sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

RESENHA: Filme Noturno

“Quanto mais perto você chega dele, a velocidade da luz diminui, a informação fica confusa, mentes racionais se tornam ilógicas, histéricas. É um espaço-tempo torto, como a massa de um sol gigantesco curvando a região que o cerca. Você se estica para pegar algo perto e descobre que nunca esteve ali.” (PESSL, 2014, p.336)

Ashley Cordova é encontrada morta aos 24 anos de aparente suicídio e sua morte desperta o interesse do jornalista investigativo Scott McGrath. McGrath tem um histórico com a família de Ashley já que o misterioso cineasta Stanislas Cordova, pai da moça, foi o alvo de uma investigação prévia que acabou custando o emprego e a família do jornalista há alguns anos. Para investigar Ashley, McGrath precisará adentrar mais uma vez o bizarro e aterrorizante mundo criado por Cordova em seus filmes e para isso contará com a ajuda de Hopper e Nora que tiveram contato com a moça pouco antes da sua morte.

O primeiro destaque de “Filme Noturno” é sua narrativa incomum, recheada de fotos, trechos de jornais, revistas e sites e diversos tipos de relatos e anotações. Além de deixar a edição linda, de alguma forma essa estratégia faz com que a história pareça ainda mais real, pois é como se a autora colocasse a investigação nas mãos do leitor tanto quanto a deixa na dos personagens, dizendo: “Você está em posse das mesmas evidências. Vá fundo e descubra por conta própria”. Outro fator que contribui para acreditarmos que tudo é real é contextualização dos filmes do Cordova. Conhecemos os roteiros de seus filmes, algumas histórias de bastidores e vemos o tempo inteiro menções a filmes que de fato existem. Assim, é fácil acreditar que a obra do diretor é real e, a partir do momento em que se acredita nisso, se acredita em todo o resto, o que faz de “Filme Noturno” uma experiência que absorve o leitor para dentro de suas páginas e não o deixa sair até o final.

O ritmo é envolvente desde as primeiras páginas e mesmo não contando com reviravoltas de tirar o fôlego a trama não decepciona, pelo contrário. Ao invés de guardar surpresas para o final, o que Marisha faz é espalhar informações ao longo do livro e juntá-las aos poucos, até que no final tudo faz sentido. Ainda assim, a autora brinca com o leitor e o surpreende, mostrando a engenhosidade de sua trama. A verdade é que “Filme Noturno” conta uma história que poderia ter dado muito errado, mas Marisha Pessl acerta em cheio na execução. Tudo soa tão real que eu acabei aceitando algo que jamais aceitaria em outros livros. Isso porque não parece que o desfecho é algo que alguém escolheu para uma história e sim o que de fato aconteceu aos personagens. Na verdade, é de maneira geral Marisha se revela hábil em fazer o leitor acreditar que o que está lendo não é apenas uma história inventada para um livro.

Os personagens são poucos, mas todos bem construídos. Quanto ao trio protagonista, Hopper (o que mais se destacou para mim) é o mais misterioso a princípio devido ao seu passado e seu relacionamento com Ashley; Nora é a menina que vai para Nova York tentar a vida como atriz e aos poucos mostra o seu valor e cativa ambos os personagens; McGrath é aquele que decide descobrir a verdade e irá até o fim para encontrá-la. Sendo o protagonista e narrador, achei curioso que fosse o menos interessante dentre os três, mas isso possivelmente se dá porque, acompanhando a história por seu ponto de vista, qualquer mistério sobre ele se perde, já que temos acesso à sua consciência, enquanto a dos outros é revelada aos poucos.

Mas a essência da história está mesmo em Ashley e Cordova (esse último o responsável por me deixar mais curiosa a cada página, na expectativa de conhecê-lo ou, pelo menos, entendê-lo melhor). Cordova é o mistério a ser revelado. A história é misteriosa porque ele é.

O que torna o livro interessante desde o começo é que as duas histórias (da morte de Ashley e do universo criado por Cordova, tanto em seus filmes quanto ao seu redor) se entrelaçam e é difícil dizer sobre qual se trata o livro já que uma se sobrepõe a outra o tempo todo. Eu diria que a história é sobre o diretor e que Ashley é a desculpa para ela nos ser contada. Recluso, intenso, a favor de experiências que tirem as pessoas de suas zonas de conforto, as deixando perturbadas sem jamais poderem voltar a serem as mesmas. Esse é Stanislas Cordova. Esse é o mundo que cria em seus filmes, que cerca os que têm contato com sua obra, que McGrath, Nora e Hopper se propõem a adentrar e que Marisha Pessl tenta trazer para o leitor. Mas não entenda com isso que o livro é assustador. Mesmo se valendo de temas como o sobrenatural, ocultismo e rituais e girando em torno do bizarro, o livro está longe de ser classificado como terror, sendo apenas um bom suspense.

Enigmático e envolvente. Esse é “Filme Noturno”.

Título: Filme Noturno (exemplar cedido pela editora)
Autora: Marisha Pessl
Nº de páginas: 624
Editora: Intrínseca

20 comentários:

Gabriela CZ disse...

Esse livro só conquistou meu interesse depois que vi alguns comentários. Mas a forma como você falou dele me deixou verdadeiramente curiosa, Mari. Me parece que por incluir fotos e trechos de jornais e revistas deixa a trama um tanto interativa. E com suspense deve ser melhor ainda. Quero conferir. Ótima resenha.

Abraço!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Maria Martins disse...

Toda vez que eu olho para este livro na livraria, tenho vontade de lê-lo, achei muito interessante a maneira que ele foi feito. Um dia vou ler ^^

http://refugiorustico.blogspot.com.br/

Jessica Oliveira disse...

Oi Mari, apesar do livro não ser do meu gênero de leitura, fiquei bem curiosa depois da tua resenha. Vou anotar a dica aqui e assim que tiver uma oportunidade irei lê-lo.

Beijos!
Books and Movies
www.booksandmovies.com.br/

Juliete Souza disse...

Oii!!!

Fiquei um pouco curiosa sobre essa história, mas realmente livros com tons de muito suspense ou partes em terror não me motivam a ler. A historia parece bem elaborada, caracterizada e, o melhor, que prende o leitor, mas acredito que não seja para mim hehe.

beijos

Se quiser seguir meu blog, avisa que te sigo de volta.

http://mundo-restrito.blogspot.com.br

Tem Twitter?
@rs_juliete

Mariana Ogawa disse...

adorei a resenha!!
é a segunda resenha desse livro que eu leio eu já tinha ficado muito curiosa, mas com essa resenha dizendo que a narrativa é incomum cheias de tipos de textos diferentes, eu fiquei preciso ler esse livro!
adorei os comentários sobre os personagens! e a ideia de duas histórias adorei!
aff e minha lista agora continua crescendo!

RUDYNALVA disse...

Mari!
Fiquei até sem fôlego...Fazia tempo que não lia uma resenha de livro de suspenso tão intenso e quase beirando a realidade.
Acredito que o autor chegou bem próximo de escrever um 'filme' ao inserir a vida e os filmes de Cordova e entrelaçar a história com a morte de Ashley.
E se tem uma pitadinha de sobrenatural, ocultismo e rituais me conquista ainda mais.
cheirinhos
Rudy

D e s s a disse...

Oii!
Nem estou louca para ler esse livro né? Não... u_u "Foi encontrada morta..." Opa, vai ter mortes e investigações e mais um bando de coisas malucas já quero! rsrs
É a primeira resenha que leio, nem sabia sobre o que se tratava o livro, e já fiquei hiper curiosa para conhecer.
bjs
www.apenasumvicio.com

Nardonio disse...

Muito massa a ideia que a autora teve de entregar todas as informações sobre o caso nas mãos do leitores, e deixar que eles façam parte da investigação também. Outro ponto interessante foi fazer esse entrelaçado entre a morte/suposto suicídio e o universo de Cordova. Enfim, espero ler muito em breve, pois me amarro em um belo suspense.

Seguidor: DomDom Almeida
@_Dom_Dom

Luan Sampaio disse...

Oi Mari! Tudo bem?
Eu já tinha visto esse livro em outros blogs, mas não li as resenhas, só fui vendo as fotos (rs). Esse livro parece ser interessante, personagens bem constituídos, mistério e diagramação perfeita, já quero! E ah, isso é muito bom quanto o leitor participa do livro com toda a investigação, isso é bem bacana! Outra coisa boa é por conta de poucos personagens, para a gente não ficar tão perdido, sabe?! Adorei sua resenha e fiquei muito curioso com o livro!
Beijos,
http://umgrandevicioliterario.blogspot.com.br/

Lucas Kammer Orsi disse...

Oi Mari

fiquei hiper mega curioso pela leitura. Primeiro pela história de crime um tanto diferenciada e todo esse negócio de uma sobrepor a outra. Segundo, pela edição, repleta de fotografias, notícias de jornais e ilustrada. Não conhecia o livro, mas já está anotado na lista de desejados!

Beijos,
Lucas
ondeviveafantasia.blogspot.com.br

Sil disse...

Já tinha lido um outra resenha desse livro e me interessado muito. Adoro livros de suspense e esse me pareceu ser muito bom. Adoro livros assim que vamos recebendo as pistas ao longo do livro para tudo se encaixar no final.

Blog Prefácio

Vitória Pantielly disse...

Oi Mari !

Interessante o fato do livro ser cheio de fotos, trechos de jornais, etc. Como você disse (e eu concordo totalmente), deixa tudo mais real .. McGrath é um personagem que já me já me cativou, gosto quando autores criam protagonistas que vão atrás do que querem. Envolvente .. bastou isso para me convencer a ler o livro!

Bjs.
Passeando com os livros

Francielle Couto Santos disse...

Mari,

Achei bem bacana essa junção da história com fotos e trechos de jornais, revistas e sites... dá um tom mais dinâmico, não? E saber que são poucos personagens é algo bom. Às vezes é melhor porque as atenções centram no que realmente interessa ali... enfim, gostei bastante. Proposta envolvente.

Ótima resenha!

Abraços,
http://universoliterario.blogspot.com.br/

Ana Lima disse...

Oláaa,
Eu não gosto desse gênero, mas eu sempre falo que eu tenho que dar uma chance, sabe? Então, porque não?? Achei bem legal a premissa e a ideia de colocar as fotos, deixa tudo mais legal. Espero ler, quem sabe!
Beijos ❤️

http://our-constellations.blogspot.com.br/

Elisa disse...

Eu já li outras resenhas positivas sobre esse livro e agora estou mais curiosa do que nunca para conhecer a história e, principalmente, para descobrir os mistérios de Cordova. Mas, mesmo que ele esteja mais para suspense do que terror, eu sou o tipo de pessoa que provavelmente ficaria uns dias sem dormir após a leitura, haha.

The Fat Unicorn

Joice Ol. disse...

Oi, tudo joia?
É a primeira vez que vejo sobre esse livro, gostei bastante da sua resenha, não faz muito o meu tipo de leitura, mas acho que tentaria ler numa boa hahaha;

Beijos
intoxicadosporlivros.blogspot.com.br

Desbravadores de Livros disse...

Olá, Mari.
A estrutura desse livro parece ser bem diferente, principalmente por causa dessa "notícias" que são colocadas no livro. E sabendo que os personagens são bons, a vontade de ler se torna ainda maior.
Excelente resenha.

M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de março. Você escolhe o livro que quer ganhar!

Paula de Franco disse...

Oi, Mari.

Na hora que eu li lá no começo na resenha "aparente suicídio" já fiquei curiosa. Adoro livros que abordam esse tema. Achei interessante o livro abordar duas histórias que se intercalam depois. Pela capa nunca compraria esse livro, mas depois da resenha estou bem tentada a adquirir esse exemplar.

Beijos.
Visite: Paradise Books BR

Criticando por aí - Caroline disse...

Oi Mari! Ainda não tinha ouvido falar deste livro, acredita? Mas super curti a premissa, acho que adoraria lê-lo. Quando li o título do post, achei que era um filme rs.

Beijos,
Caroline, do criticandoporai.com.br

Teca Machado disse...

Um dos meus tipos de livros preferidos.
Quero ler, Mari.
Não conhecia o livro ainda, mas já gostei, ainda mais por causa da sua opinião tão boa.
Adoro livros assim, que o autor vai jogando informações e depois junta tudo. Bem estilo Harlan Coben, né?

Beijoooos

www.casosacasoselivros.com

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger