domingo, 9 de fevereiro de 2014

RESENHA: Jogador Nº 1

“O OASIS mudaria a maneira como as pessoas viviam, trabalhavam e se comunicavam. Transformaria o entretenimento, as redes sociais e até as políticas globais. Apesar de inicialmente ser comercializado como um novo tipo de jogo on-line de múltiplos jogadores, o OASIS logo se desenvolveu e se tornou um estilo de vida.” (CLINE, pag. 64, 2012)

***

Criador de um videogame que evoluiu de um simples jogo a uma realidade virtual a que quase todos participam, James Halliday mudou a vida das pessoas de seu tempo e se tornou um dos homens mais ricos do mundo. Quando ele morre sem deixar herdeiros e seu testamento anuncia uma caça ao tesouro na qual o vencedor herdará toda a sua fortuna, o bilionário dá início a uma aventura virtual na qual conhecer seus principais interesses (entre eles jogos, música, cinema e televisão, em especial dos distantes anos 80) é fundamental. O jovem Wade é apenas um dos muitos que se dedica a conhecer a mente de Halliday a fundo e quando depois de muitos anos de tentativas inúteis ele se torna o primeiro caça-ovo a fazer uma grande descoberta, ele se torna alvo de perseguições que podem colocar em risco a sua vida (ainda bem que, assim como a maioria dos outros participantes, Wade é pouco conhecido fora do OASIS, a realidade virtual criada por Halliday).

O autor se livra do óbvio ao anunciar já no início que o narrador será sim o vencedor da caça ao ovo - como é conhecido o desafio proposto pelo bilionário - já que o importante não é o resultado e sim a jornada. 

Tendo como foco inicial a apresentação do leitor àquele mundo para apenas depois direcionar ao desenvolvimento dos personagens, o autor faz com que os primeiros capítulos se arrastem um pouco. Porém, a história ganha fôlego a partir do momento em que o protagonista faz sua primeira grande descoberta, trazendo perigos, romance e amizade para aquilo que antes era apenas o protótipo de uma aventura. 

Embora o que mais chame a atenção em “Jogador Número 1” sejam as inúmeras referências pop, elas não estão apenas jogadas no texto. O autor criou um mundo que as contextualiza e pensou em cada detalhe e consequência daquele estilo de vida (que é o que mais me fascina na ficção cientifica e nas distopias). Neste caso, a pergunta que norteia a história é: “Como é a vida em um tempo em que se vive mais dentro de um programa de computador, onde se pode ser o que quiser, do que na vida real?” 

No OASIS a vida não é vivida por pessoas e sim por avatares e se o avatar pode ser aquilo que o usuário quiser - alto, baixo, magro, gordo, feio, bonito - o que molda as relações neste mundo são as personalidades, sem nenhuma outra influência. Assim, as melhores amizades são virtuais, as pessoas se apaixonam e se casam sem muitas vezes nunca terem se conhecido pessoalmente, os alunos podem estudar virtualmente sem precisar ir a escola (tendo aulas que, muitas vezes, incluem viagens virtuais para outros lugares e outros tempos para que os alunos possam vivenciar o aprendizado). A história se passa em 2044, mas será que essas situações estão tão distantes assim?

Eu confesso ter sofrido um pouco com a leitura de “Jogador Número 1”, não pelo livro em si, já que a história é criativa e bem desenvolvida, mas sim pela experiência ter sido em ebook. Cada vez que eu sentava para ler, eu não sentia como se estivesse lendo um livro e sim passando o tempo, o que prejudicou o meu envolvimento com a trama. 

“Jogador Número 1” é o que se pode chamar de uma distopia nerd. Um livro divertido, repleto de referências pop, mas que na verdade é uma grande aventura. 

Título: Jogador Número 1 (e-book cedido pela Editora)
Autor: Ernest Cline 
N.º de páginas: 390
Editora: LeYa

9 comentários:

Eduarda Menezes disse...

Eu AMO esse livro. Acho incrível, criativo, super dinâmico! Ao terminar fiquei maravilhada ao me dar conta que não consegui encontrar um defeito sequer. Personagens, trama, achei tudo tão <3
Amei as referências à cultura pop, mas pra mim nem foi o mais importante. Caso ele tivesse inventado uma cultura diferente da que tivemos eu tenho certeza que teria gostado de todo jeito. Cada nova etapa da aventura me enchia de empolgação kkkk E me afeiçoei total aos personagens.
É uma pena que o fato de ter sido em ebook tenha "estragado" um pouco da leitura pra você, Mari. Esse realmente é um livro que vale a pena desfrutar por completo.
Beijos!

Jack Moura disse...

Nunca li esse livro, mas acho q iria adorar!! parece ter uma historia bem diferente de todos os outros livros q ja li... torço pra q tenha um romance :/ embora acho q nao deva ter! o começo deve ser lento mesmo, mas a maioria dos livros de aventura tem q iniciar explicando a historia! vou ler sim :)

Thais Pampado disse...

Parece ser um livro muito interessante, com uma jornada muito legal de se acompanhar! Acho que realidades virtuais são um tema com muito potencial pra explorar num livro, mesmo porque tem muito a ver com o mundo de hoje em dia.

Ana Paula Barreto disse...

Quero ler esse livro há um tempão, tanto pelas referências à cultura pop, quanto pelo lado (totalmente) nerd.
Também acho muito bacana essa questão do quanto as pessoas vivem no virtual.. e ouso dizer que nem precisa ser na ficção para isso ocorrer. Hoje em dia, milhares de pessoas passam mais tempo atrás de uma tela, do que no convívio real com outras pessoas.
bjs

Gabriela Cerutti Zimmermann disse...

Não conhecia esse livro. Não sou muito fã de histórias que envolvem jogos e realidades virtuais, mas pelo que você disse esse me pareceu bem interessante. Ótima resenha.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Nardonio disse...

Adorei essa mescla de distopia, aventura e cultura pop dos anos 80. O legal aqui é que, como você disse, mesmo sendo ambientado no ano de 2044, a parada está mais atual do que nunca. Creio que antes de chegarmos lá, já estaremos vivendo tudo isso virtualmente.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Natalia Schimpf disse...

Não tinha ouvido falar do livro ainda..
mas o fato de se abordar realidade virtual é muito atual... e com um pé no futurismo...
acho q será uma ótima leitura.

Jessica Lisboa disse...

Eu sou doida pra ler esse livro acho que a um ano e pouco já! Adorei o enredo, os personagens tudo nessa historia espero que esse ano eu passa lelo!!


xx

camila rosa disse...

Nossa esse livro parece ser melhor do que eu pensava, confesso que quando o vi pela primeira vez não senti nenhum interesse que nem ler a sinopse eu li haha mas por causa da sua resenha estou pensando diferente Jogador numero 1 parece ser cheio de aventuras, e adrenalina, fiquei bem curiosa para ler ao livro.
Beijos!!!

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger