domingo, 9 de fevereiro de 2020

RESENHA: Sagrado

Dennis Lehane - Sagrado - Patrick Kenzie & Angela Genaro
No terceiro livro de sua série detetivesca, Dennis Lehane se mostra extremamente afiado.

A bela e deprimida Desiree Stone desapareceu. Seu pai, o milionário Trevor Stone contrata a dupla de detetives Patrick Kenzie e Angela Genaro para descobrir o seu paradeiro, mas o caso não é tão simples quanto parece. Antes da dupla, o detetive Jay Becker, com quem Patrick tem laços de amizade, foi contratado para o caso, mas, assim como Desiree, ele também desapareceu.

Como característico da série, “Sagrado” é narrado por Patrick Kenzie e mostra claramente a evolução de Lehane neste seu terceiro livro. Não só o personagem encontrou sua voz e o carisma que lhe faltaram nos dois primeiros livros (ao menos a meu ver), mas sua ironia é o ponto alto dos diálogos da trama. Incrível como nas cenas mais tensas o autor consegue fazer o leitor rir do atrevimento do personagem sem que isso soe deslocado diante das situações.

A trama de “Sagrado” brinca com o leitor como os melhores livros policiais sabem fazer. Tudo parece mal contado. A sensação é de que todos estão mentindo o tempo todo e que mesmo a verdade não é totalmente verdadeira. São milhares de reviravoltas e tudo muda a todo instante. Em “Sagrado” em nenhum momento é possível afirmar quem são os mocinhos e quem são os bandidos porque qualquer um pode se revelar qualquer coisa a qualquer momento.

“Eu sabia muito bem aonde podiam nos levar todas essas investigações, todas essas descobertas, todas essas revelações: à fria consciência de que não estávamos bem, nem um nem outro. Nossos corações e nossas mentes estavam guardados porque eram frágeis, mas também porque sempre supuravam algo sinistro e depravado demais para os olhos dos outros.” (LEHANE, 2004, p.39)

Algo que me agrada muito em Patrick e Angela é que eles são detetives totalmente das ruas. Já viram coisas horríveis e estão preparados para verem outras tantas. Eles conhecem as escalas de cinza. Sabem melhor do que rotular as pessoas como boazinhas ou malvadas, mas isso não os impede de ter seu senso moral sempre ativado. Sim, existe o certo e o errado, mas também existe o que algumas pessoas merecem como retribuição às suas ações.

Um acerto da série é o relacionamento entre a dupla de protagonistas. Tendo se conhecido desde a infância e tido um breve relacionamento amoroso há muitos anos, Patrick e Angela são aquele casal que, mesmo não sendo um casal, sabemos que serão em algum momento e Lehane dosa com maestria a evolução deste relacionamento de maneira que soa natural para o leitor, sem esquecer que estamos dentro de um livro policial e que a investigação deve ser sempre o carro chefe da trama.

Li os livros da série Kenzie-Genaro fora de ordem: comecei com os dois primeiros, pulei para o quarto, para o sexto (último da série) e então voltei para o terceiro (este “Sagrado”). Alguns são mais sanguinários (como “Apelo às Trevas”), outros mais dramáticos e pesados (como “Gone, baby, gone”), mas “Sagrado” é simplesmente um exemplar do que um livro policial deve ser: uma trama envolvente, cheia de mentiras e meias-verdades, personagens de almas podres, ritmo acelerado e diálogos afiados. Um Dennis Lehane em excelente forma que me deixou o tempo todo com aquele gostinho de “só mais um capítulo”. Uma das minhas melhores experiências dentro da série.

Título: Sagrado
Autor: Dennis Lehane
N° de páginas: 354
Editora: Companhia das Letras
Exemplar cedido pela editora

8 comentários:

Rubro Rosa disse...

Mesmo que não tenha lido nenhum dos livros da saga, venho acompanhando as resenhas que vão saindo há um tempo e como amo o gênero, claro que estou doidinha para conferir essa dupla complicada e intensa!
Não apenas no quesito investigação e crimes, mas também por trazerem isso das vidas em paralelo com o enredo!
Espero poder conferir todos os livros!
Beijo

Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

Gabriela CZ disse...

E eu que ainda não li nada do Lehanne, como fico, Mari? Definitivamente terei que ler essa série, fiquei muito curiosa. Ótima resenha.

Beijos!

Fabiolla Devenz disse...

Não conheço o autor nem me recordo de já ter lido alguma resenha dos seus livros antes.
Até o momento li poucos livros com temática policial, mas esse me chamou bastante a atenção. Gostei que o autor traz um personagem sarcástico sem ser forçado.
Espero que surja uma oportunidade de conferir essa série.

RUDYNALVA disse...

Mari!
Delícia quando nos deparamos com um livro, principalmente policial, que tem todos os elementos necessários para envolver e conquistar o leitor e ainda traz um possívvel romance futuro que muito me agrada, mesmo em um livro policial.
cheirinhos
Rudy

Luana Martins disse...

Oi, Mari
A cada resenha dos livros do autor que leio aqui no blog, eu penso nossa como não li nada do autor ainda.
E essa resenha me fez ter mais vontade de conhecer as letras do autor, vou começar comprar os livros. Vai para a lista de desejos.
A trama tem tudo para prender o leitor do início ao fim com investigações, personagens que somem e mesmo que não pareça tanto assim um a pitadinha de romance.
Beijos

Elizete Silva disse...

Olá! Ainda não conhecia essa série, mas achei todo esse enredo bem interessante, gosto dessas tramas policias (embora, atualmente, assista mais séries, do que leia livros!), o fato de não termos ideia de qual será o próximo do autor é bom pois cada página nos traz uma surpresa, e todas essas reviravoltas certamente nos farão roer algumas unhas.

Unknown disse...

Wow! this is Amazing! Do you know your hidden name meaning ? Click here to find your hidden name meaning

Giovanna Talamini disse...

Oi!
Ahh, não consigo ler uma série de livros sem começar pelo primeiro, mesmo que não tenha problema a ordem de leitura.
ADORO casos com detetives, o único problema é que sou péssima para desvendar a história ao longo da narrativa (o mais legal).

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger