quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

RESENHA: Harry Potter e a Criança Amaldiçoada

“DUMBLEDORE: Harry, nunca existe uma resposta perfeita nesse mundo confuso e perturbado. A perfeição está fora do alcance da humanidade, fora do alcance da magia. Em cada momento luminoso de felicidade há esta gota de veneno: o conhecimento de que a dor voltará. Seja sincero com aqueles que ama, mostre sua dor. Sofrer é tão humano quanto respirar.” (ROWLING; TIFFANY; THORNE, 2016, p. 275)

A oitava história de Harry Potter, dezenove anos depois. Alguém em sã consciência não ficou enlouquecidamente ansioso assim que soube que isso ia existir?

Nunca foi fácil ser Harry Potter, mas também não é fácil ser filho de Harry Potter. Alvo Severo, o segundo filho de Harry e Gina, agora frequenta Hogwarts e enfrenta o peso de levar o nome do menino que liderou a batalha contra o maior bruxo das trevas que já existiu.

Fugi o máximo possível de qualquer informação sobre “Harry Potter e a Criança Amaldiçoada”. Por isso, quando comecei a ler, tudo que eu sabia era que a tal criança do título era Alvo Severo. Dali para frente, tudo foi surpresa. Para que você também tenha suas surpresas, aviso: essa resenha contém alguns spoilers.

Antes de mais nada é preciso reconhecer a coragem de J.K. Rowling em dar continuidade à história de Harry Potter, pois isso significa mexer em uma obra irretocável. Há nove anos ganhamos um final cheio de aventura e ação, mas também lindo e emocionante. E se esse sentimento se perdesse? E se essa nova história estragasse tudo? E se, ao ler, você pensasse: “Esses não são os personagens que eu conheço”? Seria um sentimento terrível. Mas estamos falando da pessoa que teve a genialidade de criar esse mundo tão rico e é claro que ela não decepcionaria agora. Dito isso, eu não esperava muitas das coisas abordadas nesse livro, mas fiquei bem satisfeita com o que encontrei.

A começar pela relação de Harry e Alvo. Eu jamais imaginei Harry (que, acima de tudo, sempre sonhou em ter uma família) tendo problemas com seu filho. Jamais imaginei que o menino pudesse sentir qualquer outra coisa pelo pai que não idolatria. E jamais (jamais!) imaginei que ele não seria um destaque em Hogwarts, que não seria popular, que iria para a Sonserina (!) e que teria como melhor amigo o filho de Draco Malfoy (ah, como o mundo bruxo dá voltas...).

Acredito que Rowling enfrentou uma série de desafios com essa história. O primeiro deles: como é um mundo após a queda de Voldemort? Obviamente não pode ser perfeito, então quais são os desafios? Como vivem aqueles que nunca conheceram um mundo assombrado por Voldemort? E, principalmente, quem será o nosso vilão se antes tínhamos um dos maiores vilões de todos os tempos? É uma responsabilidade como substituir Darth Vader! E a autora arruma outra saída que eu jamais havia imaginado: Voldemort teve um filho! E o que esse filho quer? Trazer seu pai de volta para dominar o mundo bruxo. Simples e genial.

Outro desafio era que o foco não deveria ser tanto nos nossos velhos conhecidos e sim nos novos personagens. Como fazer isso de forma que não estranhássemos e ainda assim víssemos as características que nos fizeram amar a saga para começo de conversa? Fácil: qual a essência de Harry Potter? A aventura, a amizade e a importância de se fazer a coisa certa. E é isso que vemos acontecer com Alvo e Escórpio Malfoy. Uma amizade verdadeira que se provará diante dos maiores perigos.

“ESCÓRPIO: O mundo muda e nós mudamos com ele. Estou melhor neste mundo. Mas o mundo não é melhor. E eu não quero isso.” (ROWLING; TIFFANY; THORNE, 2016, p. 207)

ALVO: Amigo, agora que temos isto (...) nossa jornada está só começando.
ESCÓRPIO: Só está começando e já quase nos matou. Ótimo. Vai ser ótimo.” (ROWLING; TIFFANY; THORNE, 2016, p. 94)

Quanto aos nossos velhos amigos, é muito gostoso ver que as relações continuam as mesmas e que eles tomaram os rumos que poderíamos ter previsto. Rony continua engraçado, Hermione continua um poço de responsabilidade (e agora é Ministra da Magia – que orgulho!), Harry continua tendo um enorme coração (e por vezes o peso do mundo nas costas) e Gina continua forte e determinada. Nesse sentido, um dos personagens mais interessantes de reencontrarmos é Draco Malfoy, que ao longo da saga foi se mostrando, aos poucos, menos filho de Lucio do que se poderia supor. Draco nunca será humilde, mas há muito deixou de ser o menino insuportavelmente arrogante que conhecemos em “Harry Potter e a Pedra Filosofal” e há uma cena ótima (um dos diálogos mais bonitos da peça/livro, na minha opinião) em que ele confessa ter sonhado em ter a amizade que Harry, Rony e Hermione tinham. Agora, Draco é um pai como qualquer outro. Preocupado com seu filho, cometendo muitos erros, mas sempre tentando acertar.

Outra escolha que me agradou muito foi a revisitação de alguns momentos icônicos da saga (como o Torneio Tribruxo) e o uso o vira-tempo para nos mostrar como teria sido o destino dos personagens caso algumas escolhas tivessem sido diferentes. Mas mais do que tudo, achei incrível que o ápice da história estivesse ligado justamente ao momento em que tudo começou: a noite em que Voldemort matou Lílian e Tiago em Godric’s Hollow. Ali Harry venceu Voldemort mais uma vez, mas também reviveu a maior perda da sua vida. Um momento glorioso, carregado de tristeza e beleza, como a saga sempre soube entregar.

É preciso mencionar também que este texto não é uma narrativa convencional (e não foi escrito por JK Rowling e sim baseado no argumento dela para a peça), afinal se trata de uma versão especial de um roteiro teatral. Por isso, a leitura causa estranheza já que não temos uma narrativa contínua, apenas breves comentários que nos permitem visualizar as cenas. Além disso, os diálogos são marcados pelo nome do personagem que fala. Mas logo é possível se acostumar e a leitura flui muito rápido (tanto que li em poucas horas).

Sim, Alvo é um tanto imaturo, mas ele é apenas uma criança que - assim como seu pai cresceu sendo “o menino que sobreviveu” - cresce sendo “o filho de Harry Potter” e ainda não encontrou uma maneira de lidar com as decepções e superá-las. Sim, Harry comete erros como pai, mas ele está em uma nova fase da vida, enfrentando novos desafios, muitas vezes sem saber como agir diante deles. Não, Alvo e Escórpio não têm o carisma nem a força de Harry, Rony e Hermione, mas a saga nunca se fez apenas de seus protagonistas e sim de um conjunto de situações e essa essência se manteve. Isso, para mim, era o mais importante. “Harry Potter e a Criança Amaldiçoada” não tem a grandiosidade dos livros originais da saga (e nem poderia ter, já que se trata de uma trama avulsa, mas que precisa estar linkada a todo o histórico da série), mas é um retorno competente ao mundo que aprendemos a amar e que jamais esqueceremos. Sem dúvida, enche o coração do leitor de saudade e coloca um sorriso no seu rosto.

Sempre há lugar para as trevas, mas também sempre há lugar para a amizade. E é essa a mensagem que “Harry Potter” reforça mais uma vez: que o amor e a lealdade são os maiores poderes de que alguém pode dispor.

“GINA: Harry, você tem um dos maiores corações de qualquer bruxo que já viveu...” (ROWLING; TIFFANY; THORNE, 2016, p. 138)

Título: Harry Potter e a Criança Amaldiçoada (exemplar cedido pela editora)
Autor: J.K. Rowling, John Tiffany & Jack Thorne
N° de páginas: 343
Editora: Rocco

19 comentários:

Adriana Holanda Tavares disse...

Para mim o sentimento que ficou foi com certeza o de nostalgia *-*
Foi muito significativo ver o destino dos personagens mais queridos nesse livro, e entrar em um mundo onde as coisas poderiam ter tomando um rumo muito diferente.
A leitura foi muito válida :)
Parabéns pela resenha!

Luiza Helena Vieira disse...

Oi, Mari!
Infelizmente, eu não gostei do livro. Senti que não tinha a essência da história, sabe?
Beijos
Balaio de Babados

Marta Izabel disse...

Oi, Mari!!
Adoro Harry Potter!! Sem dúvida quero muito ler esse livro e matar a saudade de personagens como: Harry, Gina, Hermione e Rony!! E também quero conhecer um pouco mais dos seus filhos!! Espero ler esse livro!!
Beijoss

Rossana Batista disse...

Eu adoro Harry Potter e os livros da J.K. Com certeza foi uma tarefa e tanto para os autores se basearem na história da J.K. e dar uma continuação de um livro que marcou toda uma geração, mas da pra saber que ela fez com maestria. Estou curiosa para conhecer a história do filho do bruxo mais famoso do mundo dos feiticeiros e do mundo dos trouxas também!

Alice Duarte disse...

Oiieee Mari

Já li todo o tipo de opinião sobre essa sequência do Harry. É dificil agradar todos os fãs com certeza, mas acho a história do livro interessante. Não sei se leria agora, mas não descarto conferir futuramente.

Alice and the Books

Gabriela CZ disse...

Não posso discordar de nada, Mari. Também fiquei louca pra conferir e encomendei o meu no primeiro dia da pré-venda. Realmente o livro desperta um sentimento de nostalgia infinito. Não está a altura em muitos aspectos mas sempre vale a pena revisitar esse universo lindo. E a mensagem central foi maravilhosa. Ótima resenha.

Beijos!
Portal Andar de Cima

Sávio França disse...

Oi, Mari.
Eu adorei sua resenha :)
Pelo que percebi, muitos leitores não curtiram o livro. Li muitas críticas negativas. Contudo, seus comentários fizeram eu ver a obra com outros olhos.
Eu pretendo ler a série completa, visto que assistir apenas aos filmes. Depois disso eu darei uma chance a esse livro.

Abraço!
http://tudoonlinevirtual.blogspot.com.br/

Roberta Moraes disse...

Quando aparecem livros assim baseados em histórias que fizeram sucesso eu fico sempre com um pé atrás. Porque é um mundo onde o foco são outros personagens dos quais eu não estou acostumada. É quase um mundo novo. Por está sendo tão bem falado eu acho que vou ler.

O Que Tem Na Nossa Estante disse...

Oi Mari! Eu ainda não li, mas estou com o livro aqui na minha estante. Fico pensando se o fato de não ser 100% J.K não atrapalha, mas quero muito ler sem preconceitos! Gostei de saber que tem uma mensagem bonita na obra e só de ler a resenha a nostalgia bate forte! rs

Bjs, Mi

O que tem na nossa estante

Rena Késsia disse...

Oi!
Tenho que confessar aqui que amo os filmes, assisto sempre que passa.
Mas os livros... não consegui ler ainda, acredita?
Sou dessas que tem que ler os livros primeiro, pra depois ver os filmes. E acabei fazendo ao contrário com essa série, me deixando sem vontade de ler. Fazer o que né?
Mas, por incrível que pareça, estou bem curiosa em relação a essa nova obra. Quem sabe esse ano não me traga vontade de ler HP? E acabe lendo esse novo livro também rs. Parece ser uma história bem interessante.

Beijos!

Rena Késsia disse...

Oi!
Tenho que confessar aqui que amo os filmes, assisto sempre que passa.
Mas os livros... não consegui ler ainda, acredita?
Sou dessas que tem que ler os livros primeiro, pra depois ver os filmes. E acabei fazendo ao contrário com essa série, me deixando sem vontade de ler. Fazer o que né?
Mas, por incrível que pareça, estou bem curiosa em relação a essa nova obra. Quem sabe esse ano não me traga vontade de ler HP? E acabe lendo esse novo livro também rs. Parece ser uma história bem interessante.

Beijos!

RUDYNALVA disse...

Mary!
Ganhei esse livro e aguardo com ansiedade a chegada pelo simples fato de ler tantas resenhas dele e ficar pasma em ver o filho do Harry ser o melhor amigo do maior inimigo do Harry.
Quando leio isso nas resenhas nem consigo acreditar que seja possível.
“Eu não procuro saber as respostas, procuro compreender as perguntas.” (Confúcio)
cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
TOP Comentarista de JANEIRO dos nacionais, livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

Alessandra Salvia disse...

Oi Mari,
Eu AMEI esse livro. A nostalgia boa que bateu no coração, me deu orgulho de ser Potterhead.
Tanto que estou relendo toda a série, rs.
Beijos
http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

Carolina Garcia disse...

Oi, Mari!!
Tudo bem?

Vou confessar para você que sou apaixonada pelo universo criado pela J.K Rowling, mas não gostei do sétimo livro. Dito isso, não estava nem um pouco curiosa pelo oitavo volume. Mas confesso também que o que não me atraiu no novo livro foi o fato de ser uma peça de teatro, então já imaginei que seria como as peças clássicas que li com uma descrição do cenário e as falas dos personagens, mas sem aquele algo a mais que a narrativa corrida da Rowling nos apresenta.

Gostei muito da sua resenha e acho que a base de todas as histórias da Rowling é sempre o mesmo. Fazer a coisa certa, mesmo que seja doloroso; valorizar as amizades verdadeiras; aprender a amar e aceitar sua família como ela é; etc.

Gosto desses valores e com certeza um dia irei ler esse livro, mas provavelmente não tão cedo.

Bjs!!

http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

Gêmea Má disse...

Olha, confesso que eu derrubei a internet pra ler esse livro antes de ser lançado aqui no br, mas se vc cresceu lendo os livros de hp com a mesma idade que o harry no livro, entende o tipo de carinho q eu tenho pela série.

E eu me decepcionei TANTO. TANTO. Sério, tem fanfics q são melhor escritas q isso e que tem mais credibilidade.
É uma fic mal escrita q a Rowling achou legal aprovar pq vai dar dinheiro pra ela. Super de coisas q se contradizem, cheio de furos e coisas nadaver.
Eu odiei, sinceramente. Meu amor pela rowling morreu mais um pouquinho (começou com a defesa dela do agresso Depp) e eu não vou comprar esse livro.

bjbj

Thaynara ribeiro disse...

Eu não li a resenha!!! Sem spoilers
Estou relendo a série para poder apreciar completamente o oitavo livro e ainda relembrar os personagens que amo

Sil disse...

Olá, Mari.
Eu gostei e não gostei. Gostei de ter voltado para o mundo do Harry, mas odiei não ter conseguido ver os meus personagens tão queridos ali. Aquelas pessoas desses livro não são as mesmas. Ninguém muda tanto só porque envelheceu. E também o final de As Relíquias dá a entender que as coisas seriam bem diferentes do que foram.

Prefácio

Ana I. J. Mercury disse...

Mari,que resenha incrível!!!
Disse tudo!!
Eu não tava nem querendo ler kkk daí meu amigo comprou a edição americana na Cultura no lançamento e me emprestou, poxaaaaaa, virei a noite lendo, foi perfeito, muito melhor do que eu esperava!!!!
Incrível!!
A J. K. ousou demais, mas sinceramente, arrebentou, que bom que ela nos deu mais esse presente!!
Sensacional!!!
bjsss

Bruna Bento disse...

tô fugindo de qualquer menção a esse livro pq ainda nao li e quero ir totalmente sem saber nada. Mas acho q ele deve funcionar melhor como uma peça num teatro mesmo. Vi vários videos de gente falando q nao gostou do livro, mas adorou a peça!

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger