domingo, 30 de março de 2014

RESENHA: O Começo de Tudo

“Não sei bem se consigo apontar o momento exato em que comecei a ficar irreparavelmente diferente. Acho que não foi um momento, foi um processo. Uma reação química, se preferir.” (SCHENEIDER, 2014, p. 177)

***

Erza Faulkner era o atleta popular que acreditava que todo a pessoa, mais cedo ou mais tarde, vive sua própria tragédia pessoal. A sua foi um acidente de carro, que o afastou definitivamente das quadras de tênis e virou sua vida social do avesso. Ao voltar às aulas, Erza precisará conviver com as lembranças do que ele era, ao mesmo tempo em que começa a encontrar sua verdadeira identidade.

São poucos os autores que não utilizam a técnica conhecida como “pista e recompensa”, que consiste em deixar indicações, ao longo do texto, sobre algum acontecimento ou revelação importante que está por vir. A intenção é fazer com que tal evento não pareça ter vindo do nada, ao mesmo tempo em que permite o leitor participar mais ativamente na leitura.

Infelizmente, Robyn Schneider não soube dosar a quantidade de pistas no decorrer do livro, as quais, ainda por cima, se mostravam evidentes demais para um leitor acostumado com os “truques” deste gênero literário. Assim, alguns aspectos do livro perderam um pouco da sua graça em virtude da previsibilidade.

Embora a premissa não pareça ser a das mais originais, O Começo de Tudo se diferencia por apresentar como pano de fundo uma jornada de autoconhecimento e de construção da identidade. Afinal, quantas vezes deixamos as coisas que fazemos ou que gostamos nos definirem? E o que fazer quando tudo isto nos é tirado?

Apesar de apresentar elementos que permitissem a realização de profundas reflexões e questionamentos acerca de uma situação tão delicada, a autora pareceu não conseguir extrair todo o potencial que a estória lhe oferecia, sendo que caiu no lugar comum em certos momentos, utilizando-se de clichês desnecessários.

Ainda assim, o desfecho da obra foi surpreendente e me fez perdoar todo e qualquer deslize. A sensação que tive foi que os personagens haviam ganhado vida própria e que foram eles, e não a autora, que decidiram o rumo que suas vidas iriam tomar, o que tornou o desfecho extremamente verossímil.

Leve e despretensioso, mas com momentos de profundidade, O Começo de Tudo nos leva a refletir sobre quem verdadeiramente somos.

Título: O Começo de Tudo (exemplar cedido pela editora)
Autora: Robyn Scheneider
N.º de páginas: 288
Editora: Novo Conceito

9 comentários:

Gabriela Cerutti Zimmermann disse...

Gostei da premissa, me pareceu um bom livro apesar dos deslizes. Uma leitura a ser considerada. Ótima resenha.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Laura Zardo disse...

Eu amo livros reflexivos, e com certeza vou perdoar todos os clichês desnecessários, a falta de dosagem nas pistas, etc, porque realmente quando vi este livro e uma amiga que acabou de perder uma pessoa querida leu e disse que adorou, fiquei muito encantada. Acho que tem livros que podem ser fracos ou piegas, mas que acabam mexendo com a gente profundamente, e acho que é isso que vai acontecer comigo. Sei que estou colocando muitas expectativas, mas quando vejo este livro não consigo pensar outra coisa. ;)

Michelli Santos Prado disse...

Olá Alê!! Tudo bem??
Eu não conhecia o livro, mas gostei do que disse na resenha, ficou ótima! Gostei do tema, parece ser um livro interessante, gosto desses que nos dão sensação de aprendizado e nos trazem um lição entre suas páginas.
Já esta na lista de desejados!!

Nardonio disse...

Esse foi um dos lançamentos da Novo Conceito que não me chamaram a atenção, e continuo com a mesma opinião. Apesar de ter im final surpreendente e verossímil, todo o restante me parece meia-boca.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Desbravadores de Livros disse...

Bem trabalhada a resenha, Alê.
A ideia me chamou a atenção. Essa coisa de nos deixar levar por coisas que nos definem, porém, serem extirpadas de nós.
Bem interessante a forma que trabalhou.
Pensava que a NC só trabalhava com livrinhos clichês. Me surpreendi.
M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso Top Comentarista

Poison Girl disse...

Eu sinceramente ainda não tinha ouvido falar nesse gênero Sick-lit até ler uma resenha sobre este livro... É cada coisa que inventam! auhsuahsa
Desde que li em um blog sobre este livro eu fico pensando que ou a Cassidy está com uma doença terminal tipo câncer dos piores e vai morrer ou ela e Ezra não vão ficar juntos de qualquer forma.
Adorei o enredo mesmo achando que talvez eu acabe sofrendo enquanto o leio. Ele tem uma cara bem dramática!

Blog: http://worldbehindmywall.fanzoom.net/
Twitter: https://twitter.com/Blog_WBMW

Vinícius D. Costa disse...

Livros de mistério precisam ser bem dosados, vamos combinar, né? Se o autor não soube manejar a escrita neste nem vou perder meu tempo! Rs.
Abraço,
Vinícius - Livros e Rabiscos

Babi Lorentz disse...

Eu confesso que tinha me interessado pelo livro apenas pela capa, mas lendo sobre ele, fico pensando se eu realmente gostaria de ler ou não...
Beijos.

Lais Cavalcante disse...

O que realmente me atraiu nesse livro foi a capa. Assim que eu a vi já soube que ia curtir. Dito e feito. Adorei a premissa do livro, mesmo não sendo uma das mais originais ~como você disse ~. Mas gosto de livros que nos fazem refletir...

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger