sábado, 20 de setembro de 2014

RESENHA: O Último Filho

“Johnny aprendeu cedo. Se alguém lhe perguntasse por que era tão diferente, por que ficava sempre tão calado e por que seus olhos pareciam absorver a luz, era essa sua resposta. Ele aprendeu cedo que não havia lugar seguro, nem no quintal ou no playground, nem na varanda da frente ou na estrada tranquila que roçava a periferia da cidade. Não havia lugar seguro nem ninguém para protege-lo. 
A infância era uma ilusão.” (HART, 2014, p. 15).

***

Quem acompanha o blog sabe o quanto tenho sido crítico com livros policiais. Isso por que a maioria dos livros desse gênero tem me parecido extremamente superficiais e previsíveis. Assim, tenho um cuidado extra na hora de escolher tais livros, porém, qualquer hesitação quanto a O Último Filho se dissipou quando constatei que livro recebera o aval de Jeffery Deaver, autor de O Colecionador de Ossos

Há um ano, Alyssa desaparecia e seu irmão, Johnny, nunca deixou de acreditar que ela estava viva e tampouco desistiu de encontrá-la. No dia em que completava um ano do sequestro, Johnny testemunha um homem moribundo afirmar ter encontrado a menina raptada. Mas quando retorna para casa, descobre que outra garota havia desaparecido. Agora, o detetive Hunt, responsável por ambos os casos, fará de tudo para descobrir a verdade. 

O primeiro fator que merece destaque é o quanto a narrativa do autor é envolvente. Mesmo no início da trama, quando tudo caminha a passos lentos, Hart sabe como manter a atenção do leitor presa e é fácil emergir na obra e virar páginas e mais páginas sem nem perceber. Minha única crítica é que, em alguns momentos, o autor abusava de descrições, que nem sempre me pareciam necessárias. 

Apesar do início um pouco vagaroso, a estória logo engrena em um ritmo acelerado e quanto mais as investigações seguiam, mais se percebia que puxar o fio do novelo trazia mais dúvidas do que respostas. Mesmo com tantas informações ocorrendo e com eventos que pareciam não estar conectados, em nenhum momento a leitura se torna confusa, tampouco monótona. 

Ambos os protagonistas foram bem construídos. O detetive Hunt era o responsável pelo caso de Alyssa e completado um ano da data do desaparecimento da menina, ainda não conseguiu esquecê-lo. Seu envolvimento com o caso é pessoal, o que justifica muitas das suas ações impensadas e até mesmo impulsivas. Por sua vez, Johnny é um menino traumatizado, que viu sua família se despedaçar, e quer fazer todo o possível para encontrar sua irmã gêmea. 

A meu ver o autor utilizou com certo excesso da ferramenta “pista e recompensa” (ou seja, o autor tem que deixar pistas no texto de modo a possibilitar que o leitor consiga descobrir o mistério), pois, a teoria que criei para explicar o caso se mostrou bem próxima da verdade. Ainda assim, o desfecho é eletrizante e não foram poucos os momentos que me vi segurando a respiração enquanto a ação acontecia.

Em tempos que posso contar nos dedos da mão quantos livros policias me agradam, O Último Filho foi uma grata surpresa. Ainda não chegou ao posto de melhor obra do gênero, mas creio que o autor tem potencial de sobra para alcançar tal posição.  

O Último Filho ganhou o prêmio Edgar Allan Poe na categoria de melhor romance em 2010. Tal premiação é concedida aos melhores autores de mistério pela Mistery Writters of America. 

Título: O Último Filho (exemplar cedido pela editora)
Autor: John Hart
N.º de páginas: 474
Editora: Record

13 comentários:

Gabriela Cerutti Zimmermann disse...

Quando vi a sinopse desse livro no Skoob há um tempo até fiquei interessada, mas não fui muito a fundo pois como não tenho muita familiaridade com o gênero acho melhor começar pelos mais reconhecidos. Mas pelos seus comentários vejo que é sim um bom livro, Alê. E apesar dos pontos que te desagradaram, é algo que eu leria. Ótima resenha.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Iêda Cavalcante disse...

Oiee.
John Hart é um dos autores que nunca li nada mas morro de vontade, porém como outros tantos ainda não consegui ter nenhum dos seus livros em mãos.
A história desse livro me chamou muito a atenção e como boa leitora de suspense e investigação que sou (apesar de ter lido poucos livros assim ultimamente), esse com certeza eu quero, quando for começar a leitura dos livros do John quero começar exatamente por esse.
Espero gostar *-*
Bjokas!

Nardonio disse...

Se o livro ganhou um prêmio de melhor romance do ano de 2010, já mostra que ele tem um algo a mais em relação aos outros do gênero. E concordo com você, Alê! Ultimamente os livros do gênero tem ficado devendo muito. Ainda bem que esse veio para nos trazer uma luz no fim do túnel.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

RUDYNALVA disse...

Alê!
Mistura interessante de um policial experiente e um menino obstinado em descobrir o desaparecimento de sua irmã gêmea.
Gosto demais do gênero policial, mas confesso que faz algum tempo que não leio nada do gênero e bom, faz ainda mais tempo... Feliz em saber que O último filho para ser apreciado, afinal, não é qualquer livro que pode ganhar o prêmio Edgar Allan Poe na categoria de melhor romance.
Cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

camila rosa disse...

Olá, gostei da resenha do livro, mas ele não me atraiu muito não, gosto de livros policiais, esse parece ser bom, mas não estou no clima para ler ele no momento, quem sabe mais para frente.
Beijos *-*

Gladys Sena disse...

Ah eu gosto dessa temática.
Não conhecia essa obra, mas fiquei curiosa.
Saber que o autor sabe envolver o leitor desde as primeiras páginas é um ponto positivo!

Natasha disse...

Adorooo romances policiais e esse me agradou muuuito mesmo, com certeza vou correr para conseguir esse livro e ler bem rápido. Eu adoro esse estilo de deixar pistas pq eu sempre durante a leitura fico montando minhas teorias kkk amei amei amei quero mt ler

Maria Trindade disse...

também não me atrai essa temática ;( valeu pela resenha

Tamires Fernanda disse...

Esse mês estou descobrindo cada livro bom aqui no blog...
Esse não podia ficar de fora, mais um livro de policial que vai entrar na minha lista.

Abçs :)

Ana Paula disse...

romance policial é sempre um desafio pra nossa mente, adoro me envolver neles, vou favoritar essa resenha aqui e ler mais tarde esse livro <3

Bjs <3

Loly Fonseca disse...

Livros com tematica policial são bem intrigantes mesmo, mas tenho deixado passar... Procuro leituras mais leves, para compensar as leituras da faculdade... Gostei da temática do livro... Quem sabe eu leia durante as férias...
Kisses =*

Milena Soares disse...

Curto muito livros policiais e esse parece ser ótimo, fiquei bastante interessada em ler!

Any disse...

Não conhecia este autor, agora super me interessei!!!
*-*

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger