domingo, 14 de agosto de 2016

[Biografias] para quem não gosta de [biografias]

Todo leitor se identifica com alguns gêneros literários mais do que com outros. Mas existem alguns livros que são capazes de abrir os olhos dos leitores para gêneros dos quais ele nunca gostou, justamente por mostrarem uma faceta diferente do gênero, por terem algo a mais. Livros que fazem o leitor que diz “Não gosto deste tipo de livro” se apaixonar justamente por um livro deste tipo.

Foi pensando nisso que o Além da Contracapa criou uma nova coluna: “[...] para quem não gosta de [...]”, na qual faremos uma seleção de livros de um determinado gênero ou temática que podem agradar até mesmo quem costuma fugir deles. Na primeira edição, falamos sobre biografias. 


Uma declaração de amor à obra do genial Alfred Hitchcock através da própria obra de Alfred Hitchcock. A partir de uma série de entrevistas realizadas com o mestre do suspense, o diretor François Truffaut faz um apanhado cronológico da carreira de Hitchcock, desde seus filmes mudos até os grandes sucessos Hollywoodianos. Assim, o livro apresenta tanto as opiniões do próprio Hitchcock em relação a seus filmes, quanto as de Truffaut com seu olhar de colega diretor e também de grande admirador. Assim, por mais que seja parcialmente uma biografia de Alfred Hitchcock, pois acompanhamos sua vida pelo andar de sua carreira, não é o diretor que está em foco e sim seus filmes. Além do rico conteúdo, o livro é repleto de imagens dos filmes, bastidores e até das próprias entrevistas. Indicado para qualquer amante da sétima arte, do gênero suspense em geral e, claro, imperdível para fãs de Hitchcock.

2. Paris é uma Festa


Livro de caráter autobiográfico no qual Hemingway relembra os anos em que viveu em Paris na década de 20 quando ainda tentava dar seus primeiros passos como escritor. Por ter sido escrito 30 anos depois dos acontecimentos, a nostalgia permeia as lembranças do autor que, naquele momento, já era um dos mais consagrados da sua geração. Mesmo trazendo eventos biográficos, o próprio Hemingway afirma que o livro não precisa ser encarado como uma biografia, pois mesmo que tentasse não conseguiria abordar todos os eventos daqueles anos. Além disso, o livro não tenta nos apresentar quem foi Ernest Hemingway, apenas direcionar o nosso olhar para alguns eventos da sua vida. Mas talvez o mais cativante é que, independente do protagonista dos acontecimentos, Hemingway apresenta Paris de uma maneira tão encantadora que é impossível não se apaixonar pela cidade e sua atmosfera, esteja você interessado no próprio Hemingway ou não. Um daqueles livros que se destaca em meio a obra de qualquer autor por ser diferente de todo o resto que ele escreveu, mas ainda assim mantém suas características principais, o que o torna recomendável tanto para quem é fã, quanto para quem nunca leu. E tudo isso, claro, com o sempre maravilhoso texto de Ernest Hemingway (o que é razão suficiente para se ler qualquer coisa).

3. A Morte do Pai

Primeiro livro da aclamada série autobiográfica “Minha Luta”, Knausgård brinca com os limites entre biografia e ficção, seguindo apenas duas regras: ser honesto e falar aquilo que lhe vem à mente, sem seguir uma ordem específica. Em “A Morte do Pai” o autor desabafa sobre seu relacionamento conturbado com o pai, lembrando de episódios da adolescência, do distanciamento crescente, culminando com a morte e os preparativos para o funeral. Apesar da premissa não parecer tão empolgante, Knausgård prende o leitor não apenas pela estória que está narrando, mas sobretudo por suas reflexões sobre temas como morte, relacionamentos familiares e amadurecimento. Um dos fatores mais interessantes é que “Minha Luta” está longe de ser uma biografia comum. Geralmente se espera que a vida do biografado tenha sido interessantíssima ou que fosse responsável por grandes feitos. E é neste ponto que Knausgård se diferencia: sua vida é comum. Embora muitas pessoas tenham se questionado por que uma vida tão ordinária mereceu uma obra biográfica dividida em seis livros, eu creio que esta é justamente a razão de tamanha popularidade: Knausgård narra sobre a vida que todos nós conhecemos e com a qual todos podemos nos identificar.

            

24 comentários:

Josiane disse...

adorei a coluna, eu sou uma dessas leitoras que não gosta de biografias e nem de contos. Mas lendo as indicações ficou claro que são diferentes do que eu imaginava. Quando eu escuto biografia, imagino alguém escrevendo algo de outra pessoa. Ponto. Mas as autobiografias citadas parecem diferentes. Gostei da coluna, parabéns pela ideia

Bárbara Ximenes disse...

Adorei a postagem.
Sou uma dessas que não gosta de biografias, mas a que você citou na postagem parecem ser interessantes.

www.donadegato.com
Beijos!

Márcia Saltão disse...

Olá!
Parabéns pela coluna, ótima ideia essa! Também não sou muito chegada a ler Biografias, mas já fiquei muito interessada nessa do Hitcock. Obrigada! Beijos.

Adriana Holanda Tavares disse...

Alê que coluna mais fofa essa, ... para quem não gosta de ... E já começou bombando porque sou uma das que não gosta de Biografias, porque acho geralmente cansativas e enfadonhas, além do que muitas vezes nem sempre parecem com a personalidade que construímos da pessoa! Já gostei da Bio de Hitchcok

Alice Duarte disse...

Oiii Alê

Não sei se ja falei aqui, mas tive uma fase de devoradora de biografias, li tudo, desde Getulio até Marilyn e olha só, a gente se surpreende e é super legal quando a gente acaba inclusive se identificando em algo com aquela pessoa que nem imaginavamos.
Gostei das recomendações, a do Hitch é a que mais me chamou a atenção.

Beijos

unbloglitteraire.blogspot.com.ar

Gabriela CZ disse...

Que bela ideia a dessa coluna, Mari e Alê! Sobre o tema escolhido para a estreia, não amo nem odeio biografias. Geralmente prefiro as autobiografias, gosto mais da história relatada pela própria pessoa. Mas esses três livros que escolheram pra esse post já me chamaram atenção quando postaram resenhas deles, e quero ler. Enfim, ótimo post.

Beijos!

Apenas Giz disse...

Oiii Alê! Adorei esse post! O intuito de incentivar as pessoas a lerem outros gêneros é maravilhoso. Antigamente eu só lia romances e policial, mas esse ano decidi mudar e experimentar o gênero da fantasia e vou te falar uma coisa, estou adorando! kkk Dos que você citou gostei mais do "Paris é uma festa" vou anotá-lo na minha lista! Adorei o blog e já estou seguindo :)

***Beijokas -Hellen Barros.

Apenas Giz | Sorteio No Blog

Naiara Fidelis Da Silva disse...

Amei o post, acho muito importante blogueiras que procuram trazer para as leitoras dicas de livros que fogem um pouco do nossos gêneros literários que mais gostamos, fazendo com que as pessoas saiam um pouco do comodismo e encontre leituras diferentes e prazerosas.

Cristiane Dornelas disse...

Esse de Paris é uma Festa é um que vi e fiquei naquela vontade de ler porque parece dar uma boa "olhada" na vida do autor. Nunca li nada do Ernest, mas esse é um que gostaria de ler algum dia.
Esse do Hitchcock deve ser muito bom pra quem é fã do autor. Entrevistas e um modo interessante de saber mais dele e das coisas que fez. Dá uma certa curiosidade e vontade de ler pra ver como é.

O Que Tem Na Nossa Estante disse...

Oi Mari!

Adorei o tema do post, isso pq tenho sempre problemas em ler biografias rsrsrs quase nunca leio, mas curti a do Hitchcock, por gostar muito de cinema eu leria com certeza!

Bjs, Mi

O que tem na nossa estante

Ariane Reis. disse...

Oie =)

Eu adoro biografias. Acho que elas são uma ótima oportunidade de aprendermos algo novo.

Paris é uma Festa é um livro que vem me chamando a atenção desde que li a resenha dele aqui no blog.

Além disso um amigo meu leu ele recentemente e gostou bastante também.

Beijos;***

Ane Reis.
mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
@mydearlibrary


Fernanda disse...

Eu adoro biografias e tenho Paris é uma festa, ainda não consegui ler mas pretendo em breve.

Daily of Books

Luiza Helena Vieira disse...

Gente, essa coluna é pra mim. Não suporto biografias.
Desses livros, eu me interessei por Paris É uma Festa.
Beijos
Balaio de Babados

Nessa disse...

Oie
Não costumo ler biografias, mas quando é alguém que admiro muito tenho curiosidade em ler, já li alguns. Adorei a coluna!! Achei bem interessante.

Beijinhos
http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

Desbravador de Mundos disse...

Olá, Alê. Olá, Mari.
Dos mencionados, quero ler Paris é uma festa. Não curto muito biografias, mas estou na vontade de ler essa desde a resenha que vocês fizeram. Sem falar que conhecer um pouco mais sobre o Hemingway deve ser maravilhoso.

Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de agosto. Serão dois vencedores e um deles levará um vale compras!

Rafaela. disse...

Oi, Alê! Oi, Mari!

Gosto de biografias, mas não costumo lê-las com frequência.
Adorei a nova coluna, é ótima maneira de não só apresentar livros diversos, como também de ampliar nossas leituras para outros gêneros.
Já li "Paris é um festa" e amei, é incrível o modo como ele nos apresenta a cidade. Fiquei curiosa para ler os outros dois, parecem ser bem interessantes.

Beijocas.
http://artesaliteraria.blogspot.com.br

Elidiane Ferreira disse...

Oi, gente!
Não sou muito fã de biografias, mas confesso que Paris é uma festa é um livro que me chama a atenção!
Gostei muito dessa postagem!

Beijos,
Eli - Leitura Entre Amigas
http://www.leituraentreamigas.com.br/

Leandro de Lira disse...

Oi, meninos!
Eu adorei a nova coluna, viu? Ótima!
Eu só conhecia as duas últimas biografias e até fiquei interessado por "A Morte do Pai". Parece ser uma leitura interessante.
Abraço!

"Palavras ao Vento..."
www.leandro-de-lira.blogspot.com

Sil disse...

Olá, Alê e Mari.
Gostei bastante da nova coluna. Acho que mesmo os gêneros que não gosto de ler eu leio. Só livros espíritas mesmo que não leio. Até autoajuda já li por causa de um desafio e acabei gostando. Biografias não está no começo da minha lista de preferencias também, mas já li algumas e gostei. Vou anotar a dica do primeiro livro. que me interessei.

Blog Prefácio

Andrea Barbosa disse...

Oi tudo bem..
Muito boa a materia e a ideia da postagem de colocar generos que nao "tao interessantes",e mesmo depois do seu post ,ainda assim continuo nao gostando de biografias,nunca me atraiu e continua nao atraindo,mas pra quem gosta essas parecem ser otimas sugestoes.
Um abraço e muito sucesso :)

Carolina Garcia disse...

Olá, Alê e Mari!!!

Adorei essa nova ideia de vocês e acho que vale muito a pena mesmo.
Eu mesma tenho certo preconceito com biografias por sempre acabar preferindo ler uma ficção, mas gostei muito das dicas de vocês e espero que venham mais!! :D

Bjs!!

http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

Maria Fernanda Pinheiro disse...

Amei essa coluna, espero que tenha ótimas indicações me breve de livros para começar a ler terror rsrs. Biografia é um gênero que não leio muito, até porque vários não despertam meu interesso, mas pelas dicas acho que irei ler Paris é uma festa e espero que me interesse por outras biografias

Ingrid Moitinho disse...

Gostei muito da postagem, sou dessas que não gosta desse tipo de gênero, mas sempre dou chance pra aprender a gostar, pesquisarei mais sobre esses livros, gostei muito das dicas.

Ana I. J. Mercury disse...

Gostei da nova coluna, e já espero ansiosa pela próximaa postagem!
Fiquei curiosa pelas três bibliografias, não li nenhum, embora todas tenha me chamado atenção, principalmente a do Hemingway.
bjss

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger