quarta-feira, 9 de março de 2016

RESENHA: Morte Súbita

“Na sua opinião, o maior erro de noventa e nove por cento das pessoas é ter vergonha de serem quem são, é mentir a esse respeito, fingindo ser alguém diferente. A honestidade era a sua marca, a sua arma, a sua defesa. Quando somos honestos, as pessoas se assustam, ficam chocadas.” (ROWLING, p.77, 2012)

Como não ter altas expectativas pelo primeiro livro publicado por J.K. Rowling após a saga Harry Potter? Logo que “Morte Súbita” chegou no Brasil, tratei de adquirir meu exemplar, mas demorei a fazer a leitura. Uma das razões foram as inúmeras resenhas contraditórias que vi pela blogosfera: alguns consideram o livro incrível, outros detestam tanto que nem chegaram a concluir. A unanimidade me parecia ser a lentidão do livro. Desde então, esperei o momento certo para poder ler com calma e tirar minhas próprias conclusões. Fico feliz em dizer que faço parte do time dos que reconhecem as inúmeras qualidades do livro.

Após a morte repentina de Barry Fairbrother, uma vaga fica disponível no conselho administrativo do pequeno vilarejo de Pagford. Esse é o pontapé inicial para uma série de acontecimentos que envolverão os segredos, as más decisões, as intrigas e picuinhas que existem entre os moradores da cidade.

Ao invés do livro lento que me preparei para encontrar nas primeiras páginas, “Morte Súbita” se revelou já no início uma vitrine de personagens promissores. É bem verdade que os acontecimentos demoram a engrenar e que demoramos a entender como aquele vasto elenco de personagens se cruza, mas sou uma árdua defensora de que o que faz bons livros são bons personagens. Tendo personalidade e conflitos interessantes, as situações em que eles se encontram é o que menos importa. E é com base nisso que J.K. constrói sua história. Se nas duas primeiras páginas temos a morte de Barry Fairbrother, nas cinquenta seguintes o que temos é o circular da notícia pelo vilarejo. É através de pequenos comentários e reações que a autora nos apresenta seu elenco. Um excelente exemplo do que é saber mostrar e não dizer na literatura.

Muito gradativamente as coisas começam a ser colocadas em movimento. Mas é importante ter em mente que “Morte Súbita” não gira em torno de um acontecimento e o leitor que embarcar na aventura querendo encontrar uma trama bem definida ou a resolução de um conflito especifico (digamos “quem irá ocupar a vaga deixada por Barry”) irá se decepcionar profundamente, pois não existe tal conflito. Arrisco dizer que esses são os leitores que dizem que o livro é arrastado e que nada acontece. Mas quem tiver em mente que essa é a história de um grupo de personagens, contada de maneira orgânica, de forma que eles vão se cruzando uns com os outros de diversas maneiras, culminando em várias pequenas situações, verá que acontece muita coisa.

Também é preciso ter em mente que o cenário de “Morte Súbita” é uma cidade pequena. Se os acontecimentos do livro não ocorrem em uma velocidade alucinante é porque jamais seria assim em um lugar como Pagford. Lá as coisas acontecem aos poucos, mas todas deixam marcas profundas já que todo mundo conhece detalhes da vida uns dos outros e de alguma forma todos estão entrelaçados mesmo que vivam histórias bem diferentes. Por isso mesmo, os segredos desses personagens são parte fundamental dos acontecimentos da trama.

Algo que me manteve fascinada era não ter a menor ideia de onde J.K. queria chegar com tudo aquilo e fiquei satisfeita em ver que não havia um único lugar. O que havia eram as consequências de uma série de eventos e escolhas feitas pelos personagens. Embora alguns eventos sejam mais marcantes que outros, temos muitos pequenos desfechos.

E por falar em final, os últimos capítulos são de tanta tensão e emoção que é quase impossível acreditar que a autora estava construindo tudo aquilo diante dos nossos olhos sem que percebêssemos que era assim que se desenrolaria. Ao final, vemos que “Morte Súbita” é um trabalho de tapeçaria executado por uma habilidosa artesã.

Quanto aos personagens, é muito difícil dar destaques. Entre alguns completamente desprezíveis (como Simon e Howard), outros deliciosamente complexos (como Krystal) todos, sem excessão, são verossímeis e interessantes. O próprio Barry Fairbrother, que morre no primeiro capítulo, ecoa com a mesma força que os demais personagens. Aliás, o livro serve também como prova de que não se faz necessário narrar pelo ponto de vista de determinado personagem para conhece-lo a fundo. Em “Morte Súbita” vemos todos os personagens sob os mais diversos pontos de vista e isso é o mais interessante. O narrador onisciente, em terceira pessoa, nos leva a conhecer cada um desses personagens pelos olhos dos outros personagens, e também deles mesmos, mostrando todos os pontos de vista de maneira natural, sem forçar divisões e transições.

Pode até ser que o livro não mantenha seu leitor fissurado ao longo de todas as 500 páginas, mas sem duvida consegue manter o interesse e é um atestado (se é que se precisa mais algum) do talento de J.K. Rowling. Porque só uma grande escritora, com total domínio de sua criação, seria capaz de um livro como “Morte Súbita”.

Em 2015, a BBC adaptou o romance para uma mini-serie em três episódios. 

Título: Morte Súbita
Autora: J.K. Rowling
N° de páginas: 501
Editora: Nova Fronteira

23 comentários:

Raissa Novaes disse...

Olá!

Li o livro faz um tempo, e confesso que no começo não tive uma impressão muito boa da história por esperar outra coisa. Mas no andamento da leitura, realmente pude perceber onde a autoria queria chegar e gostei. A descrição dos personagens e como eles são colocados na história foi ótima.
Parabéns pela resenha! =)

www.booksimpressions.com.br

Diane disse...

Oie...
Foi justamente essa divisão na blogosfera que me fez comprar "Morte Súbita" ! E felizmente também faço parte daquele grupo que soube apreciar a bela obra escrita pela J.K. Rowling. Achei formidável a forma que ela conduziu a história e os acontecimentos finais deixam o leitor sem fôlego... Os personagens são também um capítulo a parte, todos bem construídos e cheios de personalidades, na minha opinião o mais detestável foi o Bola e o que mais achei interessante e complexo foi também o personagem de Krystal.
Acredito que aquele grande números de leitores que abandonaram esse livro se deve por estarem esperando algo fantástico e que recordasse Harry Potter, então, como a proposta desse é bem diferente levaram alguns leitores a abandonar "Morte Súbita".

Beijos

http://coisasdediane.blogspot.com.br/

Vida de Leitor disse...

Oi! Ainda não li o livro, mas queria muito ler só pelo fato de ser sido escrito pela J. K.... Massss muitos amigos me disseram que talvez eu não gostaria e só alguns acharam a história boa. Não sei o que pensar, mas espero ler um dia e tirar minhas próprias conclusões heh
Beijos!
Maria - doprefacioaoepilogo.blogspot.com.br

Theresa Cavalcanti disse...

Li esse livro já faz algum tempo, e ainda não cheguei a uma conclusão sobre ele. KKK. é legal e tudo mais, mas sinto que flato algo.

Ju - Conjunto da Obra disse...

Oi mari, realmente J. K. não precisa mais de atestado nenhum. Devo confessar, porém, que parei em Harry Potter e, até agora, não li mais nada dela. Ainda assim, quero muito ler algo da autora, e acho que Morte Súbita seria um bom começo. Pela descrição que você deu do livro, parece uma construção meio Sidney Sheldon, cheio de histórias que se entrelaçam só mais adiante.

Beijos

Alice Duarte disse...

Oiieee

Esse é o mal de suspenses/ mistérios / novelas policiais: a maioria tem esse princípio lento, alguns mais outros menos, mas geralmente até engrenar mesmo acaba dando uma frustração...
Eu acho que muita gente esperou um clássico estilo HP por causa da autora e acabou se decepcionando quando viu que não tinha aquele toque de HP, muitos que leram eram fãs de HP que é um gênero diferente deste, então isso explica um pouco o porquê da frustração...
Enfim, tenho esse livro pendente na minha estante faz um tempinho, até agora não me animei em ler até porque acabei de ler uma novela policial no mesmo estilo (principio lento e conclusão boa), entao dou um tempo por gênero por enquanto. Adorei a resenha, foi bom saber os prós e contras

Beijokas

naprateleiradealice.blogspot.com.ar

Vida de Leitor disse...

Oi! Passando pra dizer que te indiquei em um post premiado no blog!
Beijos!
http://www.doprefacioaoepilogo.blogspot.com.br/2016/03/leitoresss-venho-com-imensa-alegria-e.html

Ariane Reis. disse...

Oie Mari =)

Ganhei esse livro de aniversário, mas acredita que até agora eu não tive "coragem" de ler. Tipo tem gente que fala super bem, tem gente que fala super mal e alguns consegue como você ver o lado bom e o não tão bom da história. Amo Harry Potter e por conta disso tenho a J.K como uma das minhas autoras favoritas e por esse motivo morro de medo de me decepcionar =(

Ótima resenha!

Beijos e um ótimo final de semana;***

Ane Reis.
mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
@mydearlibrary

Gabriela CZ disse...

Mergulhei nos teus comentários, Mari. Quando li o livro fiquei bastante dividida por caus da imensa gama de sentimentos que me provocou, mas quando lembro dele só consigo pensar na genialidade de J.K. Ótima resenha.

Abraços!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Desbravador de Mundos disse...

Olá, Mari.
Tenho o livro, mas nunca li exatamente por causa dos comentários contraditórios. Agora que tenho a sua resenha como parâmetro (confio na sua opinião e na do Alê, até comprei essa semana um livro indicado aqui), fico mais tranquilo para realizar a leitura.
Particularmente, gosto de livros onde a trama esteja mais dispersa, onde o foco não seja a resolução de apenas um conflito ou questão. Ademais, o fato dos personagens serem trabalhos, mesmo com a narração em terceira pessoa, me chamou bastante a atenção.
Ótima resenha.

Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de reinauguração. Serão quatro vencedores!

Jéssica Soares disse...

Oi, Mari! Tudo bem?
Eu já li "Morte Súbita" há bastante tempo, mas ainda me lembro muito das personagens e dos detalhes. Na época que ele foi lançado, muita gente saiu decepciona por não entender a proposta mais adulta e completamente diferente de "Harry Potter", não cabe nem fazer comparações entre as duas histórias e, mesmo assim, a galera comparava.
E a Krystal </3 Em alguns momentos fiquei chocada e com o coração partido, é tão bom ter muitas expectativas com relação a J.K. porque ela sempre consegue superá-las! A resenha já me deu vontade de fazer uma releitura! Bjs
Jéssica S. - http://lereincrivel.blogspot.com.br/

RUDYNALVA disse...

Mari!
Estou com o ivro aqui para leitura e não fiz antes porque tinha lida tantas resenhas contrárias a autora que fiquei protelando.
Acredito que e por causa do que falou, os fãs do Harry talvez esperasse outra coisa e tenha se decepcionado.
“Saber amar não é amar. Amar não é saber.” (Marcel Jouhandeau)
cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
TOP Comentarista de março com 4 livros 3 ganhadores, participem!

Sil disse...

Olá, Mari.
Eu não sou de nenhum dos times. Gostei e não gostei do livro. Achei muito maçante no começo. Teve bem umas trezentas páginas muito chatas. mas depois as outras duzentas eu li em um dia porque não conseguia largar sem saber o desfecho. E gostei do final que ela deu para o livro também.

Blog Prefácio

Sozinha Na Biblioteca disse...

Oi Mari!! Ainda não tive coragem de ler o Morte Súbita justamente pelo tanto de resenha negativa que já sobre o livro. Fico feliz que você tenha gostado, sua resenha me despertou bem mais confiança para procurar o livro e ler agora.

Beijos!

Sozinha Na Biblioteca

Minhas Impressões disse...

Olá, Mari.
Com tantos elogios assim, como não ficar com vontade fe ler esse livro também?
Vejo como positivo o não conseguir saber onde a autora quer chegar. Sinal de que ela soube dosar bem a carga de suspense e trabalhar isso nos personagens.
Abraços.

Minhas Impressões

Ana Clara disse...

Oi Mari!

Infelizmente eu sou do time que nem conseguiu finalizar a leitura justamente por causa da lentidão da narrativa. Ou talvez tenham sido as altas expectativas mesmo, que acabam me atrapalhando independentemente do autor. Também acho que, pelo menos em sua maioria, são os personagens que fazem a história, mas dessa vez essa premissa não funcionou comigo.

Beijão!
http://www.roendolivros.com

Aline Bronkhorst disse...

Oii!!!
Confesso que logo que o livro saiu não tive vontade de ler justamente por todas as críticas negativas que ouvi, li.
Depois do que você comentou, vou dar uma chance para a Rowling.

Beijos

www.booksimpressions.com.br

Cris Setúbal disse...

Sempre tive muita curiosidade sobre esse livro, e como você mesmo falou, as pessoas se mostravam completamentes divididas, uns gostavam, outros não. Lendo a resenha, acho que faria parte do time que gostaram do livro. Gostei muito do fato da J.K. não dar destaques a personagens, e não ter um único desfecho, pois assim é a vida. Gostei muito da resenha, beijo :)

Gabrielle Batista disse...

Essa é a primeira resenha que leio sobre Morte Súbita, e estava querendo muito conhecer a história.
Adorei saber que o livro tem um final emocionante e que os personagens são diferenciados, e ao mesmo tempo, todos ganham um "espaço" com seus pontos de vista.
Quando se trata de J.K. Rowling... NUNCA me decepciono!! Haha mal posso esperar para adquirir um exemplar.

Thalita Branco disse...

Olá Mari!
Sou uma das que não gostou. Achei tudo no livro muito forçado e não consegui me simpatizar com a situação e os personagens. Mas estou curiosa para ver a mini série. A BBC sempre capricha :)
Bjs

EntreLinhas Fantásticas - SORTEIOS NO BLOG! PARTICIPE :)

Carolina Garcia disse...

Oi, Mari!!

Estou super feliz de ler sua resenha porque também estou com Morte Súbita na prateleira há muito tempo. Queria ler logo que foi lançado, mas acabei esperando ter $$$ para comprar e aí desanimei com os comentários negativos.

Eu acabei ganhando um exemplar de presente, mas está lá só me olhando ainda! Hahaha
Mas sua resenha está ótima e me deixou com muita vontade de lê-lo!

Colocarei o título na meta de leitura! ;)

Bjs

livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

Jess Sena disse...

Oi :D
Ler resenha como a sua me anima a ler esse livro.
A maioria das pessoas que conheço (miguxos) comentam que foi arrastado e muitos abandonaram mas seu relato foi ótimo pra me preparar pra leitura sem ligar para o que esses leitores dizem ahha
Há livros para todos tipo de leitores e o momento ideal para cada leitura.
Tenho MUITA curiosidade pra ler esse livro, sua resenha sem spoiler fez com que ele subisse na listinha de leituras haha
Bj


@saymybook
saymybook.blogspot.com

suzana cariri disse...

Oi!
Quando soube desse novo lançamentos da J.K. Rowling fiquei bem interessada ainda mais sendo um livro tão diferente de HP, mas quando fui vendo sobre o que era o livro e lendo algumas resenhas vi que não é o tipo de livro que gosto de ler !!

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger