sábado, 30 de novembro de 2019

RESENHA: F

F - Daniel Kehlmann
“F” estava na minha lista de desejados desde o seu lançamento em 2017, mas outros livros sempre acabavam ganhando a vez nas minhas solicitações para a editora. Até que chegou a hora.

Arthur Friedland não faz nada de especial. Seu trabalho é totalmente inexpressivo, assim como a sua relação com os filhos Martin, Eric e Ivan. Em uma tarde, ele decide levar os meninos a um espetáculo de hipnose, sem acreditar que a técnica possa lhe afetar. No mesmo dia, Arthur desaparece, levando as economias da família. Anos mais tarde, os filhos vivem cada um as suas vidas, cada um os seus problemas.

O interessante em “F” não é tanto a história em si (até porque, de certa forma, temos cinco histórias cuja única ligação é o laço sanguíneo), mas os personagens que o livro apresenta. São todas pessoas cujas vidas parecem não lhes pertencer. Pessoas que vivem mentiras, que não sabem como sair das situações em que se colocaram. Pessoas infelizes e de existências medíocres.

O livro se divide em 5 partes, cada uma com enfoque em um personagem. Na primeira, uma voz em terceira pessoa nos leva a acompanhar Arthur e os meninos. Essa é a única parte em que conhecemos o personagem sem ser através dele mesmo, talvez porque Arthur nunca tenha chegado a ser verdadeiramente conhecido por ninguém. O que o autor nos mostra em Arthur é alguém que não vive, mas que simplesmente deixa a vida lhe viver.

Na sequência, nos deparamos com Martin adulto, um padre sem fé. Martin não acredita em Deus, não tem respostas para as suas próprias perguntas e, ironicamente, é a pessoa a quem todos procuram para terem respostas, para terem paz. Estamos dentro de sua cabeça enquanto ele analisa cada uma dessas interações. Uma pessoa que dedica a sua vida a uma crença na qual ele mesmo não acredita.

Eric, por sua vez, se dedica ao mundo das finanças. O problema é que ele perdeu o dinheiro dos clientes e pode ser preso a qualquer momento. A vida de Eric é toda nebulosa, porque sua cabeça nunca está onde ele está. Ele não consegue sentir nada porque tudo está envolto da confusão em que ele se meteu e ele está tão desesperado com o que pode lhe acontecer que não consegue processar mais nada.

“Cá entre nós, o que de fato significava querer ou não querer alguma coisa. Quem é que sabia o que queria, quem tinha isso resolvido. As pessoas queriam tanto e a cada momento uma coisa nova. Naturalmente, no início, ele dizia ao público que ninguém poderia ser levado a fazer alguma coisa para a qual já não estivesse preparado de qualquer forma, mas a verdade era que todo mundo era capaz de tudo. O ser humano era aberto, era um caos sem limites e sem forma fixa.” (KEHLMANN, 2017, p. 195)

O terceiro dos irmãos é Ivan. O artista da família. Ivan se dedica ao mundo da arte, mas não acredita que ele seja verdadeiro. É por isso que ele inventa um artista e se torna especialista neste artista, sendo que ele mesmo é o responsável pelas obras. 

São três homens vazios que tentam se preencher de coisas que acabam por os consumirem. Martin tenta se preencher com Deus; Eric, com dinheiro; Ivan, com o mundo da arte. São personagens cheios de vida e completamente sem vida ao mesmo tempo e é justamente isso que os torna fascinantes.

Na última parte, vamos entender um pouco do que aconteceu com Arthur nesses anos e também conhecer a filha de Eric. O desfecho (repleto de ironias) não esteve à altura de livro, na minha opinião, mas não apaga o impacto dos questionamentos que ele propõe durante todo o seu desenvolvimento.

“F” foi uma grata surpresa. Um livro profundo e reflexivo que por vezes consegue até mesmo ser engraçado. Um livro que nos faz questionar os caminhos que escolhemos seguir, o acaso e o destino, a mentira e a verdade em cada coisa que vivemos.
Título: F
Autor: Daniel Kehlmann
N° de páginas: 276
Editora: Seguinte

Compre: Amazon
Gostou da resenha? Então compre o livro pelo link acima. Assim você ajuda o Além da Contracapa com uma pequena comissão.

13 comentários:

Fabiolla Devenz disse...

Não gosto muito de livros com esse tipo de mistério, mas fiquei muito curiosa para saber o que levou o Arthur a sumir e se o espetáculo de hipnose está relacionado com esse sumiço. Não sei se os outros três personagens iriam me agradar, já que pela resenha eles se mostram pessoas sem essência e tentam se preencher com alguma coisa.

Giovanna Talamini disse...

Oi!
Acabo de adicionar esse livro na minha listinha, rs.
Achei muito interessante a maneira de contar sobre os filhos. Todo mundo é fica meio vazio e perdido às vezes.

Elizete Silva disse...

Olá! Parece ser um livro bem diferente dos quais estou acostumada a ler, os personagens são bem confusos, todos praticam coisas das quais não acreditam ou gostam, o que é bastante peculiar, fiquei curiosa para entender o porquê disso, e também o motivo que levou o pai deles a desaparecer, e acredito que todo livro que nos permite refletir sobre algo deve ser lido com bastante cuidado e atenção.

Rayssa Bonai disse...

Olá! ♡ Esse livro não faz muito o meu estilo de leitura, mas gostaria de fazer sua leitura.
Parece um livro cheio de questionamentos, bem reflexivo e profundo mesmo.
Acredito que os personagens não irão me agradar muito, mas se tiver a oportunidade quero fazer sua leitura!
Beijos! ♡

Rayane B. de Sá disse...

Oiii ❤ Estou curiosa para saber o que aconteceu no show de hipnose para Arthur ter ido embora.
É interessante que o foco do livro é os personagens, que parecem bem infelizes.
Gostei que cada parte tem enfoque em um personagem, já que acho que assim dá para entender melhor a situação que cada um deles se encontra.
Fiquei intrigada que Martin não acredite em Deus, mas seja um padre, é realmente algo muito irônico.
Beijos ❤

Ana Paula Santos Moreira disse...

Nossa que livro reflexivo e sinceramente bem cotidiano em nossas vidas que sempre em determinado tempo a gente se questiona sobre tudo. Esse é um livro que gostaria muito de ler.

Ana I. J. Mercury disse...

Oi, Mari
Eu não conhecia o livro, mas uma ótima ideia.
De uma forma simples e sagaz, o autor nos leva a muitas reflexões sobre a vida que levamos, o que queremos e o que acreditamos.
Já quero!
Bjs

Luana Martins disse...

Oi, Mari
Já tinha visto esse livro pelas lojas virtuais, mas sua resenha é a primeira que leio.
É um livro complexo que aborda muitas facetas que podemos ter ou presenciar durante a vida.
Assim que tiver oportunidade quero ler e descobrir porque depois do show de hipnose Arthur sumiu.
Beijos

Marta Izabel disse...

Oi, Mari!!
Essa é a primeira vez que leio algo sobre esse livro, achei bem interessante a história e particularmente diferente de tudo que já li. Espero ter a oportunidade para conhecer mais sobre essa história.
Bjs

Rubro Rosa disse...

Admito que não conhecia o livro,mas adoro enredos assim, que levam o leitor a também fazerem esse tipo de questionamento sobre vida, escolhas e afins!
Hipnose é sempre algo tão interessante, fiquei curiosa para saber se esse assunto é aprofundado ou falado só superficialmente!
E claro, o título dá um nó.rs
Se tiver oportunidade, quero sim, conferir!
Beijo

Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

Gabriela CZ disse...

Não conhecia o livro, Mari. Achei a premissa interessante, mas não sei se chego a ficar curiosa. Mas se chegar até mim, leio. [rs] Ótima resenha.

Beijos!

RUDYNALVA disse...

Mari!
Livros que nos fazem questionar nossa existência, são sempre uma boa leitura, porque é um tanto filosófico e acabamos revendo nossas premissas na vida.
Uma pena o final não ter ficado a altura como deveria...
cheirinhos
Rudy

عبده العمراوى disse...


شركة تنظيف منازل بصفوى وعنك
شركة مكافحة حشرات بصفوى وعنك
شركة تسليك مجارى بصفوى وعنك
شركة تنظيف فلل بالجبيل
شركة تنظيف بالجبيل
شركة تراب لمكافحة الحشرات بالرياض
شركة تراب لمكافحة الحشرات بالدمام
شركة تراب لمكافحة الحشرات بالقطيف
شركة تراب لمكافحة الحشرات بالجبيل

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger