sábado, 30 de junho de 2018

Definindo Literatura LGBT

Conversa de Contracapa é coluna off topic do blog Além da Contracapa. Sem limitação temática, iremos explorar todo e qualquer assunto relacionado ao mundo da literatura. 

literatura lgbt
Em junho comemoramos o Mês do Orgulho LGBT e, aproveitando a ocasião, comecei a refletir sobre o conceito de “literatura LGBT”. E quanto mais pensava no assunto, mais difícil me parecia encontrar uma definição.

Poderíamos dizer que a literatura LGBT é aquela produzida por membros dessa comunidade? A meu ver, tal definição é extremamente restritiva. É claro que autores LGBT certamente terão maior autoridade e facilidade para abordar temas referentes a este universo. Entretanto, não creio que seja necessário ser membro da comunidade para escrever sobre ela. Primeiro, porque (bons) autores fazem pesquisas extensas e contam com material de apoio para escreverem com propriedade; segundo, porque se levarmos esse raciocínio para outros campos um escritor homem jamais poderia escrever sobre mulheres ou crianças, por exemplo. Além disso, escrever ficção é um exercício de imaginação e se apenas pudéssemos escrever sobre aquilo que conhecemos pessoalmente, gêneros como a fantasia e a ficção científica sequer existiriam. 

Então, será que a literatura LGBT é aquela que conta com personagens da comunidade? Mais uma vez, creio que a resposta seja não. Evidentemente, livros com personagens LGBT favorecem o diálogo sobre as questões referentes a esta comunidade. Porém, tenho visto com frequência cada vez maior livros que contam com personagens LGBT rasos e mal construídos, que parecem terem sido escalados apenas para preencherem uma cota. A verdade é que um obra não pode ser considerada literatura LGBT apenas por contar com personagens LGBT, assim como um protagonista doente não é motivo suficiente para classificarmos o livro como sicklitÉ preciso ir além dos personagens, seja o gênero que for. 

A meu ver, o aspecto mais importante para conceituarmos a literatura LGBT é a temática que ela se propõe a abordar. São livros que geralmente discutem assuntos como identidade, descobrimento, preconceito, aceitação, empoderamento, entre outros. Entretanto, até mesmo esse critério me parece impróprioCreio que a resposta mais completa é que a literatura LGBT é aquela que reproduz a vida real, com todos os seus sabores e temperos, com toda a sua complexidade. Que mostra as alegrias e as dores, as dificuldades e as superações, os dramas e as vitórias não apenas como pessoas LGBTs, mas como seres humanos. Ou seja, uma literatura que retrata vidas completas, e não apenas limitadas no que diz respeito a orientação sexual ou ao gênero.

Tenho esperança que, futuramente, sair do armário seja algo ultrapassado e que o preconceito contra a comunidade LGBT faça parte do passado. Tenho esperança que não fará diferença nenhuma para o leitor, ou para o mercado editorial, se o autor ou se os personagens são LGBTs. Tenho esperança que a literatura LGBT não precise abordar temas que hoje são repetidamente discutidos, porque não haverá necessidade de falar sobre eles. Tenho esperança que nem mesmo seja necessário conceituar o que é literatura LGBT. 

11 comentários:

Ana I. J. Mercury disse...

Que lindo texto, Alê!
Parabéns, você disse tudo, concordo com você!
Realmente o mais importante é que os livros LGBT tenham sentimento, amor, e busquem sempre erradicar todo e qualquer preconceito.
bjs

Vitória Pantielly disse...

Olá Alê,
Que texto incrível... Também penso como você, não basta um personagem LGBT para considerarmos esse tipo de literatura, mas, também acho importante que eles estejam presente em várias obras.
Espero também que isso se torne algo comum (o que na verdade para mim já é), enquanto isso, sempre bom ler boas histórias LGBT, principalmente aquelas que mostram a luta que muitas pessoas vivem diariamente no dia a dia, a ficção que corresponde a realidade.
Beijos

Carolina Santos disse...

Concordo com tudo que você disse Adorei esse post inclusive não basta ter um personagem LGBT tem que ter toda a questão da representatividade Eu por exemplo adoro livros com temática LGBT e um dos meus favoritos me chame pelo seu nome e Simon vs a agenda homo sapiens

Ludyanne Carvalho disse...

Concordo com você.
Por exemplo, Becky Albertalli não faz parte da comunidade (eu acho) e escreve livros com esse temática de uma maneira que encanta.
Mas claro que pode ser mais fácil para quem é, porque tem o sentimento e toda uma familiaridade com o gênero.
Espero que em um futuro breve as pessoas lgbts possam viver sem precisar usar essa sigla; dentro de nossas diferenças e particularidades, somos todos iguais.

Beijos

Jessica Andrade disse...

Oi Alê,

Ótimo texto, espero também que futuramente o preconceito se perca e que não precisemos separar a leitura LGBT de outros gêneros.
Bjs e um bom fim de semana!
Diário dos Livros
Siga o Instagram

RUDYNALVA disse...

ALÊ!
Concordo com tudo que falou.
Espero e confio que não exista mais esse preconceito, sim porque classificar uma literatura como LGBT para mim já é uma espécie de preconceito, sabia? Por que não se classifica como romance, ficção ou seja lá que outra denominação seja?
Então teria de de deixar expresso: romance heterossexual, concorda?
Abaixo qualquer tipo de preconceito!!!!
Bom domingo e mês de julho!
“Palavras gentis não custam muito, e ainda assim conquistam muito. (Blaise Pascal)
cheirinhos
Rudy
TOP COMENTARISTA JULHO - 5 GANHADORES - BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

Marta Izabel disse...

Oi, Alê!!
Concordo plenamente com as suas palavras e espero que em um futuro muito próximo o preconceito contra todos as pessoas sejam da comunidade LGBT ou de qualquer outra comunidade seja extinta que todos possam viver em paz.
Bjos

Nessa disse...

Oi Alê
Amei o seu texto e concordo muito com você. Ainda existe muito preconceito.

Beijinhos
http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com/

Gabriela CZ disse...

Boa, Alê! E creio que o mesmo pode se dizer da literatura feminista, negra, sicklit... Que chegue o dia em que essas discussões sejam vistas como um objetivo alcançado. Ótimo texto.

Beijos!

Mari Zavisch disse...

Oi, Alê!
Seu texto ficou ótimo! As autoras Christina Lauren fizeram um livro que trava dessa temática de uma forma bem legal e não fazem parte da comunidade. Espero que esse gênero seja melhor aproveitado e que traga umas verdades que tanto precisamos, né?! <3
Beijinhos,

Galáxia dos Desejos

Luana Martins disse...

Olá, Alê
Concordo plenamente com você.
Mais fácil classificar os livros como romance, ficção, e por ai vai do que como LGBT.
Quero que acabe com esse preconceito na literatura.
Beijos

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger