sexta-feira, 28 de novembro de 2014

RESENHA: Misery - Louca Obsessão

“Não era sonho. Só mais um dia no parque de diversões de Annie Wilkes.” (KING, 2014, p.167) 

“Misery” estava no topo da lista de livros do mestre Stephen King que eu queria ler e, ao final do ano passado, foi eleito a minha maior expectativa literária para 2014. Contudo, conhecimentos prévios que eu tinha sobre a trama atrapalharam de certa forma o meu envolvimento com a história, dando a sensação de que já sabia onde tudo ia dar. Mas esses foram momentos que logo depois se anulavam graças a outros completamente envolventes e mesmo com tanta expectativa envolvida, o livro não decepcionou.

O escritor Paul Sheldon sofre um grave acidente de carro e acorda dias depois para se descobrir sob os cuidados de Annie Wilkes, sua fã número um. Sentindo dores terríveis e sem poder se locomover, Paul logo entende que está na posição de prisioneiro mais do que de paciente de uma mulher perigosamente louca, cuja intenção é fazê-lo corrigir o erro terrível que cometeu em seu último livro: ter matado a mocinha Misery. Para conseguir o que quer, Annie se vale de métodos assustadores que, aos poucos, fazem com que o maior medo de Paul não seja perder a vida e sim continuar vivendo sob o mesmo teto que sua fã.

São poucos os livros que funcionam com base na interação de apenas dois personagens, especialmente quando toda a ação se desenrola dentro de uma casa, a maior parte em um único quarto. Mas nas mãos de Stephen King, isso se torna um livro angustiante (não é à toa que anteriormente “Misery” foi publicado sob o título “Angústia”).

A trama em si é muito simples e não existem reviravoltas. O que vemos na primeira página é o que continuamos a ver até a última: esse escritor que após um acidente se torna prisioneiro de uma fã maluca. Isso não significa que o livro se mantém estagnado. Pelo contrário. Adquirindo contornos de duelo mental entre Paul e Annie, os acontecimentos se intensificam como um reflexo da loucura de Annie que escala a cada página.

Diante da simplicidade da premissa, Annie Wilkes se revela a alma do livro e uma das melhores personagens criadas por Stephen King, na minha opinião. Em poucas palavras, Annie é desequilibrada e completamente louca. Aquele tipo de personagem do qual se espera qualquer coisa. A prova disso é que durante a leitura eu me pegava pensando: “E agora? O que ela vai fazer dessa vez?”.

Para mim, é a imprevisibilidade de Annie que propulsiona a leitura, mesmo que acompanhemos a história pela perspectiva de Paul. Esse, aliás, é um acerto de King. Já na primeira página, a partir do momento em que Paul recobra a consciência e seu pesadelo tem início, ao leitor é dada a oportunidade de viver esse pesadelo ao lado do personagem.

Uma das coisas que me atraiu em “Misery” foi ver como o King lidaria com uma trama que envolve um núcleo tão pequeno de personagens (característica que não é comum observarmos em seus livros). E ele se sai muito bem, desenvolvendo duas personalidades fortes e jogando-as em uma situação tensa. O medo, tão associado à obra do autor, não é despertado graças ao sobrenatural e sim a uma mente desequilibrada.

Acredito que “Misery” seja uma ótima escolha para quem nunca leu Stephen King, não se arrisca a começar por livros que beiram (ou às vezes ultrapassam) as mil páginas e tem certa desconfiança de histórias de cunho sobrenatural. A história de Paul e Annie é um suspense simples, mas muito eficiente. 

“Misery” recebeu uma adaptação cinematográfica que se tornou tão famosa quanto a obra original. Dirigido por Rob Reiner (responsável também pela adaptação de “Conta Comigo”, baseada no conto “O Corpo” de King) e estrelado por Kathy Bates e James Caan, “Louca Obsessão” rendeu a Bates o Oscar de Melhor Atriz.

Título: Misery – Louca Obsessão
Autor: Stephen King
Nº de páginas: 326
Editora: Suma de Letras

14 comentários:

Jacqueline Andreia disse...

Olááá!
Adorei a resenha, muito legal, sempre quis ler esse livro, vou ver se consigo comprá-lo esse mes *O*
Beijos!
http://meubaudeestrelas.blogspot.com.br

Adriana disse...

Eu quero muito ler esse livro! Annie é louca mesmo né? Todas as resenhas que leio do livro, as pessoas comentam que dá uma angustia quando lêem o que ela tá fazendo com o pobre do Paul! E só King mesmo pra conseguir construir uma história tão boa com tão poucos personagens e se passando praticamente o livro todo num único lugar! Parabéns pela resenha, quero ler o mais breve possível!

Adriana disse...

Eu quero muito ler esse livro! Annie é louca mesmo né? Todas as resenhas que leio do livro, as pessoas comentam que dá uma angustia quando lêem o que ela tá fazendo com o pobre do Paul! E só King mesmo pra conseguir construir uma história tão boa com tão poucos personagens e se passando praticamente o livro todo num único lugar! Parabéns pela resenha, quero ler o mais breve possível!

­­Silviane Casemiro disse...

Oi, Mari!
Eu estou louca para comprar esse livro; E infelizmente acabei perdendo a promoção dele na Black Friday pois eu tinha outros dois livros na lista de prioridades.
Até hoje eu li apenas um livro do King e eu estou precisando ler outro; E o pior é que eu sempre caio na tentação de assistir ao filme (que eu achei excelente e fiquei em diversas cenas me contorcendo).

Em outros blogs acabei lendo alguns spoilers do livro x filme e achei que o livro vai ser muito pior, talvez eu não consiga ler tudo :P

Beijos.
Blog Cantar Em Verso

Ø Väzïø ñä Flø® disse...

Não é a toa que quando comecei a ler a resenha, pensei: Já vi isso em algum lugar!rs Minha memória não é das melhores..e sim, eu vi o filme..e me lembro agora do quanto pareceu maluco na época. Mas isso tem tempo demais..e eu era bem nova. Devo nem ter sentido metade do que era pra sentir.
Com certeza procurarei o livro, porque quero viver essa angústia de novo..e quem sabe, rever o filme também. Agora, acho que será bem mais aproveitado!!!
King consegue fazer qualquer cenário, por mais simples que seja, ser um cenário digno da complexidade dele!
Beijo

Lais Cavalcante disse...

Achei a premissa desse livro ótima, mas um tanto cômica. Digo, me coloquei no lugar da Annie, tendo como prisioneiro meu autor favorito e exigindo que ele mude algum acontecimento do livro, e posso dizer que a situação foi um tanto engraçada, mas enfim. É visível a insanidade mental da Annie e acredito que isso chamou a minha atenção. Fiquei curiosa para saber qual será o fim dos dois rs

Ingrid Moitinho disse...

Quero muito ler esse livro, tenho o livro It: A Coisa e ainda não li por causa da quantidade de paginas e minha falta de tempo, ai acabo sempre deixando pra depois, mas pretendo lê-lo logo, sera minha primeira experiencia com o King. Quero muito Misery por ser pequeno, mas também pela historia maravilhosa que é, vi algumas resenhas e fiquei louca por ele.

Gabriela Cerutti Zimmermann disse...

Esse é um dos dez livros de King que mais tenho vontade de ler, Mari. Adoro uma boa tensão psicológica. Espero conseguir logo. Ótima resenha.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Kel Araujo disse...

Oi Mari, tudo bem?

Confesso que tenho um pouco de medo dos livros do King huahuahuahua sei que é besteira, e até gosto de um suspense psicológico, mas quando a coisa já passa para o terror/horror, ai eu nem me arrisco. Espero que um dia eu ainda consiga encarar o mestre King

beijos
Kel
www.porumaboaleitura.com.br

Nardonio disse...

Stephen King é extraordinário. É impressionante o que esse cara consegue fazer. Mesmo mudando um pouco a estrutura/gênero que ele está habituado a fazer (dessa vez, apenas duas personagens em um quarto), ele prende o leitor da primeira a última página. Enfim, até bula de remédio escrita por ele deve ser boa. kkkk

@_Dom_Dom

Jéssica Soares disse...

Oi, Mari! Tudo bem?
Lembro que já assisti o filme baseado nessa obra e apesar de não me recordar dos detalhes, lembro muito bem da angústia e da tensão que a produção passava. Imagino que o livro deve ser igualmente bom (ou até melhor né, tenho muito fé no trabalho do King e são poucas as obras dele que não me conquistam). Tenho um certo receio quanto ao fato de haver somente dois personagens no desenvolvimento da trama, isso é realmente incomum, mas dada as circunstâncias da trama, acredito que isso pode funcionar mesmo e espero gostar tanto da leitura quando você! Bjs
Jéssica - http://lereincrivel.blogspot.com.br/

Vitória Pantielly disse...

Oii Mari :)
Só tive a oportunidade de ler Carrie, a estranha até agora do autor, e adorei, sou bem curiosa em relação aos outros livros, só não comprei nenhum ainda porque ando precisando economizar e vamos combinar que os livros são bem salgados, rs!
Li uma resenha de Misery semana passada e olha, assim como na sua eu me perdi na história que o Stephen criou de uma forma espetacular, nunca me senti tão tentada a ler um livro assim .. O enredo que ele montou é fantástico! Adorei.
Bjs

Loly Fonseca disse...

Desde o início fiquei com a impressão de já ter ouvido falar de um filme parecido com esse enredo, e agora imagino que seja justamente a adaptação cinematográfica... O enredo que você apresentou parece ser muito bom, e com certeza muito envolvente... Eu mesma já fiquei angustiada para saber quais são as loucuras que essa mulher vai fazer... Interessante ter sido um livro baseado apenas em dois personagens, e que tenha sido tão bem escrito... Não li nada ainda do autor, e acredito então que devo começar por esse pelo que você disse, pois realmente não gosto muito de livros com um lado meio sobrenatural e nem que sejam muito grandes... Fiquei muito intrigada para saber como vai ser esse desenrolar...
Kisses =*

Desbravadores de Livros disse...

Oi, Mari. Eu ainda não li, mas tenho-o aqui em casa. Assim como você, ele está na minha lista de 2014 como um dos mais desejados para ler dele. Porém, ainda não consegui realizar esse feito, rs.
Gostei pelo fato de ter poucos personagens, já que a característica marcante dele é totalmente o oposto, como você disse. Mas isso mostra que ele sempre está adepto a mudanças e isso é realmente ótimo.

http://desbravadoresdelivros.blogspot.com.br

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger