terça-feira, 23 de dezembro de 2014

RESENHA: Homens, Mulheres & Filhos

“Tim se lembrou das previsões de que universo iria acabar ou num grande colapso ou numa eventual dissolução por conta de seu ritmo de expansão cada vez maior e inevitável. Isso também era um consolo para ele. No fim, Tim sabia que nada que qualquer ser humano tivesse feito ou fosse fazer importaria, porque tudo seria varrido pelo tempo.” (KULTGEN, 2014, p. 109). 

***

Homens, Mulheres & Filhos acompanha um grupo de alunos da Goodrich Junior High School e de suas famílias, e como suas vidas se conectam, tanto no mundo real quanto no mundo virtual. E por trás da fachada de normalidade que os personagens vivem, todos eles guardam segredos que nem as pessoas mais próximas desconfiam. 

Mesmo abordando diretamente (e até mesmo exaustivamente) assuntos relacionados a sexualidade, Homens, Mulheres & Filhos não se limita a isto. Temas como distúrbios alimentares, depressão, dependência, identidade, adultério, internet, e tantos outros também servem como pano de fundo. 

O problema é que temos seis alunos e suas respectivas famílias, e acompanhar as relações e conflitos entre cada um destes personagens, além de seus dramas pessoais, acabou se tornando cansativo e tornou difícil o envolvimento com a obra. A minha impressão é que o autor deu o passo maior do que a perna ao tentar contar tantas estórias, não se aprofundando em nenhuma delas. 

A narrativa de Kultgen tampouco me agradou. Sou adepto da teoria que a narrativa deve se fundamentar no preceito “show, don’t tell” (mostre, não diga). O problema é que Kultgen, ao invés de mostrar o que acontecia com os personagens, optava por narrar detalhadamente tais eventos. Então, temos um livro em que muita coisa acontece, mas que o leitor praticamente não vê a ação acontecendo, e isso, além de refletir no ritmo da estória, também criou um distanciamento entre o leitor e os personagens. 

As cenas relativas as partidas de futebol americano, embora tivessem um propósito bastante específico e até mesmo necessário para o desenvolver da obra, não me empolgaram. Talvez o excesso descritivo tenha tornado tais capítulos um pouco monótono para quem não tem familiaridade com o jogo. 

O desfecho é aberto, e creio que para muitos dará a impressão de que faltou um pedaço da estória. Entretanto, costumo gostar de finais desse tipo e não foi diferente dessa vez. Creio que Kultgen conseguiu mostrar ao leitor a personalidade da maioria de seus personagens, de modo que, mesmo sem saber exatamente qual é o futuro deles, o leitor tem as informações necessárias para prevê-lo. 

A estória que Kutgen tinha mãos era interessante e tinha tudo para se tornar universal, visto que aborda assuntos intrinsecamente humanos. Entretanto, ao tentar retratar a vida contemporânea de maneira tão ampla e por tantos pontos de vista, a obra perdeu sua força.

Homens, Mulheres & Filhos foi adaptado para o cinema, contando com a participação de Adam Sandler, Jennifer Garner, Emma Thompson e Ansel Elgort. 

Título: Homens, Mulheres & Filhos (exemplar cedido pela editora)
Autor: Chad Kutgen
N.º de páginas: 351
Editora: Record

8 comentários:

Luiza disse...

Não sei se faria meu estilo esse livro, mas quero ver o filme RSR Gostei da postagem.
Bjs
http://eternamente-princesa.blogspot.com.br/

thayna ta disse...

Achei bem legal o enredo, e também tem o filme. O modo em que é mostrado as relações das pessoas. É muita coisa retratada e por ser várias histórias, me interessei ainda mais, não gosto as vezes de ficar naquela coisa repetida.
Abraços Alexandre,
ThayQ.

Milena Soares disse...

O livro parece ser bom , fiquei bastante interessada em ler, que muito assistir o filme também!

Gabriela Cerutti Zimmermann disse...

Seus comentários me deixaram bastante dividida sobre esse livro, Alê. Sempre achei que mais importante que os assuntos abordados é a forma como são tratados, e me parece uma pena que o autor tenha tentado fazer mais que deveria. Não sei se leria o livro, mas provavelmente verei o filme por conta do elenco. Ótima resenha.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Nardonio disse...

O que acho engraçado é que, muitas histórias que não deveria se tornar trilogias e/ou séries se tornam, e livros com tantas tramas como esse são livros únicos. O autor inseriu milhares de temas nesse livro, e acabou que não conseguiu desenvolver-los muito bem, beirando a confusão/superficialidade.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Vitória Pantielly disse...

Alê :]

Li algumas resenhas bem negativas sobre ele, e confesso que acabei dando uma desanimada depois disso! Muitos leitores me disseram que o conteúdo sobre sexo no livro era muito extenso e cansativo. Gostei de saber que o autor levou em conta muitos outros temas que pra mim são bem interessantes!
No caso desse livro eu vou inverter as coisas, vou assistir ao filme primeiro, se eu gosto compro o livro ;)
Bj :*

Sarah Costa disse...

Oie,
Já ouvi falar tanto desse livro, porém nunca imaginei que o conteúdo do livro seria assim.
Apesar de ter gostado bastante do livro não sei se leria, pretendo ver o filme primeiro e depois adquirir o livro. Ansel é tão lindo.

Luiza Lamas disse...

Oi.
Gostei muito da resenha, você me deixou dividida. Fiquei com vontade de ler pela temática, mas receosa por sua resenha que disse que o autor deu um passo maior do que a perna e acabou não se aprofundando :/
Acho que mesmo assim vou dar uma chance.
Beijo.
Choque Literário

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger