 

O desfecho deixa as coisas um tanto em aberto, embora o leitor possa facilmente imaginar o rumo que elas irão tomar. Porém, para aqueles que gostam de todos os pingos no is, a ausência de algumas respostas pode incomodar. De minha parte digo que o final, além de coerente com o livro, não poderia ser diferente. 

Selva de Gafanhotos surpreende tanto por sua originalidade, quanto pela mescla de gêneros tão distintos, que funcionam em perfeita harmonia. Trata-se de uma leitura regada a gargalhadas, mas que nem por isso deixa de fazer o leitor refletir. A pergunta que fica é: quando o próximo livro de Andrew Smith será lançado?

Título: Selva de Gafanhotos (prova cedida pela editora)
Autor: Andrew Smith
N.º de páginas: 350
Editora: Intrínseca 

19 comentários:

Camila Teixeira disse...

AAA não consegui me incluir entre o pequeno numero de blogs que recebeu a previa do livro, e agora com essa sua resenha estou arrancando os cabelos! AAAAAAAAAAAAAA! Quero muito ler! Parece ser super interessante!!

http://www.livrologias.com/

Estante Diagonal disse...

Olá Alê eu adoro premissas imprevisíveis, e que te surpreendem, já anotei a dica pois amei a resenha e fiquei bem instigada a leitura!

Beijos,
Joi Cardoso
Estante Diagonal

Tabatha Cuzziol disse...

Nossa que livro legal, nunca tinha visto ele. A capa é bem diferente e isso chama a atenção!
Gostei muito da sua resenha!
Beijos, Tabatha
http://aproveiteolivro.blogspot.com.br/

Thami Sgalbiero disse...

Gostei da originalidade! Mesmo com isso do desfecho deixar pra gente pensar nele, que me irrita na maioria das vezes, mas vale dar uma chance pra ver se vou conseguir imaginar o desfecho sem ficar com raiva do autor, hahaha! Tem um livro do Nicholas Sparks que eu li que o final é assim, fica no ar e deixa a gente imaginar o que quiser e eu gostei, porque aí consegui imaginar um final feliz pra história, hahaha!

Beijos!
www.likeparadise.com.br

Nana ~* disse...

Oi Alê,
Que surpresa esse livro, não conhecia.
Gosto de livros com momentos sérios, mas com pegada com pequeno humor.
Achei bem interessante!

bjs e tenha uma ótima quarta!
Nana - Obsession Valley

 Laro disse...

Não conhecia o livro, acho interessante você trazer livros novos e não só aqueles que todo mundo já cansou de ver na mídia. A história me interessou pois fiquei curioso pra saber mais sobre os globos de vidro e seus experimentos bizarros rs

Sailor Laro.

Katrine Bernardo disse...

Nossa, adorei essa história, bem diferente haha
Beijos.
http://www.garotadolivro.com/

Livy disse...

Oi, Alê =D

Nossa, como estou curiosa para ler este livro *-*
Desde que vi o lançamento estou louca para conferir! Parece ser diferente e muito original. A sua é a primeira resenha que leio, e já fiquei com ainda mais vontade de ler! Tenho quase certeza que vou gostar muito! Só que, confesso, não curto muito finais em aberto, que deixam muitas questões para traz. Mas, se for coerente, pra mim tudo bem!

Dica anotada ;)

Beijos,
Livy
nomundodoslivros.com

Teca Machado disse...

Alê, pelo título e pela capa nunca imaginaria um livro tão diferente e interessante assim.
Início do fim do mundo com um roubo e um vidro caído?
Gostei!
A sua resenha ficou ótima e me deu muita vontade de ler.
Adoro isso de misturar um monte de coisas, como humor, romance, ficção científica, ação e tudo mais.
:)

Beijoooos

www.casosacasoselivros.com

Erika Leite disse...

Eu já tinha visto essa capa e esse título e me interessado. Sua resenha ficou muito boa. Mas estou até agora sem saber se esse título é em modo figurado ou não hahaha.
Mas sinceramente, parece ser um tipo de livre diferente, como se não se vê muito por aí, e super me interessou. Fiquei ainda mais curiosa.
Eu amei seu blog! *-*
Beijos!
http://www.canseidesernerd.com

Gabriela CZ disse...

Estava em dúvida sobre esse livro, mas agora realmente me interessei. Seus comentários sobre a mistura de gêneros e o fato de ser engraçado e ainda fazer refletir me deixaram curiosa, Alê. Alias, o quote escolhido já me ganhou. Tenho que ler. Ótima resenha.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Rafaela. disse...

Oi, Alê!

Incrível. Já estou louca para ler esse livro, pois adoro autores que saber diversificar, mesmo em um tema já tão conhecido - fim do mundo. Gostei muito da premissa e do modo como a história é contada, especialmente por incluir altas doses de humor. Também estou curiosa quanto ao protagonista, ele deve ser cativante ao extremo.
Tenho certo incômodo com finais em aberto, mas quando são coerentes, aceito de bom grado, rs, e gosto.

Beijocas.
http://artesaliteraria.blogspot.com.br

Kétrin Galvagni disse...

Oi Alê, sabe que nunca ouvi falar sobre esse livro? Mas adorei a premissa dele, e sua resenha me deixou muito curiosa para conhecer mais dessa história, ainda mais se o leitor da muitas gargalhadas durante a leitura!

Beijos

http://www.oteoremadaleitura.com

Jhonatan Veloso disse...

Oi!

Adorei a resenha! Quando vi o livro na fan page da Editora, não tive interesse e agora estou doido para ler *-*

Não sabia que se tratava de uma história tão (se me permite) foda assim :o Já tá na lista!

Abs!

http://leiturasilenciosaoficial.blogspot.com.br

Bárbara Prince disse...

Eu adorei esse livro! Não sabia o que esperar dele, mas acho que mesmo se soubesse, teria me surpreendido muito. Não achei as divagações problemáticas - achei divertido como o autor nos enrolava com elas quando queríamos saber os próximos acontecimentos da trama. Só achei que a repetitividade, mais pro fim do livro, deixou a leitura um pouco cansativa.

[SPOILERS]

Quanto ao final sem "os pingos nos is", achei muito inovador. Austin é um personagem cujos conflitos não se resolvem, e isso é tão mais real do que na maioria das histórias! Também achei demais o fato de que eles não conseguem conter a praga - um fim bem realista!

www.blogsemserifa.com

David Andrade disse...

Oi Ale!
Olha, quando li a sinopse, eu realmente fiquei curioso pelo livro, mas um amigo leu, e ai acabei pegando alguns trechos e confesso, apesar de parecer uma sacada muito inteligente, perdi o interesse. O protagonista e meio vulgar, eu pelo menos achei, e sempre me sinto desestimulado por livros onde a linguagem fique um tanto pobre :( Palavrões ou gírias não me descem bem.

Abraços
David Andrade
http://www.olimpicoliterario.com/

Alessandra Tapias disse...

Primeira resenha que leio e já me apaixonei!!!!

Tão profundo e intenso... e eu quero agora!!!

Bjks

Lelê - http://topensandoemler.blogspot.com.br/

Anelise santana disse...

Não botei muita fé nesse livro quando o vi pela primeira vez, achei a capa bem desinteressante. Mas levei um tapa na cara agora, pois achei a estória incrível e é bem do jeito que eu gosto, com assuntos diversos abordados ao invés de apenas um. Adorei!

RUDYNALVA disse...

Alê!
Não conhecia o livro, nem o autor.
Achei interessante a mescla de assuntos e gêneros, o que não deve de forma alguma deixar o livro entediante.
E gosto de finais abertos, onde podemos refletir sobre o que pode ou não levar o rumo da estória.
Cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger