sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

RESENHA: Forrest Gump

“Durante a minha vida inteira, eu nunca tinha entendido nada do que tava aconteceno. Uma coisa simplesmente acontecia, depois otra, e depois mais otra, e assim por diante, e na metade do tempo nada fazia sentido. Mas o Dan falou que tudo faz parte de augum tipo de esquema, e o melhor jeito de se sair bem é descobrir como a gente se encaixa no esquema, e então tentar ficar no nosso lugar. De alguma forma, sabeno disso, as coisas se tornaram bem mais claras pra mim.” (GROOM, 2016, p. 101).

Você pode nunca ter assistido o filme ou até não entender nada de cinema, mas você certamente conhece “Forrest Gump”. O que talvez você não saiba, eu ao menos não sabia, é que o icônico personagem interpretado por Tom Hanks teve origem em um livro que merece ser tão conhecido quanto sua adaptação.

Forrest Gump é considerado um idiota. Seu QI é baixo, mas sua mente tem facilidade para resolver equações matemáticas complexas. Além disso, seu tamanho faz dele o sonho de qualquer treinador de futebol americano. Mas Forrest não enxerga essas coisas como as outras pessoas e por isso deixa que elas o guiem de uma atividade para outra e moldem a grande aventura que é a sua vida.

A doçura e a inocência de Forrest permeiam cada um dos episódios, não apenas pela maneira como ele vive, mas também por como escolhe relatá-los para o leitor, o que torna fundamental que seja o protagonista o narrador da história. Mas Forrest jamais seria um narrador tradicional e por isso Groom adota um texto informal, com pequenos desvios gramaticais. No prefácio, a editora Aleph explica sua (sábia) decisão de manter essa opção no português, justificando os pequenos “erros” que o leitor encontrará. Isso pode até causar estranheza no começo, mas Groom (e a tradutora também merece elogios aqui) sabe trabalhar o texto de forma que não incomode o leitor e soe natural conforme ele vai conhecendo Forrest, afinal, a narrativa é um reflexo do personagem e uma fala perfeita jamais combinaria com ele.

A história em si é muito mais do que eu esperava. Eu confesso que imaginava um drama, daqueles que tem a intenção de passar uma bela mensagem, mas o que eu encontrei foi uma aventura e tanto e em muitos momentos me peguei rindo alto. Forrest não faz planos e tem uma facilidade incrível de recomeçar e se desapegar. Justamente por isso a vida vai conduzindo-o para os lugares e situações mais inimagináveis. A universidade, a guerra do Vietnã, o espaço a serviço da NASA, a Casa Branca, uma tribo de canibais e Hollywood são apenas algumas. Quando analisadas isoladas, todas essas coisas seriam absurdas, mas Forrest é um personagem tão singular que as regras simplesmente não se aplicam a ele. Ele vive diferente porque encara a vida diferente. Algo tão violento como a guerra, por exemplo, é visto por olhos inocentes, mas esses mesmos olhos também enxergam a dor que o conflito causa. É por essas dualidades que o livro consegue ser comovente ao mesmo tempo em que é engraçado e surpreendente.

A história também abrange um período relativamente longo de tempo, por isso os coadjuvantes variam de acordo com a fase, muitas vezes se perdendo do protagonista, mas sempre conseguindo retornar para a sua vida.

Como é de praxe, a editora Aleph proporcionou algo a mais para o leitor: um ensaio que compara livro e filme e mostra como estas são duas versões muito diferentes (cada uma com seus méritos) da história de um mesmo personagem. Portanto, se você apenas assistiu “Forrest Gump”, tenha em mente que mesmo se tratando de um ótimo filme não é uma adaptação fiel e a leitura vale muito o seu tempo. Eu, que havia assistido o filme apenas uma vez há anos, já não lembrava da história, então tive a sorte de ler sem pré-julgamentos (o que é difícil em se tratando de uma adaptação que alcançou o nível de popularidade e importância cinematográfica que esta alcançou).

Ainda sobre a edição, arrisco dizer que esta é mais bonita que a Aleph já colocou no mercado. Não só o livro é belíssimo em sua capa dura branca, com detalhes em baixo relevo, como a jacket vem em dupla-face, de forma que o leitor pode escolher qual capa prefere (cada uma representa uma etapa na vida do protagonista). Como se isso não bastasse, o livro é repleto de ilustrações (assinadas por Rafael Coutinho) em tons de azul e rosa, com destaque para quotes, e tem seu texto todo impresso em azul marinho.

Um milhão de recomeços marcam a jornada desse personagem cativante que, de um jeito ou de outro, sempre consegue adotar um olhar positivo diante de todas as situações que vive. Então, para finalizar, deixa eu te dizer uma coisa: “Forrest Gump” é adorável.

Título: Forrest Gump (exemplar cedido pela editora)
Autor: Winston Groom
N° de páginas: 390
Editora: Aleph

16 comentários:

Bárbara disse...

Oi Mari, como vai?

Não fazia ideia que o filme era baseado em um livro!
Preciso dele, deve ser tão sensacional quanto o filme...a atuação de Hanks é fantástica né?

Vou procurar o livro.

Beijos, Bá.
http://cafecomlivrosblog.blogspot.com.br

Giulia Fragale disse...

Oi, Mari!
Tenho uma confissão a fazer: eu assisti Forrest Gump muito pequena, criança ainda...aí né, não entendi nada, achei chato...mesmo sabendo que é uma história aclamada. Agora com a sua resenha, me animei de dar uma chance ao livro e depois rever o filme (na verdade, eu nem sabia que havia livro!)
Adorei a dica :)

Beijos e feliz Natal,
Giulia | 1livro1filme.com.br

Carla A. disse...

Oi, Mari!
Essa edição está linda mesmo, super caprichada. Geralmente a gente assiste a um filme adaptado e fica comparando com o livro. No caso de Forrest Gump, para quem viu mil vezes na Sessão da Tarde, deve acontecer o contrário. Ele é um personagem adorável e com certeza vou querer conhecer sua história com mais detalhes.

Beijos, Entre Aspas

Priscila Tavares disse...

Sério que tem um livro dessa história? Choquei! Não ia adivinhar nunca (rsrs).
Beijos
Quanto Mais Livros Melhor

Gabriela CZ disse...

Vou confessar que também não fazia ideia de que Forrest Gump era adaptado de um livro, Mari. Só descobri por causa dessa edição comemorativa da Aleph. Apesar de só ter visto o filme umas duas vezes ele é um dos meus favoritos, e fiquei muito curiosa pelo livro. E seus comentários reforçaram minha impressão de que deve ser incrível e que preciso ler. Ótima resenha.

Beijos!
Portal Andar de Cima

O Que Tem Na Nossa Estante disse...

Oi Mari, tudo bem?

Eu amo o filme! E adorei saber que a edição tem esse ensaio, só por isso já valeria a pena! Com certeza quero ler o livro!!

Bjs, Mi

O que tem na nossa estante

RUDYNALVA disse...

Mari!
Já assisti várias vezes o filme, porque gosto muito e toda vez que passa pelos canais televisivos, acabo assistindo novamente.
E como você não sabia que o filme era baseado no livro, mas pela peculiaridade da personagem, acredito que o livro é bem melhor e claro que quero fazer a leitura.
“O Natal não é um momento nem uma estação, senão um estado da mente. Valorize a vida.” (Desconhecido)
Boas Festas!
cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
TOP Comentarista de DEZEMBRO ESPECIAL livros + BRINDES e 4 ganhadores, participem!

Nessa disse...

Oi Mari
Assim que vi este lançamento fiquei louca para ler, assisti o filme há muito tempo atrás e não imaginava que era baseado em livro. Estou muito curiosa, imagino a grandiosidade desta obra, estou bem curiosa. A diagramação está muito linda mesmo, vou esperar uma promoção para comprar, já andei olhando e está bem carinho, mas quero simm o livro. Adorei sua resenha!!

Beijinhos
http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

Sil disse...

Olá, Mari.
Eu não assisti o filme, mas li o livro em uma outra edição tem alguns anos já. E amei a história. Achei o livro bem mais leve do que eu esperava e como você ri várias vezes. Mas quero essa edição da Aleph, não sabia que era capa dura e que tinha esses adicionais.
Feliz Natal!

Blog Prefácio

Tô pensando em Ler disse...

Quantos elogios!!!!!

Eu gostei do filme, mas já sabia que são obras diferentes. Tenho certeza que irei gostar também do livro de forma diferente.

Amei!!

Bjkssssss

Alice Martins disse...

Oi Mari, tudo bem?

Não conhecia o livro, mas ao ler sua resenha cresceu a certeza que ele faz meu tipo. Parece ser uma leitura leve e gostosa, que nos prende por suas aventuras e nos emociona com sua mensagem. Colocarei na minha listinha.

Beijos,

Gnoma Leitora

Naiara Fidelis Da Silva disse...

Eu assisti o filme faz muito tempo, porém ainda lembro de algumas cenas.
Não sabia que existia o livro e assim que fiquei sabendo quis logo adquirir o meu, estou doida para comprar.

Magia é Sonhar disse...

Oi, Mari! Tudo bem?

Sou nova aqui no seu blog e preciso dizer, estou apaixonada por ele! É muito lindo!

Gostaria de saber se você pode dar uma olhadinha no meu blog, e quem sabe se gostar, poderá seguir de volta, não é?

De qualquer forma, seu blog é muito lindo!

Desbravador de Mundos disse...

Olá, Mari.
Depois de uma resenha tão elogiosa como essa, impossível não ficar querendo Forrest. Parece ser uma obra incrível, genial. Ademais, quero muito conferir esse olhar inocente do protagonista, mesmo diante da guerra.
Dica anotadíssima.

Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de dezembro. Serão dois vencedores, dividindo 3 livros.

Luciana Campos disse...

Nossa, Mari, eu já tinha assistido algumas cenas do filme uma vez e gostado, se soubesse que era baseado em um livro já teria procurado pra ler há um bom tempo. Pelo trecho que você colocou deu pra ver que os erros realmente não incomodam a leitura (pelo menos pra mim), e nos permite ter uma proximidade maior com o personagem e sua visão bem peculiar de mundo.
E essa edição parece mesmo estar um luxo, vou verificar o preço e esperar uma boa oferta pra comprar!

Ana I. J. Mercury disse...

Conheço de nome o filme/livro há muitos anos e quero demais ler.
Ia ler esse ano, mas fui postergando e por fim, não deu tempo kkkk
Gostei bastante da premissa + resenhas, parece ser um livro bem original e emocionante.
To ansiosa!
bjs

Postar um comentário

 

Além da Contracapa Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger