domingo, 10 de julho de 2016

RESENHA: Half Wild

“Tenho raiva de quase todo mundo quase o tempo todo, e sinto ainda mais raiva agora do que quando era prisioneiro, porque agora posso olhar para o passado e ver a injustiça e a brutalidade com que me trataram, mas não posso fazer nada a respeito.” (GREEN, 2015, p. 147).

***
ATENÇÃO: a sinopse (parágrafo abaixo) CONTÉM SPOILERS do livro anteriorO restante da resenha é SPOILER FREE.

Desde a fuga de Nathan, o Conselho dos Bruxos da Luz tem se tornado cada vez mais tirânico, além de ter expandido seus domínios para a Europa. As tensões entre os bruxos se intensifica, dando origem a uma Aliança rebelde: bruxos da luz, das sombras e mestiços dispostos a derrubar o Conselho e restabelecer uma convivência amistosa. Mas antes de se unir aos rebeldes, Nathan precisa reencontrar Gabriel e resgatar Anelise das mãos de Mercury, bem como apreender a controlar seu novo dom.  

Enquanto Half Bad enfocou muito mais na jornada e na evolução de Nathan, o foco de Half Wild não é apenas nos conflitos do protagonista, mas sobretudo no desenvolvimento do contexto da estória. Apesar da batalha entre bem versus mal parecer um clichê, me surpreendo como Sally Green vai além desta visão dualista, mostrando que a essência do ser humano não está em rótulos, mas no seu caráter. 

A narrativa é fluida e dinâmica, entretanto, me pareceu que durante as duas primeiras partes do livro a trama patina, visto que há poucos acontecimentos e a estória parece não evoluir. O início do livro também causa um certo estranhamento em virtude do isolamento de Nathan e da ausência dos demais personagens. Entretanto, as duas últimas partes compensam, pois além do desenvolvimento da trama, há ação e adrenalina de sobra. 

Outro fator que merece destaque é a evolução de Nathan. Com a descoberta do seu dom e o despertar de um lado selvagem, vemos uma faceta mais dark do personagem, a qual se reflete inclusive na narrativa. Nathan luta para controlar seus novos poderes, mas também para decifrar sua própria identidade. O relacionamento amoroso do protagonista, apesar de previsível, seguiu um rumo interessante. 

Confesso que fiquei um pouco decepcionado com o subaproveitamento de um personagem, que a meu ver é um dos mais interessantes da saga, mas que desempenha um papel de pouca importância na estória. Acrescento também que Half Wild tem o acréscimo de alguns personagens, entretanto, eles não ganharam o aprofundamento necessário, o que espero que esteja reservado para o próximo livro.

O desfecho, apesar de alguns clichês, foi empolgante e surpreendente, culminando com um inusitado plot twist. Confesso que já imaginava esta reviravolta final, mas não passou pela minha mente a proporção que tal acontecimento iria tomar. Os demais ganchos deixados para a sequência também são promissores. 

Mais uma vez encontrei nesta saga exatamente o que esperava: uma leitura fácil, rápida, empolgante e que deixa gostinho de "quero mais". Half Lost, o terceiro e último livro da saga, não tem previsão de lançamento. 

Título: Half Wild (exemplar cedido pela editora)
Autora: Sally Green
N.º de páginas: 332
Editora: Intrínseca

17 comentários:

Camila Monteiro disse...

Eu conheço essa coleção, mas não li ainda. Como sou meio desesperada, espero lançar todos para ler de uma vez kkkk
Tô fazendo isso com a trilogia do King também. Só aguardando ter o final nas mãos para ler a coisa toda!

>> Vida Complicada <<

Caverna Literária disse...

Pelo jeito esse volume tem seu lado bom e lado que deixa a desejar, né? Ainda não li o primeiro volume, mas tenho curiosidade!

xx Carol
http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

Cabine de Leitura disse...

Olá Alê;

Não é meu estilo literário predileto, mas com certeza tendo o livro iria ler.
Bom quando acompanhamos um estória e podemos notar a evolução do personagens, uma pena o último volume ainda não ter data prevista de lançamento.Até lá vai ter muita imaginação rolando.

Beijos e uma ótima semana.
http://cabinedeleitura1.blogspot.com.br/

Gabriela CZ disse...

Quando você analisou Half Bad já tinha me convencido a conferir e agora ainda mais, Alê. Apesar dos pontos negativos que apontou me parece uma trama instigante. Quero ler! Ótima resenha.

Beijos!

Alana Gabriela disse...

Helloo, Alê! Tudo numa nice?!?
Eu li Half Bad rapidamente e meio que gostei. Eu tinha visto uma recomendação de um youtuber e fui conferir, como tinha visto o livro por aí tinha me visto interessada apesar de não fazer ideia do que a estória realmente se tratava - gosto muito de ler às cegas para não saber muito da estória. De qualquer maneira eu comecei esse segundo e parei porque estava muito irritada com alguns acontecimentos da trama. Desisti e não pretendo retomar, tem muitos outros livros que eu quero ler nessa vida. Mas eu concordo com você no aspecto do dark apresentado no início da leitura, eu gostei dessa parte e de ver o lado selvagem do Nathan. Como eu sou meio fria alguns acontecimentos que estavam sucedendo na obra não me impressionaram e outros me deixaram bastante irritada, algumas atitudes do personagens realmente me fizeram parar a leitura e pensar: Não. Fala sério. Mas enfim, que bom que você curtiu.
Beijin...
http://piecesofalanagabriela.blogspot.com.br/

Sofia Noronha disse...

Olá!
Eu já li Half Bad e tive uma relação de amor e ódio com o livro: no começo, odiei. Depois, comecei a gostar mais e a leitura fluiu. Só que o final me decepcionou muito, foi bastante previsível e não me deixou com nenhuma vontade de ler Half Wild, acabei dando 3 estrelas.
Sua resenha me animou um pouco para pegar o livro, mas não é minha prioridade no momento.
Não posso deixar de citar que as capas são lindas, mas as letras do título do meu livro descascam com muita facilidade, não sei se ocorre com você.
Bj

Cristiane Dornelas disse...

Esses livros são tão bem falados que me deu vontade de ler só por ver tanto elogio. Nem tinha pensando em pegar quando vi saindo, não chamou muita atenção. Mas acho que a história é bem promissora e cheia de reviravoltas pelo visto. Tem lá seus momentos de escorregada, mas isso faz parte né. Não acho que tira a graça da história, então...
Ah, gostaria de ler.

Desbravador de Mundos disse...

Olá, Alê.
Bom saber que o livro foi além daquela visão maniqueísta e dualista. Quando isso não é bem trabalhado, sempre fico com um gosto amargo na boca.
Apesar do final ter alguns clichês, como você bem disse, parece ser sido satisfatório. Então, como a série em geral parece boa, pretendo dar uma chance.
Boa dica.

Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de julho. Serão quatro livros e dois vencedores!

Carla A. disse...

Oi, Alê! Não conhecia a saga... Não costumo ler muitos livros nesse estilo, apesar de alguns me chamarem a atenção. Legal a autora ir além da visão maniqueísta. Acredito que todos temos o bem e o mal dentro de nós, o que varia é a proporção. Adoro quando tem plot twist!

Beijos, Entre Aspas

Leandro de Lira disse...

Oi, Alê!
Desde a resenha do primeiro livro que você postou aqui que eu fiquei interessado. Acredito que seja uma boa série e provavelmente irei gostar. Adoro quando um/uma autor/autora joga um plot twist maravilhoso. Haha
O ruim é que o último livro nem tem previsão de lançamento e essas coisas me incomodam demais.
Mas ainda assim pretendo dar uma chance.
Ótima resenha!
Abraço!

"Palavras ao Vento..."
www.leandro-de-lira.blogspot.com

Ana Martines disse...

Olá Alê!

Como eu quero ler essa série <3 <3 <3 Pela sua resenha, parece ser muito boa, muito fácil de ser lida... E olha essa capa!!!

Beijos,
Ana Martines

Maria Fernanda Pinheiro disse...

Essa continuação parece desenvolver ainda mais a trama do 1° livro, infelizmente ainda não li, mas a capa me chama a atenção, a narrativa do autor parece ser bem madura e fluida, envolvendo o leitor com seus personagens, que amadureceram nesse livro.É decepcionante que o autor não tenha se aprofundado nos personagens novos, mesmo assim minhas expectativas estão altas

Sil disse...

Olá, Alê.
Acho essa capa ainda mais bonita do que a do primeiro livro. Mas não sei se quero ler essa trilogia. Não teve nada nela que me chamasse tanto a atenção a ponto de eu comprá-la. Mas quem sabe num futuro.

Blog Prefácio

Carolina Garcia disse...

Oi, Alê!
Tudo bem?

Ainda estou com Half Bad aqui na prateleira para ler e fico feliz de saber que a continuação é agradável.
Eu gosto de ler livros leves para relaxar também. Hahaha

Uma pena que os personagens secundários não são tão bem aproveitados, mas isso acontece às vezes, assim como às vezes o secundário foi melhor trabalhado que o protagonista... Hahahaha
Infelizmente faz parte!

Espero que o terceiro livro te agrade também! :)

Bjs

http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

Naiara Fidelis Da Silva disse...

Eu já tinha ouvido falar mais eu não conhecia muito desses livros.

Mais fui pesquisar um pouco mais e só por se tratar de livros de bruxos já fiquei animada para ler rsrs.

Edmere Cintra disse...

Oi :)
Acabei de ler Half Bad e gostei bastante, achei uma leitura rápida e leve. Gostei bastante que tenha focado mais no Nathan pois assim o conhecemos melhor. Estou muito ansiosa pra poder ler Half Wild e conhecer mais sobre os outros personagens, principalmente sobre o Gabriel. Tenho certeza que vou gostar bastante dessa continuação assim como gostei do primeiro livro.
Beijos.

Ana I. J. Mercury disse...

Essa série está muito bem comentada, e fiquei curiosa para lê-la.
Amei as capas, e tudo que envolve bruxos me anima!
Parece ser uma leitura mais dinâmica e envolvente, mas sem ser aquela coisa toda.
Abraços

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger