quarta-feira, 25 de outubro de 2017

RESENHA: O Pacifista

O Pacifista John Boyne
John Boyne é mais conhecido pelo best-seller O Menino do Pijama Listrado, porém, nunca me interessei por este livro, visto que já conhecia a estória por causa da adaptação. Descobri O Pacifista por acaso, em um post no blog da Companhia das Letras, e foi assim que um dos melhores livros que já li veio parar em minha mão. 

Tristan é um jovem de 21 anos que retornou da guerra e ainda não consegue lidar com os fantasmas que encontrou no front de batalha. É por isso que ele procura Marian Bancroft, a irmã mais de velha de Will, o soldado que combateu ao seu lado na guerra e que se tornou um grande amigo. É assim que Tristan revisita episódios traumáticos, partindo do treinamento no exército onde teve início a amizade com Will até os horrores da guerra. 

Este foi meu primeiro contanto com a obra de John Boyne e fiquei encantado com sua narrativa. Um texto delicado, repleto de sentimento e significado, mas que nem por isso é pesado ou cansativo. Além disso, em poucas páginas o autor já consegue lançar seu feitiço, mantendo o leitor completamente envolvido com a estória. 

Narrado por Tristan, o livro se intercala em dois momentos: seu encontro com Marian e os eventos que ocorreram durante a guerra. Assim, vamos formando aos poucos uma colcha de retalhos, entendendo o trauma do protagonista e o motivo que o levou a procurar Marian. A estória criada por Boyne é relativamente simples, porém, a forma como a narrativa foi estruturada é genial. 

Boyne atingiu um nível tão grande de perfeição quanto ao desenvolvimento dos personagens que minha impressão era de que todos eles eram pessoas reais. Tanto Tristan quanto Will são personagens extremamente complexos, sendo que o leitor consegue entender exatamente o porquê de suas ações. Aliás, creio que seja exatamente por isso que não julgamos os personagens, mesmo quando ficamos indignado com suas atitudes. 

Outro aspecto que deve ser elogiado é a habilidade do autor em transmitir emoções sem ter a necessidade de nomeá-las. Por exemplo: Boyne não precisa falar em culpa ou arrependimento de forma explícita, por que as palavras estão carregadas por tais emoções, de forma que as sentimos tão intensamente quanto os personagens. 

“Por que eu vim parar aqui?, indaguei. Para quê? Se era redenção que procurava, não havia nenhuma. Se era compreensão, não havia ninguém capaz de oferecê-la. Se era perdão, eu não o merecia.” (BOYNE, 2012, p. 37)

O autor provoca diversas reflexões aproveitando do cenário desolador da guerra, onde a humanidade dos personagens é sacrificada pouco a pouco. Porém, a reflexão de maior destaque diz respeito a dicotomia coragem x covardia. A todo tempo Boyne nos faz questionar sobre o verdadeiro sentido das palavras, expondo diferentes pontos de vista e mostrando que todos os personagens são capazes de praticar atos de coragem e de covardia. 

Tristan é homossexual e a temática LGBT é explorada com sutiliza e sensibilidade. Vale lembrar que a estória se passa na década de vinte, motivo pelo qual o assunto é discutido abertamente em poucos momentos. Porém, temas como preconceito, aceitação e identidade são uma constante na estória, sendo habilmente explorados. 

Quando terminei, fiquei dividido entre dois sentimentos: por um lado sentia inveja daqueles que ainda não leram o livro e que poderão se emocionar com a estória pela primeira vez, e por outro estava encantando com a obra de arte que tinha em mãos e que desejei ter escrito (e não há elogio maior que eu possa fazer). 

O Pacifista foi uma leitura que me levou as lágrimas e que me deixou em uma ressaca literária fortíssima. Um drama como nenhum outro, com personagens vívidos, que me acompanharam muito além da última página, e cuja estória fiquei remoendo por dias. É por isso que digo sem medo que Boyne entrou para o time de autores que confio de olhos fechados

Título: O Pacifista
Autor: John Boyne
N.º de páginas: 302
Editora: Companhia das Letras
Exemplar cedido pela editora

Gostou da resenha? Então compre o livro pelos links acima. Assim você ajuda o Além da Contracapa com uma pequena comissão.

16 comentários:

Nicole Longhi disse...

Não conhecia o autor e nem o livro, mas gostei bastante dos temas abordados.
Gosto bastante de leituras sobre guerra e soldados, ainda mais quando estão naquela difícil volta e com traumas que não fáceis de aceitar.
Legal saber que o autor soube montar personagens bem reais e com muita emoção, abordando um assunto que era tão pouco abordado naquela época.
Adorei a dica.

beijos

Nessa disse...

Oie
Ainda não li nada do autor e já estou de olho no novo livro dele. Pelos teus comentários o livro parece ser ótimo e que emociona. Fiquei com vontade de ler.

Beijinhos
http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

Monique Fonseca. disse...

Eu já conhecia o autor,e amo demais apesar de ter lido apenas dois livro dele(O Menino do Pijama Listrado e Fique Aonde está e então corra),esse livro acabou de entrar pra minha gigantesca lista rsrs,beijos!

Https://euhumanaefinita.blogspot.com.br

Mrs. Margot disse...

Tenho muita curiosidade com esse livro, tenho outro dele em lista de espera, parece ser um autor bem ao meu gosto literário.

MRS. MARGOT

Gabriela CZ disse...

Como não querer ler depois desses seus comentários, Alê? Ainda não li nada do John Boyne, apesar de vários títulos dele na minha lista e de recentemente ter comprado O Ladrão do Tempo. Confesso que não sabia muito sobre O Pacifista, mas com o que você disse acabou de ganhar lugar de destaque. Ótima resenha.

Beijos!

Sil disse...

Olá, Alê.
Eu não tinha nem ideia de que esse livro era dele. Já quero ler hehe. Eu já li dois livros do autor e os dois me emocionaram muito. Acho ele incrível. Vou anotar aqui porque depois de tantos elogios eu preciso ler ele.

Prefácio

Mariele Antonello disse...

Eu já li o livro O Menino do Pijama Listrado do autor John Boyne. Eu não conhecia este livro O Pacifista, que bom que para você, este foi um dos melhores livros que você já leu, isto e seus comentários referentes a este livro, acabaram me deixando bem curiosa para ler ele, então adicionei O Pacifista em minha lista de leituras.

Marta Izabel disse...

Oi, Alê!!
Ainda não tive oportunidade de ler nada do John Boyne. Mas já li várias resenhas sobre seus livros e como são maravilhosos, acho essa estória bem interessante e fiquei com uma enorme vontade de ler essa estória.
Bjoss

Ariane Reis. disse...

Oie Alê =)

Eu sou suspeita para falar dos livros do Boyne, por que todos que li até hoje me deixaram de coração partido e com um ressaca literária daquelas.

É incrível a capacidade de autor em transformar algo tão sombrio e triste em algo bonito e emocionante.

Beijos;***
Ane Reis | Blog My Dear Library.

Vanessa Vieira disse...

Gostei da resenha Alê. Ainda não li nada do John Boyne, apesar dos excelentes elogios sobre o autor. Acheo a temática interessante e fiquei bem curiosa quanto ao livro. Abraço!

www.newsnessa.com

O Que Tem Na Nossa Estante disse...

Oi Alê, muito bacana a resenha e vc alertar que mesmo com tanta temática e intensidade o texto não é cansativo. Nunca li nada do autor, mas achei bem interessante.

Bjs, Mi

O que tem na nossa estante

RUDYNALVA disse...

Alê!
Já tive oportunidade de ler O Menino do Pijama Listrado e ver a adaptação também.
E o autor é bem como falou: descreve e disseca as personagens como ninguém, consegue nos manter totalmente envolvidos com a leitura, escreve de maneira fenomenal, e nos faz comprar uma caixa de lenços, pois a emoção é tão forte que o choro brota sem nem imaginarmos...
E aqui, além da temática da guerra que amo tanto, ainda aborda o tema delicado do homossexualismo, quero poder ler de qualquer jeito.
“Só a mágoa deveria ser a instrutora dos sábios; Tristeza é saber.” (George Lord Byron)
Cheirinhos
Rudy
TOP COMENTARISTA DE OUTUBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

Paula disse...

Oi Alê,
O que dizer depois de ler sua resenha? Quero ler, clichê, né?! Mas é a pura verdade, dá pra perceber quando o livro realmente te envolve e encanta, suas palavras transparecem tudo isso. Achei bem interessante, já vi alguns filmes que falam dos fantasmas da guerra que amaldiçoam as pessoas para sempre.
Bela resenha, que venham mais obras de arte.
Um beijo
Paulinha S

Ana I. J. Mercury disse...

Oi Alê,
que linda resenha, parabéns!
Quero muitoooooo ler O Pacifista!
Aliás, desde que li O menino do pijama listrado e Fique onde está e então corra, do autor, fiquei louca para ler todos dele.
E agora com essa resenha tão espetacular, preciso muito adiantar minha leitura de O Pacifista.
Obrigada pela dica.
Abraços.

Karol Nascimento disse...

Oiii....
Bem eu não li nenhum livro do autor mas pelas ótimas críticas irei dar uma chance...gosto muito de livros com essa temática de guerra e acho que vou me emocionar muito com o livro....adorei a resenha...
Bjs

Karol Nascimento disse...

Oiii....
Bem eu não li nenhum livro do autor mas pelas ótimas críticas irei dar uma chance...gosto muito de livros com essa temática de guerra e acho que vou me emocionar muito com o livro....adorei a resenha...
Bjs

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger