terça-feira, 3 de janeiro de 2012

RESENHA: Um amor para recordar

"No início éramos os únicos na pista de dança, enquanto todos nos observavam deslizar pelo piso. Acho que todos sabiam o que sentíamos um pelo outro, e lembraram de quando também eram jovens. Pude ver que sorriam discretamente para nós. As luzes estavam suaves, e quando a cantora começou uma melodia lenta, segurei-a bem perto de mim, com os olhos fechados, perguntando-me se alguma coisa na minha vida já havia sido tão perfeita, e, ao mesmo tempo, sabendo que não. (SPARKS, 2011, p. 145)."  

***

Como vocês já sabem, o primeiro livro que li de Nicholas Sparks, Diário de uma paixão, não me deixou com uma boa impressão. Mas achei que tanto sucesso deveria ter uma explicação, por isso dei mais uma chance para o autor, o qual, felizmente, subiu no meu conceito.

Em Um amor para recordar conhecemos a estória de Landon e Jamie, que formam um casal extremamente improvável: ele é o “bad boy” da cidade (lembre-se que essa expressão tem um significado diferente considerando que a trama se passa nos anos 60), enquanto ela é a filha do pastor de uma igreja batista. Concordo com você, ficou um tanto quanto cliquê, do tipo “os opostos se atraem”. Mas, para a minha surpresa, não é que deu certo.

Sparks abandonou, neste livro, aquela mania de escrever um adjetivo a cada cinco palavras, o que me irritou profundamente em Diário de uma paixão. Talvez isso se deva ao fato da estória ser narrada por um Landon nostálgico que narra, em primeira pessoa, os fatos que ocorreram há quarenta anos. Todavia, este artifício pode ser perigoso, se o autor não souber como fazer. Fiquei traumatizado com o segundo (e último) livro que li de John Grisham — que também era narrado em primeira pessoa — pois parecia que a estória não fluía com naturalidade. Porém, neste quesito, Sparks fez um excelente trabalho. A leitura flui muito bem, como se Landon estivesse ao lado do leitor, contando a estória com um brilho no olhar e um sorriso nos lábios.

Clichê a parte, como já disse, a trama é muito envolvente, com personagens bem elaborados e, como a leitura avança como facilidade, você quase não vê o tempo passar.

E se você já leu algum livro dele, ou se assistiu a algum filme baseado em um de seus livros, já sabe que tem uma tragédia no meio da trama, certo? Este foi outro aspecto que me chamou a atenção e merece ser destacado: como os personagens evoluem e amadurecem ao longo da narrativa, em virtude desta tragédia, mas da forma esperada para jovens com dezessete anos de idade.

Já no prólogo do livro, Sparks dá o tom:

"Meu nome é Landon Carter, e tenho 17 anos.
Essa é a minha história — e prometo contar tudo.
No início você vai sorrir, e depois, chorar — não diga que não avisei."

Se você é daqueles que gosta de romance, creio que o livro, de fato, entrega o que promete.

Título: Um amor para recordar
Autor: Nicholas Sparks
N.º de páginas: 188
Editora: Novo Conceito

Comente e participe da "Promoção 150 Seguidores".

8 comentários:

Edu4rd0 disse...

No começo do ano passado meu irmão deu de presente Um diário de uma Paixão para minha irmã. Como tinha assistido o filme, decidi lê-lo, até para conhecer o altor, e ver se ele merecia ser um best-seller. Bem, o livro é chato, é cheio de adjetivos, como você falou, e não me convenceu muito. Fiz uma resenha dele aqui: http://catalisecritica.wordpress.com/2011/07/29/diario-de-uma-paixao-nicholas-sparks/

Quanto ao Um amor para recordar, não duvido que você esteja certo, quando diz que ele é melhor que o Diário. Se algum dia eu tiver a oportunidade de lê-lo, o farei.

Introducing you a book disse...

Realmente, Sparks é um autor que pode ser um tanto repetitivo em suas histórias por causa dos clichês, mas mesmo assim esse livro é bom para quem gosta de romance! Como vi o filme antes de ser lançado esse livro, fiz aquela comparação básica e, pra mim, o livro é melhor... pelo menos, no meu ponto de vista a história fica mais natural, menos forçada (no filme, o "bad boy" apaixonado pela "menina pura" não convence mto)!
Abraços
Débora
Introducing you a Book

Unknown disse...

Olá Pessoal do Blog,

Eu ainda não li o livro...mas está na minha lista para esse ano.
O filme eu gostei bastante....se chorei no filme...não quero nem ver no livro. rsrsrsr
Abraços,
Deh

Aione Simões disse...

Havia lido a resenha, mas não havia comentado!
Os dois livros do Sparks que você citou foram dois que não li! Assisti aos filmes e gostei bastante, e quero ler os livros para compará-los!
O Nicholas realmente usa bastantes adjetivos, mas eu gosto da narrativa dele e da maneira de como descreve as coisas.
E mesmo que todos os livros sigam a fórmula de ter algo bem dramático, eu também gosto das histórias dele hehe
De qualquer forma, como adoro um romance, esses clichês acabam me agradando!
Gostei bastante da resenha, principalmente pela sinceridade! Gosto de ver o livro ser analisado em diferentes pontos, mais do que tendo a história contada! Resenha pra mim é a opinião de cada um, não resumir o livro!
Beijos!

Caíque Fortunato disse...

Todo mundo fala que esse autor escreve super bem, e esse livro, assim como o filme, é bem comentado e elogiado. Foi bom ler essa resenha e conhecer mais sobre esse livro, quem sabe um dia eu leio ele?

Abraços
Caique Fortunato - Entre páginas de livros / Twitter

Pedro Sales disse...

Pelos filmes o autor é muito bom já li a última música e me emocionei!

Lili disse...

Sim, o livro entrega o que promete. E fiquei bem satisfeita.

Tua resenha tá lá no meu blog
http://liliescreve.blogspot.com.br/2012/11/resenha-um-amor-para-recordar-salvacao.html

Mania de Leitora disse...

O livro Um amor para recordar eu li e gostei bastante...Gosto bastante dos livros do Nicholas por ter esse lado meio dramático (Rs) em suas narrativas.
Beijos!!

http://maniadeleitora1.blogspot.com.br

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger