quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

RESENHA: Os Filhos da Noite

“Você faz cagada porque essa é a sua natureza. Porque bem lá no fundo você se sente culpado pelo que faz, então quer ser pego. Na área em que atuamos, porém, é preciso encarar nossa culpa ao fim de cada noite. Manuseá-la, formar com ela uma bola. E depois jogá-la no fogo. Só que você, você não faz isso, então passou a sua curta vida inteira esperando alguém vir puni-lo pelos seus pecados. Bem, esse alguém sou eu.” (LEHANE, p.88, 2013)

Ainda impactada pela excelente leitura de “Sobre Meninos e Lobos” decidi que já que não me livraria tão fácil dos personagens criados por Dennis Lehane eu bem que poderia ler outro de seus livros. Foi nesse espírito que “Os Filhos da Noite” caiu em minhas mãos. O resultado: preciso me redimir com Lehane e assumir que virei sua fã.

Boston, 1926. No auge da Lei Seca, o que não falta são bares clandestinos, operações ilícitas e oportunidades para jovens como Joe Coughlin trilharem seu caminho dentro do crime organizado. Cercado de amigos leais, inimigos implacáveis, policiais corruptos e femmes fatales, Joe irá descobrir que o melhor é aproveitar os dias ao máximo, pois nesse ramo não se pode esperar que eles sejam muitos.

A primeira página de “Os Filhos da Noite” basta para cativar o leitor (ainda mais se ele, assim como eu, adora histórias de máfia e literatura noir), pois já é possível ver que Lehane usará todos os elementos típicos das histórias de gângsters, os somará aos típicos do noir e aos que são característicos de sua própria obra e mesclará tudo isso com perfeição. Com uma cena repleta de ação, tensão, diálogos ágeis e temperados com ironia, Lehane mostra a que veio e deixa o leitor completamente envolvido. Dali para a frente, o que se pode esperar é mais e é justamente isso o que move esses personagens: a busca por mais. Ambição, orgulho e sentimentos intensos é o que eles levam em suas bagagens em uma jornada na qual os desafios mudam, os inimigos vem e vão, mas o objetivo é sempre o mesmo: ganhar dinheiro e sobreviver.

É nesse contexto que surge Joe. Um sujeito nem bom nem mau, mas que vive momentos de bondade e de maldade e na soma deles vai trilhando seu caminho, lutando uma batalha de cada vez. Durante muito tempo, Joe quer acreditar que não é um gângster e sim um mero fora da lei. No fim das contas, Joe nada mais é do que um sujeito que aprende a jogar as regras do jogo e a vencer.

Junto com Joe surgem homens violentos, homens leais e mulheres sedutoras, sendo que todos podem trocar de lado a qualquer momento, pois o mútuo-benefício é válido até deixar de ser.

Cenas que já vimos inúmeras vezes nas telas de cinema e que são típicas dessas histórias ganham espaço (o cara sentado no escuro com a arma apoiada na perna e apontada para o inimigo que será pego de surpresa e não sairá vivo da situação, é um bom exemplo), mas nem por isso caem no clichê nem seus personagens se reduzem a caricaturas, tudo graças a habilidade do autor.

E por falar em habilidade, o que mais me agrada nas histórias de Lehane é que nada é preto ou branco. Essa escala de cinza se aplica tanto à personalidade dos personagens quanto ao que acontece com eles (e final feliz é algo que não consta no repertório desse autor). Assim, o que temos são personagens que vivem um dia após o outro, tentando fazer o certo conviver com o errado, sem esperança de que no final o saldo seja positivo.

Longe de ter a carga dramática de “Sobre Meninos e Lobos”, o livro se destaca pela ambientação de época baseada em uma extensa pesquisa do autor. Embora seja uma história independente, “Os Filhos da Noite” foi escrito como uma continuação de “Naquele Dia”, considerado o livro mais ambicioso de Lehane, no qual ele apresenta um panorama dos Estados Unidos (Boston, especificamente) após a Primeira Guerra Mundial.

Eu diria que é quase impossível ler “Os Filhos da Noite” e não enxergar ali um roteiro cinematográfico. O bom é que logo se poderá ver o filme também. Em 2016 chega aos cinemas a adaptação dirigida, roteirizada e protagonizada por Ben Affleck (que também dirigiu o ótimo “Medo da Verdade”, inspirado no livro “Gone, baby, gone” de Lehane). O elenco conta ainda com Zoe Saldana e Siena Miller como os interesses amorosos de Joe nesta que é a primeira produção de Affleck como diretor desde o premiado “Argo”.

Título: Os Filhos da Noite (exemplar cedido pela editora)
Autor: Dennis Lehane
N° de páginas: 475
Editora: Companhia das Letras

23 comentários:

Nana Barcellos disse...

Oi Mari,
Adorei o quote da introdução!
Não li nada do autor ainda, mas já li sobre e ele e tenho curiosidade em conhecer seus livros.
Gostei do que li em sua resenha e quem saiba eu consiga ler esse, antes de sair o filme.

tenha um ótimo final de semana.
Nana - Obsession Valley

Gabriela CZ disse...

Depois dessa preciso mesmo conferir a escrita de Lehane, Mari. Seus comentários me fazem acreditar que tenho tudo pra gostar de seus livros. As reflexões, os personagens instintivo, a narrativa, tudo. Preciso procurar logo. Ótima resenha.

Abraços!
http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

Michelle disse...

Ainda não li nada do Lehane. Só conheço suas histórias que foram parar nas telas. Como gosto muito de histórias policiais, de gângsteres e noir, acho que vou gostar dos trabalhos dele. E não sabia que em breve haverá estreia de mais uma adaptação. Preciso conhecer a escrita do autor o quanto antes!
bjo

Vida de Leitor disse...

Não gosto muito desse tipo de livro, mas gostei bastante da sua resenha. Fiquei interessada.

Beijos,
Natália.
http://doprefacioaoepilogo.blogspot.com.br

Dan Igor disse...

Nunca li um livro desse gênero, com gangster e máfia envolvidas, mas parece ser uma ótima leitura de ação para quem curte. Ótima resenha, faz a gente ficar com vontade de ler! Fiquei bastante interessado.
Abraços

Ycaro Brito disse...

Oi, Mari. Eu gosto bastante de sair da rotina e ler um belo policial. Por este e outros motivos, Os Filhos da Noite me encantou. Gostei da proposta do autor em manter a ação desde a primeira página para prender o leitor e deixar todos curiosos com as próximas situações. Joe é sem dúvidas um bom personagem, com suas duas faces consegue ganhar a admiração do leitor bambeando entre os dois lados. Ótima leitura!
Blog: Consumidor de Sonhos | consumidordesonhos.blogspot.com.br
Instagram: Consumidor de Sonhos | CdS

Diane disse...

Oi ...
Gostei bastante do livro ! O que mais achei interessante foi o fato do protagonista não ser aquele bonzinho chato rsrs ... É sempre bom variar :)
Beijos

http://coisasdediane.blogspot.com.br/

Luiza Helena Vieira disse...

Oi, Mari!
Desde sua resenha de Sobre Meninos e Lobos, fiquei super interessada em ler alguma obra do Lehanne.
Curto muito personagens que não são nem bons nem maus... São só sobreviventes. Esse livro me pareceu ser assim.
Beijos
Balaio de Babados | Participe da promoção Natal do Babado

Vanessa Vieira disse...

Gostei da resenha Mari. Parece ser uma excelente leitura, além de possuir muitos dos elementos que me agradam em um livro. Dica mais do que anotada. Beijo!

www.newsnessa.com

Silviane Casemiro disse...

Oi, Mari! Eu li um livro do autor e gostei bastante, ainda quero ler outros. Acho que seu blog é o único que eu vi resenha deles e gosto da forma como você comenta sobre o livro. A premissa desse, para ser honesta, não me chamou muito a atenção em um primeiro momento mas de todo modo parece ser excelente.

Beijos
SIL ~ Estilhaçando Livros

Karina Valshe disse...

Nunca tive oportunidade de ler nada do autor, mas já ouvi falar de alguns de seus livros. Sua resenha me deixou bem curiosa quanto a Os Filhos da Noite, e descreveu de tal forma os personagens e parte do mundo em que vivem, que já tinha a impressão que daria um belo enredo cinematográfico, tanto que não fiquei surpresa quando disse que seria adaptado. Não curto muito adaptações, então é bem provável que eu leia o livro antes de assistir ao filme.
Abraços

Sil disse...

Olá, Mari.
O diferencial do blog de vocês sem duvida são as resenhas de livros. Além de não ficar só no enredo, vocês apresentam livros que não estão na moda hehe. Eu já gostei muito de livros como esse, mas no momento estou naquela de querer livros com finais felizes, por isso nesse momento eu não leria. Mas preciso conhecer a escrita do autor.

Blog Prefácio

Tony Lucas disse...

Oi, Mari! Tudo bem? Adorei a premissa do livro e vibrei ao saber que em 2016 terá uma adaptação dele estrelada e produzida pelo Ben Affleck (que eu adoro)! Vou ver o longa e se curtir a história (o que é quase certo), procurarei o longa! Parabéns pela resenha! :)

Abraço

http://tonylucasblog.blogspot.com.br/

Elder Ferreira disse...

Essa é a minha vida... enxergar roteiros para filmes em obras que eu sei que nunca virarão filmes, daí fico sofrendo calado.

Ainda que o Lehanne tenha uma carreira até bem prolífica nunca assisti nenhum filme dele ou li alguma de suas obras... talvez seja hora de mudar isso.

Elder Ferreira

RUDYNALVA disse...

Mari!
Gosto também de livros de gangsters e do início do século XX, onde havia lei seca e tudo voltado para o comércio contrabandista.
E gosto também quando podemos analisar a personalidade das personagens, que como falou, não são bons ou maus, mas vivem situações boas e más.
Não li nada do autor ainda, mas gostei que ele não deixa a história cair...
“Temos o destino que merecemos. O nosso destino está de acordo com os nossos méritos.” (Albert Einstein)
cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
Participem do nosso Top Comentarista de Dezembro, serão 6 livros e 3 ganhadores!

Carla A. disse...

Nunca li nada do autor, apesar de já ter ouvido muito falar a respeito de "Sobre meninos e lobos", que você citou. Fui lendo a resenha e tendo cada vez mais a sensação de que eu gostaria mais de ver essa história no cinema do que nas páginas de um livro. Mas só porque esse gênero não me atrai.

Beijos, Entre Aspas

Alessandra Fernandes disse...

Mari, como você mesma falou, é impossível ler um enredo como este e não imaginá-lo em uma tela de cinema. Posso dizer o quanto esse gênero literário é fantástico e envolvente com cenas cheias de ação e tensão é um dos meus preferidos, e por saber o quanto você gostou desse, posso afirmar que, se eu tiver a oportunidade, com toda certeza irei lê-lo.
Bjs!

Gus disse...

Não conhecia o autor, mas acho que esta na hora de mudar isso ne? Adorei a premissa do livro e sua resenha me fez querer muito ler o livro. Adorei :)

www.cidadedosleitores.blogspot.com

Carolina Garcia disse...

Oi, Mari!!

Eu só conhecia a ideia do filme que será lançado e nem tinha buscado saber mais do livro, até porque estou sem grana extra no momento.
Mas a sua resenha está ótima e eu fiquei com muita vontade de ler o livro. Parece ser completamente viciante e empolgante.

Um livro bom é um livro bom, né? Independente do gênero.
Vou anotar a dica para a lista de compras futuras.

Bjs!

livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

Patrini Viero disse...

Esse autor me surpreendeu intensamente no seu primeiro livro que chegou até mim, Sobre Meninos e Lobos, e é impossível não ficar curiosa para conhecer mais de suas narrativas. Confesso que não sou a maior fã de história sobre máfia, mas de alguma forma essas intrigas políticas e sociais acabam me atraindo e envolvendo. Gostei, principalmente, da construção dos personagens baseada em características extremamente reais e identificáveis em nós mesmos, até mesmo o fato de não existirem finais completamente felizes é bastante plausível e real. Estou ansiosa pelo filme, não sabia que ele era baseado em um livro! rs

suzana cariri disse...

Oi!
Ainda não li nada do Dennis Lehane, mas gostei bastante desse livro já ouvi varias referencias a esse período da Lei Seca em series de tv americana mas nunca li nada desse período ainda mais nesse clima de máfia me deixando muito interessada se tiver oportunidade irei ler esse livro !!

Samira Hammoud disse...

Não conheço nada do Lehane, mas me pareceu legal, parece que tem um pouco de investigação!

Amanda Ferreira disse...

Eita gente, parece que a maioria da resenhas que leio aqui tratam do mesmo gênero policial ou investigativo ou gângster :(
Eu realmente não me interesso por esse gênero, preciso encontrar um livro maravilhoso que me faça entrar nesse mundo, porque nem filmes assim eu gosto de assistir :(
No mais, as resenhas de vocês são muito bem escritas e em algumas fiquei com muita vontade de saber mais sobre os livros :)

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger