segunda-feira, 6 de agosto de 2018

RESENHA: O Desfile de Páscoa

O Desfile de Páscoa / Richard Yates
Em 2017, elegi “Foi apenas um sonho” como a minha segunda melhor leitura do ano. Desde então, fiquei na expectativa de ter em mãos outro livro humano e envolvente escrito por Richard Yates. O escolhido foi “O Desfile de Páscoa”.

Sarah e Emily são duas irmãs completamente diferentes. Sarah é linda e carismática e ainda jovem se casa com o homem perfeito, tem três filhos e se muda para uma grande propriedade da família dos seus sogros. Já Emily observa o comportamento da irmã na esperança de um dia ser como ela, mas quando adulta decide trilhar um caminho diferente, focando na carreira e se envolvendo em relacionamentos que nunca duram muito tempo.

“Nenhuma das irmãs Grimes teria uma vida feliz e, olhando em retrospecto, sempre pareceu que o problema começou com o divórcio de seus pais.” É com essa frase que Yates dá início à jornada de Sarah e Emily e mostra, mais uma vez, que o forte de seus livros são os seus personagens. Não é o que acontece com elas que move o leitor e sim quem elas são diante das situações. O livro é sobre Sarah e Emily e sobre como elas passam pelo mundo.

Conhecemos as irmãs desde a infância e vemos que as mulheres que elas serão no futuro já estão nelas ainda crianças. Sarah sempre será capaz de aguentar qualquer dor calada. Emily, diante de uma situação desconfortável, irá dizer que entende coisas que não entende. O fato de as conhecermos ainda na infância também nos permite ver que as inseguranças daquela idade as perseguem ainda adultas.

A princípio parece que Sarah é a irmã carismática, cheia de vida, interessante. Mas depois vemos que ela é só mais uma vivendo uma vivinha convencional. É Emily quem vai passar pelos percalços e sustentar boa parte do livro, cativando, ainda que não seja carismática. Essa é outra coisa que me agrada nos livros de Yates: assim como acontece com Frank e April em “Foi Apenas um Sonho”, os personagens são humanos demais, reais demais para nos apaixonarmos por eles. Eles têm defeitos, são infelizes e é isso que os tornam personagens que amamos acompanhar, mesmo que não os amemos.

“Mas isso era parte do problema: ela vivia de lembranças o tempo todo. Não havia visão, som ou cheiro em toda a Nova York que estivesse livre de antigas associações; para onde quer que andasse, e às vezes ela andava por horas, tudo que encontrava era o passado.” (YATES, 2010, p. 208)

Sobre a dinâmica familiar, ambas mantém com a mãe um relacionamento distante, mesmo que ela as acompanhe durante quase toda as suas vidas. Já o pai, que as deixa cedo, é muito mais significativo, sendo Sarah mais próxima dele, capaz de levar as boas lembranças consigo por toda a vida, enquanto Emily sempre se sentirá em segundo plano.

Ao ler “O Desfile de Páscoa” não espere um livro de tirar o fôlego ou de arrancar lágrimas. Como eu disse, é tudo verossímil demais, próximo da realidade demais para provocar emoções tão intensas. Não espere reviravoltas e sim o desenrolar natural dos acontecimentos. Não espere, inclusive, que o final soe como o fim. A última página é só o momento que o autor decidiu interromper a história. Como se dissesse: “Pronto Isso já foi suficiente para você conhecer essas duas.” E é assim que ele mostra sua certeza de ter criado personagens de verdade. Porque o fim do livro não é o fim deles. Outras coisas lhes acontecerão após a última página e o leitor sente isso. Ele apenas não irá testemunhar.

Um livro envolvente, cuja a narrativa nos leva pela mão para acompanharmos décadas na vida de duas personagens fortes em algumas situações, fracas em outras tantas. Personagens humanas o tempo todo.

Título: O Desfile de Páscoa
Autor: Richard Yates
N° de páginas: 221
Editora: Alfaguara
Exemplar cedido pela editora

Compre: Amazon
Gostou da resenha? Então compre o livro pelo link acima. Assim você ajuda o Além da Contracapa com uma pequena comissão.

6 comentários:

Hemely Gonçalves disse...

Oi Mari!! Tudo bem?
Eu não conhecia esse autor, me parece um tipo de leitura bem diferente né? Essa coisa de final sem um fim me deixa bem agoniada, confesso! Mas achei a capa e a história em si muito legal, espero conseguir ler em algum momento! Beijos
Entre Discos, Livros e Viagens

Teca Machado disse...

Oi, Mari!
Que resenha!
É engraçado ler algo tão real que é até quase a realidade, a ponto de nem mesmo nos apaixonarmos pelos personagens.
Eu não li/vi Foi Apenas Um Sonho, mas todo mundo fala bem.
Logo no início da resenha eu já imaginei que a Emily seria uma personagem mais interessante.
E não sei se ficaria feliz com esse final, porque eu acho preguiça do autor nos dar finais abertos, hahaha. Eu sei, condiz com a história, mas EU GOSTO DE FINAIS.

Beijoooos

www.casosacasoselivros.com

Ludyanne Carvalho disse...

Encantada com sua resenha, Mari!
Estou aqui pensando como nunca vi nada do Yates por aí e também pensando que preciso conhecer a escrita dele.
Amo histórias assim; com esses sentimentos tão reais.
Amei saber sobre ele.

Beijos

Espiral de Livros disse...

Oi Mari. Achei a premissa desse livro maravilhosa, mas também imagino que o leitor deva começar a leitura com bastante consciência do que esperar para evitar frustrações. Achei bacana tu deixar bem claro que a história não arrancará lágrimas e nem deixará o leitor sem fôlego. Eu gosto de livros assim, mas não sempre, claro! Achei a capa lindíssima e muito interessante. Vou anotar a dica.
Beijos
http://espiraldelivros.blogspot.com/

Gabriela CZ disse...

Parece interessante, Mari. Intrigante até. Mas não sei se é pra mim. Ótima resenha.

Beijos!

RUDYNALVA disse...

Mari!
Livro como este são intrusivos e conquistam o leitor, justamente por se tratar de personagens 'reais', com histórias de vidas parecidas com a nossa ou com de alguém que conhecemos e não tem como não se envolver com um livro desse tipo.
“.A vida merece algo além do aumento da sua velocidade.” (Mahatma Gandhi)
cheirinhos
Rudy
TOP COMENTARISTA AGOSTO - 5 GANHADORES - BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger