sábado, 7 de março de 2015

RESENHA: It, A Coisa

“— [...]. A história de uma cidade é como uma mansão velha e irregular cheia de aposentos e buracos e passagens de roupa suja e sotãos e todo tipo de pequenos esconderijos excêntricos... sem mencionar uma ocasional passagem secreta ou duas. Se você for explorar a Mansão Derry, vai encontrar todo tipo de coisas. Sim, Pode se lamentar mais tarde, mas vai encontrar, e quando uma coisa é encontrada, não pode mais ser desencontrada, pode?” (KING, 2014, p. 155). 

***

It, A Coisa entrou na minha lista de desejados após descobrir que o livro era considerado por muitos fãs de Stephen King como um dos melhores de sua autoria, ao lado de Dança da Morte e O Iluminado

Em 1958, a pequena cidade de Derry é assolada por uma série de assassinatos. Naquele verão, Bill, Richie, Stan, Mike, Eddie, Ben e Beverly se tornam amigos e decidem enfrentar a Coisa. Vinte e sete anos depois a Coisa volta a atacar, sendo que Mike foi o único a permanecer em Derry. Como os ataques não param, Mike é obrigado a contatar seus amigos e cobrar uma promessa que fizeram quando crianças. 

King é um dos poucos autores que tem a capacidade de escrever livros extensos, mas conseguir manter a atenção do leitor presa do início ao fim. Por isso, nunca tive receio de ler livros do autor por conta do tamanho, pois por maior que sejam, a leitura sempre é ágil e dinâmica. Infelizmente, o mesmo não pode ser dito sobre It, A Coisa

A meu ver, as primeiras quinhentas páginas (ou até mais) constituem a introdução ao mote da trama, apresentação dos personagens e contextualização da estória. Honestamente, quinhentas páginas disso é demais até mesmo para um autor competente como King. Assim, sentia que lia capítulos e mais capítulos e a estória não engrenava. 

O fato do autor ter optado por intercalar o livro entre os acontecimentos de 1958 e os de 1985 me pareceu ser um tiro no pé, afinal, fez-se necessário apresentar os protagonistas quando crianças e quando adultos, assim como mostrar o que desencadeou os eventos em ambos os momentos. Ou seja, é como se o livro tivesse dois começos. 

Outro fator que me desagradou foi a quantidade excessiva de protagonistas. Claro que quando se trata de Stephen King, livro com muitos personagens geralmente é a regra, mas ao criar um núcleo central com sete personagens, tornou-se muito mais difícil estabelecer uma conexão com cada um deles. No início da leitura, cheguei até mesmo a confundir alguns personagens. A meu ver, um dos antagonistas (e não me refiro a Coisa) brilhou muito mais do que os protagonistas. 

Um dos motivos decisivos para ler It, A Coisa é que este livro, supostamente, tende mais para o terror e faz tempo que tenho vontade de ler alguma obra do King que me fizesse sentir medo. Não foi o que aconteceu. Apesar de alguns momentos mais tensos, não me vi obrigado a interromper a leitura em nenhum momento, não me sobressaltei por causa de um barulho inesperado na calada da noite, tampouco tive de dormir com a luz acesa. Embora a Coisa seja uma entidade bizarra e medonha, suas aparições na estória não me apavoraram, apesar de que sua presença fosse suficiente para deixar a cena mais interessante. 

Depois de altos e baixos, foram nas últimas duzentas páginas que finalmente pude exclamar: “Esse é o King que eu conheço!”. Mesmo com uma melhora significativa, a verdade é que depois de uma leitura tão arrastada e cansativa, simplesmente não me importava mais com a estória, sendo que meu único objetivo era encerrar a leitura. O desfecho, embora forneça respostas, não me empolgou tanto quanto o esperado. 

Não posso deixar de registrar que me parece que It, A Coisa conta com um furo na trama. Em certo momento, King afirma que a conduta dos personagens vai acarretar em determinada consequência. Mas, para minha surpresa, tal consequência não ocorre. Não sei se deixei passar alguma informação ou se de fato encontrei um “plot hole”. 

É com um aperto no coração que digo que não gostei de It, a Coisa. Não me conectei com os personagens, não me envolvi com a estória e não senti medo. Encerrei a leitura me perguntando como este livro pode ser considerado por tantos fãs como uma das obras primas de Stephen King. 

Título: It, A Coisa
Autor: Stephen King
N.º de páginas: 1102
Editora: Suma de Letras

20 comentários:

Matheus Braga disse...

Hey Alê, tudo bem?

Por isso que tenho uma certa predileção para os filmes adaptados de obras do SK do que pelos livros propriamente ditos, por mais que a escrita dele seja muito bem estruturada, acho que ele enrola demais em alguns momentos e usa um excesso de páginas para narrar a história de vida dos personagens, suas infâncias, os cenários que os rodeiam, etc, e nos último capítulos dá uma mudança repentina de ruma e desenvolve a história de uma vez, deixando a obra um pouco desproporcional quanto a dinâmica.

Olha pelo lado bom, mesmo não gostando da obra, a capa dessa nova edição é linda, completamente creepy, mas linda. Se quer um pouco de medo, leia Quase Mortos ou Dark House, garanto que toda vez entrar em um quarto escuro vai achar que está sendo observado por uma criança satânica que veio buscar sua alma HAHAHAH

Abraços,
Matheus Braga
Vida de Leito - http://vidadeleitor.blogspot.com.br/

Kétrin Galvagni disse...

Oi Alê, eu AMO os livros do King, sou totalmente apaixonada pela escrita dele e por suas histórias incríveis, posso dizer que ele é meu escritor preferido! Nunca li It A Coisa, mas quero ler esse ano ainda :D

Beijos

http://www.oteoremadaleitura.com

Tamires Cipriano disse...

Olá Alê, tudo bem?

Eu amei tua resenha e já havia lido anteriormente de minha colunista Pati no blog dela, eu sou mais fã dos livros do filho dele, Joe Hiil, mas já me indicaram King várias vezes... Os filmes baseados nos livros dele são maravilhosos e te compreendo, ler algo de mais de 1000 páginas e enrolar, não conseguir engrenar e as personagens (que e uma marca do autor) serem muitas e tudo mais, teria me feito abandonar rs, bom saber que igualmente a mim, mesmo que tudo ocorre, faça para encerrar a leitura, afinal, pode ser que o fim seja muito bom como It para você.

Grande beijo e ótima semana!
De tudo um pouco

Helana Ohara disse...

Olha,
bem vindo ao clube. It, a coisa é maçante.
Não entendi porque um livro tão grosso para uma história tão sem noção. Lembro-me que quando o li e tem muito tempo, fiquei nem decepcionada. Porque no meu ver,a história de longe poderia ter no máximo umas 400 páginas e deu!


Beijinhos, Helana ♥
In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

Teca Machado disse...

Alê, como eu sou medrosa, não sou de me aventurar em livros de terror, mas queria muito ler algum do Stephen King.
Depois da sua resenha, não vai ser It - A Coisa.
500 páginas de introdução é demais até para quem adora ler os calhamaços de Game of Thrones, meu caso.
Bom, acho que vou ter que ler outro do mestre do terror que não seja esse.

Beijooos

www.casosacasoselivros.com

Elisa disse...

Eu tenho tanto medo de filme de terror que nunca nem cogitei ler um livro do tipo, mas vou precisar ler um daqui há certo tempo para um desafio literário e já tinha certeza que precisava ser do Stephen King (que não pode ter ficado tão famoso sem motivo). Já sei que não vai ser A Coisa! Acho que a única coisa pior do que chorar lendo é arrastar a leitura em tédio.

The Fat Unicorn

Ana Lima disse...

Oláa,
Eu nunca li nada do autor, mas o admiro muito. Sou muito medrosa, sabe? Então não rolaria, hahaha Mas sabe aquelas pessoas que ficam cutucando algo que está quieto? Então, sou eu mesma. Morro de medo mas fico procurando foto e mais coisas sobre A Coisa. Acho que não rolaria ler. Não esse livro. Estou de olho em Sob a Redoma, que deve ser muito bom. Mesmo assim, fico receosa por conta do seu tamanho... Bem, já sei que não lerei esse livro, infelizmente.
Beijos,

http://our-constellations.blogspot.com.br/

RUDYNALVA disse...

Al~e!
coisas de leitor, não é mesmo? Na verdade os fãs mais acirrados gostam de qualquer livro escrito por King.
Não tive coragem ainda de encarar IT, não pelo volume, porém pela falta de oportunidade mesmo... além do que assisti o filme e não gostei tanto quanto imaginava, então, fico protelando a leitura do livro.
É como Misery... o começo foi bem arrastado também, embora melhore do meio para o fim, mas como tinha assistido o filme, achei até um tanto tedioso, acredita?
Desejo uma semana cheinha de energia positiva!
Cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

Gabriela CZ disse...

Confesso que sempre tive um pé atrás com esse livro por não gostar de palhaços. (Eu sei, é ridículo.). Mas seus comentários me fizeram ficar com os dois pés atrás, Alê. 500 páginas só de introdução? Não tenho preguiça, mas me entedio fácil. O excesso de personagens também pesa. Por mais que eu queira ler o máximo possível dos livros de King, acho que passarei esse. Ótima resenha.

Abraço!

Mariana Ogawa disse...

Eu tenho os meus altos e baixos com vontade de ler o King, sabe "ah achei interessante o resumo" ai vc ver olha de novo e acho que não...
o It, eu fiquei com os dois pés atrás quando eu descobri que tinha palhaço, eu acho palhaços a coisa mais sei lá (vendo o comentário da Gabriela e somos duas eu odeio palhaços enfim)
eu tava querendo ler alguma coisa do king esse dias (como eu disse: altos e baixos, atualmente estou na fase do altos) mas definitivamente passar 500 páginas de introdução eu pulo...
sem falar q +1000 páginas os comentários tem ser muito positivos (eu não tenho problemas com livros grandes, mas atualmente eu quero uma leitura mais rápida...)

Wislanny Martins disse...

Nunca li nada do autor, confesso que por medo mesmo, mas sempre fiquei interessada nesse (aliás, acho essa capa sensacional). Não sabia que o livro se desenrolava dessa maneira, com certeza essa não será mais minha primeira leitura do autor, pelo que li conseguirei me embananar um pouco com os personagens. Contudo, espero poder algum dia conhecer o autor.

Beijos!
livrosdawis.blogspot.com.br

Anelise santana disse...

Assisti o filme e não gostei tanto assim, esperava bem mais da história... Tenho muita curiosidade em ler algum livro do King, todo o mundo coloca o autor lá em cima, mas eu não começaria com It, a coisa, realmente não deve ser o melhor livro do King.

Samanta Olimpio disse...

Oiiii,
A que pena que não apreciou tanto o livro, simplesmente amooo os livros do King.
Tem um estilo único, alguns são melhores que os outros, mas todos queridos.
Beijos.

http://ateliedoslivros.blogspot.com.br/2015/03/resenha-coracao-ferido.html

Andy Nantes disse...

Oi Alê, tudo bem?
Ahhh que pena que você não gostou. Ainda não li nada do King e tenho muita curiosidade, estava pensando em começar por It - A Coisa, mas agora fiquei receosa, rs, minha segunda opção era Sob a Redoma . Poderia me indicar um dos livros dele para eu 'entrar nesse mundo'?
Abraços,
Andy - StarBooks

Camila Monteiro disse...

Nossa que triste que não curtiu o livro, certamente é o meu preferido dele até hoje. Me surpreendi com tua opinião sobre a história ser arrastada, já que eu li e um tiro só! Hahaha
As King é iso, divide opiniões mesmo, de qualquer forma sua resenha foi excelente. Parabéns! Bjs

www.vidacomplicada.com

Camila Monteiro disse...

Publiquei 40 vezes o mesmo comentário Hahaha
desculpe

Unknown disse...

Concordo totalmente com você. É uma leitura muito extensa massante, cheia de uma tentativa de suspense que não chega a despertar realmente isso no leitor, e o final é muito sem sentido. Só conclui por que não gosto de deixar nem um livro pela metade.

Wanessa Oliveira disse...

Concordo totalmente com você. É uma leitura muito extensa massante, cheia de uma tentativa de suspense que não chega a despertar realmente isso no leitor, e o final é muito sem sentido. Só conclui por que não gosto de deixar nem um livro pela metade.

Minúsculas Manivelas disse...

Nossa, uma das primeiras pessoas dentro do mundo dos blogs que encontro cuja opinião vai ao encontro da minha perfeitamente. Achei o livro muito arrastado(se fosse por mim, cerca de 1/3 de toda a história poderia ser muito bem resumida ou descartada, simplesmente por não acrescentar muito à trama central) e os personagens, por mais que tivessem sido bem introduzidos, não me cativaram exatamente porque cansou. Cansei de ter lido este livro, e tive uma decepção gigantesca com o final da história, o que para mim levou It, a coisa, para um espacinho da minha estante que chamo de "limbo". Ele vai ficar lá até achar alguém que queira comprar ou trocar...
André Luiz, do blog literário
www.minusculasmanivelas.blogspot.com

Rafael Rodrigues disse...

Qual foi o plot hole que você encontrou? Li o livro e não notei nada do gênero, talvez eu tenha deixado passar.
Abraço
naciadelivros.blogspot.com.br

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger