segunda-feira, 23 de abril de 2018

Quem vem para o jantar? # 32

"Quem vem para o jantar?" é a coluna do Além da Contracapa em que um jantar fictício se torna a ocasião em que personagens e autores interagem em encontros inusitados. 

Assim que conheci Chris Shane, a primeira coisa que ele me pediu foi para apresenta-lo a Hercule Poirot, o que me pareceu bastante natural. Afinal, Chris era agente do FBI e investigava casos de homicídio, de modo que conhecer Poirot seria uma experiência inesquecível. Enviei o convite para Poirot e Hastings, mas apenas o detetive confirmou presença, de modo que coube a mim a tarefa de registrar improvável e curioso encontro.

Estávamos em um pequeno café em Nova York quando Chris chegou e, de tão entusiasmado que estava, sequer me deixou fazer as apresentações.

— Monsieur Poirot, que honra conhece-lo — disse ele estendendo a mão para o detetive belga.

Como Poirot ficou olhando confuso para a mão robótica, apressei-me para explicar:

— Este é Chris Shane, um agente do FBI e admirador do seu trabalho.

— O quê? — perguntou Poirot surpreso. — Agora robôs estão solucionando crimes neste país? Duvido que isto dê certo. Apenas células cinzentas de verdade conseguiriam desvendar um homicídio.

Fiquei sem reação e sem saber como contornar a situação. Chris, no entanto, não parecia chateado e ficou claro que já ouvira coisas piores. Além disso, creio que sua admiração pelo detetive tornava qualquer deslize social perdoável.

— Concordo plenamente com o senhor — disse Chris enquanto se sentava a nossa frente. — Acontece que fui acometido por uma doença que aprisionou minha mente saudável em um corpo que não responde a nenhum comando. A solução foi encontrada pela ciência: através de um implante cerebral, tenho a capacidade de controlar este robô e fazer qualquer coisa que faria sem esta doença. Inclusive solucionar crimes.

— Implante cerebral? — questionou Poirot sem esconder sua desconfiança. — Acho que nunca vou entender esses tempos modernos. Então, quer dizer que suas células cinzentas se encontram perfeitas?

— Exatamente — respondeu Chris.

— E como você investiga um crime? Parece-me inconcebível que o senhor consiga descobrir todos as pistas deixadas na cena do crime sem estar fisicamente no local.

— Na verdade, creio que a tecnologia tornou nosso trabalho ainda mais preciso. Veja bem, com o auxílio deste C3 ... este robô que o senhor está vendo — explicou Chris ao reparar no olhar confuso do detetive — tenho a capacidade de gravar e fazer um escaneamento da cena do crime. Assim, podemos recriá-la a qualquer momento sem correr o risco de incorrer em falsas memórias ou depender de relatórios incompletos.

— De fato, está parece ser uma ferramenta promissora — reconheceu Poirot a contragosto, mas sem argumentos para refutar a lógica de Chris.

— Por que o senhor não nos acompanha por um dia? Eu e minha parceira estamos investigando um caso bem intrincado. O senhor certamente achará bastante desafiador e poderá ver na prática como trabalhamos.

— Um caso intrincado, é? Todo mundo sabe que Hercule Poirot jamais se nega a um desafio — disse o detetive levantando e colocando o chapéu.

Me levantei logo em seguida e percebi que aquele seria um dia agitado. E mais do que tudo, um dia memorável: quem mais teria o privilégio de ver uma parceria dessas em ação?


Não deixe de conferir a resenha de Encarcerados.



10 comentários:

Ludyanne Carvalho disse...

Que coluna incrível, amei!
Não conheço Chris Shane, mas me parece que ele é um personagem do presente, enquanto Poirot é do passado. Também não conheço Poirot, mas já li muitas resenhas e comentários sobre ele.
Esse encontro é muito interessante, fico imaginando como seria os dois solucionando um caso.

Beijos

Felipe disse...

Adorei o texto!
Blog Entrelinhas

Karina Rocha disse...

Que bacana esse jantar fictício!! Daria uma boa trama esses dois personagens e os mistérios que iriam desvendar juntos, um é mais moderno e o outro mais conservador!!

Diane disse...

Olá...
Eu já disse que AMO essa coluna? Acho que sim, né? Kkkk...
Acho vocês muito criativos por conseguir mesclar histórias e personagens de um jeito tão encantador assim... Vocês arrasam sempre!
Bjo

http://coisasdediane.blogspot.com.br/

Teca Machado disse...

Oi, Alê!
Preciso ler o anterior. Acho que perdi o 31!
Mas você sabe que eu sou muito fã da coluna, né?
Muito mesmo!

Beijooos

www.casosacasoselivros.com

Michael Vasconcelos disse...

Oie,

Que coluna linda! Vou ler o anterior ahahahah

Abraços...

http://submundosliterarios.blogspot.com/

RUDYNALVA disse...

Alê!
Nossa!
Encontro mais ue memorável...
Minha sugestão é um segundo jantar, relatando todas as perplexidades de Poirot ao acompanhar Chris e como tudo se desenrolou...
É pedir muito?
kkkkkkkk
Bom final de semana!
“Os piores estranhos são aqueles que vivem na mesma casa e fingem que se conhecem. Conversam banalidades, mas nunca o essencial.” (Augusto Cury)
cheirinhos
Rudy
TOP COMENTARISTA ABRIL – ANIVERSÁRIO DO BLOG: 5 livros + vários kits, 7 ganhadores, participem!
BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

Gabriela CZ disse...

Excelente, Alê! Fiquei com ainda mais vontade de conhecer os personagens. Ótimo post.

Beijos!

Ana I. J. Mercury disse...

Adorei!!! kkkk
Ficou incrível e o Poirot, kkk ai Deus, sem engraçado e perspicaz!
Parabéns!!
bjs

Catarina Pinheiro disse...

Oi Ale!
Adorei essa mistura de um detetive do presente com o do passado, conheço só o Poirot mas adorei a ideia. É uma ótima coluna, depois vou dar uma conferida nas anteriores.
Bjs

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger