quinta-feira, 11 de maio de 2017

RESENHA: Quem era ela

“Porque foi isso que eu percebi morando em Folgate Street, n.º 1. Você pode tornar o ambiente em que vive tão refinado e vazio quanto quiser. Mas isso não importa se você ainda estiver bagunçado por dentro. E, na verdade, todos nós estamos buscando isso, não é mesmo? Alguém que cuida da bagunça que há dentro da nossa cabeça.” (DELANEY, 2017, p. 319)

***

A casa minimalista localizada em Folgate Street, n.º 1, atrai muitos interessados por sua arquitetura vanguardista integrada com os melhores recursos tecnológicos. Para se candidatar a inquilino é preciso responder a um extenso questionário e, se selecionado, assinar um contrato com as mais diversas e peculiares regras. É neste cenário que conhecemos duas mulheres: Emma e Jane. E aos poucos elas vivem a mesma experiência: a casa que parecia ser um refúgio se torna um lugar ameaçador, ainda mais quando descobrem que o local já foi o cenário de mortes suspeitas. 

O primeiro fator que merece destaque em Quem era ela é a narrativa de Delaney, que além de ser fluída, nos coloca em contato direto com ambas as protagonistas. Os capítulos são alternados entre os pontos de vista de Emma e Jane, de forma a entrelaçar passado e presente. A narrativa é em primeira pessoa e o autor conseguiu dar vozes distintas a cada uma das protagonistas, embora tenha recorrido a alguns artifícios para conseguir este efeito. 

Também é preciso elogiar o ritmo da obra, pois em nenhum momento a leitura se torna cansativa ou monótona. Além disso, os personagens são bem desenvolvidos e o autor consegue evidenciar a personalidade de cada um deles através de suas atitudes, sem ter que recorrer a descrições infindáveis. Apesar disso, admito que não senti uma conexão com as protagonistas, de modo que foi difícil me importar com elas. Porém, é possível que está tenha sido a intenção do autor, pois a casa minimalista e impessoal não é apenas um cenário, mas praticamente um personagem. 

Mas o principal problema de Quem era ela é que o autor vai construindo um clima de tensão que cresce ao longo da trama, de modo a aumentar a expectativa do leitor, porém, o final é anticlimático. As respostas que recebemos não são apenas fracas e sem graça, mas principalmente sem sentindo ou coerência. A meu ver, o autor fez alterações bruscas na personalidade de dois personagens para manter o suspense e o mistério. E embora eu concorde que um bom antagonista deve enganar principalmente o leitor, é preciso dizer que isso não serve como uma carta em branco para passar por cima da verossimilhança. 

Estes acontecimentos me levaram a concluir que o autor escreveu o livro sem ter controle sobre a trama, de modo que quando se aproximou do final lhe sobraram apenas duas opções inadequadas: ir pelo caminho óbvio e não surpreender o leitor ou tentar surpreendê-lo forçando elementos incongruentes com o restante da obra. 

Quem era ela é uma leitura rápida e despretensiosa e que, apesar das escorregadas, consegue prender a atenção do leitor. Porém, não Delaney não consegue entregar tudo o que promete, então não espere encontrar um grande thriller psicológico. 

Título: Quem era ela
Autor: JP Delaney
N.º de páginas: 331
Editora: Intrínseca
Exemplar cedido pela editora

Compre: Amazon
Gostou da resenha? Então compre o livro pelo link acima. Assim você ajuda o Além da Contracapa com uma pequena comissão.

15 comentários:

Luiza Helena Vieira disse...

Oi, Alê!
Nossa, que brochante isso viu? Eu ia ficar muito fula da vida com esse autor. Acho que vou passar longe. Se tem uma coisa que me decepciona é um final bem meh pra uma história muito boa.
Beijos
Balaio de Babados

Lana Silva disse...

Após ler sua resenha fiquei bastante confusa em relação se deveria ou não dar uma chance para essa leitura. Mesmo não tendo costume de ler livros de thriller psicológico, no entanto ainda sim, ao meu ver a premissa tem que ser bem construída, com uma amarração que envolve o leitor, e talvez esse tenha sido o deslize do autor. Por esse fator vou deixar essa leitura mais para frente.

RUDYNALVA disse...

Alê!
Que tristeza... já estava achando que seria um tremendo thriller psicológico.
Como um autor consegue construir bons protagonistas, porém não consegue criar um final digno para toda trama?
E a casa como uma das 'potagonistas' me parecia enigmárica...
Apesar de tudo, gostaria de ler.
“Sê humilde para evitar o orgulho, mas voa alto para alcançar a sabedoria.” (Santo Agostinho)
Cheirinhos
Rudy
TOP COMENTARISTA DE MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

Gabriela CZ disse...

Engraçado o efeito da primeira impressão que temos com o título, Alê. "Quem Era Ela", por algum motivo, me soava como romance açucarado e nem conferi a sinopse. Agora vejo que a premissa é totalmente diferente e até interessante. Pena que o autor tenha estragado o final. Mas quem sabe ele não acerta no próximo? Ótima resenha.

Beijos!

O Que Tem Na Nossa Estante disse...

Oi Alê! Nossa colaborada Marise leu e gostou bastante, mas esse final anticlímax já me deixou um tanto desanimada pra ler, melhor me preparar para o fim caso eu leia rs

Bjs, Mi

O que tem na nossa estante

Lara Caroline disse...

Oi Alê, tudo bem?
É uma pena quando uma história que tinha tudo para ser boa, acaba decepcionando. Achei tão interessante a premissa do livro, e é uma pena mesmo que ele não cumpre com o que promete. Fico me perguntando como um autor consegue perder o controle sobre a própria história.
Beijos

Marília Leocádio disse...

Eu já tinha lido a uma resenha e confesso que detestei já logo de cara com a historia, não sei se leria minhas expectativas já estão super baixas por agora.
Até mais!!!

Gustavo zz disse...

Sou um grande fã de thrillers psicológicos e estava querendo ler esse livro depois de umas comparações com Garota Exemplar, que é meu livro favorito. E, apesar das criticas, acho que ainda me interessaria em ler o livro... apenas para passar o tempo :D

Márcia Saltão disse...

Olá.
Que decepcionante. Eu acreditava que seria um enredo surpreendente, pois a sinopse remete a isso. Mas por tudo que você comentou, já fiquei sem muita motivação. Talvez venha a ler por curiosidade mesmo, ma sem grandes expectativas.
Ótima resenha, muito bem elaborada.
Beijos.

Priscila Tavares disse...

Oi Alê!
Tenho vontade de dar na cara de autores que parecem que se cansam da história ou simplesmente ficam com preguiça de escrever e nos dão um final meia boca. A história parece ser legal e estou quase decidindo ler mesmo com esse ponto negativo. Eu gosto de passar raiva kkk
Beijokas
Quanto Mais Livros Melhor

Marlene Conceição disse...

Oi.
Eu estou ansiosa demais para nesse livro Adorei saber que a escrita é fluida e que em momento nenhum a história perde o ritmo li algumas resenhas a respeito desse livre Estou curiosa para saber o desfecho dessa história adoro suspenses É uma pena que o autor não soube manter o ritmo infelizmente isso acontece muito né.
Bjs.

Marta Izabel disse...

Oi, Ale
Que pena que o autor não soube explora e colocar para seus leitores um thriller psicológico a altura de tanto mistério e suspense!! Mesmo assim ainda tenho interesse na obra!!
Bjoss

Ju - Conjunto da Obra disse...

Oi Alê, tudo bem? Que pena que a trama não conseguiu te convencer. Eu terminei esse livro na semana passada e fiquei totalmente impressionada pela história. Diferente de você, achei que alguns elementos entregavam essa "mudança" de personalidade dos personalidades, mas eu não consegui enxergar antes. Por isso, quando a mudança aconteceu, fiquei feliz de saber que o autor conseguir me enganar. Talvez seja porque eu não leia tantos thrillers e seja um pouco impressionável por conta disso, mas eu achei genial. Fiquei totalmente vidrada e, a cada revelação, gostei mais do livro. Pena que não funcionou para você.

Beijinhos

Leituras da Ketellyn disse...

Oi, adorei essa capa, e infelizmente voce não é a primeira pessoa que vejo que não gostou muito do livro e por isso não pretendo ler pois acho que tambem não irei gostar.

Carolina Garcia disse...

Oi, Alê!!

Minha amiga leu esse livro e teve exatamente a mesma impressão que você. Estava gostando muito da leitura, mas achou o final muito ruim.
Como ganhei esse livro, estava até curiosa. Acredito que agora iremos esperar um pouco.

Bjs

http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger