quarta-feira, 26 de outubro de 2016

RESENHA: Menina Má

“De vez em quando fazia uma pausa para especular sobre o estranho modo de pensar do criminoso, para tentar descobrir que lição tirar para sua própria orientação. Ficava imaginando o que teria feito essas pessoas incomuns ficarem assim. Será que fora uma criação ruim? Será que fora um ambiente impróprio? Ou seria uma predestinação hereditária que, na melhor das hipóteses, só se deixaria alterar um pouco?” (MARCH, 2016, p. 188)

Um suspense focado em uma criança psicopata, elogiado por, ninguém mais, ninguém menos que o grande Ernest Hemingway. Alguém precisa saber mais alguma coisa sobre “Menina Má” para ficar doido para ler?

Quem conhece Rhoda Penmark pensa que ela é apenas uma adorável menina de 8 anos, mas por trás do rosto meigo há muito mais do que as pessoa desconfiam. Por exemplo, ninguém iria imaginar que alguns dos eventos trágicos que abalaram a comunidade foram causados por essa garotinha aparentemente inocente, mas que pode ser fria e calculista como as piores mentes adultas.

Não é só o título que indica o que se pode esperar de Rhoda. O primeiro capítulo já deixa claro que a menina é capaz de maldades que jamais associaríamos a uma criança da sua idade e é justamente por não esconder o jogo de seu leitor, por deixar claro desde o início que se trata sim de uma criança psicopata, que o livro funciona. Não nos cabe torcer para que Rhoda se revele apenas uma doce menina, assim como não nos cabe torcer para que aquela situação termine bem. Lemos para saber até onde ela será capaz de chegar e como isso afetará as pessoas ao seu redor.

Todo o comportamento de Rhoda é perturbador. A frieza com que age, aliada a maneira como manipula os adultos, entra em choque com a natureza infantil de sua fala (quando não gosta de algo, é comum a menina se referir a coisa ou a pessoa como “boba”, afinal, com 8 anos, Rhoda não é capaz de grandes argumentações), confundindo o leitor sobre o que esperar dela. Nesse sentido, Rhoda lembra um pouco Lolita, sempre descrita por Humbert Humbert com uma sensualidade que envolve o leitor, fazendo-o esquecer que se trata de uma criança, até ser confrontado por algo tipicamente infantil.

Apesar de serem as atitudes de Rhoda que colocam a trama em movimento, é sua mãe quem está no centro dos acontecimentos mais importantes. A angústia desta mulher (feliz no casamento, mãe de uma menina que todos consideram encantadora) ao perceber que a filha pode ser responsável por coisas que ela jamais teria ousado pensar faz com que a história não seja tanto sobre os crimes que a menina comete e sim sobre o impacto que a descoberta deles tem sobre sua mãe, tornando Christine a verdadeira protagonista.

“Menina Má” é uma história de muitos segredos, na qual ninguém se revela totalmente. Só quem tem total conhecimento dos personagens é o leitor, graças à narrativa em terceira pessoa. Não sabemos exatamente que papel cada um irá desempenhar na trama, mas sabemos que, de um jeito ou de outro, aquilo não irá acabar bem. Tendo dito isso, penso que o desfecho pode agradar tanto quanto pode desagradar. Eu confesso que esperava algo a mais, mas adorei a ironia apresentada por March.

E por falar em esperar mais, confesso também que, apesar de ter gostado do livro, “Menina Má” não correspondeu a todas as minhas expectativas. Meu problema não foi tanto a falta de surpresas da trama (não quero dizer com isso que o livro seja previsível, apenas que não é aquele tipo de história dependente de reviravoltas), mas a falta de um clima mais tenso, de um suspense mais palpável. Para mim, a partir do momento em que o narrador estabeleceu que se podia esperar tudo daquela criança, nenhuma das suas maldades me chocou. Acredito que seja importante levar em consideração que o livro de March foi lançado em 1954, um momento em que uma personagem como Rhoda era tão sem precedentes e, justamente por isso, tão chocante que as situações ao seu redor poderiam ser relativamente simples, já que havia perversidade suficiente em sua protagonista. É claro que isso permanece válido e Rhoda é sim uma personagem perturbadora, mas para mim faltou mais emoção.

“Menina Má” é aquele livro do qual você não desgruda o olho caso não precise porque sua narrativa fluida e envolvente, aliada a sua protagonista chocante, o tornam irresistível. Uma leitura tão perturbadoramente prazerosa que faz perdoar qualquer deslize.

A belíssima edição da editora Darkside conta ainda com um prefácio apresentando um pouco de William March, para que o leitor possa fazer uma análise mais ampla da obra que está prestes a ler.

Título: Menina Má
Autor: William March
N° de páginas: 272
Editora: Darkside

21 comentários:

Marília Leocádio disse...

Estou lendo o livro e é simplesmente fantástico, e apesar de estar na metade do livro é muito fácil de entender, vale a pena ler cada palavra!!

Vanessa Sueroz disse...

Oie,
já vi bastante sobre este livro, mas confesso que ele não me chama tanta atenção.

bjos
Blog Vanessa Sueroz
Sorteio Um ano Inesquecível

Luiza Helena Vieira disse...

Oi, Mari!
Mirmã, se tem uma coisa que me dá medo nessa vida são crianças psicopatas. Apesar de ter lido alguns pontos negativos, ainda vou conferir esse livro.
Beijos
Balaio de Babados
Participe do sorteio Halloween Literário

Teca Machado disse...

Oi, Mari!
Pela capa mais infantil não achei que fosse um suspense, um thriller desse estilo.
Gostei!
Nunca tinha me interessado muito pela capa, mas agora gostei, mesmo que não tenha as tals reviravoltas.
Logo que comecei a leitura do post, lembrei daquele vídeo real daquela garotinha psicopata dando entrevista para um psicólogo. Já viu? É sinistro. Ela fala numa boa que queria matar os pais, o irmãozinho...

Beijoooos

www.casosacasoselivros.com

Gabriela CZ disse...

Tenho bastante interesse por esse livro, Mari. Acho a premissa dele espetacular, uma criança psicopata. E seus comentários só aumentaram minha curiosidade para conferir essa trama. Ótima resenha.

Beijos!
Portal Andar de Cima

Ariane Reis. disse...

Oie Mari =)

Eu sempre fico com receio de ler os livros da Darkside por eles terem mais essa pegada de suspense com o macabro e eu ser relativamente bem medrosa rs...

Minha amiga leu Menina má e gostou bastante, mesmo achando a história meio perturbadora, - nas palavras dela. Eu confesso que não tenho muita curiosidade em conferir se ela está certo ou não rs...

Pena que a leitura não atingiu todas as suas expectativas. Mas pelo que percebi ainda sim foi uma leitura que te envolveu bastante.

Beijos;***

Ane Reis.
mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
@mydearlibrary

RUDYNALVA disse...

Mari!
Nem dá para imaginar uma menininha de 8 anos sendo tão má... só aí o livro já se torna diferente e merece ser apreciado como leitura.
Criança psicopata é quase inimaginável, né?
“Das coisas que a sabedoria proporciona para tornar a vida inteiramente feliz, a maior de todas é uma amizade”.(Epicuro)
cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
TOP Comentarista de OUTUBRO com 3 livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

Caverna Literária disse...

Poxa, que chato que as maldades da criança não tem impacto a partir de um ponto. Foi uma grande falha do autor deixar tudo assim monótono, já que a crueldade dela era o ponto chave pra todo o desenrolar. Ainda assim, imagino que seja uma história muito boa e que valha a pena cada página lida!

xx Carol
http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

Luiza disse...

Oi Mari, não conhecia muito sobre esse livro até ler sua resenha... Confesso que não sei se essa leitura faria meu estilo mas pareceu ser bem interessante. Ótima resenha.
Bjs
http://eternamente-princesa.blogspot.com.br/

Michele Lima disse...

Oi Mari, tudo bem?

Eu não ainda não li, mas sempre leio resenhas positivas. Inclusive a rafa lá no blog leu e adorou. Achei super bacana sua resenha por que sabendo como é a narrativa, sme grandes surpresas, dá pra alinhar melhor as expectativas.

Bjs, Mi

O que tem na nossa estante

Alana Gabriela disse...

Helloo, Mari! Tudo numa nice?!
Eu já vi muito esse livro por aí mas não sei de verdade se me sinto tentada a ler. Ás vezes sim, as vezes não. A verdade é que para mim a premissa é interessante, pois gosto de conhecer o psicológico de personagens assim e de ver suas ações. Mas com a minha lista enorme às vezes fico com preguiça de ler. Bom saber que não tem muitas reviravoltas na estória para começar a leitura com o pé no chão já.
Beijin...
Pieces of Alana Gabriela

Cristiane Dornelas disse...

Uma pena não ter superado todas as suas expectativas. Mas pra mim acho que ele iria funcionar perfeitamente. Vejo tanta coisa legal do livro e ele tem um tom psicológico muito interessante. Não parece ser aquele terror e suspense de fazer a gente roer as unhas, mas mais uma análise de como a maldade surge, o caráter do mal, digamos assim. E assim isso muito bom nele. Tem uma narrativa que prende e deixa o leitor curioso também. Acho que iria adorar ler.

Alana Marques disse...

Oi Mari.

Estou doida para adquirir este livro e sua resenha me deixou ainda mais empolgada.
Parabéns pela resenha.

Beijos.
Alana Marques.
colecionadoresdelivross.blogspot.com.br

Stephany Santim disse...

Com essa edição maravilhosa da Darkside e essa resenha excelente não tem como não correr pra comprar o livro! Adorei!

Alice Duarte disse...

Oiii Mari

Esse é um daqueles livros que me desperta aquela dúvida de ler ou não ler. Ando desfrutando muito de thrillers, mas como muita gente diz que este livro pende mais para o terror, fico com o pé atrás sem saber direito o que pensar. Tenho quase certeza que acabarei lendo esse livro em algum momento, mais pra saciar a curiosidade sobre a garotinha e suas maldades.....rsrs

Beijos

unbloglitteraire.blogspot.com.ar

Márcia Saltão disse...

Olá!
Tenho esse livro na minha estante e está na meta de leituras para o mês de novembro! Estou bem curiosa! A capa é linda, assim como todas as publicações DarkSide.
Ótima resenha. Obrigada.
Beijos.

Carolina Garcia disse...

Oi, Mari!!!

Gostei muito da sua resenha. Não tinha tido muito interesse nesse livro até então. Mas acho que gostaria de lê-lo algum dia.
Com certeza é um clássico que marcou história e só isso já me faz querer ler. :)

Bjs

http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

Tô pensando em Ler disse...

Li há pouco, e nossas opiniões foram basicamente as mesmas.
Amei a resenha também :)

Bjksss

Lelê

Fernanda Mendonça disse...

Oi!!! Eu tenho lido muitas resenhas falando mais ou menos o mesmo sobre o livro: que não é muito surpreendente, ou que poderia ser melhor trabalhado, ou que o autor podia ter trabalhado melhor o clima do livro ou sei lá o que. Independente disso, eu sinceramente desejo muito ler esse livro. Está no topo da lista da dark pra mim hahahahaha

Ana I. J. Mercury disse...

Amei essa capa e estou ansiosíssima para lê-lo!!!!
Amei a premissa, as resenhas sempre muito positivas e esclarecedoras, enfim , não é o tipo de livro que leio, porque geralmente leio muito romântico e fantasia, mas quero demais poder ler esta obra!
E descobrir mais sobre essa criança encapetada.
kkk
bjs

Adriana Holanda Tavares disse...

Nossa, parece bom demais então heim?! Adoro livros que surpreendem e não dão nem vontade de pausar, você só quer ler e ler. Esse parece ser assim. É de devorar mesmo. A história parece ser muito bem escrita e inteligente, do tipo que vai te fazendo conectar com a trama e só pensar nela e se perguntar como é o fim. Gostei e queria ler.

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger