segunda-feira, 12 de agosto de 2013

RESENHA: Wild Cards - O Começo de Tudo

“Um vírus artificial feito sob medida, projetado para interagir com a composição genética do organismo hospedeiro, disse. Ele havia participado do grupo de pesquisa. Bem, eu estava lha dando corda. Perguntei o que aquele germe fazia. E olha só: ele fazia tudo.” (MARTIN, 2013, p. 11)

***

Imagino que qualquer leitor em sã consciência que enxergar o nome de George Martin em letras garrafais na capa de Wild Cards irá parar por um momento para ler a sinopse. E lendo a sinopse, verá que se trata de uma premissa criativa e cheia de potencial. Infelizmente, a obra não entrega tudo o que promete.

Logo após o fim da 2ª Guerra Mundial, um vírus alienígena é liberado nos Estados Unidos. Além de matar milhões no primeiro dia, o vírus denominado Carta Selvagem altera o DNA dos seres humanos, criando ases (indivíduos com poderes/habilidades sobrenaturais) e coringas (indivíduos que se tornaram aberrações).

O prólogo da obra, escrito pelo próprio Martin, é interessantíssimo. De imediato somos apresentados a premissa da trama e a sucessão de eventos que irá culminar com a liberação do vírus Carta Selvagem sobre Nova York. Infelizmente, os capítulos seguintes não mantiveram o padrão. 

O grande problema do livro foi seu número excessivo de autores, o que acabou por tornar Wild Cards uma verdadeira colcha de retalhos. Embora alguns personagens reaparecessem vez ou outra, cada capítulo contava uma própria estória, com início, meio e fim. Ou seja, o livro — que conta com quase quinhentas folhas — parece não ter continuidade.

E fiquei com a impressão de que o mestre Martin percebeu o problema, visto que quando a coisa parecia sair completamente dos trilhos, ele voltava para tentar consertar.

Outro ponto franco da obra é que, contando com tantos escritores, as diferenças entre as narrativas de cada capítulo saltam aos olhos do leitor. E embora tenha contos excelentes, sinto-me obrigado a reconhecer que alguns capítulos são extremamente confusos e mal escritos.

Além de ser bem conceituada, a série conta com vinte e dois livros, o que me leva a pensar que se teve fôlego para tudo isso é porque sua qualidade deve aumentar a certa altura do campeonato.

Embora o livro não tenha me conquistado plenamente, saliento que se você é do tipo de leitor que gosta de antologias com super heróis (e possuí uma veia nerd), Wild Cards: O Começo de Tudo é uma boa opção de leitura.

Título: Wild Cards – O Começo de Tudo (e-book cedido pela Editora LeYa)
Autor: George Martin (editor)
N.º de páginas: 497
Editora: LeYa

15 comentários:

Ana Paula Barreto disse...

Eu tenho um lado nerd e gosto de heróis, mas confesso que não gostei muito deste livro (pelo que tenho lido a respeito). Pelo visto esta colcha de retalhos não foi muito bem costurada, já que a história parece perder o foco com tantos autores. Não pretendo ler, apesar do nome do cara na capa. rs
bjs
GFC: Ana Paula Barreto

Gabriela Cerutti Zimmermann disse...

Sou nerd, gosto de heróis, mas não sei se leria esse livro. A premissa é interessante, como você bem disse. Mas só pelo fato de que a coleção terá 22 volumes já me desanima. E os comentários que você fez não me animaram.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Sabrina Castro disse...

Oi, ALê.
Tenso, né? Bem como você disse: só de ter o nome do Geroge ali, compraria na certa. Mas sabendo realmente como é o conteúdo do livro, não me animo muito. =/
Talvez, um dia, quem sabe... Eu dê uma chance para o livro.

xoxo

Fran disse...

Achei mega legal a ideia desse livro e estou super feliz pq tem já um monte da série lançados!! Eu ainda não li mas meu namorado está lendo e até a metade do livro ele disse q estava muito bom, mas ele tb percebeu os mesmos problemas q vc, a grande variedade de escritores atrapalha um pouco e os contos acabam ficando muuuito diferentes uns dos outros e confusos às vezes... Bem, ainda assim acho a ideia mt legal e pretendo ler =)

Matheus Salera disse...

Eu curto livro com heróis, mas esse aí não me chamou muito à atenção... talvez algum dia eu leia rs quem sabe né? ;)

de-livro-em-livro.blogspot.com

Thaynara ribeiro disse...

Confesso q não tenho vontade de ler esse livro...
Até bate uma curiosidade, mas não grande o suficiente para me faz-se ler.
GFC:.Thaynara Ribeiro

Mariana Gomes disse...

Gostei da premissa do livro, principalmente pelo tempo pós 2ª guerra. Com certeza entrou pra minha listinha de livros pra comprar na bienal *-*

Beijos,
biblioteca-de-resenhas.blogspot.com.br

Rodrigo disse...

Olá Alexandre muito legal seu blog com ótimo conteúdo gostaria de lhe dar os parabéns e desejar sucesso aqui no seu espaço e que DEUS ilumine ricamente e abundantemente sua vida e de seus familiares
Um grande abraço

Marco Antonio disse...

Bom dia,

Esta ai um livro que gostaria muito de ler, gosto da capa também...parabéns pela resenha....abraços.


devoradordeletras.blogspot.com.br

Jéssica Soares disse...

Realmente, é só ver o nome de Martin em alguma obra que a vontade de comprá-la é assustadoramente enorme! Fiquei super interessada em "Wild Cards" e mesmo ainda não tendo lido o livro, confesso que a quantidade de autores por trás do projeto já havia me deixado com um pé atrás. A premissa é super bacana, mas se não há algo que mantém a estória evoluindo com coerência, não há veia nerd que aguente isso. De qualquer forma, ainda tenho esperanças que o livro me surpreenda positivamente :)
Jéssica - http://lereincrivel.blogspot.com.br/

Cristiane Dornelas disse...

Serpa que é como? E eu aqui me perguntando. Vi algumas resenhas falando que ele perdia o ritmo e depois voltava, não gosto quando o autor dá dessas de sumir com a graça pra depois voltar ou não..Sei lá, as vezes acho que ele enche linguiça demais e não entendo porque daquilo, mas de certa forma é isso que gosto tanto nele. Faz o livro, se perde, mas no final você fica querendo mais. Dá pra entender? Espero poder ler esse algum dia e ver como é, se tem o jeito doido de me fazer gostar e não gostar.

Rayssa Gimenes disse...

Lendo a resenha não me deu vontade de ler, até porque não sou grande fã do George Martin. O conceito da história parece ser legal, guerra biológica e tudo mais, mas se perde o foco, aí fica difícil conquistar o leitor novamente nos próximos livros.

GFC: Rayssa Gimenes

http://diariosdleitura.blogspot.com.br/

Jessica Lisboa disse...

Achei a ideia do autor muito boa (me lembrou um jogo no play que estou jogando) porem eu tive a impressão que ele nao consegue seguir a linha da ideia original. Apesar disso eu tenho a curiosidade de ler, porque bem é G. Martin né, tudo é possivel.

Jessica Lisboa
xx

Ana de Cassia Oliveira disse...

Olha não sei se me interessei eu gosto do Martin, mas da sua parte épica , ou seja Quera dos Tronos, essa coisa de ET não me agrada muito não. hehe

beijos

Ana de Cassia Oliveira

Nardonio disse...

Realmente vendo o nome de George R. R. Martin na capa já chama a atenção, mas acho que nesse primeiro livro a química não rolou. Por outro lado, se essa série já está no vigésimo segundo volume, isso quer dizer que a coisa vai melhorando.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger